27 Abr, 2018

Arquivo de Ténis - Fair Play

Estoril-Open.jpg?fit=1000%2C538&ssl=1
André Dias PereiraAbril 25, 20184min0

Arranca este sábado, dia 28, mais uma edição do Estoril Open, onde o top-10 mundial, representado por Kevin Anderson, o melhor do ténis português, representado por João Sousa, entre outros, e a Next Gen, com Kyle Edmund à cabeça, tornam o ténis, em arte.

nadal.jpg?fit=900%2C506&ssl=1
André Dias PereiraAbril 23, 20182min0

Em Monte Carlo, Rafael Nadal é rei. O espanhol venceu este domingo pela 11º o torneio francês, reforçando a condição de maior campeão da prova. E, diga-se também, rei da terra batida. Agora, foi a vez do japonês Kei Nishikori cair em dois sets: 6-3 e 6-2. Em 72 partidas disputadas em Monte Carlo, Nadal venceu nada menos do que 68. Djokovic em 2013 e Wawrinka em 2014 foram os únicos a interromper a série de triunfos do maiorquino que dura deste 2005.

Estando em boa forma física, é praticamente impossível destronar Nadal na terra batida. O espanhol precisou apenas de 1H30 para vencer o japonês e é o grande favorito a vencer Roland Garros. O torneio francês arranca a 27 de Maio e Nadal vai tentar também aí o incrível 11º título.

Mas nesta final há que falar também de Kei Nishikori. Afastado por mais de quatro meses por problemas no pulso, o japonês regressou ao mais alto nível logo para disputar uma final de Masters 1000. O nipónico, diga-se, planeou bem o seu regresso. Sem pressa, e com critério. Por isso, começou por ganhar ritmo em Challangers. Certo é que o japonês parece ter feito uma boa recuperação e é agora, outra vez, um nome a ter em consideração. Que o diga Alexander Zverev. O número 3 mundial caiu nas meias-finais pelos parciais de 6-3, 3-6 e 4-6.

Antes, nos quartos de final foi a vez de Marin Cilic ser eliminado pelo nipónico: 6-4, 6-7 e 6-3. Andreas Seppi, Daniil Medvedev e Tomas Berdych foram as outras vítimas do japonês no torneio.

Nadal reforça liderança mundial

Se Nishikori regressou bem, o mesmo não se pode dizer de Novak Djokovic. O sérvio foi, desta vez, afastado por Dominic Thiem nos oitavos de final por 7-6, 2-6 e 3-6. Já Grigor Dimitrov voltou a chegar às meias-finais, mantendo uma consistência que dura desde 2017 e que mostra o porquê de ser um dos melhores do mundo em qualquer piso. Registo também para David Goffin. O belga atingiu os quartos de final onde caiu precisamente para Dimitrov (6-4 e 7-6). Goffin, 10º do ranking mundial, é cada vez mais um nome consistente do circuito que procura dar sequência aos títulos de Toquio e Shenzhen, alcançados o ano passado

Com esta vitória em Monte Carlo, Nadal conquistou o seu primeiro título em 2018 e garante também a continuidade como número 1 mundial. Será 171º semana de Nadal como líder do ranking, superando John McEnroe nesse quisito. Na lista de maior número de semanas como número 1, Nadal é sexto, Djokovic é quinto (223) e Federer é recordista (308).

 

A vitória de Rafa Nadal sobre Kei Nishikori

pablo-andujar.jpg?fit=990%2C557&ssl=1
André Dias PereiraAbril 16, 20182min0

Pablo Andujar conquistou este domingo o torneio ATP 250 Marraquexe, depois de vencer na final o britânico Kyle Edmund, por duplo 6-2. Mas esta não foi uma vitória qualquer. Foi o seu quarto título na carreira e o primeiro nos últimos quatro anos (Gstaad, 2014).

Andujar, que já esteve entre o top-40 e hoje em 355, estava, há poucas semanas, fora do top-1800. A queda deveu-se, em grande parte, a uma lesão no cotovelo que o levou a fazer três cirurgias. Agora, o espanhol parece estar de volta apresentando-se em grande forma em Marraquexe. “Sempre acreditei que poderia regressar. Caso contrário não estaria aqui a fazer nada”, disse.

Na final, Andujar esmagou nada menos que Kyle Edmund. O britânico é 26º do mundo, foi semi-finalista no Australian Open e estará no Estoril a partir do próximo dia 28. Foi a terceira vez que o espanhol venceu em Marrocos. As outras vitórias foram em 2011 e 2012.

Sousa subirá seis lugares

Andujar deixou para trás Ilya Ivashka (6-3 e 7-5), Andrea Arnaboldi (6-0 e 6-2) e Alexey Vatutin (6-4, 5-7 e 6-3). Nas meias-finais, levou a melhor sobre João Sousa, por duplo 6-4. Sousa jogou as meias-finais após eliminar Pedro Martinez (Esp), Mirza Basic (Bos) e Nikoloz Basilashvili (Geo). Apesar da derrota, o português subiu, esta segunda-feira, seis lugares no ranking, sendo agora 64º.

Sousa, que não jogará Monte Carlo, vai disputar a partir de dia 23 o ATP 500 Barcelona. Já Pablo Andujar, que venceu recentemente o Challanger de Alicante, poderá subir mais de 200 lugares no ranking.

Com 10 vitórias consecutivas, Andujar tornou-se o primeiro jogador desde Ryan Harrison, em 2017, a ganhar um torneio Challanger e um torneio ATP em duas semanas. O outro jogador a conseguir o mesmo feito foi David Goffin.

portugal.jpg?fit=735%2C490&ssl=1
André Dias PereiraAbril 9, 20183min0

Portugal não conseguiu superar a Suécia no playoff de apuramento para o Grupo Mundial da Taça Davis. A equipa lusa foi afastada, este sábado, por 3-2. A partida da decisiva jogou-se em Estocolmo e era referente à segunda eliminatória do Grupo 1, da zona Europa/África.

João Sousa, número um português, esteve em bom plano vencendo os dois jogos singulares em que participou. Diante Elias Ymer e Mikael Ymer o vimarenense conseguiu o mesmo resultado: duplo 6-4.

Menos bem esteve Gastão Elias, que perdeu ainda na sexta-feira perante Elias Ymer, 133 do mundo, por 7-6 (13-11) e 6-4. No sábado, no jogo de pares, a dupla Elias e Sousa perdeu para Markus Eriksson e Robert Lindstedt por 7-6 (8-6) e 6-2. No quinto e decisivo jogo, Gastão Elias, 106º do mundo, perdeu com Mikael Ymer (355.º), por 6-3 e 6-4.

Ymer, 19 anos de idade, é um dos talentos da nova geração. O sueco tinha sido também o herói no triunfo sobre a Ucrânia na ronda anterior. Para Portugal, o jejum de vitórias fora do país dura desde 2013. Portugal ficou isento na primeira eliminatória e agora joga em Setembro na Ucrânia para discutir a permanência nesta divisão.

Espanha, EUA, França e Croácia nas meias-finais

Quem se qualificou para as meias-finais da Taça Davis foi os EUA. Para trás ficou a Bélgica. John Isner, vencedor do ATP Miami, começou por vencer Joris De Loore por 3-1: 6-3, 6-7, 7-6 e 6-4. Sem David Goffin, a recuperar de lesão no olho, Ruben Bemelmans também não conseguiu levar a melhor sobre Sam Querrey. Depois, em pares, Ryan Harrison e Jack Sock justificaram o favoritismo diante Joran Vliege e Sander Gilles:  5-7, 7-6, 7-6 e 6-4.

Os norte-americanos são fortes candidatos a um título que foge há 10 anos. Na Era Open, desde 1968, que os EUA já venceram a Taça Davis por 13 vezes, sendo o maior campeão da prova.

Agora os EUA terá pela frente a Croácia, que venceu o Cazaquistão por 3-1. Marin Cilic, a estrela maior croata, venceu Mikhail Kukushkin, pelos parciais de 6-1, 6-1 e 6-1, em 2H01 horas de jogo, na partida decisiva.

David Ferrer coloca Espanha nas meias-finais seis anos depois (Foto: Sportv.globo.com)

Também nas meias-finais está a Espanha. Nuestros hermanos venceram a Alemanha por 3-2. David Ferrer, 36 anos, foi o herói ao vencer Phillip Kohlschreiber por 7-6, 3-6, 7-6, 4-6 e 6-4 em 4h51 horas de jogo. Nadal e Zverev, com uma vitória cada, deixaram tudo empatado na sexta-feira. No sábado, a dupla alemã venceu a espanhola: 6-3, 6-4, 3-6,6-7 e 7-5. Só que Nadal voltou a deixar tudo empatado ao vencer Zverev (6-1, 6-4 e 6-4). Ferrer acabou por vencer o jogo decisivo.

É a primeira vez desde 2012 que Espanha chega às meias-finais. Pela frente terá a selecção francesa, campeã em título, que venceu Itália por 3-1. Lucas Pouille decidiu para os gauleses ao levar a melhor sobre Fábio Fognini: 2-6, 6-1, 7-6 e 6-3.

As meias finais jogam-se entre 14 e 16 de Setembro.

Roger.jpg?fit=674%2C421&ssl=1
André Dias PereiraAbril 7, 20183min0

Está decidido. Roger Federer vai falhar toda a temporada de terra batida, devendo regressar no torneio de Halle, na Alemanha. A confirmação foi feita pelo suíço após a derrota diante do australiano Thanasi Kokkinakis, no Masters 1000 de Miami. “Decidi não jogar em terra batida. Foi bom voltar a ser o número um em Roterdão, mas manter essa posição não é importante nesta altura”, esclareceu o helvético. Entre outros torneios, Federer falhará Roland Garros.

O multicampeão volta, assim, a repetir a estratégia de sucesso que o levou a fazer um bom segundo de semestre em 2017. Venceu Wimbledon e também em Halle, Shangai e Basileia.

A derrota perante Kokkinakis retirou-lhe a liderança mundial, mas conforme referiu, não é o mais importante neste momento. E, verdadeiramente, há boas chances de Federer recuperar essa condição mesmo sem jogar. Senão vejamos. Nadal defende 4.680 pontos nos próximos meses, apenas  mais100 que Federer.  Contudo, o helvético não terá nenhum desconto até a temporada de relva.

A temporada de terra batida, de resto, apresenta-se como uma incógnita quanto a favoritos. Tudo por conta das lesões. O último torneio de Nadal foi o Open de Austrália. Falhou, depois, Acapulco, Miami e Indian Wells. Apesar de dominante na terra batida há dúvidas sobre as condições em que defende o título de Roland Garros. Murray também só regressará na temporada de relva. Djokovic mostrou estar limitado em Miami e Indian Wells. Wawrinka também recupera de lesão ao joelho e não tem previsão de regresso. Dominic Thiem está inscrito em Monte Carlo mas recupera de lesão no tornozelo. Del Potro e Cilic, os melhores de 2018 a par de Federer, também não têm na terra batida o seu piso preferencial.

Um dos segredos da longevidade de Federer é a gestão do seu esforço. Por isso, a escolha de torneios é muito criteriosa. Até porque, aos 36 anos e com 20 Grand Slams, nada tem a provar, jogando para desfrutar do jogo. A terra batida, ocupa, de resto, um período grande do calendário, necessitando de recuperação e preparação. E é o próprio Federer quem o diz ao jornal francês Le Parisien. “Quem o joga vai precisar de desistir de outra coisa“. O título de Roland Garros em 2009, permite-lhe, igualmente, aceitar melhor esta decisão.

Oportunidade perdida?

Contudo, há quem não corrobore da mesma ideia. Ion Tiriac, director do Open de Madrid, considera que Federer não age de forma correta, comparando o tenista a Lewis Hamilton. “Ele não opta por não competir depois de disputar apenas cinco corridas de F1”.

Federer já o disse. Quer continuar a somar títulos e ser número 1. Com os rivais enfraquecidos por lesões, esta seria uma boa chance para tentar somar um segundo troféu de Roland Garros e em outros torneios. Em todo o caso, seria sempre um favorito. O que nos leva a outra pergunta. Será justo um número 2 do mundo falhar um torneio Grand Slam? E que impacto representa um nome como Federer falhar Roland Garros? O certo é que o mesmo já acoteceu em 2017. Certo é que este ano haverá aumento de premiação. Cada vencedor irá receber 2,2 milhões de euros, mais 100 ml euros do que na última edição. A prova joga-se em 27 de Maio e 10 de Junho.

Em todo o modo é mais uma oportunidade perdida para os fãs verem o suíço jogar. Mas um bom segundo semestre, com o US Open e Masters Final na calha, rapidamente faria esquecer Paris e ver a lenda crescer ainda mais.

eugenie-sportsnet.jpg?fit=1040%2C572&ssl=1
André Dias PereiraAbril 4, 20183min0

Antiga número 5 do mundo está hoje fora do top-100. Eugenie Bouchard perdeu patrocinadores, motivação e vai dedicar-se a torneios ITF “para recuperar a sensação de ganhar”. Aos 24 anos ainda vai a tempo de voltar ao topo?

Em 2014 a canadiana Eugenie Bouchard chegava ao topo do mundo. Finalista do torneio de Wimbledon e garantia a entrada no top-10 mundial. Um registo surpreendente e meteórico se nos atentarmos à ideia que um ano antes ocupava o modesto 144º lugar do ranking WTA. Mais. Tratava-se do seu primeiro Grand Slam enquanto profissional. Alcançar a final nessa condição era um feito que não era repetido desde Arantxa Sanchez, em 1991.

Aos 20 anos era a “next big thing” do ténis mundial e os patrocínios começaram a chover. Nike, Colgate, entre outros, tornaram-na em uma das mais bem pagas tenistas do mundo. Foi capa da Sports Illustrated.

Dentro do court, Bouchard foi ainda semi-finalista em Roland Garros e Australian Open. No US Open chegou aos quartos de final. Tudo em 2014. O céu parecia ser o limite.

Certo é que a canadiana nunca conseguiu dar sequência a esse arranque de carreira. Nunca voltou a estar perto, sequer, de conquistar um Grand Slam. Agora, fora do top-100 deverá prosseguir carreira nos torneios ITF. “Aqueles que ninguém vê”, explica Bouchard que procura “voltar a sentir a sensação de ganhar”.

Depois de um ano cheio, em 2014, o seguinte foi o início da sua queda. Eliminada nas primeiras rondas de torneios como a Family Circle Cup, Madrid Open ou Rogers Cup. A confiança começava a desaparecer. Ana Ivanovic, na altura, disse que Bouchard precisava de “voltar à sua essência, trabalhar duro, perceber o que resulta e não resulta, escutar-se a si mesma e não ser influênciada por outras pessoas”. E as coisas pareciam retomar o seu caminho no US Open. A canadiana venceu Alison Riske, Polona Hercog e Dominica Cibulkova. Na quarta ronda jogaria com Roberta Vinci, mas uma contusão afastou-a do torneio que já era visto como o seu regresso ao alto nível.

A lesão obrigou-a a afastar-se de torneios seguintes e ficou fora por mais de três meses. Já em 2016 e pela primeira vez desde 2013, não foi cabeça de série no Australian Open. Seria eliminada na segunda ronda por Agnieszka Radwańska. O calvário repetiu-se no Catar, na Malásia e Indian Wells. O seu melhor registo foi a terceira ronda.

Perda de patrocínios

A luta pela sua melhor forma continuou em 2017. Outra vez sem sucesso. Em Brisbane e Sidney foi afastada na ronda inaugural. No Australian Open foi eliminada na terceira ronda por Coco Vandeweghe. Bouchard optou, então, por voltar a jogar no circuito ITF, pela primeira vez em quatro anos. Depois jogou em Istambul, mas foi Madrid, frente a Angelique Kerber, que venceria o primeiro jogo no circuito profissional em meses.

Já em 2018, a canadiana saiu, enfim, do top-100 mundial e prepara-se para voltar a jogar torneios ITF. “Está na hora de baixar a categoria de torneios e jogar encontros de importância menor. Aqueles que ninguém vê e ninguém quer saber. Preciso de recuperar aquela sensação de ganhar”, disse após ser afastada, na semana passada, no torneio de Charleston.

Entretanto, e de acordo com o jornal AS, a canadiana tem cada vez menos patrocinadores. A Nike já não desenha para ela e marcas como Colgate, Aviva e Usana já rescindiram os contratos.

Aos 24 anos, Eugenie Bouchard tem ainda um futuro pela sua frente. Mas haverá tempo para a bonança após a tempestade?

isner.jpg?fit=770%2C433&ssl=1
André Dias PereiraAbril 2, 20183min0

Ao longo da sua carreira o norte americano John Isner convive com a referência à sua altura. 2,08 metros. Este domingo, e aos 32 anos, foi o dia em que Isner foi gigante também no ténis. Natural de Greensboro, Carolina do Norte, foi em Miami que o norte-americano conquistou o mais relevante troféu da sua carreira.

E que semana foi esta para John Isner. O ponto alto foi este domingo com uma vitória na final diante o alemão Alexander Zverev: 6-7(4), 6-4 e 6-4. E Isner até perdeu o set inicial, mas recuperou nas duas partidas seguintes, terminando com nada menos que 18 ases. De resto, permitiu apenas três pontos de break a Zverev.

A caminhada para a vitória começou com Jiri Vasely (7-6, 1-6 e 6-3) e prosseguiu com Marin Cilic (7-5 e 7-6). Depois, venceu Hyeon Chung, carrasco de João Sousa, por 6-1 e 6-4, e Del Potro (6-1 e 7-6)

Já Zverev deixou eliminou Dimitri Medveded (6-4, 1-6 e 7-6), David Ferrer (duplo 6-2), Nick Kyrgios (duplo 6-3), Borna Coric (7-6, 4-6 e 6-4) e Pablo Carreño Busta (6-4, 5-7 e 7-6).

O norte americano aumentou para treze os títulos conquistados no circuito ATP. Contudo, este foi o primeiro da categoria Masters 1000, tendo sido finalista vencido em outros três anteriormente. Desde Andy Roddick, em 2010, que nenhum tenista norte-americano conseguia vencer o Masters de Miami. E com a vitória de Sloane Stephans no quadro feminino, foi quebrado o jejum da ‘dobradinha’ que perdurava desde 2004, ano em que Roddick e Serena Williams venceram em ambos os quadros.

Já para Zverev perdeu a chance de vencer o seu terceiro Masters 1000, depois das conquistas no Canadá e em Roma, em 2017.

Federer e Djokovic desiludem

Apontado como um dos principais favoritos, Roger Federer foi a grande desilusão do torneio. O suíço caiu logo na primeira ronda para Thanasi Kokkinakis (3-6, 6-3 e 7-6). Foi a segunda derrota da temporada de Federer, que o atira para fora da liderança mundial, a partir desta segunda-feira. Rafael Nadal é outra vez número um do mundo. Quem também desiludiu foi Novak Djokovic. O sérvio perdeu logo na ronda inaugural para o compatriota Filip Krajinovic (6-3 e 6-2). Entretanto, o ex-número um mundial já confirmou o final de sua parceria com André Agassi, seu treinador desde Maio de 2017. Eliminado nos oitavos-de-final do Australian Open, e nas rondas inaugurais de Indian Wells e agora Miami, o sérvio é 12º do ranking.

Com o afastamento de Federer e Djokovic, o caminho parecia aberto para Del Potro. Contudo, o vencedor de Indian Wells, acabaria afastado por Isner, que colocou um ponto final na invencibilidade do argentino. Foram 15 vitórias consecutivas naquele que foi o seu melhor arranque de temporada desde que é profissional.

Surpreendente foi o percurso do português João Sousa. O vimarense tornou-se o primeiro português a atingir os oitavos de final de um Masters 1000. Caiu de cabeça erguida perante o favoritismo de Hyeon Chung (6-4 e 6-3).

Sousa será uma das principais atracções do Estoril Open, que poderá também contar, quem sabe, com Novak Djokovic. Mas, para já, no sol de Miami quem mais brilhou foi o norte-americano John Isner, que se torna, esta segunda-feira, número 9 do mundo.

A vitória de Isner diante Zverev

joao-sousa.jpg?fit=700%2C437&ssl=1
André Dias PereiraMarço 26, 20182min0

João Sousa, o conquistador. Não por ter nascido em Guimarães. Não apenas por ser o melhor tenista português de sempre. Sousa conseguiu, este domingo, a proeza de atingir os oitavos de final do Masters de Miami. Pela primeira vez um tenista luso atinge essa meta num Masters 1000.

Longe do 28º lugar que já ocupou no ranking, Sousa é hoje o 80º do mundo. Isso, contudo, não o impede de somar vitórias importantes, como a que teve diante o Jared Donaldson , número 49 mundial. A vitória pelos parciais de 1-6, 6-3 e 6-4 demorou 1h53. O português pareceu apático no primeiro jogo, mas depois voltou a mostrar grande força mental e venceu 10 dos 14 jogos realizados.

O triunfo vem dar mais força à prestação do tenista luso que, na ronda anterior, eliminou nada menos que David Goffin, número nove mundial. Sousa não deu hipósteses, ganhando pelos parciais de 6-0 e 6-1. Goffin encontrava-se sem competir desde que foi afastado nas meias-finais do torneio de Roterdão, por Grigor Dimitrov. Depois de eliminar Alexander Zverev em Indian Wells, pelo segundo torneio consecutivo o vimarenense afastrou um tenista do top-10 mundial.

Na próxima ronda, que se joga esta terça-feira, dia 27, João Sousa terá pela frente uma das sensações do circuito em 2018. O coreano Hyeon Chung, semi-finalista do Australian Open, deixou para trás o norte-americano Michael Mmoh, por duplo 6-1. Antes, a vítima foi o australiano Matthew Ebden (6-3 e 7-5).

Federer perde liderança para Nadal

Para já, estão garantidos nos oitavos de final: João Sousa, Hyeon Chung, Marin Cilic, Jeremy Chardy, Juan Martin Del Potro, John Isner e Filip Krajinovic.

Eliminados estão, para ja, Roger Federer e Novak Djokovic. O sérvio voltou a desiludir ao ser afastado na primeira ronda por Benoit Paire (6-3 e 6-4). Já o suíço sofreu a segunda derrota da temporada, depois de ter perdido a final de Indian Wells para Del Potro. O algoz, agora, foi Thanasi Kokkinakis: 3-6, 6-3 e 7-6 (4), naquele que foi o primeiro encontro entre ambos no circuito ATP. Mais do que perder na estreia, Federer perde a liderança mundial para Rafael Nadal a partir desta segunda-feira. O suíço, agora, só deverá regressar em Junho, no torneio de Halle.

del-potro-1.jpg?fit=660%2C385&ssl=1
André Dias PereiraMarço 19, 20183min0

Juan Martin Del Potro. Outra vez ele. A segunda vez em três semanas. O argentino está imparável e Indian Wells dançou ao ritmo de Del Potro. Tal como em Acapulco, no México.

Ao vencer na Califórina, Juan Martin Del Potro conquistou o seu primeiro Masters 1000 da carreira. E também o seu 22º torneio ATP. O argentino quebrou ainda a sequência de 17 vitórias consecutivas de Roger Federer e a partir desta segunda-feira, dia 20, sobe ao sexto lugar do ranking ATP.

Esta final, de resto, colocou frente a frente os dois jogadores que mais pontos somaram em 2018. Foram mais de 2h30 de batalha para chegar ao registo de 6-4, 6-7 (8-10) e 7-6 (7-2). Del Potro ainda chegou a ter um match point desperdiçado, no segundo set, e foi também obrigado a salvar outros dois, no terceiro. O triunfo chegou ao fim de 2H41 de um jogo muito equilibrado.

Esta foi, igualmente, a sexta vitória do argentino diante o suíço, que soma 18 triunfos neste confronto directo. O mais especial continua a ser a vitória em 2009 na final do US Open, até agora a maior conquista da Torre de Tandil.

Mas esta vitória em Indian Wells terá sempre um sabor especial. Conforme salientou Del Potro, houve momentos, entre 2010 e 2015, quando atravessou um calvário de lesões, em que pensou que não voltaria a segurar numa raquete ao mais alto nível. Mas 2018 está a provar o contrário. Para já, sobe mais dois lugares no ranking ATP.

Para atingir a final, deixou para trás adversários como o proeminente Alex De Minaur (6-2 e 6-1), o espanhol David Ferrer (6-4 e 7-3), o compatriota Leonard Mayer (3-7, 7-6 e 6-3), o alemão Philipp Kohlschreiber (3-6, 6-3 e 6-4) e o canadiano Milos Raonic (6-2 e 6-3).

Coric, a surpresa e Djokovic, a desilusão

O croata Borna Coric, um habitué do Estoril Open, foi uma das sensações da competição. Aos 21 anos atingiu as meias-finais de Indian Wells, caindo para Roger Federer (7-5, 4-6 e 4-6). Outra boa prestação foi a do coreano Hyeon Chung. E tal como no Autralian Open foi afastado pelo suíço nos quartos de final.

No sentido oposto, Novak Djokovic desiludiu, caindo na ronda inaugural perante Taro Daniel, 109º mundial. O calvário do sérvio parece continuar e não se vislumbra o regresso ao seu melhor nível. Nolan já alterou a sua equipa técnica, alterou rotinas, mas só o tempo dirá o que será o futuro do ex-número 1 mundial no circuito.

Com o trunfo de Del Potro, Djokovic continua a ser o maior vencedor de Indian Wells, a par de Federer, com cinco conquistas.

 


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS