Arquivo de Ciclismo - Fair Play

4c57be7d-a5f0-496d-b43b-5807bc29d697.jpg?fit=1200%2C750&ssl=1
Diogo PiscoNovembro 14, 20186min0

Chris Froome abriu o mote com a dobradinha Tour & Vuelta em 2017, mas foi na época 2018 que ficou provado que é possível fazer duas grandes voltas ao nível dos melhores. Será que assistimos à queda de um mito?

2430696-50512690-2560-1440.jpg?fit=1050%2C590&ssl=1
Davide NevesOutubro 1, 20182min0

O Mundial de Estrada de Ciclismo ocorreu ontem em Innsbruck, na Áustria. 253 quilómetros muito duros, com muitas desistências e abandonos (apenas 76 ciclistas terminaram), mas um verdadeiro hino ao ciclismo. Uma prova espectacular, com muitos momentos de tensão e de indecisão sobre quem seria campeão do mundo.

Com Peter Sagan fora das contas bem cedo (não conseguiu fazer o “penta” de títulos), avizinhava-se um novo campeão do mundo (do grupo que terminou a prova, apenas Rui Costa tinha sido campeão do mundo).

As quedas e… a Vuelta

Muitos foram afetados por quedas nesta edição do Campeonato do Mundo. De Barguil a Roglic, passando por Miguel Angel Lopez, pouco a pouco alguns dos prováveis favoritos iam caindo do sonho de envergar a camisola arco-íris.

Outro factor importante aqui é a Vuelta a Espanha. Simon Yates, vencedor da Vuelta, não conseguiu acompanhar no final o resto do grupo, tal como o irmão. Thibaut Pinot finalizou no nono lugar, e tivemos no pódio dois ciclistas que finalizaram a última das provas de três semanas: Michael Woods e o vencedor Alejandro Valverde. As opiniões dividem-se: terá sido a Vuelta muito cansativa a ponto de o Mundial sofrer com o cansaço dos ciclistas, ou uma forma de preparação?

 

Os últimos quilómetros

Chegávamos aos últimos 30 quilómetros com um grupo ainda extenso. Rui Costa tinha tentado sair do grupo, tal como Michael Valgren. A Itália colocava um ritmo alto, com Gianni Moscon. A Espanha e a França, com três ciclistas cada, procuravam a melhor altura para partir o pelotão. Na última subida, tudo se formou: o trio da frente, composto por Michael Woods, Alejandro Valverde e Romain Bardet ultrapassou a subida e, na descida, foram alcançados por um fantástico Tom Dumoulin, que se colou aos três para o sprint final. Resumo da história: Valverde ultrapassa a sua maldição e sagra-se finalmente campeão do mundo. Rui Costa finalizou uma excelente prestação com o décimo lugar.


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS