Arquivo de Fut. Nacional - Fair Play

received_2402906256391542.jpeg?fit=1080%2C821&ssl=1
Nélson SilvaNovembro 14, 20183min0

Querido velho Benfica,
Escrevo esta carta com saudade.
A saudade que é boa, o motivo que é mau.
Nem sabes o que te têm feito ultimamente.
Cresci a ouvir falar das tuas conquistas heróicas, cresci com o meu pai e o meu avô a relembrarem o respeito que tinhas lá fora.
Intensifiquei o orgulho quando se reergueu um clube vencedor por natureza.
O novo milénio marcou uma mudança que se exigia.
O velho Benfica merecia a grandeza que por pouco não se desvaneceu perante a desgraça da última década de 90.
Nisso, a gratidão cabe em cada um de nós, dos que te viram a conquistar o mundo, aos que agora vêm um clube com as infraestruturas que merece.
Muito se conquistou, chegou o inédito tetra, faltou apenas o maldito título europeu.
Trago isto apenas para dar alguma cor ao que agora parece neutralizar-se.
O novo Benfica já não tem a tua personalidade.
Quem agora comanda, perdeu a elevação que tinhas, de olhar só para ti mesmo.
Jamais precisaste de olhar para os outros para justificar o teu insucesso.
Deixaste bem claro que eras o exemplo a seguir, que o respeito e a admiração vinham até dos rivais.
Se há coisa que nunca quiseste foi olhar para baixo e dar importância a quem te tentava apontar o dedo.
Se havia espírito na equipa, era o de alguém capaz até de aplaudir um adversário que acabara de lhe negar um título europeu no último suspiro do jogo.
Hoje, o novo Benfica não é assim.
A degradação agora não se resolve olhando para o próprio umbigo.
Para o novo Benfica, passou a ser mais fácil apontar o dedo aos outros, descendo ao nível que tanto quiseste evitar.
Quem te lidera chegou a dizer, quando tudo era um mar de rosas: “por favor, não falem dos outros”.
Porém, quando os insucessos bateram à porta, já sabes o que aconteceu.
O novo Benfica coleciona membros que já passaram no outro lado da segunda circular, que não te sabem recordar.
A nossa comunicação está entregue a alguém que não respeita os teus princípios, porque jamais os sentiu como ensinaste a quem reconhece o teu passado.
Vivemos uma fase em que o adepto comum que te conhece se envergonha com a preocupação que um tal “Twitter para a comunicação social” tem de procurar o defeito no vizinho.
Não sabes o quanto nos revolta esta decadência.
A própria TV do canal, que te fez lembrar nos primeiros tempos, proporciona agora um triste espetáculo de ocultar o sentimento dos adeptos.
Se já as palavras dos comentadores trazem desconfiança, nem imaginas o que fazem com as câmaras.
Acabamos de perder um jogo em casa, transmitido no nosso canal e imagina lá tu que, no final, ocultaram a nossa ira, baixando o volume do som do estádio, filmando apenas jogadores.
No comando técnico, escolheram alguém que se escondeu atrás de uma questionável humildade.
O treinador não tem hoje capacidade de reconhecer os seus erros.
Imagina que esse homem diz que “temos de saber lidar com o insucesso”.
Já viste o que te fizeram, velho Benfica?
Quando ganhavas, quiseste sempre mais.
Hoje, quando se perde, justifica-se com o que já se ganhou.
A mentalidade que incutiste na nossa família, vai-se perdendo lentamente com as manobras de diversão deste triste novo Benfica.
Espero que te voltem a honrar urgentemente, porque não mereces assistir a isto.
Criaste uma cultura de vitórias, quiseste-nos o maior do país.
Quem trabalhava para ti defendia as suas cores e resolvia os seus problemas, não perdia tempo a apontar os dos outros.
Espero que ainda vão a tempo de olhar para ti.
A reconquista só tem esperança se se respeitar o culto que criaste para esta instituição.
Um abraço com saudade,
Velho Benfica.


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS