Arquivo de Eintracht Frankfurt - Fair Play

BrunoLage-New.jpg?fit=1200%2C675&ssl=1
Bruno Costa JesuínoDezembro 11, 20199min0

Provavelmente esta é primeira crónica de todo o sempre que começa ‘inspirada’ numa música de Quim Barreiros. Na génese da ideia estão as conversas (online  e offline) do ‘adepto comum*’, que facilmente passam um treinador de “besta e bestial” e vice-versa. Um qualquer desses adeptos poderia cantar assim: “Ponho o Lage, tiro o Lage, ao jogo que eu quiser…”

Ponho o Lage, tiro o Lage, ao jogo que eu quiser
Ora é melhor é que o Mourinho, ora é treinador fraquinho
Tira na Europa, põe na Liga, e às vezes na taçinha
Está sempre mudando o onze para a prova que se avizinha!

Nota: no fim do artigo será apresentada a definição de “adepto comum”.

Diário de bordo dos 11 meses de Lage

Estas súbitas mudanças de opinião não são exclusivas aos adeptos do Benfica, mas sim transversais a todos os adeptos. Mas neste artigo vamos centrar-nos em Bruno Lage e nos 11 meses que tem à frente da equipa principal dos «encarnados».

O início e o pré-início da cruzada do ‘comandante’ Lage

São 11 meses, mas já podiam ser 12. Há cerca de um ano, o clube não passava por uma boa fase, e começou-se a falar na possibilidade de Bruno Lage, na altura treinador da equipa B, assumir o leme da equipa principal. Não foi em dezembro, mas em Janeiro o treinador setubalense assume o comando interino numa conjuntura difícil, após a saída de Rui Vitória. A equipa tinha acabado de perder em Portimão, ficou mais longe do título e o nível exibicional deixava muito a desejar. Muitos viram esta opção apenas como uma situação temporária e que o Benfica parecia indicar ‘entrelinhas’ estar a ‘desistir’ do título. Mas outros não. E entre estes estava Bruno Lage, que acreditou no qualidade do seu trabalho, na equipa, e fez a equipa acreditar nele e nela própria. No jogo de estreia muda o sistema táctico (para 442) e, entre outras alterações, lança a então ‘promessa’ João Félix como segundo avançado. O jovem já tinha sido utilizado por Rui Vitória a titular, mas mais vezes a saltar do banco, e sempre a jogar a partir da esquerda. Lage quis tirar o melhor partido do jogador e do que este poderia dar a equipa, e muito do jogo da equipa a passar por ele. Começou a perder na Luz por 0-2, mas acabou a vencer com brilhantismo, por 4-2, com um futebol ofensivo de qualidade e com uma grande exibição de João Félix. A partir daí a equipa embalou.

As não vitórias de Bruno Lage 2018-19

Mesmo numa sequência de vitórias, a cada não vitória, iam surgindo as primeiras críticas.

«Final Four» da Taça da Liga: O primeiro clássico

No primeiro grande clássico, a equipa defrontou o Porto na «final four» da Taça da Liga. Num jogo muito intenso, em que as equipas se bateram de igual para igual, a equipa da cidade invicta acabou por levar a melhor. Se para muitos adeptos do Benfica ficou a retina da boa exibição da equipa, para outros ficou apenas uma derrota e a possível falta de estaleca da equipa.

Quartos-de-final da Liga Europa: A sina alemã

À medida que na liga portuguesa se ia aproximando do Porto, na Liga Europa, Bruno Lage acabou por ir dando a oportunidade a alguns «jovens do Seixal». Florentino, Yuri Ribeiro, Jota, o próprio Gedson que tinha perdido algum espaço, e mesmo o já mais experiente Corchia (emprestado pelo Sevilha) começou a ter oportunidades nesta competição. Eliminou o Galatasaray, o Dinamo Zagreb, e numa eliminatória equilibrada com o Eintracht Frankfurt, acabou por ficar às portas da meia final. Nesta altura surgiram as primeiras críticas relacionadas com a rotação que Lage fez na equipa, elogiadas nas rondas anteriores, quando o Benfica venceu.

Meias-finais da Taça de Portugal: No tudo por tudo dos leões

Depois de uma excelente exibição na primeira mão da meia-final diante o Sporting, em que eliminatória poderia ter ficado resolvida, a 10 minutos de fim, num último fôlego Bruno Fernandes conquista um livre directo. O ‘intocável’ do Sporting bate com excelência de deixa tudo em aberto para a segunda mão em Alvaldade (2-1). Aí apresentou-se um Benfica menos capaz do que no jogo anterior e um Sporting, já afastado do campeonato, tinha que dar o tudo por tudo para ser feliz. E mereceu ser feliz. Num jogo equilibrado, um lance de génio de Bruno Fernandes permitiu o Sporting passar à final do Jamor, que acabaria por vencer.

Campeonato: Após a vitória mais importante a primeira perda de pontos

Após a derrota na Taça da Liga diante do Porto, temia-se de alguma forma como reagiria o Benfica na decisiva deslocação ao Dragão. O Benfica só contava com vitórias e tinha reduzido a larga distância para apenas um ponto. Num jogo muito intenso os «encarnados» impõem-se e vencem merecidamente por 1-2, passando a liderar a liga com dois pontos de vantagem. Curioso que no jogo seguinte, na recepção ao Belenenses, o Benfica perde pontos pela primeira (e única) na era Lage. Num jogo controlado a vencer por 2-0, duas falhas de atenção permitiu dois golos Belenenses em dois minutos. Terá servido de aviso para embarcação que não mais perdeu pontos até final da época.

2019-20: A queda do pedestal de quem não chega a cair

O título pode ser um pouco dúbio, mas tem tudo a ver com a carreira de Bruno Lage no Benfica. Para a generalidade do adepto comum, a época passada Lage era o melhor do mundo e pensam que vai ganhar todos os jogos, mas às primeiras derrotas já acham que ele é o pior de todos e devia ir embora.

A equipa entrou bem com uma vitória de 5-0 na supertaça diante o Sporting. Com um nível exibicional mais baixo que na época anterior, o certo é que Lage tem conquistado quase todos os pontos. Quase todos, porque perdeu, sem qualquer contestação, na recepção ao Porto, que conseguiu anular de forma exímia os pontos fortes dos «encarnados». A partir desta derrota a desconfiança dos adeptos começou e Lage começou a ser criticado.

Mesmo indo vencendo todos os jogos, muito deles com pouco brilhantismo, a prestação na Liga do Campeões, principalmente nos primeiros jogos, fez com que muitos adeptos começassem a olhar para Bruno Lage com desconfiança, apontando o dedo sobretudo, à rotação dos jogadores.

7 notas sobre Lage

  1. Entrou a meio da época passada, numa situação difícil, e fez uma recuperação fantástica tanto em termos de resultados como exibicional. Sendo a primeira experiência como líder de um equipa principal, merece crédito.
  2. Em duas meias épocas no campeonato perdeu apenas 5 pontos. Esta época com menos fulgor exibicional, muito por culpa da perda do jogador sob o qual rodava todo o futebol de equipa. Com algumas experiências falhadas foi encontrando soluções para colmatar essa ausência. A equipa parece ter melhorado nas últimas semanas.
  3. A rotação tem vantagens e desvantagens. Permite dar descanso a jogadores importantes, além de dar oportunidade e ritmo de jogo a jogadores menos utilizados, para quando forem chamados estarem motivados e condições em competir. A desvantagem é que é sempre um risco. Mas se é para arriscar que seja nas taças, principalmente na Taça da Liga. Na Liga dos Campeões, foram 2, 3 ou 4 alterações, que não considero que sejam suficientes para justificar os resultados do Benfica. Embora exista quem ache. São opiniões.
  4. Depois dos excelentes jogos da época passada, muitos treinadores foram percebendo os pontos fortes do Benfica. Começaram a saber como anular os movimentos da equipa e, muitas vezes, mesmo durante os jogos, Lage teve que mudar e não teve receio disso. Pode mudar para pior ou melhor, mas tenta ler o jogo e melhorar e não fica refém das suas ideias iniciais.
  5. Jogadores, como por exemplo Tomás Tavares, não estiveram sempre bem e tiveram falhas. No entanto, será certamente agora melhor jogador do que era em Setembro. São dores de crescimento normais num jovem, e quem quer tornar jovens jogadores em jogadores de topo, tem que cometer riscos e contar com possíveis consequências que possam advir. (Um excelente exemplo disso, aconteceu há uns anos, no outro lado da segunda circular. Rui Patrício até se tornar no guarda-redes indiscutível esteve duas épocas a ser criticado pelos adeptos. Mas certamente as falhas que tiraram pontos foram posteriormente ultrapassadas pelas defesas que deram pontos.)
  6. Não esperem de Lage aquele treinador que vai jogar em 90 por cento das vezes com o mesmo onze, consoante os adversários, a condição física dos jogadores e para manter o plantel competitivo, vai haver mudanças muitas vezes. Tirando talvez o Barcelona de Guardiola (que tinha sempre a bola logo dava para descansar durante os jogos) todos as equipas, que estejam em 2, 3 ou 4 competições têm que rodar, priorizando-as. Outro exemplo vindo de um rival. Adeptos portistas acérrimos defensores de Sérgio Conceição, apontaram a falta do rotatividade do Porto como a grande falha da época passada.
  7. Por fim, um desejo pessoal, tenha mais ou menos sucesso que Bruno Lage mantenha sempre a sua postura e se mantenha fiel às suas ideias e ideais. Importante ter mais treinadores que não entrem em polémicas sem sentido e que refugiam só em desculpas comuns. Que continue a explicar os resultados e exibições - bons e maus - com base no futebol jogado. Ou seja, com todo o Fair Play.

Definição de “adepto comum”

adepto comum | adj. s. m. + a·dep·to |épt| co·mum

(latim adeptus, -a, -um, conseguido, atingido) + (latim communis, -e)

adjectivo e substantivo masculino

1. Diz-se de ou pessoa que apoia um determinado clube principalmente quando as coisas correm bem. Quando não correm bem consegue ser o principal crítico = PARTIDÁRIO PARA O LADO QUE CALHA

2. Diz-se de ou pessoa pseudo-especialista que comenta futebol publicamente sem muitas vezes perceber a regra mais básica. = PSEUDO APOIANTE

3. Diz-se de ou pessoa que normalmente sofre de memória curta causada por trechos de 90 minutos. = APOIANTE COM MEMÓRIA DE PEIXE

adaptado, adulterado e inspirado no formato do Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013,
goncalo-paciencia-eintracht-frankfurt-benfica-11042019_1to776x7ssy7a1byk7x435npug.jpg?fit=1200%2C675&ssl=1
Pedro CouñagoAbril 15, 20194min0

Na passada quinta feira, tivemos um duelo bem interessante no Estádio da Luz, que terminou com uma vitória importante do Benfica por 4-2. Importante, mas com certeza não decisiva, pois deixa todas as hipóteses ao Eintracht Frankfurt de conseguir ainda ter a esperança de discutir a eliminatória depois de um jogo em que os encarnados poderiam ter deixado a questão praticamente resolvida.

Foi um jogo entretido, com golos, e em que se percebeu que o Eintracht disputa sempre os jogos da mesma forma independentemente das atenuantes existentes, como por exemplo a expulsão. Percebemos que é uma equipa bastante vertical, que joga olhos nos olhos e que não abdica de uma postura de procura pelo golo. Sendo assim, o que podemos esperar dos alemães na segunda mão?

Equipa a entrar bastante forte na partida

Para o Frankfurt poder ter esperança frente ao Benfica, certamente irá começar a partida pressionante, bem como demonstrou em Lisboa. Seria importante aos encarnados controlar desde logo o ímpeto inicial que a equipa de Frankfurt terá, visto que os alemães procurarão um golo cedo na partida que lhes trará a confiança necessária para o que restar do jogo e colocará o Benfica numa posição mais receosa.

O jogo da Luz revelou duas equipas em busca da vitória, não menos do que aquilo que teremos na Commerzbank-Arena (Foto: Sportingpedia)

Sendo o jogo na Alemanha, como o apoio dos fervorosos adeptos do Eintracht, que, de resto, se fizeram sentir também em Lisboa, a pressão de um golo inicial poderá afetar o Benfica e levar os jogadores de Lage a cometer erros. Será também interessante acompanhar quais os atletas que o treinador português coloca em campo, num sentido de perceber se continua a rotação de equipa, promovida na primeira mão, ou se, por segurança, coloca a sua equipa mais rodada.

Exploração das costas da defesa e das alas

O Eintracht atua num 3-4-3 bastante ofensivo, com dois jogadores que apostam na profundidade nas alas e três atacantes que funcionam muito bem em conjunto. Na primeira mão, a equipa alemã causou alguns dissabores ao Benfica jogando desta forma, marcando um golo e tendo mais algumas ocasiões que foram desperdiçadas. É certo que o Eintracht irá assumir uma postura um pouco diferente, mais controladora da bola, mas podemos esperar uma aposta em colocar a bola em Danny da Costa e, principalmente, Filip Kostić, que podem causar bastantes desiquilíbrios junto dos laterais benfiquistas.

Depois, os três atacantes são bastante fortes a aguentar a posse de bola. O português Gonçalo Paciência parece começar a engrenar nas dinâmicas da equipa, tendo também marcado na Luz e no passado jogo para o campeonato. Luka Jović e Ante Rebić estão já estudados e é sabida a sua enorme qualidade na definição e leitura de jogo. Assim, a defesa benfiquista terá de se cuidar caso não queira ter dissabores.

Frankfurt quer vingar os últimos dois desaires e estará certamente motivado

Antes da visita a Lisboa, o Eintracht estava numa senda de quinze jogos sem perder, estando bem por dentro da luta por um lugar de Champions. Esta está a ser uma época muito boa para o clube alemão, um pouco na senda daquilo que vêm sendo os últimos anos.

A derrota com o Benfica veio quebrar essa senda, ainda que a equipa tenha deixado boa imagem no Estádio da Luz. No entanto, a derrota frente ao Augsburgo no domingo é uma que não era particularmente esperada pelos seus adeptos, até porque a equipa começou a ganhar o jogo, além de ter sido no seu reduto. É, assim, a segunda derrota consecutiva do Eintracht, algo que poderá causar alguma desconfiança na equipa.

O último jogo do Eintracht traduziu-se numa derrota comprometedora para as aspirações do clube na Bundesliga, jogo marcado por mais uma expulsão (Foto: SGE)

Por outro lado, levar a equipa a estar ainda mais motivada para suceder frente ao Benfica, visto que nunca havia chegado tão longe nesta competição europeia (entenda-se Liga Europa) e que está à beira de um desempenho europeu histórico.

Em suma, a eliminatória está a favor do Benfica, mas longe de acabada. O Eintracht Frankfurt tem muita qualidade nos diferentes setores, principalmente no setor atacante, algo que poderá causar problemas ao reduto mais defensivo dos encarnados, mas o seu balanço atacante poderá dar espaços ao Benfica para marcar e, aí sim, deixar a eliminatória bem encaminhada.

Teremos, assim, um jogo bastante interessante na quinta feira, um jogo de parada e resposta de duas equipas que estão a fazer épocas positivas e que querem acrescentar um troféu europeu que lhes escapa há várias décadas.

HALLER-DESTAQUE.jpg?fit=1080%2C1080&ssl=1
Pedro CouñagoSetembro 20, 20188min0

Sendo uma das principais ligas europeias, a Bundesliga marca-se por ser um poço de descobertas, reveleções e afirmações de jogadores.

Neste caso, o artigo foca-se em quatro jogadores, que têm dois pontos em comum: são atacantes e são de nacionalidade francesa. Numa seleção francesa que está em “estado de graça” e que tem um Olivier Giroud que tem a total confiança de Didier Deschamps, mesmo não sendo o jogador mais regular ou com melhores condições físicas, convém, no entanto, perceber que opções poderá o selecionador ter num futuro próximo ou a longo prazo, e a verdade é que quatro delas estão no campeonato alemão. A sua observação, pelo menos, é bastante relevante.

Além disto, todos são jogadores de importância para as suas equipas, em diferentes escalas de grandeza, e é isto que pretendemos expor.

Alassane Pléa

Este atacante é, possivelmente, o mais conhecido dos adeptos do futebol. O jogador de 25 anos já vinha, há algumas épocas, sendo uma das principais figuras de um Nice que ganhou alguma projeção europeia, protagonizando uma transferência milionária para o Borussia Monchengladbach neste verão.

É um avançado rápido, móvel e que dá sempre muitas dores de cabeça às defesas contrárias. Entrou bem em território alemão, com um hattrick na primeira eliminatória da Taça da Alemanha e com um golo decisivo a evitar a derrota frente ao Augsburgo na segunda jornada. Este é daqueles jogadores que, quando ganha confiança, pode realmente endiabrar-se e aprimorar ainda mais o seu futebol, portanto será um jogador a que as defesas contrárias devem ter uma atenção especial a anular e não dar muito espaço.

Pléa tem agora a oportunidade de mostrar que tudo aquilo que fez em Nice não foi por acaso (Fonte: Getty Images)

Tem todas as potencialidades de ganhar o seu espaço e ser uma das principais figuras da equipa, face a uma dupla de avançados Stindl/Raffael que vai já perdendo o fulgor de outros tempos, graças ao avançar da idade, e ainda graças a lesões mais recentes.

Pléa será o avançado em melhor posição para ganhar um maior destaque e será um sério caso a visionar num campeonato à sua medida.

Sébastien Haller

Haller, neste momento, representa a bóia de salvação num Eintracht de Frankfurt à deriva. O início de época da equipa de Frankfurt foi desastroso, muito longe do que fez em tempos recentes, como o Fair Play previu, com uma derrota por 5-0 para a Supertaça com o Bayern de Munique, a eliminação precoce da Taça da Alemanha, na primeira ronda, e apenas três pontos conquistados em nove possíveis no campeonato. O único ponto positivo tem mesmo sido o ponta de lança.

Sébastien lidera a tabela de marcadores com três golos marcados e tem sido o abono de família do Eintracht, revelando-se como o seu líder dentro de campo. Com 24 anos, já não se fazem muitos avançados como este, que, sendo alto e possante, é mortífero, de passada larga e arrasta consigo muitas movimentações, sendo rápido a consegui-lo.

Haller tem feito o seu trabalho, mas a sua equipa está longe do que consegue fazer (Fonte: Eintracht Frankfurt)

É verdade que a sua equipa piorou face à transata época, mas Haller tem mantido a cadência de marcação de golos, indo até tendencialmente aumentá-la (fez 13 em todas as competições em 17/18). É um jogador, neste momento, que parece ter capacidade de brilhar noutros voos, precisando, antes disso, de conseguir levar um barco instável a um porto seguro.

Se o conseguir fazer, poderá dar, mais um exemplo, de que nem todos os avançados que saem da Eredivisie (liga tendencialmente ofensiva) são flops e pouco adaptáveis ao estilo de jogo das diferentes ligas. A médio prazo, poderá ser uma opção interessante para a seleção, pois tem características que fazem falta a qualquer equipa e que podem decidir jogos.

Jean-Kévin Augustin

O atacante de vinte e um anos será, talvez, o nome mais excitante desta lista. Sair do PSG, no verão de 2017, foi talvez a melhor decisão que o atacante poderia ter tomado, pois nunca conseguiria ganhar a projeção que desejaria nem o tempo de jogo o favoreceria.

Além disso, o polivalente atacante foi parar a uma equipa que, claramente, fomenta a introdução de jovens nos seus quadros e que os molda à sua forma de jogar e de pensar. Tem-se notado uma clara evolução em termos de maturidade de Augustin, dando mais de si à equipa e revelando-se como um dos principais desequilibradores da frente de ataque do Leipzig.

O atleta marca, assiste, oferece situações de rotura e, não sendo um tradicional ponta de lança, funciona muito bem como um. Tem uma capacidade de aceleração e de drible acima da média, algo que lhe permite ter vantagem sobre os defesas e que se insere no futebol moderno.

Augustin sempre foi uma das principais figuras das seleções jovens francesas, através do seu talento e da sua irreverência, parece cada vez mais possível que possa confirmar o seu estatuto e, quem sabe, chegar à seleção principal mais cedo do que pensaria.

Augustin tem feito um percurso de bom nível em Leipzig (Fonte: Bancada)

Até lá, precisa de continuar a trabalhar no duro e de continuar a lutar por um lugar numa equipa onde ninguém tem lugar absolutamente garantido. O Leipzig, não estando com a mesma força do transato campeonato, é uma equipa forte, que impõe respeito, muito competitiva, pelo que os seus jogadores, se querem jogar, têm de ter uma atitude condizente.

O futuro parece ser risonho para Augustin, que começa a provar que o seu talento é real e que o seu potencial poderá ser alcançado. Um dia, o seu legado nas seleções jovens poderá ser retomado com uma estreia na seleção principal francesa. No entanto, terá de ter atenção aos atritos, visto que ainda recentemente teve uma atitude irrefletida, quando recusou ir à seleção de sub 21 por se encontrar cansado, algo que o fez ficar mal visto junto dos responsáveis desse escalão, nomeadamente o selecionador Sylvain Ripoll.

Jean-Phillipe Mateta

O último atacante da lista é aquele que mais representa uma incógnita, em parte por se ter transferido neste verão, por ser o nome menos conhecido dos quatro e por ser o que menos provou até agora na sua carreira. Aos 21 anos, e não tendo conseguido afirmar-se no Lyon, transferiu-se para o Mainz, uma equipa que lhe permitirá ter mais oportunidades e que lhe permitirá progredir.

Mateta pode ser o matador que o Mainz já procurava há algum tempo (Fonte: Bundesliga)

Mateta é o jogador que parece ter a via mais dificultada para uma subida substancial na carreira, faltando-lhe ainda adquirir um pouco mais atitude e ter mais entrega ao jogo. Na linha de Sébastien Haller, é um jogador bastante possante, que consegue segurar bem a bola, mas falta-lhe melhorar o seu tempo de decisão.

Mateta, dos quatro atletas, é também aquele que praticamente não tem nenhum currículo a nível de seleção francesa, além de 3 internacionalizações nos sub 19. Tem ainda um longo caminho a percorrer, veremos o que consegue alcançar nesta temporada, numa equipa que lhe dá a oportunidade de ser o líder do ataque e que precisa de golos para não ter o “credo” na boca como na passada temporada, com o fantasma da descida de divisão a ser bem real.

Quatro atacantes franceses têm diferentes objetivos e diferentes perspetivas. Vejamos qual (quais) dele(s) consegue(m) corresponder às expectativas em si depositadas, com a certeza de que estão num campeonato que se marca pela aquisição de valores e competitividade, algo que apenas os pode ajudar a progredir enquanto elementos decisores das suas equipas.

2016-17-bundesliga-kits.jpg?fit=1200%2C615&ssl=1
Gonçalo MeloAgosto 13, 201727min0

Vem aí mais uma edição da Bundesliga e, como sempre, será altamente disputada e imprevisível. Será difícil alguma equipa conseguir chegar ao poderoso Bayern de Munique no que toca a chegar ao ceptro de campeão da Bundesliga, apenas uma parece poder estar em condições de discutir este objetivo, e mesmo este clube está alguns passos abaixo do que poderá fazer. Quais as previsões do FairPlay para 2017/2018?

O Bayern é o maior candidato a vencer a Bundesliga, todos os anos, pelas mais diversas razões. O maior poderio da equipa, o maior poderio financeiro, o maior número de sócios… poder-se-ia continuar a lista, mas, essencialmente, o Bayern é eterno candidato pelo domínio que vem exercendo desde sempre no campeonato alemão, com maior foco nos últimos cinco anos. O clube é pentacampeão alemão e não tem dado a mínima hipótese aos concorrentes.

Do plantel saíram dois elementos nucleares: Philipp Lahm e Xabi Alonso. Será interessante acompanhar como a equipa reagirá à sua ausência. Saiu ainda Douglas Costa, um elemento de pouca importância para Carlo Ancelotti, estranhamente. Entraram Rudy, Sule, Tolisso e James Rodriguez. Todos parecem poder ser elementos úteis, recaindo o maior ponto de interrogação sobre o colombiano, por ter mais holofotes recaídos sobre si e porque não tem estado na sua melhor forma. Curiosidade para ver o que elementos como Renato Sanches e Kimmich, como substituto de Lahm, podem oferecer esta época e ver se Robben e Ribéry conseguem ainda ser fiéis escudeiros da estrela Lewandowski. A idade não perdoa, mas o Bayern também não.

Veremos se Ancelotti recairá maior consenso junto dos adeptos, depois da eliminação nos quartos de final da Champions, de não ter ganho a Taça da Alemanha e de ter feito uma má pré-época. A conquista da Supertaça, no entanto, pode dar um necessário aumento de confiança ao plantel.

Resultado de imagem para bayern new players 2017
O andar calmo para mais um título?

A equipa do Borussia de Dortmund será a candidata a poder eventualmente disputar o título com o campeão. Depois de um terceiro lugar em 16/17, o Dortmund pretende escapar à ascensão do Leipzig e lutar afincadamente com o Bayern pelo título, algo que não fez na passada temporada.

Alguns acontecimentos marcantes têm vindo a marcar o defeso do Dortmund. Primeiro, e mais importante, a mudança de treinador. Peter Bosz, depois de alcançar a final da Liga Europa, foi recrutado para o clube, isto depois da saída de Thomas Tuchel em diferendo com a direção. Será certamente um futebol diferente aquele que veremos do Dortmund, mas o elenco pouco mudou, saindo dois jogadores (Matthias Ginter e Sven Bender), sendo substituídos por Omer Toprak e Mahmoud Dahoud, chegando ainda Maximilian Phillip e Dan-Axel Zagadou. Assim, o plantel parece ter mais uma ou outra opção de qualidade, destacando-se ainda a permanência do melhor marcador do último campeonato Pierre-Emerick Aubameyang e do crónico lesionado Marco Reus e a indefinição quanto a Ousmane Dembelé.

O Dortmund perdeu a Supertaça para o Bayern, num jogo em que talvez até merecesse outro resultado, mas mostrou que pode ombrear com a equipa bávara. Para tal, precisa de começar bem a liga, devendo por todas as fichas em recuperar os inúmeros lesionados que tem, pois fazem-lhe muita falta. Quanto mais rápido o conseguir, mais rápido conseguirá assumir-se como candidato. Fica a curiosidade de ver qual o cunho pessoal que Peter Bosz dará à equipa.

Peter Bosz traz novas ideias para Dortmund. Será capaz de destronar o todo poderoso Bayern?

A acesa luta pelos milhões!

A luta pelo 3º e 4º lugares da tabela é das lutas mais disputadas e mais difíceis de prever da atrativa Bundesliga. Nesta batalha, decidimos incluir 4 equipas. RB Leipzig, Hoffenheim, Bayer Leverkusen e Schalke 04. Os dois primeiros foram, no ano passado, 2º e 4º, respetivamente, e têm responsabilidade de fazer parecido ou melhor esta época. Os dois últimos tiveram campanhas medíocres na época passada, mas têm a história e o poderio financeiro/futebolístico para voltar a estar na mó de cima.

O Leipzig, grande surpresa da última edição da Bundesliga, vai, certamente, querer repetir a prestação, ou, pelo menos, aproximar-se dela. O plantel é muito semelhante ao da época transata, que apenas perdeu ate à data o avançado Davie Selke (Naby Keita ainda deve sair para o Liverpool) e ainda viu chegar o promissor avançado francês Jean-Kevin Augustin proveniente do PSG, o talentoso extremo português Bruma e o jovem guarda-redes suíço Yvon Mvogo.

O obreiro do excelente segundo lugar Ralph Hasenhüttl mantém-se no comando técnico, e vai apoiar-se nas estrelas Emil Forsberg (19 assistências na ultima edição da Bundesliga!), Marcel Sabitzer, Timo Werner e Diego Demme para realizar uma época a lutar pelos 4 primeiros lugares. Espera-se um ano mais difícil para a turma do Este da Alemanha, num ano em que o fator surpresa já não estará presente, a acrescentar à exigência de que a equipa estará sujeita na Liga dos Campeões.

Outra das surpresas o ano passado foi o Hoffenheim, juntamente com o seu timoneiro Julian Naggelsmann, o mais jovem do campeonato. Com o playoff da Champions League à porta a equipa tem garantido alguns reforços interessantes como o central/médio defensivo Havard Nordveit, o médio centro Florian Grillitsch e o talentoso extremo alemão Serge Gnabry, cedido pelo Bayern.

A equipa perdeu duas peças importantes, Rudy e Sule, mas manteve outras importantes figuras da campanha do ano passado, como os laterais Pavel Kaderábek e Jeremy Toljan, os criativos Nadiem Amiri e Kerin Demirbay, os homens-golo Sandro Wagner e Andrej Kramaric e o muro da baliza Oliver Baumann, o que deve garantir mais uma bela classificação para a turma da cidade de Sinsheim. A possível entrada na Liga Milionária será determinante para as aspirações da turma de Naggelsmann, pois, com a prova europeia, o desgaste será muito maior e poderá pôr em causa um lugar cimeiro na Bundesliga.

Resultado de imagem para hoffenheim julian nagelsmann
Julian Naggelsmann é uma das novas coqueluches do futebol alemão, e todos esperam mais um grande ano do seu Hoffenheim

O Bayer Leverkusen foi uma das desilusões da época passada, mas está apostado em fazer melhor este ano. Com um dos melhores plantéis da liga, que, apesar de ter visto sair Chicharito e Çalhanoglu, tem nomes como Karim Bellarabi, Charles Aránguiz, Kevin Kampl, Jonathan Tah, Wendell, Julian Brandt, Kevin Volland, Admir Mehmedi e os irmãos Bender, os “farmacêuticos” agora guiados por Heiko Herrlich vão lutar pelo quarto lugar novamente, beneficiando do facto de não terem competições europeias para se concentrarem no campeonato.

A equipa ainda deverá ir ao mercado por um atacante, pois Chicharito deixou a posição “9” entregue a Stefan Kissling e ao jovem finlandês Pojahnpalo, e o meio campo ofensivo ficou órfão da criatividade e qualidade de remate de Çalhanoglu, sendo necessária uma alternativa de qualidade, a menos que o adolescente Kai Havertz acabe por explodir definitivamente este ano.

Na luta pelos lugares de Champions League estará também o Schalke 04. Os mineiros vêm igualmente de uma época abaixo do esperado, onde ficaram em 10º (tal como o Leverkusen vão beneficiar da ausência das provas europeias), e vão certamente querer fazer melhor. A equipa mudou de treinador, estando agora entregue ao jovem Domenico Tedesco, e viu sair algumas figuras como Kolasinac, Choupo Moting e Huntelaar.

No entanto a base manteve-se, com Benedikt Howedes, Naldo, Johannes Geis, Leon Goretska, Nabil Bentaleb, Max Meyer e Guido Burgstaller a transitarem para esta época, aos quais se juntam as estrelas ainda por assumir Yevhen Konoplyanka e Breel Embolo (que no ano passado não deixaram a sua marca) e os interessantes reforços Bastian Oczipka, Pablo Insúa e Amine Harit, este último uma das novas coqueluches das seleções jovens francesas. O problema dos mineiros reside sobretudo no ataque, uma vez que na época passada faltou um goleador na ausência de Huntelaar, e Burgstaller não parece ser suficiente para uma época inteira, podendo o jovem campeão europeu sub21 Felix Platte ganhar algum protagonismo e ajudar na luta pelos lugares cimeiros da tabela. Esperemos que o novo técnico coloque de novo Max Meyer na sua posição de origem, ele que é um médio criativo e o ano passado foi obrigado a jogar muitas vezes na frente devido à ausência de opções de ataque.

Resultado de imagem para schalke 04 vs bayer leverkusen
Leverkusen e Schalke 04 têm uma imagem a repor nesta temporada, após o falhanço em 2016/2017

Na luta pelos lugares na Liga Europa (5º e 6º, possível 7º dependendo dos finalistas da Taça da Alemanha), vários clubes se podem incluir, incluindo alguns que terão como objetivo mais claro a chegada à Champions. Apenas existem 2 ou 3 lugares disponíveis, mas vários candidatos.

O Borussia Monchengladbach parte com aspirações bem reais à conquista de um lugar na Liga Europa, visto que tem um plantel que o merece jogar e tem capacidades para tal. Para a Champions, parece curto.

Andreas Christensen, Nico Schulz, André Hahn e, principalmente, Mahmoud Dahoud, saíram do clube, este último com uma importância acrescida, era realmente o destaque da equipa na temporada pesada. Veremos o que Denis Zakaria pode trazer à equipa, bem secundado por Christopher Kramer. Já Christensen é substituído por Matthias Ginter, uma opção de qualidade num setor recheado de talento (Kolodziejczak, Vestergaard, Elvedi).

O meio campo ofensivo e as alas são os setores mais fortes da equipa. Possuem uma profundidade bastante assinalável, com jogadores como Thorgan Hazard, Herrmann, Ibrahima Traoré, Fabian Johnson (pode também jogar a lateral, dos dois lados), Hofmann e ainda Vincenzo Grifo, contratado ao Friburgo por 6 milhões de euros e considerado uma autêntica pechincha face à sua qualidade demonstrada na temporada passada. Já no ataque, a base é a mesma, com a dupla StindlRaffael a fazer estragos. Não sendo dois pontas de lança, são dois avançados bastante móveis que se complementam bastante bem.

O clube possui alguns dos melhores adeptos da Alemanha e bem orientado pelo experiente técnico Dieter Hecking, que muito sabe sobre esta liga. Certamente que menos que a luta pela Liga Europa será também um fracasso.

Outra das equipas que pode sonhar é o Colónia. Depois do excelente quinto lugar em 16/17, a equipa parte para 17/18 com confiança face às suas capacidades de fazer boas performances. Assim, o clube parte com legítimas esperanças de alcançar novamente a Liga Europa na próxima temporada.

Face à temporada passada, saiu Anthony Modeste por 35 milhões de euros, um espetacular negócio depois do francês de 29 anos ter chegado ao clube por meros 4.5 milhões de euros. A sua saída era inevitável face aos 25 golos marcados pelo jogador na passada época, um marco incrível que lhe deu o pódio na lista dos melhores marcadores. Destacamos a contratação de jovens jogadores como Jorge Meré, central espanhol, Jannes Horn, lateral esquerdo, e João Queirós, central português, este contratado ao Braga, sem nenhum jogo pela equipa principal, por 3 milhões de euros, algo que mostra a força do scouting do clube. A principal contratação foi, no entanto, o ponta de lança Jhon Córdoba ao Mainz, tendo este a missão de substituir Modeste, tarefa aparentemente árdua.

O plantel base sai assim quase incólume, ainda que sem a sua maior estrela, mas com mais soluções para a próxima época. A equipa tem jogadores fortes em todas as posições, como Timo Horn, Dominique Heintz, Frederik Sorensen, Jonas Hector (o mais consagrado), Marco Höger, Leonardo Bittencourt, Marcel Risse e Yuya Osako, jogadores fundamentais numa equipa muitíssimo bem orientada por Peter Stöger há já quatro temporadas. O futuro parece risonho para o clube, e os seus fervorosos adeptos certamente guiarão o clube a mais uma boa temporada.

Resultado de imagem para colonia vs borussia monchengladbach
Borussia Monchengladbach e Colónia vão tentar tudo para chegar à Europa

O Hertha BSC é outra equipa que pode aspirar a uma presença na Liga Europa. Depois de duas qualificações consecutivas, é possível que tenhamos um caso de “não há 2 sem 3”. O clube é agora estável, bastante bem orientado por Pál Dardai e, não tendo um grande conjunto de estrelas, o plantel é equilibrado e tem profundidade.

O plantel tem um misto de juventude, jogadores em “ponto rebuçado” e jogadores mais experientes. Jogadores mais jovens como jogadores como Karim Rekik, Mitchell Weiser, Niklas Stark, Ondrej Duda e David Selke permitem a irreverência. Vejamos o que este último poderá trazer à equipa e o que tal poderá significar em termos de mudança de sistema de jogo ou de nuances na forma de jogar. Jogadores como Marvin Plattenhardt (muito pretendido), Fabian Lustenberger, Vladimir Darida, Valentin Stocker, Alexander Esswein e Haraguchi permitem que a equipa avance para o próximo nível, oferecendo-lhe maturidade e maior qualidade. Por fim, jogadores como Peter Pekarik, Skjelbred e os avançados Kalou e Ibisevic oferecem a sua experiência e capacidade de decisão à equipa. De saída da equipa, destaque-se apenas a venda de John Anthony Brooks, um antigo central talismã, devido aos seus decisivos golos.

Com as suas poucas alterações no plantel e com o aumento da profundidade do mesmo, com a chegada de Mathew Leckie, por exemplo, o Hertha promete batalhar por uma nova qualificação para a Liga Europa e continuar o seu processo de ganho de notoriedade, honrando o nome da mais importante cidade alemã.

A última equipa que poderá possivelmente lutar pela Liga Europa é o Wolfsburgo. Depois de uma desastrosa época em 16/17, em que a equipa lutou até à última para não descer de divisão (safou-se no Playoff, contra o Eintracht Braunschweig), a equipa está obrigada a fazer bem melhor esta época. Com os jogadores que tem, tudo menos que a luta pela Liga Europa e a respetiva qualificação será um fracasso, ainda para mais sem competições europeias na presente época.

Do plantel base, saíram três jogadores bastante importantes: Ricardo Rodriguez, Luiz Gustavo e Diego Benaglio. Maior destaque para a saída de Ricardo Rodriguez, que vinha sendo uma das principais figuras do clube e dos poucos jogadores que não teve um péssimo desempenho na temporada passada.

Contratações dispendiosas foram feitas: Ignacio Camacho (15 Milhões de euros), Nany Landra Dimata (10 milhões de euros), John Anthony Brooks (17 milhões de euros) e William (5 milhões de euros). Foram 47 milhões gastos em quatro jogadores com muito a provar, esperando-se muito deles e estando aqui refletida a ambição de fazer bem melhor esta época.

Com a defesa comandada pelo americano Brooks e por Jeffrey Bruma, jogadores nas laterais e nas alas como Yannick Gerhardt, Vieirinha, Blaszczykowski e Paul-George Ntep, craques no meio campo como Bazoer, Max Arnold, Yunus Malli e Daniel Didavi e um ataque comandado por Mario Gómez, secundado pelo jovem Dimata, que marcou 14 golos na sua primeira época como sénior e chega bem rotulado da Bélgica, muito se pode esperar dos lobos em 17/18. Veremos se a época anterior foi uma lição a não repetir.

Resultado de imagem para vieirinha wolfsburg
Na passada temporada, o português Vieirinha marcou um golo decisivo que ditou a permanência dos lobos na Bundesliga. Nesta temporada, ele e os restantes jogadores do plantel estão obrigados a um rendimento bem superior

 

Nem todos os clubes lutam por objetivos mais altos, como competições europeias, ou estão sujeitos a lutar pela despromoção. Existem determinados clubes que estão designados a figurar a meio da tabela, sendo que destacamos três clubes nessa situação: Eintracht Frankfurt, Friburgo e Werder Bremen.

Uma das equipas dificilmente conseguirá subir mais acima do que um nono/décimo lugar será o Werder Bremen. A equipa perdeu a sua maior estrela, Serge Gnabry, não a substituindo de forma adequada. Por outro lado, adquiriu duas opções de qualidade para a lateral esquerda e para a baliza, Ludwig Augustinsson e Jiri Pavlenka, respetivamente, que podem dar a segurança necessária à equipa na hora de defender as suas redes. Jiri Pavlenka será titular face às saídas de Felix Wiedwald e Raphael Wolf, enquanto que Augustinsson chega para substituir Santiago Garcia. De destacar também a saída dos históricos Claudio Pizarro e Clemens Fritz (este acabando a carreira) e ainda a ida a custo zero de Florian Grillitsch para o Hoffenheim.

Na passada temporada, o Werder Bremen conseguiu fazer uma temporada segura, ficando-se pelo oitavo lugar, mas não será fácil repetir o feito, pois a equipa perdeu mais jogadores que aqueles que contratou. Veremos o que pode dar a equipa do Norte da Alemanha, sendo que será agora Max Kruse a assumir o papel de estrela da equipa, certamente secundado pelo extremo Fin Bartels, pelo médio ofensivo Zlatko Junuzovic, pelo médio centro Thomas Delaney e bem protegidos na retaguarda pelo esteio defensivo Lamine Sané.

O seu jovem técnico Alexander Nouri já mostrou serviço, e espera-se mais uma época de sucesso para este promissor treinador, com um lugar tranquilo mas sem incomodar os mais endinheirados.

Quanto ao Eintracht Frankfurt, será curioso perceber o que poderá fazer na próxima temporada. Saíram nove jogadores e entraram outros nove, concretizando-se assim alterações profundas no plantel. Destaquem-se a entrada do lateral holandês Jetro Willems para colmatar a saída de Bastian Oczipka, de Sebastian Haller, para colmatar a saída de Seferovic para o Benfica, e ainda a chegada de outros jogadores importantes como Gelson Fernandes ou Jonathan de Guzmán, jogadores experientes que podem oferecer qualidade à equipa. Além das saídas já destacadas, saíram também jogadores como Jesús Vallejo, de regresso ao Real Madrid, Guillermo Varela e Ante Rebic, entre outros.

Em balanço, o plantel parece que fica a ganhar opções de maior qualidade e experiência, mas dificilmente será suficiente para garantir mais que o meio da tabela ao clube histórico, muito por culpa da subida de nível dos adversários que se poderiam considerar mais diretos.

Destaque-se ainda que a equipa é bem orientada por Niko Kóvac e que é tipicamente forte na Commerzbank Arena, o seu reduto, pelo que poderá causar muitas dificuldades às equipas mais acima na tabela.

Resultado de imagem para frankfurt fans
Ambiente tipicamente espetacular na Commerzbank Arena. O Eintracht muito beneficia do apoio dos seus adeptos, criando muitas dificuldades aos seus adversários quando lá jogam

Uma das surpresas da última época foi o Friburgo. A equipa do experiente Christian Streich inicia esta época com duas baixas de peso, uma vez que Vincenzo Grifo saiu para o Gladbach e Maximilian Philipp saiu para o Borussia de Dortmund. Ainda assim, a maior parte das figuras permanecem no sudoeste alemão, como por exemplo o recente campeão europeu sub21 Marc-Oliver Kempf, o ofensivo defesa esquerdo Christian Gunter, os influentes médios Nicolas Hofler, Amir Abrashi e Janik Haberer, e os avançados Nils Petersen e Florian Niederlechner.

A nível de reforços, a equipa mantém a mesma política de sempre, aquisições cirúrgicas e a baixo custo ou empréstimos de mais-valias reais com opção de compra, como sucedeu com Niederlechner e Pascal Stenzel já este verão. Este ano os destaque vão para Phillip Lienhart que chega do Real Madrid Castilla, Barkosz Kaputska cedido pelo Leicester e Marco Terrazino, extremo italiano que foi importante na ponta final da última época do Hoffenheim. Espera-se uma época traquila para os homens de Streich, que deverão manter a coesão e coletividade, características que o ano passado permitiram o 7º lugar.

 

A aflitiva luta pela continuação na mais competitiva liga da europa!

Na época passada a luta pela manutenção revelou-se muito pouco disputada, uma vez que cedo se verificou que Darmstadt e Ingolstadt não tinham capacidade para acompanhar as restantes equipas e o fosso ficou demasiado acentuado deste bem cedo. Este ano, contudo, deverá ser bem diferente. Os históricos Estugarda e Hannover estão de regresso ao convívio dos grandes, e não vão querer certamente abandoná-lo. Mas a tarefa não se afigura fácil, uma vez que Mainz, Ausburgo e Hamburgo também devem estar nesta luta, e nos últimos anos têm conseguido campanhas que lhes têm permitido a manutenção.

O Hamburgo é um caso estranho. A equipa da segunda cidade mais populosa da Alemanha insiste em safar-se sempre à última, ano após ano. Mas a verdade é que se vai mantendo, nunca tenho falhado uma edição da Bundesliga. O plantel este ano, tal como nos outros, é limitado para o que já se viu no Hamburgo, mas está longe de ser fraco. Uma defesa com elementos como Douglas Santos, Kyriakos Papadopoulos e Gotoku Sakai, um meio campo com o brasileiro Wallace, Lewis Holtby, Aaron Hunt e Albin Ekdal e um ataque com Filip Kostic, Nicolai Muller e Bobby Wood não pode estar sucessivamente na luta pela manutenção.

A juntar a estes a equipa garantiu alguns nomes interessantes, como o titular da seleção alemã de sub21 Julian Pollersbeck e o potente e veloz avançado Andre Hahn vindo do Gladbach. Apesar da saída do patrão da defesa Johann Djourou, prevemos uma época semelhante às últimas, onde o Hamburgo vai andar entre o 16º e o 13º lugar.

Resultado de imagem para hamburgo fc players
Bobby Wood vai tentar dar aos adeptos do Hamburgo uma época mais tranquila

O Mainz tem tido um decréscimo nas suas últimas prestações na Bundesliga. Há duas épocas garantiu o apuramento para a Europa, neste ultimo ano ficou-se pelo 15º lugar. Acreditamos que o plantel perdeu um pouco de qualidade, mas que ainda assim deverá ser superior aos concorrentes diretos, sendo por isso provável um lugar mais confortável na tabela do que os rivais, sem no entanto se livrar de alguns sustos.

O grupo é quase o mesmo que acabou a época passada, já sem a estrela Yunus Malli, também sem o ponta de lança colombiano Jhon Córdoba nem o criativo Bojan Krkic que estava emprestado. Ainda assim o novo técnico Sandro Schwarz viu chegar reforços para todos os setores, como o experiente internacional alemão René Adler para a baliza, o jovem francês Abdou Diallo para a defesa, o talentoso romeno Alexandru Maxim para o meio campo e Viktor Fischer e Kenan Kodro para o ataque, que chegam de Middlesbrough e Osasuna, respetivamente. Será por isso um ano em que o Mainz é candidato à luta pelos lugares da segunda metade da tabela, podendo sempre surpreender e realizar uma época semelhante à de 2015/2016.

O Augsburgo é sempre uma incógnita. A equipa tem muitos altos e baixos ao longo da época, mas o facto é que se vem mantendo na elite há alguns anos. O plantel perdeu apenas o capitão Paul Verhaegh, mantendo nomes como Marvin Hinteregger e Kostas Stayfilidis na defesa, Daniel Baier e o coreano Koo no meio-campo, os extremos Jonathan Schmid e Takashi Usami e os avançados Raul Bobadilla e Alfred Finbogasson.

A estes nomes, juntam-se ainda os interessantes reforços Rani Khedira, Marcel Heller e Michael Gregoritsch, que juntando à base da época passada vão tentar levar a formação de Manuel Baum a uma época descansada, tarefa que nos parece, ainda assim, bastante árdua.

O Estugarda e o Hannover estão de volta ao lugar que merecem, a primeira divisão. Depois de uma época em que dominaram a segunda liga, os dois históricos têm adotado a mesma medida para abordar a nova época. Manter o núcleo e juntar alguns reforços de qualidade.

O Estugarda do ex-Sporting Emiliano Insúa optou pela manutenção de grande parte das principais figuras, com Tim Baumgartl, o próprio Insúa e Benjamin Pavard na defesa, o experiente capitão Christian Gentner, e os jovens Ebenezer Ofori e Berkay Ozcan no meio campo e Carlos Mané, Julian Green, Takuma Asano e Simon Terodde no ataque.

A este núcleo juntaram-se alguns reforços interessantes, com destaque para o guarda-redes campeão do mundo pela Alemanha em 2014 Ron-Robert Zieler. Para além do ex-Leicester, chegaram para a defesa o brasileiro Ailton vindo do Estoril, o polivalente Dennis Aogo e o crónico lesionado Holger Badstuber, ambos internacionais alemães. Para o meio campo e ataque foram contratados o jovem promissor congolês Chadrac Akolo, o jovem belga Orel Mangala e o internacional grego Anastosis Donis, que estava ligado à Juventus.

O Hannover conseguiu manter todos os principais jogadores, verificando-se apenas as saídas dos centrais Andre Hoffman e Carlos Strandberg, do extremo Marius Wolf e do avançado polaco Artur Sobiech, nenhum deles titular regular a época passada. As principais figuras, como o gigante Salif Sané, Oliver Sorg, Manuel Schmiedebach, Felix Klaus, Martin Harnik, entre outros, mantêm-se no clube e vão ser certamente peças fundamentais para o timoneiro Andre Breitenreiter, que volta ao ativo após ter sido despedido do Schalke em 2015.

A estes nomes, o novo treinador junta algumas importantes adendas, como o keeper Michael Esser que não acompanha o Darmstadt à segunda divisão, os laterais Julian Korb e Matthias Ostrzolek e o médio defensivo Pirmin Schwelger, todos vindos de equipas que já estavam na Bundesliga. Será, ainda assim, um ano de muita luta e muitas dificuldades para este Hannover, que tem o plantel menos valioso do campeonato até à data, esperando-se ainda mais um ou outro ajuste até 31 de Agosto, tal como no Estugarda.

Resultado de imagem para hannover vs stuttgart
Hannover e Estugarda estão de volta ao convívio dos grandes, e vão lutar com unhas e dentes para não o deixar

Será certamente mais um ano fantástico no campeonato alemão, onde a probabilidade de lutar por um lugar de Liga dos Campeões é quase igual à probabilidade de se encontrar em lugares próximos da zona de aflição (Vieirinha que o diga). O titulo esse, parece estar entregue, podendo sempre aparecer um super Dortmund. Os candidatos a novo Leipzig são alguns, e quererão certamente agigantar-se e realizar épocas acima do normal. É já no próximo fim de semana que o campeonato mais imprevisível da Europa começa, seguindo-se fins de semana consecutivos agarrados ao apaixonante e atrativo futebol alemão.

C8BWhRoUwAAepAr-e1493555419750.jpg?fit=1024%2C561&ssl=1
Gonçalo MeloAbril 30, 20175min0

O futebol alemão vive dias saudáveis em relação à sua formação, sendo cada vez mais os jovens a conseguirem ser mais valias nas suas equipas desde tenra idade. O Fair Play, juntamente com a Talent Spy, dá-lhe a conhecer um dos mais recentes projetos futuros da escola alemã, o médio ofensivo do Eintracht Frankfurt, Aymen Barkok.

Olhando para o paradigma atual do futebol germânico podemos constatar que a maioria dos clubes tem evoluído e investido fortemente na formação, procurando criar melhores condições para os seus atletas crescerem a todos os níveis e poderem ser mais-valias nas equipas principais. Na atrativa e renovada equipa do Eintracht Frankfurt, orientada pelo antigo capitão da seleção croata Niko Kovac, tem surgido mais um jovem valor do futebol alemão, internacional pelos sub 17 e sub 19 da Mannschaft. Falamos de Aymen Barkok, médio ofensivo de apenas 18 anos.

Tendo começado a jogar aos 15 anos ao serviço dos juvenis do Kickers Offenbach, na época seguinte iria chegar ao Eintracht ainda com idade de juvenil, onde iria ter o seu primeiro impacto com uma maior competitividade e exigência. Jogou duas épocas nos juvenis do clube até completar 16 anos, altura em que chegou à equipa de juniores, onde na época seguinte viria a ser uma das principais figuras da equipa. O protagonismo que foi ganhando valeu-lhe a ascensão à equipa principal do Eintracht esta temporada, onde Barkok já realizou 17 jogos e apontou 2 golos, sendo um dos responsáveis pela boa época da equipa e pela chegada à final da taça onde vão defrontar o Borussia de Dortmund.

Fonte: Soccerway

Barkok é um médio ofensivo que se destaca pela sua estampa física (tem 1,88m), que lhe permite ganhar bastantes duelos com os seus adversários. A esta estatura o jovem médio destaca-se também pela capacidade de drible e de progressão com bola, algo que o faz ter semelhanças com Anderson Talisca, com a exceção de ser destro. A sua velocidade de ponta é também assinalável (não é muito forte no arranque mas após os primeiros 5 metros é um jogador muito rápido) bem como a capacidade no 1×1, algo que lhe permite também jogar a partir de uma ala, onde pode privilegiar movimentos interiores e passes de rotura para os companheiros ou até disferir perigosos remates quando aparece em diagonais da esquerda para o meio.

No entanto, o jovem alemão com dupla nacionalidade (é descendente de marroquinos) denota ainda várias lacunas e debilidades próprias de um jovem da sua idade. Barkok peca bastante ao nível da decisão e do último passe, demorando muitas vezes demasiado tempo a soltar a bola e tomando muitas vezes decisões que não são as mais indicadas (passa quando deve finalizar e tenta finalizar quando deve passar), algo que um jovem de 18 anos irá certamente melhorar.

Do ponto de vista defensivo, Barkok permuta muito entre uma agressividade excessiva em busca dos adversários com um desligar-se do jogo quando a equipa não tem a bola, algo visível quando apareceu nos primeiros jogos mas que Nico Kovac já conseguiu corrigir minimamente, sendo o jovem Barkok um jogador bem mais maduro nesta fase da época.

BOA OPÇÃO PARA…

Wolfsburgo – Após a saída de Julian Draxler para o PSG, existe falta de criatividade e irreverência no meio campo ofensivo dos lobos, algo que Yunus Malli e Daniel Didavi não conseguiram até agora acrescentar. O jovem internacional alemão sub-19 do Eintracht poderia acrescentar algo mais ao meio campo da ex equipa de Julian Draxler e Kevin De Bruyne, sendo mais um criativo a brilhar pela turma patrocinada pela Volkswagen.

RB Leipzig – Com a boa época realizada e a presença assegurada nas competições europeias a turma de Ralph Hasenhüttl vai ter de elevar o nível do plantel e garantir mais reforços para atacar as várias frentes, e numa equipa que prima pela enorme quantidade de jovens promissores e talentosos, Barkok poderia ser uma mais valia, tanto como alternativa a Emil Forsberg e Marcel Sabitzer como opção para jogar com ambos no apoio a Timo Werner.

SC Braga – Apesar de quase impossível de se realizar esta transferência iria acrescentar criatividade e irreverência a uma equipa que parece muitas vezes presa a um 4-4-2 clássico com pouco imaginação, algo que se tem tentado mudar com o avançar de Battaglia e a aposta no 4-3-3.


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS