Bruno Costa Jesuíno, Author at Fair Play

ruben-amorim.jpg?fit=1200%2C720&ssl=1
Bruno Costa JesuínoJaneiro 26, 20206min0

É óptima aquela sensação de ‘amor à primeira vista’. Mas como todas as histórias, até chegar a um final feliz, há uma sem número de ‘vistas’ que vão mensurado esse ‘amor’, que passa de bestial a besta num piscar de olho. E falamos de Rúben Amorim. Que nestes primeiros jogos tem sido um caso amor(im) à primeira, segunda e terceira vista.

O pleno de vitórias em todas as ‘vistas’

Na realidade já 5 vistas. Leia-se 5 jogos. E em todos eles fez o pleno de vitórias. Destacam-se três delas porque foram contra dois dos dos ‘grandes’ do futebol português. Duas com o Porto e uma com o Sporting. Mas vamos ao antes disso. Rúben Amorim pega na equipa de Sá Pinto, que com um brilhante percurso europeu, estava a desiludir a nível interno. Muitos pontos perdidos e a claudicar nos jogos com os grandes. Mais que os resultados, sentia-se que nesses duelos o Braga não se impunha com equipa ‘grande’ que quer vir a sair. Aliás, isto não só com Sá Pinto, pois salvo raras excepções, o saldo e as exibições com os grande deixaram algo a desejar para a nação bracarense.

A estreia não podia ser melhor. Na deslocação ao Jamor uma goleada das antigas por 7-1. Mas, como se costuma dizer, “o futebol é o momento” e na recepção ao Tondela foram muitas as dificuldades para vencer. Nesse jogo chegou-se a ouvir assobios na bancada. Depois, mostrou-se uma equipa mais consistente (com e sem bola) no Dragão, e com a sorte do jogo venceu onde não ganhava há muitos, muitos anos.

Chegado o momento da ‘final four’ da Taça da Liga, onde uma vez mais foi anfitrião, o Braga superiorizou-se ao Sporting na meia final. No cômputo geral demonstrou ser mais equipa, tanto a jogar contra 11, como depois contra 10. Mais pressionante e com muita dinâmica acabou por marcar perto do fim e dar justiça ao resultado, onde tinha sofrido o golo do empate num momento de distracção numa reposição de bola de Bruno Fernandes. Na final, um jogo mais equilibrado, onde a defesa se superiorizou o ataque. Mas o resultado aceita-se, o Braga mostrou-se quase sempre mais confiante e compacto, acabando o jogo a pressionar o Porto. Pressão essa que acabou por dar frutos com o golo de Ricardo Horta aos 95 minutos, o penúltimo dos descontos.

A história de um golo que esteve longe de ser só sorte

Ah e tal foi uma carambola que acabou por ir parar aos pés do Ricardo Horta. E foi. Mas o que antecedeu a jogada do golo esteve longe de ser só sorte. No lançamento lateral longo de Sequeira para a área do Porto, de destacar a forma como a equipa bracarense se posicionou (e bem) ainda com bola. Preparando a transição defensiva, marcou Soares em cima, o jogador seria o ponto de partida para  ligar um possível transição ofensiva dos ‘dragões’. Assim foi. O central do Braga ganha no duelo com o avançado, e depois a classe de Paulinho a colocar a bola entre linhas e o instinto de Ricardo Horta fizeram o resto. Ah, claro. E a sorte também.

O Rúben por detrás do  treinador

Rúben, dividiu a formação de jogador entre Benfica e Belenenses. Como jogador, não sendo um daqueles considerado fora de série, destacou-se acima de tudo pela sua polivalência. E para desempenhar várias funções com sucesso, muito se devia à sua inteligência. Sempre se entendeu que percebia o jogo como poucos. Saber sempre onde devia estar com e sem bola, fosse a jogar na “posição 8”, a mais natural face às suas características, num duplo pivô, a falso ala e até a defesa direito.

O factor mais negativo da carreira foi o facto de ter sido sempre muito propenso as lesões, muitas vezes, em fases em que estava a crescer. Como por exemplo aquela lesão grave (mais uma) joelho no sintético do Bessa. A sua personalidade forte fazia dele um dos líderes em campo, tanto para puxar pela equipa como para ajudar a corrigir posicionamentos dos colegas.

Quando se assumiu como treinador…

Como treinador, pegou no Casa Pia e deixou a sua marca, nos jogadores, no clube e na comunicação social. Devido a alguns problemas disciplinares, foi afastado, e depois do convite para assumir a equipa de sub23 do Benfica (que rejeito) assumiu o Braga B.

Quando o contratou, António Salvador já deveria ter na ideia um dia ‘dar-lhe o lugar’ o treinador principal, até porque também já o conhecia bem pela sua passagem pelo Braga. Assumiu a posição mais cedo do que era esperado (por todos), mas até tem deixado a sua marca, tendo em conta os grandes resultados, as boas exibições, as ideias positivas e, por agora. a sorte… que protege os audazes.

O fato de campeão de inverno serve-lhes bem

Rúben pegou na equipa e foi logo criticado por não ter o curso de treinador. Mas isso é uma outra história que agora não será esmiuçada. Com uma forma de perceber o futebol muito própria, implementou rapidamente as ideais que já lhe reconhecia nas passagens pelo Casa Pia e pelo Braga B.

Um sistema assente em três centrais, mas com muitas dinâmicas, que consoante as nuances do jogo, tanto defende numa linha com três, quatro ou cinco. Mas mais que o sistema, é a nova ideia que o treinador trouxe para a equipa. Um modelo que tem apresentado mais soluções ofensivas, algo que a equipa vinha sentido dificuldades diante de adversário que se fecham mais.

Se calhar, mais até que os resultados e exibições é a postura e a personalidade da equipa que tem surpreendido. Todos sabemos que são resultados que mandam, e uma fase má pode quase apagar o que de bom Rúben Amorim trouxe para Braga, mas que o início é prometedor, lá isso é.

Um bom arsenal de armas

Muito já se elogiou o plantel do Braga por ser muito homogéneo, com duas opções de valor semelhante para cada posição. Basta pensar que no duplo pivot do meio campo, tem sido usados Palhinha e Fransérgio, estando no banco André Horta e João Novais! Jogadores que poderiam caber no plantel dos três grandes. Na frente Ricardo Horta e Francisco Trincão têm feito companhia a Paulinho. Mas a concorrência é forte, com Wilson Eduardo, Galeno, Rui Fonte. E ainda há Bruno Xadas.

O dinamismo e toda aquela basculação que a equipa vai fazendo, permite entre outras coisas, dar maior liberdade aos principais desequilibradores (por norma os extremos Horta e Trincão) que lhes permite, por exemplo, recuperar mais tarde na transição defensiva.

fairplay1.jpg?fit=1000%2C700&ssl=1
Bruno Costa JesuínoJaneiro 20, 20207min0

Rivalidade. Rivalidade não é guerra. Embora pareça que no futebol há uma linha, demasiado ténue, que as separa. Felizmente, os protagonistas, ou pelo menos aqueles que o deviam ser, ainda nos dão muitos bons exemplos. Um desses casos é o badalado “Bruno Fernandes”, que nos últimos tempos tem dado bons exemplos de fair play fora de campo. Além disso, vamos falar no futebol. Mas daquela parte que interessa.

Bom exemplo, um que está sempre a reclamar durante os 90 minutos?

É um facto. O seu perfil em campo faz com que passe muito tempo a reclamar com árbitros e adversários durante os 90 minutos. Mas não é essa parte que o artigo quer destacar. É a capacidade de Bruno Fernandes não ter receio em falar sem tabus de assuntos que muitos não têm coragem de o fazer. Os elogios públicos aos “inimigos”. Ah, espera, isso é a forma como muitos pensam. Vou reformular. O capitão dos ‘leões’ elogiou publicamente a qualidade de vários rivais. No final da época passada, em declarações à RTP, no final da época passada, elogiou a capacidade um jogador portista.

Não vou dizer que sou eu. Não é uma questão de humildade a mais, mas não me consigo ver dessa maneira. Há um jogador que este ano até pode não ter sido tão preponderante, mas que gosto muito: o Brahimi. Para mim, quando quer, é o melhor jogador do campeonato.

As palavras estenderam-se ainda a outros destaques do rival da segunda circular, pelas excelentes época que fizeram.

Dos portugueses… Temos a surpresa João Félix, que fez um grande campeonato, mas pela influência que tem diria o Pizzi. Talvez até o possa colocar no mesmo patamar que o Brahimi.

Mas não se ficou por aqui, ainda esta época, o capitão do Sporting, fez um comentário nas redes sociais a elogiar a excelente prestação do benfiquista diante do Zenit.

Adivinhem o que aconteceu?

Se calhar não é preciso muito para se adivinhar o que aconteceu. Pois bem, no futebol, o elogio a rivais tem sempre o reverso da medal. Para grande parte dos adeptos ser simpático para um adversário é algo proibido, e quem o faz é considerado pelos mais radicais, como ‘traidor’. Inclusive por aqueles adeptos ‘famosos’ que vão à televisão. Lembro-me quando o Benfica ganhou ao Porto, um desses em adeptos, no Prolongamento, ter criticado por no fim do jogo Ricardo Quaresma ter dado um abraço a Jorge Jesus. Para ele, é inconcebível depois de uma derrota ser ‘simpático’ com um adversário. Óbvio que anos depois, também apoiou o ‘não cumprimentar’ que Sérgio Conceição fez a João Félix no mesmo estádio, e também após um desaire.

It’s  footbal, not war

O futebol é a coisa mais importante dentre as coisas menos importantes das nossas vidas.

Esta famosa frase é da autoria do ex-jogador e treinador italiano Arrigo Sacchi, e devia ser lembrada todos os dias. Lembrada e levada à letra. E após o apito final não eternizar guerras sem sentido e com base num clubismo exacerbado, que mais se aproxima de ódio. E tudo começar quando se odeia mais um rival do que se gosta do seu clube.

It’s football, not war. E sigam o exemplo, dos jogadores. Que por vezes não demonstram mais devido às más reacções de parte significativa dos adeptos. Por isso, parabéns Bruno. E que o teu ‘grande’ futebol continue a acompanhar a tua ‘grande’ postura. Seja onde for.

Nélson Semedo e Bruno Fernandes:

João Félix responde a Bruno Fernandes:

O nosso futebol: ponto de situação

Acabou a primeira volta do campeonato e em pouco mais de quatro meses muitas coisas há destacar. Vamos pegar em dois pontos positivos e um negativo.

A ‘dança’ dos treinadores ja dava (quase) para fazer um ‘onze’

Começar por um menos positivo. Desde o início houve dez mudanças de treinador. Quer dizer onze, com  saída de Folha do Portimonense durante o fim de semana. O Sporting, contando com o interino Leonel Pontes, e o Belenenses, já vão na terceira escolha. Não será por acaso as épocas conturbadas e abaixo das expectativas que ambas as equipas têm tido. Aliás, curiosamente, Silas, actual treinador do Sporting, começou a época no Belenenses (ou será que deverei B Sad ou Code City!).

Mas mais que a mudança de treinadores é a mudança de estratégia em poucos meses. O Marítimo começou a época com Nuno Manta Santos (agora no Aves), um treinador de transição, e ao fim de alguns meses mudou para José Gomes, um treinador que aposta num jogo de posse. O mesmo com Vitória Futebol Clube, que depois de Sandro, que montava a equipa centrada na segurança defensiva, apostou no espanhol Júlio Velasquez.

Em sentido oposto, o Belenenses que depois de Silas e Pedro Ribeiro, apostou em Petit. Treinador que se tem especializado em assumir salvar da descida equipas que assume a meio da época, mas que ao contrário dos antecessores, apresenta uma forma de jogar antagónica.

O grande Fama, o Gil de Oliveira e os recordes de Lage

A grande sensação da época tem sido o Famalicão, ainda por cima neste regresso à primeira liga depois de algumas décadas de ausência. Um projecto que está a ser criado há alguns anos e que está a dar frutos. Uma aposta em jogadores jovens, que têm tudo ainda para mostrar. Reforçou-se tanto no verão como agora no mercado do inverno. Até ver ainda não deixou sair nenhum dos principais jogadores, e está no sensacional terceiro lugar. Será que vai continuar a surpreender?

Quase tão surpreendente, o também regressado Gil Vicente. Com um plantel por montar a partir do zero, escolheu o experiente Vitor Oliveira, o mestre das subidas de divisão. Uma missão difícil nas mãos certas. Destaca-se a vitória sobre o Porto e Sporting, e mesmo depois de alguma séries negativas, encontra-se no 8º lugar, seis pontos acima da linha de água.

Mesmo com algumas fases negativas, principalmente após a derrota com o Porto, o Benfica de Bruno Lage teve a força de ir ganhando quando jogou mal. Com o regresso Gabriel e depois de Chiquinho, e a explosão de Vinícius a equipa estabilizou, mesmo quando perdeu o jogador que em melhor forma: Rafa. Em 51 pontos, conquistou 48, apresentando o melhor ataque e a melhor defesa (+7 golos e -5 que o Porto, respectivamente).

Uma palavra para a qualidade de jogo do Vitória Sport Clube, apesar de alguns resultados menos positivos do que as exibições adivinhavam.

Do trio benfiquista ao incontornável Bruno Fernandes

A prova quase imaculado do Benfica tem tido em Pizzi, desde o início, e melhoria exibicional com a entrada de Chiquinho e Vinícius. O primeiro porque é aquele que mais aproximou o Benfica das dinâmicas da época passada (quando tinha João Félix) e o brasileiro pelas novas soluções que deu à equipa, além da excelente média de golos.

No Porto o maior destaque tem sido Corona. O mexicano, jogue em que posição jogar é actualmente o mais imprescindível. Os reforços Marchesin, entrou muito bem na equipa, e Luis Diaz, embora a espaços, tem oferecido à equipa aquilo que Brahimi tinha de melhor.

No Braga, Ricardo Horta tem sido o mais influente na frente, enquanto Palhinha tem crescido muito. A capacidade de equilíbrio de dá a equipa faz lembrar a influência que Fejsa já teve no Benfica.

Na cidade de Guimarães, com um plantel bem recheado, Ivo Vieira tem rodado muito a equipa de jogo para o jogo. No entanto, o jogador mais utilizado, tem sido Tapsoba, um dos melhores centrais do nosso campeonato. No Sporting, Bruno Fernandes. Sempre, Bruno Fernandes.

Outros destaques: Kraev (Gil Vicente), Davidson (Vitória SC), Nehuén Perez, Pedro Gonçalves, Fábio Martins (Famalicão), Taremi (Rio Ave), Pepelu (Tondela), Filipe Soares (Moreirense) e Mehrdad Mohammadi (Aves).

futebol-adeptos.jpg?fit=1200%2C675&ssl=1
Bruno Costa JesuínoDezembro 25, 20197min0

Não só este Natal, como em todos, “All I want for Christmas is you” é provavelmente a música que mais ouvimos. Reza a história que Mariah Carey já ganhou cerca de 50 milhões só com este êxito. Mas neste artigo a música é outra. Futebol. E fazendo uma tradução livre e adaptada da música cantarolava qualquer coisa como “O que mais quero para o futebol são…” mentalidades renovadas.

E perguntam vocês, mentalidades renovadas, explica lá isso melhor

Ok. Já que perguntam, eu explico. Aliás não só explico como exemplifico. Em termos geral os adeptos portugueses auguram quase sempre o desastre e decepção antes de uma competição, mas depois, em caso de sucesso, esses mesmo adeptos passam da desconfiança à confiança exarcebada, às vezes à primeira vitória. Mas não ganhando o jogo seguinte entram novamente em estado ‘depressivo’. É dessa ambiguidade, de passar do 8 para 80, e do 80 para o 8, num simples estalar de dedos.

Ah Éder é um cone… Golo do Éder…. Ah eu sabia que ele ia marcar

O rapaz que marcou o golo mais importante da história do futebol português foi provavelmente o mais ‘mal amado’ de sempre entre os convocados nacionais numa competição de selecções. Mais consensual que a convocatória de Ronaldo, Rui Patrício, Pepe… só mesmo a não convocatória de Éder. Quase unânime. Talvez 1% do adeptos portugueses, e isto contabilizando família e amigos! Havia razões para isso. Sim havia. Ou poucos golos e as exibições cinzentas iam ao encontro disso. Mas Fernando Santo decidiu levá-lo, não para ser titular ou opção regular, mas porque podia ser útil em ‘determinados’ momento… de ‘determinados’ jogos. E foi mesmo.

Por acaso vi o jogo no Terreiro do Paço, o local onde possivelmente estariam mais portugueses juntos a ver o jogo, a seguir a Saint Denis. Um pouco por todo o lado houve uma espécie de coro de críticas misturada com assobios. Principalmente um grupo que estava ao meu lado.

E eu? Eu fiquei calado pois o meu pensamento voou de imediato para uma reportagem que vi meses antes do início europeu. Pediram a um jornalista para simular um golo de Portugal na final. E que nesse relato ensaiado era um golo de Éder frente à França. E até timidamente, para não mal augurar, comentei com alguém que estava ao meu lado. Atenção que se fosse o seleccionador, naquele momento, mais facilmente punha o (na altura) novato Rafa que o Éder.

Voltando ao grupo de pessoas que estava ao meu lado. Uma dessas pessoas estava mais ‘desbocada’ e descontrolada nas críticas. Tanto que um indivíduo, que não o conhecia, deu-lhe com o capacete na cabeça! (felizmente sem consequências). Sim, deve ter sido o único momento que deixei de olhar para o ecrã gigante. Mais
comedido só voltou a reagir após o golo do Éder e enquanto festejava gritou alto: “Eu sabia! Eu sabia que era o Éder a resolver”. É dessa dissonância de comportamento que falo. Está tudo mal, mas mesmo se quem resolve é quem mais crítica, passa de besta a bestial num instante. Rapidamente passou de ‘cone’ e ‘patinho feio’ para o “gajo que os f… tramou”, cantarolada vezes sem conta.

Futebol como fenómeno social

Essa alteração de opiniões acontece não só no futebol. Mas consegue diferente no futebol. Em que outra actividade de ‘ajuntamento de grandes quantidades de pessoas’ se abraça alguém ao lado que não se conhece após um golo ou uma vitória apenas e só porque torcem pela mesma equipa? A miscelânea de emoções é muita, por vezes até demasiada. Um exemplo: no parágrafo acima falo do indivíduo do capacete que agrediu outro por estar farto de ouvir. Após o golo do Éder abraçaram-se os dois como se fossem os melhores amigos. Ao mesmo tempo que consegue ser mágico tem o reverso da medalha, que leva a comportamentos desviantes.

O desafio para essas mentalidades renovadas seria começar por gostar mais do futebol em si e não apenas e só da equipa pela qual torce e pensar que o resto será só para enfeitar ou (ainda pior) odiar.

Euro2020: “França, Alemanha no nosso grupo, mas vale nem irmos!”

Após o sorteio de há algumas semanas, que não pensou, disse ou ouviu alguém dizer. Meto as minha mãos no fogo que pelo menos uma destas hipóteses aconteceu com qualquer uma das pessoas que se tenha cruzado com este artigo. É típico. Quem se lembrar do Euro 2000, a reacção foi idêntica. Portugal no grupo da morte diante de Alemanha, Inglaterra e uma Roménia, que na altura era uma selecção significativamente mais forte do que a actual. Passámos a fase de grupo com 3 vitórias. No terceiro jogo, já com a passagem assegurada, rodámos a equipa e vencemos a Alemanha por 3-0, com um hattrick de Sérgio Conceição (no primeiro jogo vencemos a Inglaterra por 3-2 depois de estarmos a perder por dois golos – um jogo épico – e com a Roménia marcámos bem perto do fim).

Não fazemos futurologia para saber como vai correr, mas tal como há 20 anos atrás, o ‘velhos do Restelo’ que há dentro de ‘nós’ vem ao de cima. Nem será bem ‘sofrer por antecipação, será mais algo como ‘para evitar sofrer mais valia nem irmos’. Os mesmo que à primeira vitória vão dizer “vamos ser campeões” são os que gritam o famoso “eu sabia que ia ser assim” à primeira derrota.

De qualquer das formas, reza a história que Portugal contra equipas de maior reputação não raras vezes se transcende e, por vezes facilita com equipas em que tem maior responsabilidade. O importante é ter a noção que não é um resultado que faz de nós nem os melhores nem os piores do mundo, evitando a bipolaridade de quem passa do pessimismo deprimente ao optimismo exagerado. E vice-versa.

Por falar em Portugal campeão europeu…

Por falar em Portugal campeão europeu em 2016, lembrei-me de um pequeno texto que escrevi, a 12 de Fevereiro de 2018, após a selecção nacional de futsal se ter sagrado campeã europeia… também pela primeira vez.

Coincidências e felizes acasos

Há coisas que parecem tão destinadas a acontecer que mesmo por linhas tortas os ventos acabam por soprar a favor.

Ricardinho no mês passado revelou: “Cristiano Ronaldo sofreu muito até realizar o sonho de ser campeão europeu, durante a final levou uma pancada e ficou a sofrer até sermos campeões europeus. ESPERO QUE ACONTEÇA O MESMO”. E não é que aconteceu! Literalmente. Mas as coincidências não ficam por aqui.

Ambas as finais foram num dia 10. Ambos os jogadores nasceram no mesmo ano, foram considerados 5 vezes como melhor do mundo, são capitães e, nos últimos anos, semana após semana, fazem os espanhóis renderem-se ao seu talento, e num ano em que foram campeões europeus de clubes, cumpriram o sonho de o ser pela selecção.

(Bruno Costa Jesuíno – Fevereiro 2018)

Concluir o artigo com uma mensagem positiva. Sermos optimistas e não deixar de acreditar que os felizes acasos podem acontecer. Mas que quando não acontecem não é o fim do mundo.

Ah e claro, Bom Natal.

Ver vídeo original AQUI (SIC NOTÍCIAS)

Ver vídeo original em SIC NOTÍCIAS: https://sicnoticias.pt/desporto/2018-02-11-O-sonho-de-Ricardinho-aconteceu

BrunoLage-New.jpg?fit=1200%2C675&ssl=1
Bruno Costa JesuínoDezembro 11, 20199min0

Provavelmente esta é primeira crónica de todo o sempre que começa ‘inspirada’ numa música de Quim Barreiros. Na génese da ideia estão as conversas (online  e offline) do ‘adepto comum*’, que facilmente passam um treinador de “besta e bestial” e vice-versa. Um qualquer desses adeptos poderia cantar assim: “Ponho o Lage, tiro o Lage, ao jogo que eu quiser…”

Ponho o Lage, tiro o Lage, ao jogo que eu quiser
Ora é melhor é que o Mourinho, ora é treinador fraquinho
Tira na Europa, põe na Liga, e às vezes na taçinha
Está sempre mudando o onze para a prova que se avizinha!

Nota: no fim do artigo será apresentada a definição de “adepto comum”.

Diário de bordo dos 11 meses de Lage

Estas súbitas mudanças de opinião não são exclusivas aos adeptos do Benfica, mas sim transversais a todos os adeptos. Mas neste artigo vamos centrar-nos em Bruno Lage e nos 11 meses que tem à frente da equipa principal dos «encarnados».

O início e o pré-início da cruzada do ‘comandante’ Lage

São 11 meses, mas já podiam ser 12. Há cerca de um ano, o clube não passava por uma boa fase, e começou-se a falar na possibilidade de Bruno Lage, na altura treinador da equipa B, assumir o leme da equipa principal. Não foi em dezembro, mas em Janeiro o treinador setubalense assume o comando interino numa conjuntura difícil, após a saída de Rui Vitória. A equipa tinha acabado de perder em Portimão, ficou mais longe do título e o nível exibicional deixava muito a desejar. Muitos viram esta opção apenas como uma situação temporária e que o Benfica parecia indicar ‘entrelinhas’ estar a ‘desistir’ do título. Mas outros não. E entre estes estava Bruno Lage, que acreditou no qualidade do seu trabalho, na equipa, e fez a equipa acreditar nele e nela própria. No jogo de estreia muda o sistema táctico (para 442) e, entre outras alterações, lança a então ‘promessa’ João Félix como segundo avançado. O jovem já tinha sido utilizado por Rui Vitória a titular, mas mais vezes a saltar do banco, e sempre a jogar a partir da esquerda. Lage quis tirar o melhor partido do jogador e do que este poderia dar a equipa, e muito do jogo da equipa a passar por ele. Começou a perder na Luz por 0-2, mas acabou a vencer com brilhantismo, por 4-2, com um futebol ofensivo de qualidade e com uma grande exibição de João Félix. A partir daí a equipa embalou.

As não vitórias de Bruno Lage 2018-19

Mesmo numa sequência de vitórias, a cada não vitória, iam surgindo as primeiras críticas.

«Final Four» da Taça da Liga: O primeiro clássico

No primeiro grande clássico, a equipa defrontou o Porto na «final four» da Taça da Liga. Num jogo muito intenso, em que as equipas se bateram de igual para igual, a equipa da cidade invicta acabou por levar a melhor. Se para muitos adeptos do Benfica ficou a retina da boa exibição da equipa, para outros ficou apenas uma derrota e a possível falta de estaleca da equipa.

Quartos-de-final da Liga Europa: A sina alemã

À medida que na liga portuguesa se ia aproximando do Porto, na Liga Europa, Bruno Lage acabou por ir dando a oportunidade a alguns «jovens do Seixal». Florentino, Yuri Ribeiro, Jota, o próprio Gedson que tinha perdido algum espaço, e mesmo o já mais experiente Corchia (emprestado pelo Sevilha) começou a ter oportunidades nesta competição. Eliminou o Galatasaray, o Dinamo Zagreb, e numa eliminatória equilibrada com o Eintracht Frankfurt, acabou por ficar às portas da meia final. Nesta altura surgiram as primeiras críticas relacionadas com a rotação que Lage fez na equipa, elogiadas nas rondas anteriores, quando o Benfica venceu.

Meias-finais da Taça de Portugal: No tudo por tudo dos leões

Depois de uma excelente exibição na primeira mão da meia-final diante o Sporting, em que eliminatória poderia ter ficado resolvida, a 10 minutos de fim, num último fôlego Bruno Fernandes conquista um livre directo. O ‘intocável’ do Sporting bate com excelência de deixa tudo em aberto para a segunda mão em Alvaldade (2-1). Aí apresentou-se um Benfica menos capaz do que no jogo anterior e um Sporting, já afastado do campeonato, tinha que dar o tudo por tudo para ser feliz. E mereceu ser feliz. Num jogo equilibrado, um lance de génio de Bruno Fernandes permitiu o Sporting passar à final do Jamor, que acabaria por vencer.

Campeonato: Após a vitória mais importante a primeira perda de pontos

Após a derrota na Taça da Liga diante do Porto, temia-se de alguma forma como reagiria o Benfica na decisiva deslocação ao Dragão. O Benfica só contava com vitórias e tinha reduzido a larga distância para apenas um ponto. Num jogo muito intenso os «encarnados» impõem-se e vencem merecidamente por 1-2, passando a liderar a liga com dois pontos de vantagem. Curioso que no jogo seguinte, na recepção ao Belenenses, o Benfica perde pontos pela primeira (e única) na era Lage. Num jogo controlado a vencer por 2-0, duas falhas de atenção permitiu dois golos Belenenses em dois minutos. Terá servido de aviso para embarcação que não mais perdeu pontos até final da época.

2019-20: A queda do pedestal de quem não chega a cair

O título pode ser um pouco dúbio, mas tem tudo a ver com a carreira de Bruno Lage no Benfica. Para a generalidade do adepto comum, a época passada Lage era o melhor do mundo e pensam que vai ganhar todos os jogos, mas às primeiras derrotas já acham que ele é o pior de todos e devia ir embora.

A equipa entrou bem com uma vitória de 5-0 na supertaça diante o Sporting. Com um nível exibicional mais baixo que na época anterior, o certo é que Lage tem conquistado quase todos os pontos. Quase todos, porque perdeu, sem qualquer contestação, na recepção ao Porto, que conseguiu anular de forma exímia os pontos fortes dos «encarnados». A partir desta derrota a desconfiança dos adeptos começou e Lage começou a ser criticado.

Mesmo indo vencendo todos os jogos, muito deles com pouco brilhantismo, a prestação na Liga do Campeões, principalmente nos primeiros jogos, fez com que muitos adeptos começassem a olhar para Bruno Lage com desconfiança, apontando o dedo sobretudo, à rotação dos jogadores.

7 notas sobre Lage

  1. Entrou a meio da época passada, numa situação difícil, e fez uma recuperação fantástica tanto em termos de resultados como exibicional. Sendo a primeira experiência como líder de um equipa principal, merece crédito.
  2. Em duas meias épocas no campeonato perdeu apenas 5 pontos. Esta época com menos fulgor exibicional, muito por culpa da perda do jogador sob o qual rodava todo o futebol de equipa. Com algumas experiências falhadas foi encontrando soluções para colmatar essa ausência. A equipa parece ter melhorado nas últimas semanas.
  3. A rotação tem vantagens e desvantagens. Permite dar descanso a jogadores importantes, além de dar oportunidade e ritmo de jogo a jogadores menos utilizados, para quando forem chamados estarem motivados e condições em competir. A desvantagem é que é sempre um risco. Mas se é para arriscar que seja nas taças, principalmente na Taça da Liga. Na Liga dos Campeões, foram 2, 3 ou 4 alterações, que não considero que sejam suficientes para justificar os resultados do Benfica. Embora exista quem ache. São opiniões.
  4. Depois dos excelentes jogos da época passada, muitos treinadores foram percebendo os pontos fortes do Benfica. Começaram a saber como anular os movimentos da equipa e, muitas vezes, mesmo durante os jogos, Lage teve que mudar e não teve receio disso. Pode mudar para pior ou melhor, mas tenta ler o jogo e melhorar e não fica refém das suas ideias iniciais.
  5. Jogadores, como por exemplo Tomás Tavares, não estiveram sempre bem e tiveram falhas. No entanto, será certamente agora melhor jogador do que era em Setembro. São dores de crescimento normais num jovem, e quem quer tornar jovens jogadores em jogadores de topo, tem que cometer riscos e contar com possíveis consequências que possam advir. (Um excelente exemplo disso, aconteceu há uns anos, no outro lado da segunda circular. Rui Patrício até se tornar no guarda-redes indiscutível esteve duas épocas a ser criticado pelos adeptos. Mas certamente as falhas que tiraram pontos foram posteriormente ultrapassadas pelas defesas que deram pontos.)
  6. Não esperem de Lage aquele treinador que vai jogar em 90 por cento das vezes com o mesmo onze, consoante os adversários, a condição física dos jogadores e para manter o plantel competitivo, vai haver mudanças muitas vezes. Tirando talvez o Barcelona de Guardiola (que tinha sempre a bola logo dava para descansar durante os jogos) todos as equipas, que estejam em 2, 3 ou 4 competições têm que rodar, priorizando-as. Outro exemplo vindo de um rival. Adeptos portistas acérrimos defensores de Sérgio Conceição, apontaram a falta do rotatividade do Porto como a grande falha da época passada.
  7. Por fim, um desejo pessoal, tenha mais ou menos sucesso que Bruno Lage mantenha sempre a sua postura e se mantenha fiel às suas ideias e ideais. Importante ter mais treinadores que não entrem em polémicas sem sentido e que refugiam só em desculpas comuns. Que continue a explicar os resultados e exibições - bons e maus - com base no futebol jogado. Ou seja, com todo o Fair Play.

Definição de “adepto comum”

adepto comum | adj. s. m. + a·dep·to |épt| co·mum

(latim adeptus, -a, -um, conseguido, atingido) + (latim communis, -e)

adjectivo e substantivo masculino

1. Diz-se de ou pessoa que apoia um determinado clube principalmente quando as coisas correm bem. Quando não correm bem consegue ser o principal crítico = PARTIDÁRIO PARA O LADO QUE CALHA

2. Diz-se de ou pessoa pseudo-especialista que comenta futebol publicamente sem muitas vezes perceber a regra mais básica. = PSEUDO APOIANTE

3. Diz-se de ou pessoa que normalmente sofre de memória curta causada por trechos de 90 minutos. = APOIANTE COM MEMÓRIA DE PEIXE

adaptado, adulterado e inspirado no formato do Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013,
jj-resize.png?fit=1000%2C700&ssl=1
Bruno Costa JesuínoNovembro 28, 20198min0

Na última semana dois dos nomes mais badalados na imprensa têm vários pontos comuns. Ambos têm um personalidade muito própria. Ambos confiam muito nas suas capacidades. Ambos são dos melhores do mundo na sua função. E ambos fazem sonhar os adeptos de qualquer equipa equipa para a qual trabalhem (salvo uma ou outra excepção). Falamos, claro, da (re)aparição do ‘special one’ durante a consagração de Jorge ‘Alvares Cabral’ Jesus.

“Olé, olé-olé-olé, mister, mister” (Jesus)

Capa do Jornal Record

Jorge Jesus, tal como os (melhores) navegadores portugueses, depois de ‘descobrir’ um novo caminho caminho ‘comercial’ na Ásia, navegou, neste caso voou, rumo à conquista do continente sul americano, fazendo igualmente das terras de Vera Cruz a sua porta de entrada. Destaca-se desde já a primeira grande diferença: a recepção do ano 1500 a Pedro Álvares Cabral foi, pelo menos tendo em conta a documentação história, bem mais simpática do que a Jorge Jesus foi alvo (pela comunicação social, comentadores e treinadores brasileiros). Mas se o(s) primeiro(s) se impuseram pela ‘força’, o segundo foi convertendo os mais cépticos pela qualidade diferenciada do seu trabalho e até pela simpatia. Rapidamente se tornou um ídolo entre a nação rubro-negra, e alguns dos que mais o criticaram começaram a retratar-se.

E depois em 24 horas conquista dois títulos. Se o ‘brasileirão’ já era esperado pelo avanço pontual, a Taça dos Libertadores foi bem emocionante. A perder até perto do fim, aos 88 minutos (Oitchentcha e Otcho, como alguém diria) empatou o jogo. Mas a história mais bonita veio a seguir. Depois de perder duas finais continentais ao (outrora fatídico) minuto 92′ (já sem falar de uma Taça e uma liga portuguesa), Gabriel Barbosa bisa e dá o título ao Flamengo.

Ainda com o campeonato do mundo de clubes por disputar, já há quem peça um estátua de Jesus ao lado de Zico. Será caso para dizer: “Obrigado Jesus…”

‘(re)Special One’ está de volta

Depois de uma saída complicada há um ano do Manchester United, e quando os ‘profetas da desgraça’ já ditavam o seu ‘fim’, eis que José Mourinho regressa em grande para o mesmo campeonato e para um rival do. O ‘(re)Special One’ está de volta. E ‘(re)Special’ sem qualquer conotação negativa, mas sim porque depois de uma pausa sabática certamente que de alguma forma se ‘reciclou’, para mostrar o porquê de (continuar a) ser especial.

Habituado a fazer o que ‘há muito não é feito’ – liga dos campeões pelo Inter e pelo Porto e campeonato pelo Chelsea – Mourinho tem no Tottenham o desafio ideal para trazer os títulos que os adeptos ‘Spurs’ há muito almejam.

Sempre achei que estes 11 meses não seriam uma perda de tempo. Pude reflectir, analisar, preparar-me, antecipar cenários. Nunca perdemos a nossa identidade, somos o que somos, com as coisas boas e más. Não me perguntem quais foram os erros que cometi, mas apercebi-me de que cometi erros e não vou cometer os mesmos erros. Vou cometer erros novos, mas não os mesmos.

Por enquanto dois jogos, duas vitórias. Mas não é disso que vamos falar. Continua igual ao seu estilo e é também, por momentos como este (no vídeo abaixo) todos tínhamos saudades dele. Vá, talvez com excepção dos tais ‘profetas da desgraça’.

‘Muito mais é que os une que aquilo que os separa’?

Adaptando a letra canção de Rui Veloso na história do “Primeiro Beijo”, é ‘muito mais aquilo que os une que aquilo que os separa’.

O que os une…

Tanto Jesus como Mourinho são treinadores de autor. Isto é, ao longo da sua carreira sempre se diferenciaram pela forma como (quase) sempre tentaram trazer coisas novas ao futebol das equipas por onde passam. E devido a isso foram deixando, de certa forma, um legado. O ‘special one‘ foi totalmente disruptivo desde que se assumiu como treinador principal. A forma de ver um futebol como um todo – parte técnica, táctica e mental – e com um forma de liderança que retira o máximo de cada jogador do plantel. Jorge Jesus é de outra ‘escola’. Começou como treinador principal nas divisões inferiores, chegou bem mais tarde a clubes de topo, mas rapidamente impôs o seu futebol: dinâmico, a saber defender bem e com poucos, fazendo da sua transição ofensiva um autêntico ‘rolo compressor’ e, muitas vezes, com ‘nota artística’ (expressões que entraram no léxico do futebol desde a sua passagem pelo Benfica). Além disso, ficaram famosas algumas das adaptações de sucesso que fez com Enzo Pérez, Fábio Coentrão, João Mário e, mais recentemente, Willian Arão e Gerson.

Ambos quebraram também alguns ‘tabus’. Lembro-me, ainda na altura que Mourinho treinava o Porto, muito se falava sobre dois jogadores com características de número 10 jogarem ao mesmo tempo. Mourinho chegou a jogar com três jogadores com essas características ao mesmo tempo: Deco, Alenitchev e Carlos Alberto. Mostrou que com os posicionamentos certos, há sempre espaço para o talento. Jorge Jesus, anos antes de chegar o Benfica, começou a utilizar como sistema primordial o seu 442 muito dinâmico. Após o primeiro ano de muito sucesso nos ‘encarnados’, muitos foram os treinadores em Portugal que começaram a usar o mesmo sistema. Numa altura que em Portugal todos jogavam em 433 ou 4231, de há alguns anos para cá, o 442 é dos sistemas mais usados na nossa liga. Antes era visto como um sistema demasiado ofensivo, mas o ‘mestre da táctica’ provou que com as dinâmicas certas pode ser bastante equilibrado.

A vez número 3. Se para JJ a terceira (final de uma prova continental) foi de vez, para Mourinho é o terceiro clube inglês no seu currículo.

O que os separa… (ou não!?)

Apesar de ambos terem crescido no futebol têm ‘escolas diferentes’. Jorge Jesus, após boa carreira no futebol profissional (chegando a jogar no Sporting), rapidamente se tornou treinador. Aprendeu a criar os seus próprios métodos e foi aprimorando ao longo dos anos. Começou em divisões inferiores e foi subindo até ao topo. Já Mourinho, não tendo o mesmo sucesso como jogador, desde criança que acompanhou sempre de perto um guarda-redes (e depois treinador) de sucesso: Félix Mourinho, o seu pai. Sempre ligado ao futebol, nunca largou os estudos e teve também formação académica. Posteriormente lançou-se em clubes de topo, mas primeiro como treinador adjunto, passando por Porto e Barcelona.

Sendo ambos grandes entendidos no futebol, as competências de comunicação e liderança sempre foram duas grandes características associadas a José Mourinho… e criticadas em Jorge Jesus. Mas enquanto JJ tem sido elogiado na evolução dessas duas valências, principalmente nos últimos dois anos, Mourinho foi muito criticado, especialmente, na passagem pelo Manchester United.

Patrick Vieira, que foi treinado pelo ‘special one’ no Inter, abordou essa situação há dois anos.

Se calhar, os jogadores que tem agora não são tão receptivos à sua mensagem, são mais jovens e a geração mudou completamente. No Inter tínhamos um plantel mais velho e muito experiente e Mourinho soube lidar muito bem com isso. Os jogadores mais jovens talvez tenham medo de dizer aquilo que pensam e isso pode dificultar as coisas.

O próprio Mourinho, nos últimos tempos, também se referiu às diferenças comportamentais e sociais dos ‘jogadores do agora’ em relação aos ‘jogadores da geração anterior’. Dando a entender que a sua forma de gerir o balneário que tantos êxitos lhe trouxe poderá sofrer alterações. Admitindo ainda que durante este tempo de interregno aproveitou para fazer uma “análise profunda”.

Sou humilde o suficiente para analisar a minha carreira e todos os problemas que aconteceram. Fui muito longe na minha análise e percebi que não havia mais ninguém para culpar. Durante a minha carreira cometi vários erros. Não vou cometer os mesmos erros, vou cometer erros novos», atirou aos jornalistas.

O que esperar do futuro de Jorge e de José?

Não se sabe se Jorge chegará algum dia a um clube que lute pela Liga dos Campeões ou se Mourinho voltará a ganhar alguma, no entanto também existem certezas. Ambos foram (são) revolucionários, deixaram (deixam) seguidores, partilham a mesma sede de sucesso e nunca se deixarão adormecer à sombra do sucesso. Aproveitando a confissão de JJ a respeito da música que actualmente mais o inspira, podemos arriscar tanto um como outro não têm dúvidas que: ‘O melhor de mim está para chegar’

É preciso perder para depois se ganhar
E mesmo sem ver, acreditar
É a vida que segue e não espera pela gente
Cada passo que dermos em frente
Caminhando sem medo de errar
Creio que a noite sempre se tornará dia
E o brilho que o sol irradia
Há-de sempre me iluminar.

 

futebol_treinador_bola-1266x640.png?fit=1200%2C607&ssl=1
Bruno Costa JesuínoNovembro 18, 20198min0

Se no futebol a expressão “passar do 8 ou a 80” encaixa que nem uma luva, a análise a um treinador de futebol, aos olhos dos adeptos, pode facilmente ir do “-8 ao 800”. Muitas vezes no espaço de seis meses, 30 dias, ou mesmo um jogo. Qualquer treinador tem que ter essa noção, que o digam Bruno Lage, Fernando Santos e Sérgio Conceição, que constantemente passam de bestiais a bestas, e vice-versa.

A mudança do paradigma

Era uma vez um menino que sonhava ser jogador de futebol… Era uma vez um menino que sonhava… Era uma vez um que sonhava ser treinador de futebol.

O futebol sempre ocupou o imaginário de muito jovens, que se imaginam a jogar lado a lado, em pleno relvado, com os craques que os fazem vibrar. No entanto, esse paradigma, sofreu alterações, e ao longo das últimas duas décadas, esse sonho não se cinge apenas dentro das quatro linhas. Ao ‘sonho de menino’ de ser jogador profissional de futebol, juntou-se a aspiração de ser treinador. A isto muito se deve ao crescimento mediático e ao aumento da influência (e importância dada) ao treinador.

“Agora qualquer miúdo quer ser treinador de futebol. Qualquer ex-jogador de futebol quer ser treinador de futebol. Muitos estudantes de motricidade humana querem ser treinadores de futebol. É normal sonharem chegar ao topo, a concorrência é muita e subir a pulso na carreira é cada vez mais difícil.” (Vítor Oliveira)

Casos de sucesso como o de José Mourinho, ajudaram muito a que ser treinador se tornasse tão ‘sexy’ como ser jogador. Não é por acaso, que surgem cada vez mais jovens a apostar na carreira de treinadores ainda muito jovens, e direções dos clubes a dar oportunidades a estes. No entanto é um percurso bem difícil, principalmente nos primeiros anos, até se conseguir atingir estabilidade.

“É preciso ter alguém ao nosso lado que compreenda esse nosso sonho. Anos a investir numa carreira que pode nunca chegar a compensar.” – Paulo Fonseca

Para um treinador, os conhecimentos tácticos são a valência mais importante, mas que precisam de outras características tão transversais quanto fundamentais. Entre elas a capacidade de liderança:

“Eu peguei numa equipa que ganhou tudo. Nunca tinha treinado na primeira liga, e gerir aqueles jogadores que queriam sair e pensaram que isso não aconteceu por causa de ti, não é fácil. Com muitos foi ali bater quase de frente” – Vítor Pereira (quando assumiu o comando técnico do Porto)

No entanto essa capacidade de liderança tem que ser adaptada ao contexto da equipa que se vai treinar. Paulo Fonseca percebeu isso após chegar (talvez cedo demais) a uma equipa grande como o Porto. É importante que ao longo da carreira os erros definam uma aprendizagem, tornando o treinador mais capaz para se adaptar ao clube no qual se trabalha. Depois do Porto, Paulo Fonseca voltou ao Paços, e partir daí tem estado sempre em crescente: Braga, Shaktar e agora Roma.

 “Eu acreditava numa liderança que podia resolver tudo de uma forma aberta, mas principalmente num grupo da dimensão do FC Porto, não tens que abrir discussão a nada. Tem de ficar bem explícito quem manda.”

Em equipas grandes o ganhar é o mínimo que os adeptos exigem. Se a pressão já é muita quando se ganha, quando se perde aumenta muito mais. Por isso é que muitas vezes quando se entra num espiral negativo de resultados  é difícil inverter. Por isso, num equipa ganhadora, é importante evoluir e exigir quando se ganha para evitar potenciais relaxamentos.

“Quando ganhas ficas menos atento ao processo. É nas vitórias que tens que aumentar exigir mais da equipa.” (Carlos Carvalhal)

Numa altura em que o acesso a informação é cada vez mais maior, pede-se também que o treinador seja cada vez mais pró-activo. Que seja um criador de novas soluções, e preparar a equipa para ultrapassar as adversidades em qualquer um dos momentos do jogo. Tentar replicar um trabalho de sucesso de um treinador num determinado clube está longe de ser meio caminho andando para o sucesso num outro clube.

 “Se eu falar com um treinador jovem, ele vai-me ouvir e pensar nos pontos que lhe falei. Mas ele deve refletir e não copiar. Só faz sentido ele implementar as suas próprias ideias.” (Vítor Pereira)

Bruno, Sérgio e Fernando ‘heróis’ ou ‘vilões’?

Seja um treinador mais ou menos experiente, ex-jogador de valor ou mais desconhecido, mais duro ou mais ‘gentleman’, com um estilo de futebol mais rendilhado ou mais directo, todos são alvos da impaciência dos adeptos.

Sérgio Conceição, foi um jogador de nível internacional e conhecido por todos. Um extremo intenso, rápido e com uma raça inconfundível. Depois de uma carreira de treinador em crescendo, chegou ao seu clube do coração: o FC Porto. Numa altura em que o clube precisava de um novo rumo, intervencionado pela UEFA e a precisar de reaproveitar jogadores emprestados, a direção do Porto apostou no que denominam de “treinador à Porto”. Mesmo após uma primeira época de sucesso, não foi preciso muito para os adeptos começaram a criticar. Pedem mais qualidade de jogo, dizem que é um futebol demasiado directo, sempre à procura da profundidade e demasiado dependente das características físicas dos jogadores. Mas este estilo de jogo sempre a imagem das equipas de Sérgio Conceição, inclusive na época de estreia quando foi campeão e idolatrado pelos adeptos.

Muitas dessas críticas começaram a surgir, quando há um ano, o criticado Rui Vitória é despedido e surge Bruno Lage como timoneiro do Benfica. Um treinador com historial nas camadas jovens do Benfica e com experiência internacional como adjunto de Carlos Carvalhal. Entrou num contexto difícil, mas após a primeira vitória embalou no campeonato e até ao fim apenas perdeu 2 pontos, foi inclusive ganhar ao estádio do Dragão, e tornou-se campeão nacional. Com um futebol ofensivo, rendilhado e com muitos golos, Bruno Lage foi promovido a herói pelos adeptos do clube como se de um treinador imbatível se tratasse.

Ambos tiveram excelentes épocas de estreias, mas a memória dos adeptos é curta, e como em certo momento (em alturas diferentes), Sérgio Conceição e Bruno Lage pareceram quase imbatíveis, basta as equipas não estarem nesse máximo já visto, para serem criticadas… mesmo com “dragões” e “águias” a terem mais pontos que na época passada por esta altura (Porto +1, Benfica +7).

“Para muitos estamos acima das expectativas, para outros estamos abaixo, mas para estes estamos abaixo porque fomos nós que elevamos a bitola” –  Miguel Valença, protagonista na reportagem original do Canal 11 “O Treinador”.

Com carreiras europeias abaixo das expectativas, no campeonato, Benfica e Porto estão nos lugares cimeiros. Bruno Lage apenas perdeu 3 pontos, numa derrota com Sérgio, que perdeu na jornada inagural com o Gil Vicente e empatou na deslocação ao terreno do Marítimo.

Só um dos dois poderá ser campeão, e o que não o for, os adeptos facilmente vão esquecer tudo o que de bom já fizeram. Nem um nem outro são tão bons como os adeptos por momentos acreditaram, mas são muito melhores do que aquilo que se vai ouvindo por aí.

“As pessoas não percebem que entre o ganhar e o perder está uma linha finíssima. Entre o sucesso e o insucesso essa linha também é muito fina e que vamos chegar ao final da época com uns a rir, outros a chorar, outros assim-assim. Mas passar de um mês começa um novo campeonato e os sonhos renascem. É esta a magia do futebol.” – Vitor Oliveira

Fernando Santos e a sua carreira na seleção foi um tema que já abordei no Fair Play – ler artigo aqui – devido às inúmeras críticas que vai recebendo por parte do adeptos. Alguns dirão… “Como é possível o único treinador que trouxe títulos para Portugal ser tão criticados?” Outros criticam… “Foi campeão europeu com sorte!” ou “Um campeão europeu tem de jogar muito mais”. Eu prefiro lembrar-me do que Fernando Santos disse no primeiro dia: “Com os jogadores que temos se formos mais pragmáticos ganharemos títulos importantes”. E não é que… Não será dos melhores estrategas entre os melhores treinadores, mas parece ser um excelente líder e condutor de homens (algo ainda mais fundamental numa seleção). Aliás, Ricardo Quaresma não tem dúvidas disso, como se pode ver no vídeo abaixo:

O futebol é uma daquelas coisas da vida que tem a capacidade de puxar o lado mais irracional das pessoas, seja para o bem, seja para o mal. Para concluir, deixo duas citações, a primeira (principalmente) para os treinadores, a segunda, para todos nós.

 “Os que agora te insultam amanhã estão-te a aplaudir” (Paulo Fonseca)

“O futebol é a coisa mais importante, entre as coisas menos importante da vida.” (Vítor Oliveira)

Trailler da reportagem original Canal 11 “O Treinador”

ricardo-horta.jpg?fit=1200%2C675&ssl=1
Bruno Costa JesuínoOutubro 25, 20198min0

Jogar bem não garante vitórias mas… deixa-nos sempre mais perto de ganhar. Ainda nestes últimos dias, entre Taça de Portugal e competições europeias tivemos alguns exemplos disso. Se por um lado as vitórias na taça de Alverca, Sintra FC, Beira Mar sobre clubes de primeira liga, são exemplos da primeira premissa, a prestação do Vitória SC, diante do Arsenal, testemunha a segunda.

As surpresas (ou nem tanto assim) na Taça de Portugal

Cinco equipas da primeira liga eliminadas na Taça de Portugal na primeira na primeira ronda (em que estas entram) já era considerado um recorde. Até que no dia seguinte, caíram mais duas. Foram dados três exemplos acima – Alverca, Sintra e Beira Mar –  que foram jogos que consegui ver com mais cuidado. O que impressionou mais, além da qualidade colectiva, foi a atitude dessas equipas, que nunca se atemorizaram pelo poderio adversário e jogaram o jogo pelo jogo, sem ‘autocarros’, e na procura constante do golo, mesmo na forma como os jogadores se posicionavam no momento defensivo. Por isso, para quem viu os jogos, as surpresas na Taça de Portugal não o foram tanto assim.

Campeonato de Portugal mais forte ou Primeira Liga mais fraca? Eis a questão.

Esta é um questão que muito tem sido debatida. Já todos lemos, vimos e ouvimos defensores das duas opiniões. Talvez com mais interlocutores a acentuar que são as principais equipas que estão mais fracas. No entanto, antes de mais, o que importa destacar, é a forma como todas as equipas profissionais, semi-profissionais e até amadoras, trabalham cada vez melhor. Ao que se deve? Acima de tudo à qualidade do treinador português e ao nascimento de bons projectos apoiados em boas estruturas que não se limitam a pensar nos resultados a curto-prazo. Em termos gerais, a qualidade do treinador português é muito superior ao que era há 10 anos. E ainda mais do que há 20 anos. Se antigamente ser treinador era quase um (con)sequência da carreira de um ex-jogador, hoje em dia é o sonho de muitos jovens. Mais até do que ser jogador. E estudam e trabalham para ser reais mais valias, Óbvio que a isso não é alheio ao sucesso dos treinadores portugueses no estrangeiro, que são hoje em dia dos melhores entre os melhores do mundo. Campeonato de Portugal está mais forte? Sim. A Primeira Liga está mais fraca? Não. A diferença entre elas, isso sim, em alguns confrontos directos terá alguma tendência a ser diluída, pois existem menos diferenças na qualidade do trabalho.

Europa: nem todos os que jogaram bem ganharam e houve vitórias de quem não jogou bem

No que respeita às prestações portuguesas na jornada europeia, acabou por ser globalmente positiva: 3 vitórias, 1 empate e uma derrota. Mas mais que os resultados vamos fazer a relação entre qualidade exibicional e resultados.

Os que jogaram bem…

Quem jogou melhor? Sem qualquer dúvida, Sporting de Braga e Vitória Sport Clube. Um ganhou na sempre complicada deslocação à Turquia, o outro perdeu diante do tubarão e super-favorito Arsenal. Os vimaranenses entraram no Emirates Stadium, mantiveram a sua identidade e jogaram o jogo pelo jogo sem duvidar do potencial que têm demonstrado sob o comando de Ivo Vieira. Estiveram duas vezes em vantagem, não tremeram quando sofreram golos, e só a qualidade individual superlativa dos ‘gunners’, neste caso com dois golos. Yohann Pele, que custou 80 milhões, entrou e marcou dois grandes golos de livre directo. Nos três jogos o Vitória jogou e bem e merecia ter (pelo menos) pontuado em qualquer jogo desta fase de grupo. No entanto, a qualidade de jogo não resultou qualquer ponto. No caso do Braga, a equipa tem tido um registo quase imaculado na Europa, encontra-se no primeiro lugar no grupo, com sete pontos. Uma equipa personalizada que curiosamente fez seis pontos nos jogos fora (nas duas saídas mais complicadas) e empatou o jogo em casa (diante da equipa teoricamente menos favorita). Mas em qualquer dos três jogos da fase de grupos. a equipa de Sá Pinto demonstrou ser a melhor equipa equipa. Uma palavra de destaque para mais um golo de Ricardo Horta, desta vez ao Beksitas.

Ambas as equipas minhotas jogaram bem, e em qualidade de jogo têm sido, sem dúvida, os melhores representantes portugueses nas competições europeias, embora com resultados práticos diferentes.

Os que não jogaram bem…

Nem Benfica, nem Porto, nem Sporting jogaram bem. Em vários momentos do jogo até mostraram superioridade sobre o adversário, mas globalmente não fizeram assim tanto que justificasse mais que o empate. No caso dos ‘dragões’ acabaram mesmo por empatar, num jogo em casa onde eram super-favoritos diante de um Rangers que tenta recuperar o vigor de outros anos. Além de que, as equipas escocesas, mesmo nos seus melhores anos, sempre demonstram muitas dificuldades nos jogos fora de casa. Steven Gerrard, lenda do Liverpool, construiu uma equipa à sua imagem: competitiva, lutadora, pragmática, vertical… mas sem aquele ‘kick and rush’ característico durante anos em equipas britânicas. Aliás, o Rangers, pela sua forma de jogar, tentar replicar a forma de jogar do Liverpool de Klopp com aquele “gegenpressing*, embora com interpretes de qualidade bastante inferior. O avançado Alfredo Morelos, internacional colombiano, será provavelmente a unidade de maior valor.

*combinação da palavra alemã gegen (contra) com a inglesa pressing (pressionar) – que está alojada a alma das equipas de Jürgen Klopp. Simplificando o conceito, gegenpressing é a capacidade para exercer uma pressão alta sobre o adversário, imediatamente a seguir ao momento da perda de bola, para não o deixar sair a jogar.

O Porto, depois da derrota na Holanda, acreditava-se que iria com tudo para cima do Rangers, mas só nos últimos minutos conseguiu encostar os escoceses lá atrás. Se bem que, mesmo assim, iam conseguindo espreitar algumas situações de contra ataque. A melhor unidade em cada um dos conjuntos foi colombiana, e não só pelos golos, com Luis Diaz, a ser o maior destaque entre os ‘dragões’, mesmo tendo sido substituído aos 63 minutos(!)

Em crise de resultados e exibições, o Rosenborg seria o adversário ideal para o Sporting inverter o ciclo, e voltar a ganhar a confiança com uma vitória e um boa exibição. Cumpriu metade. Faltou jogar bem. Não deixando de ser a equipa que mais procurou o golo, abusou muito em cruzamentos para a área dos noruegueses. Além de estes já serem mais fortes no jogo aéreo, muitos desses cruzamentos eram feitos sem grande critério e com o Sporting em manifesta inferioridade numérica. Ironia (ou não), o golo da vitória acabou por sair através de… um cruzamento.

Por todos os motivos e mais alguns, era fundamental os leões ganharam em casa, na recepção à equipa mais frágil do grupo. Mesmo sem jogar bem, agora com 6 pontos em 2 jogos, o Sporting está bem dentro da luta pela qualificação.

Por fim, o Benfica. Depois de meia época de sonho, Bruno Lage tem tido dificuldade em estabilizar a equipa, seja pela saída de Félix, pelas consecutivas lesões, ou pela incapacidade de reinventar novas solução. A juntar a isso, a aura negativa que se tem abatido sobre os encarnados na maior competição de clubes. Depois de duas derrotas… em dois jogos, no segundo jogo em casa era imperial vencer, porque mesmo o empate iria sempre saber a pouco e comprometer ainda mais o futuro da equipa na Europa. A equipa entrou muito bem, com Rafa ao centro, a dar um grande dinamismo nas transições, inaugurando inclusive o marcador. Pouco depois saiu lesionado e o Benfica ressentiu-se, sendo mesmo assim globalmente superior ao Lyon na primeira parte. No entanto, tudo mudou na etapa complementar, mesmo sem os franceses criarem muitas situações de golo, os encarnados foram recuando e deixando de criar ocasiões de perigo (durante mais de 30 minutos). Após o golo do Lyon, o Benfica lá conseguiu reagir. Pizzi (entrou para o lugar de Rafa), que estava a ter uma exibição apagada, em 3 minutos atirou um poste e aproveitou um erro do guarda redes do Lyon, para marcar um golo do meio do meio campo. No jogo em que o resultado mais justo seria o empate, valeu mais o resultado que a exibição.

Com os resultados desta semana europeia Portugal conseguiu ultrapassar a Rússia no ranking, objectivo fundamental para voltar a poder ter três equipas portuguesas na Liga dos Campeões. Por isso venha de lá essa qualidade exibicional… pois estaremos sempre mais perto da vitória.

imagem-artigo-12-outubro.jpg?fit=1200%2C757&ssl=1
Bruno Costa JesuínoOutubro 12, 20199min0

Existem muitas histórias, fictícias ou reais, que servem de analogia para a vida, quer em termos pessoais como profissionais. Uma dessas histórias envolve uma lagosta. E perguntam vocês: o que essa história da lagosta em a ver com o sucesso da formação?

 

A importância de sair da zona de conforto

Vamos começar por enquadrar a história. A lagosta, desde pequena, produz uma casca que a protege. Mas ela cresce. Quando cresce um pouco, começa a sentir dor. O que significa? A casca se tornou pequena e ela precisa procurar uma gruta para produzir um novo invólucro. A dor é o sinal de uma mudança. Esse processo se dá mais de uma vez até o final do crescimento: o corpo se desenvolve e a dor retorna, anunciando que uma nova casca se faz necessária. Casca, crescimento, dor e nova casca.

O ‘caminho da lagosta‘ deve ser o percurso a seguir na formação de jogadores. Determinado jogador quando se começa a sentir demasiado confortável no respetivo escalão, deve receber um novo estímulo, de forma a continuar o seu processo evolutivo. Vamos a exemplos práticos. Principalmente no passado, temos várias situações de diversos avançados que, ao longo do percurso de formação no Benfica, Porto e Sporting, marcaram várias dezenas de golos. Destacaram-se sempre a jogar entre miúdos da mesma idade. Embora com números fantásticos, não saltaram etapas e estiveram sempre em zona de conforto, e quando tiveram que saltar “A ETAPA” de passar para o futebol sénior a esmagadora maioria não se encontrava preparada.

Esta situação ainda se tornava mais acentuada nos jovens dos ‘três grandes’ que goleavam em muitos jogos e só quase perdiam pontos nos jogos entre si. Mas felizmente houve melhorias significativas em todo este processo. Os clubes, ou pelo menos boa parte deles, começaram a lidar com a formação de forma mais profissional apostando em recursos humanos verdadeiramente entendidos no assunto. Ao mesmo tempo deixaram de apostar ou prescindir de treinadores baseando-se unicamente nos resultados das suas camadas jovens.

 

Exemplos práticos: De Zé Gomes a Fábio Silva

Mais um exemplo e agora com nomes. Fábio Silva, 17 anos. Será mais importante, tanto para o FC Porto como para o jogador, este estar envolvido na equipa A, ou estar apenas nos sub17 ou sub19 a marcar 2, 3 ou 4 golos por jogo? Parece-nos óbvia a resposta. O potencial enorme do jogador aconselha a que este queime etapas, para sob novos estímulos, perceber a sua capacidade de reação e evolução.

Aqueles que se destacam de forma inegável nos escalões jovens devem começar a ir ganhando minutos no futebol sénior. Seja minutos na equipa A e, quando não possível, na equipa B. É essa capacidade de se afirmar ou não, que vai distinguir o trigo do joio.

José Gomes, avançado, 20 anos, mais conhecido no mundo do futebol, “Zé Gomes”. Foi-lhe sempre apontado grande potencial e apresentando sempre resultados acima da média. A época 2015/16 foi o melhor exemplo disso. Com ainda 16 anos marcou quase um golo por jogo nos 28 jogos realizados pelos sub19 do Benfica, e em Maio, já com 17 anos, foi campeão europeu pela seleção de sub17. Além de melhor marcador foi considerado o melhor jogador da competição.

A projeção foi tão grande que o Benfica chegou a receber uma proposta concreta do Barcelona. Os ‘encarnados’ seguraram no jogador e deram-lhe uma oportunidade no futebol sénior, exatamente o que a performance do jogador pedia na altura. Foram cinco aparições na equipa A e 7 golos em 23 jogos pela equipa B. Nada mau para um avançado de apenas 17 anos perante um primeira experiência no futebol sénior. No entanto, nas duas épocas seguintes, a evolução que se preconizava não aconteceu, e em 52 jogos pela equipa B, marcou 6 golos, dando a ideia de alguma estagnação. No europeu sub19, que Portugal veio também a conquistar, ainda foi titular e um dos capitães, no entanto com rendimento do jogador deixou muito a desejar, em relação a quem saltava do banco para o substituir. E no mundial de sub20 nem constou entre os selecionados.

Isto tudo para concluir que, tanto o Benfica há 3 anos, como o Porto este ano, estiveram bem em promoverem os jovens avançados de 17 anos. E depois é perceber quem é “trigo” ou quem é “joio” mediante as performances nesta nova etapa.

 

Depois do individual, o colectivo: fará sentido ganhar ‘só porque sim’?

Pois bem. Vamos por partes. A formação é um dos temas mais em voga no dia a dia futebolístico, seja em conversas de café, em jornais, na TV. Um pouco por todo o lado. Até há não muitos anos, o que mais importava às direções dos clubes resumia-se numa palavra: GANHAR. Desde os infantis aos juniores. A avaliação do sucesso na formação tinha como métrica, quase exclusiva, os títulos que se iam sendo conquistados nas camadas jovens. E assim foi durante muitos anos… ‘ganhar só porque sim’.

Segundo Renato Paiva, uma das principais caras do projeto de formação do Benfica, as maiores vitórias dos treinadores da formação é verem os jogadores que passam por si triunfarem na equipa A: “É um prazer brutal ver o Rúben Dias, o Ferro, o Renato, o Guedes e muitos outros a impor-se na primeira equipa. Não chegam lá se nós pensarmos só em ganhar. Enquanto olharmos para os dígitos e estivermos agarrados aos dígitos na formação, o processo está completamente invertido”.

Embora formar jogadores a ganhar seja sempre melhor, o resultado não deve sobrepor-se à evolução individual do jogador dentro de um coletivo.

“Nós queremos todos ganhar, ninguém sai de casa para querer perder, temos é que perceber que isto é um jogo e há processos a serem trabalhados e que por vezes, com o processo bem feito, podes não ganhar. E muitas das vezes, quando o processo não é tão forte, podes perder. Enquanto as pessoas não fizerem avaliações estruturadas sobre aquilo que é o processo e viverem do ‘resultadismo’ na formação, está completamente errado! Grandes exemplos na Europa dizem perfeitamente o contrário” – conclui o agora treinador da equipa B dos ‘encarnados’.

 

Sinergias entre Sub19, Sub23 e equipa B.

O facto de estarem a ser formadas várias gerações de grande valor não está desassociada à criação das equipas B. O facto de haver uma ponte entre os os juniores sub19 e a equipa A, deixando os jogadores por perto e com a possibilidade de os chamar a qualquer momento, melhorou muito o número de oportunidades dadas aos jovens emergentes. Na maior parte das vezes, esses jovens, sem espaço na equipa A, eram emprestado a um clube e nem sempre se conseguiria adaptar da melhor forma. Ter a oportunidade de dar esse salto perto da casa-mãe, junto de quem o conhece melhor que ninguém, potencia uma melhor resposta do jogador a um novo estímulo. Ainda por cima com a possibilidade ter essa equipa secundária, na sempre competitiva segunda liga.

Mais recentemente foi criada a Liga Revelação para jogadores até 23 anos. Mais uma ponte importante para a passagem dos jogadores para o futebol sénior mas, pelo menos para os maiores clubes nacionais, não deve ser vista directamente como um alternativa às equipas ‘bês’. Exemplo disso, foi a extinção da equipa B do Sporting Clube de Portugal. Tem em Daniel Bragança (recentemente internacional sub21) um dos maiores talentos emergentes da sua formação. Começou a época passada no sub23, numa altura a qualidade do jogador já era claramente superlativa aos demais. Percebendo-se o interesse do Sporting em querer manter o jogador por perto, o contexto ideal teria sido a equipa B, onde o nível de competitividade, intensidade e dificuldade é bastante superior. Em janeiro de 2019 foi emprestado ao Farense (2ª liga) e embora tenha tido sucesso, ter antecipado essa situação poderia ter acelerado o processo evolutivo do jogador. Esta época está a rodar no Estoril, um dos candidatos à subida.

Outro exemplo recente, é o do avançado leonino Pedro Mendes, que pela época passada já se percebia que o patamar sub23 é pouco elevado para a sua qualidade. Estar o avançado a jogar numa segunda liga, onde defrontaria todas as semanas centrais com muita experiência iria deixá-lo cada vez mais preparado para a equipa principal.

Entre as seis equipas que tiveram acesso directo a uma equipa B na segunda liga em 2012/13 – Benfica, Porto, Sporting, Braga, Vitória SC e Marítimo – apenas ‘águias’ e ‘dragões’ conseguiram manter a equipa na sempre difícil segunda liga, e os leões extinguiram a equipa há duas épocas, quando foram despromovidos.

O Porto B, pela primeira vez na história das equipas B, venceu mesmo o título em 2015/16. No entanto desse plantel, apenas André Silva e José Sá, e mais recentemente Bruno Costa, conseguiram protagonismo na equipa A. No entanto o Porto parece querer inverter essa tendência dando a oportunidade a jogadores que venceram a Youth League como Romário Baró (este nascido em 2000), Diogo Leite e Diogo Costa que ficaram no plantel. Além de Diogo Queirós que foi emprestado. Da mesma geração dos “Diogos” (1999), no rival da luz, Gedson, Florentino e João Félix (este agora no Atlético de Madrid) já no passado faziam parte da equipa principal e não foram sequer utilizados na Youth League. Jota ainda foi utilizado no início da competição. No Sporting, dessa geração,mantêm-se Luis Maximiliano e Miguel Luís, tendo vendido recentemente Thierry Correia ao Valência.

Fica a nota final. As melhores vitórias na formação é ver os jogadores a brilharem na equipa principal.

UEFA9585aaa7.jpg?fit=987%2C550&ssl=1
Bruno Costa JesuínoSetembro 21, 201910min0

Nos últimos anos tem sido um luta constante entre clubes portugueses e russos por um lugar no top 6 entre as ligas com melhor performance nas competições europeias. E o sexto lugar está novamente bem perto… “aquele déjà vu da Rússia ali ao virar da esquina”. Dificilmente poderemos almejar a mais devido ao poderio dos cinco principais campeonatos, mas esta (re)ultrapassagem à Rússia dará novamente o acesso a três equipas na Liga dos Campeões (duas de forma directa). E todos sabemos a importância (financeira e não só) da participação na prova mais importante da Europa. Ao todo voltarão a ser seis equipas lusas nas competições europeias.

A luta “mano a mano” com a Rússia

Tem sido assim o nosso percurso ao longo dos últimos anos. Chegamos ao sexto lugar, e quando devíamos começar a consolidar a posição, os russos começam a aproximar-se e, de quando em vez, passam à frente. Isto durante um período de um ou dois anos. E ao que tudo indica será este ano que vamos recuperar a posição no top 6.

Esta permuta tem sido cíclica ao longo das últimas décadas. E acontece porque a diferença entre “ser sexto, em vez de sétimo” é de seis equipas na Europa em vez de cinco. E sendo os pontos a dividir pelo número de equipas participantes, é normal que essa “sexta equipa” (seja portuguesa ou russa) tendencialmente contribua com menos pontos. Além disso, ter dos melhores clubes do país directamente na Liga Europa ajuda a que pontuação seja superior, pois é mais “fácil” o ponto aqui em relação ao ponto na Liga dos Campeões.

Tendo a Rússia já duas equipas eliminadas das seis iniciais. Portugal continua com as mesmas cinco. Há apenas (menos de) um ponto a separar. Temos tudo para recuperar o “lugar que nos pertence” e na época 2020/21 voltar a ter três equipas na Liga do Campeões. E outras três na Liga Europa.

Fonte: Site da UEFA

Podemos sonhar com o top 5 europeu?

Resposta bem rápida. Sonhar sim, mas dificilmente lá chegaremos. Vamos por partes. Os dois primeiros lugares – Espanha e Inglaterra – estão destacadíssimos e os seus clubes são sempre os principais favoritos à conquistas das provas europeias. Na disputa pelo lugar no pódio, surge a Alemanha e a Itália, agora separadas por menos de um ponto, embora os germânicos ainda tenham a totalidade das equipas, enquanto os transalpinos já perderam uma. Isolados na quinta posição estão os franceses, a um distância idêntica tanto do quarto como do sexto e sétimo. Não se adivinham a curto-médio prazo mudanças no top 5, pelo poderio financeiro (e não só) dessas ligas, no entanto, e não assim há tanto tempo, Portugal aproximou-se dessa posição. De qualquer das formas, em termos práticos, o quinto e o sexto lugar garantem o mesmo número de equipas na Europa: seis.

Horizontes lusos nas competições europeias. Expectativas iniciais.

Será sempre pouco provável que uma equipa fora do top 4 seja considerada mais que outsider na Liga dos Campeões. Talvez com excepção do Paris SG pelo investimento que tem feito, que mesmo assim não tem conseguido mais que os quartos-de-final. Ao longo dos últimos anos tem havido algumas boas excepções, como a meia-final do Mónaco há três anos, e o Ajax, que ficou a um minuto de marcar presença na final da última edição prova.

No entanto, quando falamos em Liga Europa, as principais equipas portuguesas. serão sempre potenciais candidatas a chegar longe e a vencer. Os grandes adversários porventura serão as ‘segundas’ linhas do top 4 que não conseguiram a qualificação para a “prova milionária” ou que caiam na fase de grupos.  Nos último anos, o Porto já venceu, o Braga foi a uma final, o Benfica a duas, e o Sporting já marcou presença na meia-final. Foram algumas dessas campanhas muito positivas na prova que colocaram Portugal bem perto do top 5 no ranking das competições europeias.

Liga Europa

No grupo G, o Porto é o grande favorito, com Feyennord, Young Boys e Rangers a lutar pela segunda vaga para os 1/16 de final. Já o Sporting, tem no PSV o principal adversário adversário pela primeira posição do grupo D. No entanto, as equipas austríacos (13.º do ranking) tem mostrado evolução nos últimos anos, tendo o LASK, uma palavra a dizer, enquanto que o Rosenborg não deverá ter muitas esperanças na qualificação. O Braga, mesmo sendo uma equipa já com pergaminhos europeus será, pelo menos teoria, o terceiro favorito do grupo K, apenas à frente do Slovan Bratislava. Mas na prática, tendo em conta o valor do ‘guerreiros’, sabemos que pode disputar a vitória em qualquer um dos jogos que tem pela frente. Missão mais difícil terá o Vitória SC, que tem como super-favoritos o Arsenal e o Eintracht Frankfurt. A equipa da cidade de Guimarães será um outsider tal como os belgas do Standard Liège.

Liga do Campeões

O Benfica ficou no grupo mais equilibrado da prova. Aqueles grupos que não têm nenhum “tubarão europeu” (do Pote 1 saiu em sorte o Zenit), mas quaisquer das equipas têm aspirações a passar para os oitavos-de-final. Se do pote 1 terá saído adversário menos ‘poderoso’, do pote 3 calhou o experiente Lyon, e do pote 4 saiu a fava: RB Leipzig. Fava porquê? Porque nível de poderio financeiro e de qualidade de jogo, aparenta ser a equipa mais forte do grupo, apesar de ser a menos experiente (equipa tem apenas 10 anos de existência).

Primeira jornada das equipas portuguesas

O saldo das equipas portuguesas nesta primeira jornada europeia acabou por não ser positivo: duas vitórias e três derrotas. No entanto, ao ter feito melhor que a Rússia (apenas uma vitória), ficou mais perto do almejado sexto lugar.

Primeiro as vitórias. Uma já esperada e outra bem mais surpreendente. Vamos começar por esta última.

O Braga esteve irrepreensível nas pré-eliminatórias da Liga Europa afastando o Brondby e o Spartak Moscovo com brilhantismo. No entanto, a nível doméstico tem apenas um vitória e um empate as cinco jornadas realizadas. Na primeira jornada defrontou potencialmente a equipa mais forte do grupo e certamente a equipa-mais-portuguesa-de-terras-de-sua-majestade: o Wolverhampton de Nuno Espírito Santo, Rúben Neves, João Moutinho, Rui Patrício, Diogo Jota, Rúben Vinagre e, mais recentemente, de Pedro Neto e Bruno Jordão. Pois bem, os ‘guerreiros do Minho’ puseram favoritismos de lado, souberam sofrer, e nos 20 minutos finais dar a tacada final por aquele que tem sido o seu ‘soldado’ mais exemplar: Ricardo Horta. Com três pontos naquele que seria (em teoria) o jogo mais difícil desta fase, melhor entrada seria impossível para os bracarenses.

O Porto cumpriu a sua obrigação de favorito vencendo os bi-campeões suíços dos ‘Young Boys‘ por 2-1. Sérgio Conceição apresentou Soares como novidade no onze e foi o brasileiro o protagonista do encontro marcando os dois golos. Na primeira parte os dragões estiveram muito bem, e mesmo com o empate dos helvéticos, conseguiu responder com mais um golo e várias oportunidades. Na etapa complementar, ‘adormeceu’ um pouco, mas foi o suficiente para iniciar a fase de grupos com o pé direito. Será sempre apontada como uma das equipas candidatas à vitória final.

O Vitória Sport Clube, que ainda não tinha sofrido golos na Europa, não conseguiu um resultado que correspondesse à exibição. Dois erros da equipa lusa resultaram em dois golos sem resposta do Standard Liège, orientado pelo ‘nosso’ bem conhecido Michel Preud’Homme. Com este desfecho os vimaranenses tornam a sua missão ainda mais difícil, pois os dois jogos com os belgas são considerados os de menor grau de dificuldade.

Nesta fase de mudanças, o Sporting tinha uma estreia fora de casa e logo diante do adversário mais difícil do grupo. Os holandeses, eliminados da fase de grupo da Liga dos Campeões pelos suíços do Basileia, tem estado muito forte a nível interno. Perdeu dois dos seus melhores jogadores – Lozano e De Jong – mas abriu espaço para dois jovens da casa que tem brilhado – Ihattaren e Malen, com 17 e 20 anos, respectivamente – a juntar à contratação do virtuoso Bruma. Leonel Pontes, fez mudanças na equipa apresentando um novo sistema táctico com um meio campo em losangulo. Doumbia ficou com a missão mais defensiva, Bruno Fernandes no vértice mais ofensivo, e com Wendel e Miguel Luís com interiores. Na frente, Bolasie e Vietto jogaram com avançados soltos. Mesmo com as melhoria exibicional os holandeses conseguiram superiorizar-se e impuseram-se por 3-2. Os próximos dois jogos do Sporting esperam-se a conquista de seis pontos para os leões colocar na rota certa.

A jornada das competições europeias iniciou-se com derrota do Benfica diante do RB Leipzig. Num jogo que já se esperava de grau dificuldade elevado, os alemães foram mais fortes, principalmente no início da segunda parte. Os encarnados bateram-se bem e em oportunidades de golo dividiram encontro, mas os germânicos nesta altura demonstraram ser mais equipa, e justificaram o porquê do recente empate frente ao Bayern Munique que os manteve na liderança da Bundesliga. Nos próximos dois jogos, Zenit fora e recepção ao Lyon, o Benfica terá que conquistar pontos para manter viva a chama do apuramento, num grupo onde todos podem perder pontos com todos.

1X2 do apuramento ou melhor… alguns bitaites

Não passando de uma mera previsão, deixamos aqui algumas opiniões tendo em conta a performance actual e esperada das equipas e adversários. Vale o que vale.

  • O Porto ficará em primeiro lugar no grupo;
  • O Braga irá garantir um dos dois primeiros do grupo;
  • O Vitória ficará pelo menos no terceiro lugar do grupo;
  • O Sporting acabará por garantir um dos dois primeiros lugares do grupo;
  • O Benfica ficará pelo menos em terceiro lugar no grupo.

Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS