Arquivo de Remo - Fair Play

41283662_232417490959585_4237193982203492051_n.jpg?fit=1080%2C834&ssl=1
Estevão PapeOutubro 24, 20184min0

No remo, nas regatas na água, não existem os chamados recordes do mundo, como em desportos como o atletismo. Mas existem os "melhores tempos do mundo" e, como noutros desportos, são tempos de referência para os atletas e equipas

41705686_1094625914045493_1775426376497627136_n.jpg?fit=960%2C540&ssl=1
Estevão PapeSetembro 16, 20183min0

Terminou hoje de manhã mais um Campeonato do Mundo de Remo, em Plovdiv na Bulgária. Como sempre houve regatas emocionantes e muitas surpresas, mas as condições de vento que se fizeram sentir deixaram algumas tripulações e equipas descontentes, como foi o caso da dupla nacional de Afonso Costa e Pedro Fraga, que competiram em double-scull peso ligeiro (LM2x).

Este ano a equipa foi renovada, com a entrada de Afonso Costa no barco, depois de Pedro Fraga ter remado durante 13 anos (2004-2017) com Nuno Mendes, onde atingiram vários pódios e duas participações olímpicas. A última participação em Campeonatos do Mundo de Portugal neste barco foi em 2015 com um 5º lugar na final C (17º lugar).

Esta equipa, que conjuga a extensa experiência de Pedro Fraga e a juventude de Afonso Costa, tem vindo a dar bons sinais de evolução, com um 10º lugar no Campeonato da Europa este ano e entrada na Programa de Preparação Olímpica do Comité Olímpico Português.

Em 2018, e às portas da classificação olímpica no próximo ano, o objectivo era conseguir chegar às semi-finais (12 primeiros), mas a prova dos quartos-final ficaria marcada por protestos de várias equipas que se sentiram prejudicadas pelas condições de vento lateral que se fizeram sentir. A equipa portuguesa, que se tinha qualificado directamente da eliminatória para os quartos-final, foi uma dessas equipas.

A própria organização admitiu as condições injustas para as várias tripulações das pistas 1 a 3, principalmente, chegando a cancelar as provas seguintes e em também em carta, após os protestos apresentados. Mesmo assim, decidiu não repetir as provas em questão e manter os resultados. Das 12 equipas apuradas para as semi-finais, das 24 a competir nos quartos-final, apenas a Irlanda e Bélgica corriam nas pistas 2 e 3, tendo todas as outras corrido nas pistas 4 a 6, mais favoráveis.

Mesmo assim, a equipa nacional seguiu em frente e encarou com toda a seriedade e confiança a semi-final C/D, conseguindo uma prova muito forte e garantindo o apuramento para a final C, que dava a classificação do 13º ao 18º lugar, entre 26 participações.

Na final C, com equipas com muita história nesta categoria, como a França (país campeão do mundo em 2017) ou Dinamarca (com forte tradição no remo ligeiro), a equipa lusa classificaria-se em 6º lugar (18º lugar na geral), numa prova que teve uma luta centímetro a centímetro com a equipa da Suiça.

Decerto que o detalhe dos quartos-final deixou a incerteza, se em condições iguais, a equipa teria conseguido chegar às semi-finais e entrar no Top12 da prova. Mas o objectivo final será a qualificação olímpica no próximo ano, que se mantiver o modelo dos últimos ciclos olímpicos, implicará uma entrada no Top11 no próximo Campeonato do Mundo.

Tentaremos obter algumas declarações da equipa de Afonso Costa e Pedro Fraga, assim como do treinador José Velhinho que tem treinado e acompanhado a equipa nacional.

36514095_1027585720749513_6338066269291413504_o.jpg?fit=1200%2C626&ssl=1
Estevão PapeJulho 6, 20185min2

No passado fim de semana, dia 30 Junho e 1 de Julho, decorreu o Campeonato Nacional de Remo na pista de Montemor-o-velho. Foram dois dias intensos de competição, com todos os escalões presentes. No escalão principal, de seniores, vimos poucas regatas com emoção mas mesmo assim o skiff (1x) e o shell 8 (8+), ambos masculinos, foram as regatas mais emocionantes e esperadas do programa.

A competição

As regatas começaram no sábado, logo pelas 8h30, com as eliminatórias dos mais novos, os benjamins que competiram na distância de 500 metros, até aos juvenis,  competir em 1500 metros. Só ao final do dia, Juniores e Seniores, a competir na distância total de 2000 metros, iniciaram as eliminatórias.

E foi logo nas eliminatórias, no escalão superior, que começou a pouca emoção deste fim de semana: o contra-relógio no skiff sénior masculino. Como antecipámos, no nosso artigo antes do Campeonato, a luta por um lugar no 6 melhores e na Final A foi aguerrida. Vários atletas que trabalham com a Equipa Nacional estavam presentes e também outros com provas dadas no remo nacional. Miguel Duarte, da Associação Naval de Lisboa, venceu o contra-relógio com um tempo de 7:43.9, logo seguido do Olímpico Nuno Mendes com 7:44.85. Diogo Coelho (Sport) , Eduardo Sousa (Académica), João Moreira (Galitos) e Henrique Moreira (Galitos) fecharam o lote dos 6 melhores. Carlos Cruz, ex-remador da Equipa Nacional e vencedor desta prova no passado, ficou em 7º lugar, não conseguindo a qualificação. A Final A de domingo prometia ser interessante.

O dia de sábado teve ainda um pequeno percalço, com a paragem das provas por cerca de 1 hora, durante as finais dos mais novos, devido à forte chuva que se fez sentir. Esta paragem atrasou bastante o dia, sendo o momento do dia que criou mais protestos por parte dos clubes.

No segundo dia de competição, antes das finais de juniores e seniores, competiram os mais velhos: os veteranos. O sistema de handicaps torna a conquista de uma medalha mais difícil, mas também mais competitivo.

No domingo, começando pelos femininos, o destaque vai para o Sport Club do Porto e para a sua atleta Eva Gonçalves. O Sport venceu os 6 títulos de seniores femininos e Eva Gonçalves esteve presente em 5 deles: 1x Absoluto, 1x ligeiro, 2x Absoluto, 2x Ligeiro e 4x Absoluto. Este clube tem dominado o remo feminino ano após ano, embora o Viana Remadores do Lima e o Caminhense continuem a trabalhar para “roubar” títulos ao clube do Porto.

Em relação aos seniores masculinos, as provas mais esperadas eram do 1x e do 8+. As provas de 2x, 4x e 4- foram ganhas pela ANL, Académica e Caminhense respectivamente, com revalidação dos respectivos títulos do ano passado.

O titulo de 4- já pertence ao Caminhense desde 2014, sendo este o 5º titulo consecutivo. As restantes equipas ficaram longe dos respectivos vencedores, que sem dúvida trabalharam bem durante o ano para vencerem confortavelmente as suas provas.

Em relação ao 4x, a equipa da Académica, com remadores muito experientes e fortes, dava pouca esperança aos seus competidores. Do mesmo modo, Manuel Pita e Ricardo Russo, da ANL, mostraram uma boa performance em Gondomar, afastando as esperanças da vitória fugir ao clube de Lisboa.

A prova de 2- sénior previa uma luta entre a ANL e a Académica, depois dos resultados na regata de Gondomar e Litocar. A vitória sorriu à equipa da Académica, que também conquistou a medalha de bronze.

No 1x, prova bastante esperada, Miguel Duarte, Nuno Mendes e Eduardo Sousa chegavam aos últimos 500 metros de prova bastante perto uns dos outros. Nuno Mendes com um ligeiro destaque sobre os mais novos, acabaria por vencer com cerca de 2 segundos de vantagem. A decisão do 2ª e 3ª lugar ficava para o photofinish. O atleta da Académica e da equipa nacional de sub23, Eduardo Sousa, levava a melhor sobre Miguel Duarte. Embora uma prova muito dura e disputada, todos os três atletas pareciam bastante satisfeitos no fim da prova. Um referência para o atleta do Sport, Diogo Coelho (terminou em 4º) que largou muito rápido e com muita garra, demonstrando a sua enorme vontade de fazer um bom resultado e tentar surpreender os seus adversários.

Na última prova do dia, o 8+ masculino, uma vez que não houve eliminatórias e em Gondomar as equipas não fizeram a regata totalmente frescas fisicamente, havia alguma incógnita. Sabíamos que as equipas do Infante e do Fluvial não tinham disputado qualquer prova durante o fim de semana e a equipa do Caminhense, apenas metade tinha disputado o 4-. A equipa da Académica também fazia parte da equação para o pódio, mas uma falsa largada desclassificou-a da prova.

No final era a equipa do Fluvial, que perseguia este titulo desde 2012 (ultimo ano que venceu a prova), que vencia a Taça Lisboa e fazia a festa. A equipa campeã e supostamente mais forte fisicamente, o Infante, não conseguiu melhor que o 3ª lugar, após uma época mais atribulada. O segundo lugar ficava para o Caminhense, que voltava assim ao pódio do 8+, após o 4ª lugar de 2017 e 8º lugar de 2016.

Para terminar o dia, ainda houve tempo para uma prova de demonstração de 8+ Femininos, com 9 equipas mistas a disputar a distância de 1000 metros em duas eliminatórias.

Mais informações, resultados e fotos podem ser consultados na página de Facebook e site da Federação Portuguesa de Remo 

19601170_825299397644814_7129148985190822161_n.jpg?fit=960%2C640&ssl=1
Estevão PapeJunho 26, 20185min0

É já no próximo fim que se realiza a grande prova do Remo a nível nacional. Começa no próximo fim de semana, dia 30 de Junho e 1 de Julho, o evento que junta todos os remadores nacionais. Vão ser dois dias intensos de provas, com os campeonatos nacionais desde os mais pequenos até aos mais velhos. Como é hábito, a pista de Montemor-o-velho volta a receber a prova.

Os primeiros a entrar em prova serão mesmo os mais novos, os benjamins, logo pelas 8h30 de sábado. As eliminatórias continuam durante a manhã, para os escalões jovens (benjamins, infantis, iniciados e juvenis). Para tentar aproveitar as melhores condições, após terminarem as eliminatórias (a última pelas 12h20), começam as finais dos mais jovens pelas 13h.

Após terminar o programa do remo jovem, é hora dos juniores e dos seniores competirem por um lugar nas respectivas finais de domingo. As eliminatórias iniciam-se pelas 17h40.

O programa de domingo inclui as regatas de veteranos, remo adaptado e todas finais de juniores e seniores. Um programa longo, que começa logo às 8h30 e terminará pelas 17h05 com a prova rainha, o Shell 8 sénior masculino. Mas ainda haverá tempo para uma prova demonstração de Shell 8 feminino, uma iniciativa para promover o remo feminino, no seguimento do 1º Encontro Nacional de Remo feminino.

Quem poderá levar os títulos sénior em disputa?

Fazendo uma analise das inscrições e dos resultados das últimas regatas nacionais de ,  podemos prever algumas regatas disputadas e quem poderá ser campeão nas respectivas provas. Este ano temos alguns atletas de topo que voltarão a competir no nacional, como Nuno Coelho, Nuno Mendes e Carlos Cruz. Estes atletas em 2017 estiveram ao serviço da selecção nacional e não puderam competir.

No remo feminino, o favoritismo recai sobre as tripulações do Sport Club do Porto, tanto pelos resultados obtidos nas últimas provas mas também pelo domínio que tem mostrado nos últimos anos. Será este ano que outros clubes e equipas se intrometem nas vitórias?

No 2x Feminino Absoluto e Ligeiro, o favoritismo vai claramente para a equipa de Eva Gonçalves e Maria Rodrigues, do Sport. A atleta Eva Gonçalves, também inscrita no Skiff e no 4x Feminino, é de novo favorita à vitória nestas provas, embora Ana Gomes do Caminhense possa ter uma palavra a dizer no Skiff Absoluto e a equipa do Viana Remadores do Lima queira dar luta ao Sport no 4x. Ainda no remo feminino, a introdução do 2- (dois sem), leva a mais um favoritismo do Sport e para Inês Oliveira e Tânia Saraiva.

Na parte dos masculinos, os favoritos estão mais dispersos entre vários clubes, sendo o 1x e o 8+ as provas que poderão ser mais disputadas e interessantes de seguir. Começando no 1x a disputa será bem acesa só por um lugar na final. Nuno Mendes, atleta olímpico e a representar o Sporting, será o grande favorito, mas um forte grupo de atletas presentes deverá tornar a prova muito interessante. Esta prova terá vários elementos da equipa nacional sub-23 (Diogo Coelho, João Oliveira, Eduardo Sousa), Miguel Duarte, que esteve a trabalhar com a equipa nacional este ano e Carlos Cruz que esteve na equipa nacional até 2017.

No 2x masculino, tanto absoluto como pesos ligeiros, os favoritos são Manuel Pita e Ricardo Russo, da Associação Naval de Lisboa, ambos remadores experientes e que remam juntos à vários anos. Foram os melhores portugueses em Gondomar e segundos classificados na Litocar, atrás de Afonso Costa e Dinis Costa, não presentes neste Campeonato Nacional e a representarem Portugal nos Jogos do Mediterrâneo.

No 2- masculino, poderemos ver uma disputa entre as equipas da Académica e da ANL, que já competiram entre si em Gondomar, com vantagem para João Ferreira e Miguel Alfaiate da Académica. Veremos se  disputa será entre estas duas equipas ou outra dupla se intrometerá na luta pelo titulo e pelo pódio.

No 4x a equipa favorita é da Académica, com quatro dos atletas mais fortes a nível nacional: Tiago Silva,Tiago Susano, Ricardo Paula e Gonçalo Delgado. Veremos o que a equipa do Cacia, actuais campeões em titulo, do VRL ou do Galitos, poderão fazer. A disputa pelo pódio não será fácil.

No 4- (quatro sem) o favoritismo cai pelo Caminhense, que aposta neste barco para um titulo nacional, depois das vitórias em Gondomar e na Litocar.

A prova rainha trará de novo uma intensa disputa entre a equipa do Fluvial e do Infante, equipas que apostam tudo neste evento. Após o resultado de 2017, a equipa do Fluvial tem-se preparado para conseguir o titulo e a presença de Nuno Coelho aumenta as suas possibilidades. A equipa do Infante, actual campeã, embora com uma época mais atribulada, mantém a equipa quase toda de 2017. A equipa da Académica, actual vice-campeã, também poderá querer intrometer-se nesta luta, mas como os atletas de Coimbra irão disputar mais provas e não apostam claramente neste barco, não deverão conseguir lutar pelo titulo.

De salientar ainda a forte presença e a crescer do remo adaptado. Este ano com 16 participantes.

Mais informações e o programa da prova poderão ser consultados no site da Federação Portuguesa de Remo.

[Editado a 29 Junho 2018]

12711013_10204988654830366_8159601003073576733_o-1-1024x643.jpg?fit=1024%2C643&ssl=1
Estevão PapeJaneiro 19, 20184min0

É já no próximo sábado que arranca mais uma edição do Campeonato Nacional de Remo Indoor ou ergómetro, como é conhecido pelos remadores. Dia 20 e 21 de Janeiro, a Figueira da Foz recebe 508 atletas, dos 9 aos 90 anos. Este evento, organizado pela Federação Portuguesa de Remo e Ginásio Clube Figueirense, chega a 2018 com algumas novidades: são recuperadas as categorias de idade e é introduzida as estafetas de 4 remadores.

A Federação decidiu reformular o evento e voltar a ter um formato semelhante aos eventos internacionais da modalidade. As categorias de idade deverão trazer mais interesse aos atletas “mais velhos” para competirem, ao remarem contra atletas da sua idade e em igual distância, mas também de escreverem o seu nome na lista de recordes nacionais e mundiais. A introdução de estafetas ou equipas de 4 elementos vai de encontro ao que se faz “lá fora”, trazendo mais espectacularidade e o modelo de equipa ao Remo Indoor. Se o remo é um desporto de equipa, também o deverá ser na vertente indoor.

O evento inicia-se no sábado com as provas de Promoção Remo Indoor, para atletas não federados e Universitários. São 68 atletas a competir na distância de 1000 metros e estafetas de 4×500 metros.

(Fonte: Campeonato Nacional de Remo Indoor)

No domingo entram em prova 440 atletas para competirem em várias distâncias, dos 500 aos 2000 metros dependendo da categoria e idade em que estão inseridos. O atleta mais novo será Leonardo Santos, do Galitos, com apenas 9 anos e a competir na distância de 500 metros. Na outra ponta temos José Sopas, de 90 anos de idade, o único corajoso da categoria 70+ a enfrentar os 1000 metros.

Outro factor a salientar é a presença dos atletas da Equipa Nacional de Remo, o que permite antever tempos muito bons e quem sabe alguns recordes nacionais.

Na competição feminina o favoritismo vai para a Joana Branco (em Pesos Ligeiros) e Cláudia Figueiredo (Pesos Absolutos), ambas atletas da Equipa Nacional. Cláudia, remadora do Cerveira, será uma atleta a seguir e ver que resultado poderá alcançar e se conseguirá baixar a barreira dos 7 minutos. Este é o seu primeiro ano de Sénior e a sua margem de progressão é grande.

A atleta da Equipa Nacional e do Sport Club do Porto, Joana Branco, bateu recentemente o recorde do mundo na distância de 10.000 metros, durante as provas de aferição para a Equipa Nacional. Na distância de 2000 metros, a atleta conseguiu o tempo de 7:15.9 em Junho de 2017, mas este não foi considerado recorde nacional da categoria de Pesos Ligeiros 19-29 anos por apenas 100 gramas acima do peso limite. O recorde actual é 7:19.6 e poderá ser batido já no domingo.

Destaque também para a prova de Seniores Pesos Ligeiros masculinos, com muitos nomes ligados à Equipa Nacional. O favoritismo vai para Pedro Fraga, recordista nacional desta categoria. Mas a luta pelos lugares do pódio será muito interessante com vários nomes a reter: Nuno Mendes, Carlos Cruz (campeão nacional em 2017), Nuno Coelho e Afonso Costa. Será uma das provas mais interessantes e há muitos anos que não existia a participação de tantos atletas de topo.

Nos Pesos Absolutos masculinos o favoritismo vai para o atleta Ricardo Paula, da Académica e actual campeão nacional. Mas será interessante ver o que atletas como Tiago Susano, Miguel Menezes e Diogo Almeida poderão fazer, já que são atletas que ou já estiveram na Equipa Nacional ou estão a tentar ser convocados.

A terminar o evento teremos as estafetas (equipas) de 4 remadores. Estas provas têm o requisito das equipas terem no mínimo uma remadora (feminino) e um remador (masculino) na equipa de quatro. Uma novidade que surge este ano e promete dar muito espectáculo.

Todas as provas são efectuadas em ergómetro da marca Concept II e o programa do evento pode ser consultado no site da Federação Portuguesa de Remo.

DSC_0102.jpg?fit=1200%2C600&ssl=1
Estevão PapeOutubro 21, 20172min0

O remo de mar é uma modalidade em claro crescimento mundial e nacional. Este ano o circuito nacional de remo de mar teve um boom com dezenas de atletas a competir em cada etapa. E para terminar esta boa época de remo de mar, quatro dos melhores atletas nacionais juntaram-se e foram até França, ao Campeonato do Mundo da modalidade. Da proposta de Cláudio Rodrigues, do Fluvial Portuense, surgiu um resultado inédito para Portugal e a medalha de bronze em CM4x+. Além do atleta do Fluvial, juntaram-se Nuno Coelho (Fluvial), Pedro Fraga (Sporting) e Nuno Mendes (Sporting) e António Rodrigues.

A prova disputou-se em Thonon les Bains, França, e teve dois dias de competição. No primeiro disputaram-se as eliminatórias e a equipa portuguesa deu boas referências ao vencer a sua prova. E no segundo dia, com condições sem vento e sem ondulação, alcançaram a medalha de bronze. Ao total competiram 37 tripulações de CM4x+.

Como referimos, a iniciativa surgiu de Cláudio Rodrigues que começou por convidar Nuno Mendes para a travessia das Berlengas a Peniche, na primeira etapa do circuito nacional de remo de mar. A dupla acabaria por vencer tanto a primeira como a segunda etapa, em Caminha. Na terceira etapa em Setúbal, Nuno Mendes fez equipa com Nuno Coelho, tendo a mesma vencido a prova. Na última e 4ª prova do circuito, o Cláudio Rodrigues voltaria a participar em CM2x, ficando em 2º lugar.

Além de todas estas participações, o atleta do Fluvial, Cláudio Rodrigues, já tinha participado no Mundial de Remo de Mar de 2016, fazendo equipa com Anthony Passos (Campeão Nacional de Remo de Mar CM1x 2017). A dupla terminou em 2º lugar na Final B, no Mónaco, 24º lugar da geral entre 58 equipas.

A equipa ficou bastante satisfeita e Nuno Mendes deixou em aberto mais participações nesta vertente. “Mas no final adoramos todos a experiência e ficam só entusiasmados para um próximo desafio” afirmou.

Deixamos algumas fotos cedidas pela Swift Racing, construtor de barcos que emprestou o barco à equipa portuguesa.

Mais informações e resultados do evento no site da FISA.

 

22195703_10159589588550651_8340584253407110567_n.jpg?fit=960%2C569&ssl=1
Estevão PapeOutubro 6, 201710min0

Os que acompanham de perto as competições internacionais de remo, principalmente os Campeonatos do Mundo de Remo e Jogos Olímpicos, sabem que prognósticos é melhor não fazer muitos. Eu diria que o Remo quase que já poderia ter espaço numa casa de apostas, tais são as incertezas de quem poderá vencer e medalhar. E neste último Campeonato do Mundo de Remo assim foi, com muitas surpresas e regatas espetaculares até aos últimos metros.

Foram 8 dias de competição em Sarasota, na Florida (Estados Unidos da América). Um local que ainda foi ameaçado pelas tempestades tropicais e furacões que todos os anos assolam o país. Mas o local da prova escapou ileso e foi dado a luz verde para as equipas começarem a chegar antecipadamente. A organização construiu e montou um complexo imponente, dignificando em muito o desporto e o comité organizativo da prova.

De salientar que, infelizmente, Portugal não esteve presente nesta prova a nível desportivo, mas apenas através do construtor Nelo e os seus inovadores barcos. A decisão de não participação foi da Federação Portuguesa de Remo, com base nos resultados desportivos das Taças do Mundo, concluiu que as potenciais equipas portuguesas participantes não iriam ter bons resultados que justificassem a deslocação. E a última vez que se realizou esta prova nos Estados Unidos, em 1994 em Indianápolis, Portugal conquistou a sua única medalha em Campeonatos do Mundo de Seniores.

E se estivemos 23 anos sem Campeonatos do Mundo nos Estados Unidos, a organização da prova quis deixar a sua marca e dar a entender que o país é capaz de grandes e boas organizações. Tive a oportunidade de falar com Nuno Mendes e Pedro Fraga, presentes no evento em representação comercial da Nelo, e ambos foram unânimes nos comentários. “O ambiente foi fantástico e a organização muito boa, nível de jogos olímpicos” referiu Nuno Mendes. Pedro Fraga referiu também que “parecia um evento olímpico, muito bem organizado e com estruturas de jogos olímpicos”, não deixando de referir que Portugal não teve nenhuma equipa presente.

Nuno Mendes ainda nos referiu que o interesse na marca Nelo é cada vez maior devido às inovações do casco, da prova e diferenciação das cores. Os feedbacks têm sido bons.

Nações: O regresso da Itália ao topo da tabela

Uma das grandes surpresas foi ver a Itália a regressar ao topo da tabela de medalhas e logo para a primeira posição. A Itália sempre teve uma grande tradição no remo mas esteve afastada de grandes resultados por vários anos. A sua última medalha de ouro olímpica foi em Sydney 2000, quando venceu o Quadri-Scull Masculino (M4x). E nos Estados Unidos, a Itália arrecadou 3 medalhas de Ouro, 3 de prata e 3 de bronze. Uma equipa renovada e com muita garra, a vencer e a fazer resultados surpreendentes e com mais uma imagem de marca: uma ponta final que fez muitos estragos.

A Nova Zelândia já nos habituou a grandes inícios de ciclo olímpico e também ficou muito perto da Itália, escapando-lhe o titulo de Skiff Masculino devido a uma lesão de Rob Manson (atual recordista mundial). A Austrália fechou o pódio de medalhas e recuperou um titulo que lhe fugia há 26 anos no 4- Masculino.

Ainda de salientar pela positiva, o regresso também da Roménia às medalhas de Ouro, com duas, e o Brazil com uma medalha de ouro e uma de bronze. A Grã-Bretanha e a Alemanha, grandes nações de remo, a ficarem-se por poucas medalhas e apenas uma vitoria para cada uma.

A nação da casa, os Estados Unidos conseguiram 5 medalhas mas nenhuma de ouro. De salientar o regresso do treinador Mike Teti ao trabalho com o Shell 8 Masculino (M8+), ultimo treinador a conseguir levar o país a ser campeão mundial neste barco. E o regresso foi logo com a medalha de prata. Este regresso promete o regresso dos Estados Unidos ao topo do Shell 8.

Mas não nos devemos esquecer que este é o primeiro ano do novo ciclo olímpico, que sofreu alterações a nível de barcos olímpicos e que algumas equipas acabam por ser renovadas com atletas mais novos e alguns atletas olímpicos aproveitam para começar a época mais tarde.

Contudo começamos já a ter uma ideia e como imprevisível será este ciclo, com mais países a entrarem na luta pelas medalhas e a Itália de novo a trazer muitas equipas para as finais.

Femininos: regatas cada vez mais disputadas e intensas

Se num desporto com uma forte componente física seria de esperar uma maior participação e intensidade nos masculinos, no remo as senhoras são cada vez mais rápidas e com intensidades muito elevadas. O aumento do numero de barcos olímpicos deverá aumentar ainda mais o nível do remo feminino.

O Shell 4 sem timoneiro (W4-), novo barco olímpico, já apresentou 12 equipas participantes e teve uma final das mais disputadas do evento. Cinco equipas disputaram o titulo até aos últimos metros, com Australia a levar a melhor, logo seguida a menos de 1 segundo pela Polónia e depois pela Russia.

À semelhança da regata de W4-, também as provas de Double-Scull Feminino (W2x), de Quadri-Scull Feminino (W4x) e Double-Scull Ligeiro Feminino (LW2x) tiveram uma disputa até ao final pelo primeiro lugar. Mas isto não significa que as outras regatas tenham sido aborrecidas. Pelo contrário, outras regatas tiveram lutas intensas pelas medalhas como o Shell 8 Feminino (W8+) com uma luta intensa entre Canada e Nova Zelandia pelo 2º e 3º lugar ou o Quadri-Scull Ligeiro Feminino (LW4x) com uma luta entre Austrália, Canada e China.

Com a possibilidade de visualizar todas as provas do Mundial, desde as eliminatórias até às finais, no site da FISA, a descrição de cada prova é desnecessária. É a primeira vez que a Federação Internacional disponibiliza os vídeos de todas as provas, continuando a inovar e a fazer um bom trabalho na promoção do desporto.

Masculinos: níveis e cadências cada vez mais elevados.

Se nos femininos a intensidade é cada vez maior, os homens não se ficam atrás. Se há uns anos todos ficávamos impressionados com equipas de ligeiros a fazerem regatas sem baixar das 40 remadas por minuto, em barcos de 4 ou de 8, neste momento já o vemos nos skiffs e dois sem timoneiro. Se há uns anos haviam tácitas de prova, cada vez mais vemos que não é apenas no Shell 8 que as equipas “largam rápido e mantêm-se rápido”. Cada vez há menos “entrar no ritmo” de meio de prova. E contudo vimos pontas finais das equipas italianas a conquistarem medalhas nos últimos 250 metros. Vale a pena repetir: vão ver as regatas!

É difícil escolher qual a regata ou tripulação que mais impressionou. O Shell 2 sem timoneiro peso ligeiro (LM2-) da Irlanda faz uma prova de cortar a respiração com uma cadência mínima de 44 remadas por minuto. Prova que a Itália “roubou” a prata aos brasileiros nos últimos metros. No Skiff ligeiro (LM1x), Paul O’Donovan vence a prova e mostra que mesmo tendo treinado a maior parte do tempo com o seu irmão em Double-Scull (LM2x), entra no skiff e torna-se o melhor do mundo. O Quadri-Scull Ligeiro ganho pela França por 0,17 segundos, prova que ganhou muito interesse após a retirada do Quatro sem Ligeiro (LM4-) do programa olímpico e já é altamente competitiva. Por fim, o LM4- estava destinado a desaparecer mesmo dos campeonatos do mundo, depois de nos proporcionar das regatas mais emocionantes dos últimos anos. E assim, o LM4- foi das provas menos interessantes do mundial, ganho pela Itália. Não nos esquecemos ainda do único barco olímpico na categoria de ligeiros, o LM2x, de novo entregue à imbatível equipa Francesa, embora a luta pelo 2º lugar tenha sido intensa entre Itália (2º), China (3º) e Polónia.

Nos pesos absolutos, Ondrej Synek domina o Skiff (M1x), com Rob Manson a não conseguir recuperar da lesão que sofreu depois de bater o recorde do mundo. Em Double-Scull (M2x), a Nova Zelândia faz uma prova fantástica e ganha por escassos 0,59 segundos aos Polacos. No dois sem (M2-), das provas mais esperadas, os irmãos Skinkovic não conseguem a vitória como esperado. Ou melhor, a Itália com mais uma ponta final demolidora tirou-lhes o outro. A Nova Zelândia também tentou surpreender mas não conseguiu melhor que o bronze. Em M4-, como referido, a Austrália acabou um jejum de 26 anos e vence categoricamente a prova. A Itália consegue ainda ficar com a prata e os eternos vencedores (Grã-Bretanha) a ficarem-se pelo bronze. Por fim, o Shell 8 Masculino ficou para a equipa favorita (Alemanha), mas com os Estados Unidos (2º), Itália (3º) e Holanda (4º) a acabarem a menos de 1 barco de distância.

De salientar a curiosidade na regata de Quadri Scull (M4x), prova que a Lituânia venceu como esperado no inicio do evento. O voga da equipa da Grã-Bretanha, Peter Lambert, que competiu nesta equipa a semana toda lesionou-se no aquecimento para a final. Devido a esta lesão, o atleta foi substituído por Graeme Thomas e mesmo assim ganha a medalha de prata, muito pressionados pela Estónia (3º) e Holanda (4º). Quem sabe se a equipa original teria vencido, mas em todo o caso ninguém diria que esta alteração manteria o alto nível da equipa.

Congresso FISA: igualdade de género também nos mundiais

No dia a seguir ao Campeonato do Mundo de Remo, ocorreu o Congresso da Federação Internacional. Além da entrega das medalhas de honra e decisão dos eventos de 2019, o congresso votou e aprovou a igualdade de género para as provas dos Campeonatos do Mundo.

Deste modo, depois de desaparecer do programa olímpico, o LM4- sai também do programa dos mundiais. O programa de regatas fica assim igual para masculinos e femininos e apenas se mantem o Shell de 8 como barco com timoneiro. Deixa de haver M4+ e M2+ em Seniores, ficando apenas presente em Sub-23 e Juniores, tanto masculinos como femininos.

Em relação aos eventos de 2019, a novidade é a saída de Lucerna como 3ª Taça do Mundo. As Taças do Mundo ficam assim em Plovdiv (Bulgária), Poznan (Polónia) e Roterdão (Holanda). O Campeonato do Mundo de Junior 2019 será em Tokyo (Japão) e o de Remo de Mar será em Hong Kong. Foi ainda atribuído o Campeonato do Mundo de 2021 a Shanghai (China).

De salientar a entrada de dois novos membros na FISA: Cambójia e Guiné, num total de 153 federações nacionais.


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS