Arquivo de Ténis - Fair Play

djokovic-nadal-atpcup.jpg?fit=1024%2C512&ssl=1
André Dias PereiraJaneiro 11, 20211min0

As presenças de Novak Djokovic, Dominic Thiem e Rafael Nadal foram confirmadas para a ATP Cup. Trata-se da prova que substitui a Davis Cup e que marca o arranque da nova temporada. Com o Australian Open, este ano, a jogar-se em Fevereiro, a competição de seleções é uma forma de os jogadores começarem a melhor forma física.

Por enquanto, os 3 primeiros do ranking mundial estão garantidos numa prova que se jogará de 1 a 5 de Fevereiro, uma semana antes do Australian Open. Por motivos de segurança, a competição reúne 12 seleções ao invés de 24, em Melbourne Park.

Sérvia, Áustria, Argentina, Alemanha, Espanha e Itália são seleções confirmadas. Rússia, Grécia, Japão, França, Canadá e Austrália estão ainda por confirmar.

Isto quer dizer que muitos dos grandes nomes do circuito vão estar presentes. Sérvia, Espanha e Argentina são, entre as conhecidas, as grandes favoritas ao título. A Sérvia é a campeã em título e tenta agora renovar essa condição. Para além do número 1 mundial, tem também em suas fileiras Dusan Lajovic, Filip Krjinovic e Nicola Cacic.

Finalista vencida em 2020, Espanha apresenta-se com uma equipa experiente. Liderada por Nadal, Espanha confirmou as presenças de Bautista Agut, Carreno Busta e Marcel Granollers. Já a sempre competitiva Argentina assegurou as presenças de Diego Scwarzman, Guido Pella e Horácio Zeballos.

Por enquanto ainda não é conhecido o sorteio da ATP Cup e algumas coisas podem ainda mudar em função da evolução do Covid19. As seleções são compostas por jogadores que jogam o quadro principal do Australian Open.

federer.jpg?fit=590%2C350&ssl=1
André Dias PereiraDezembro 28, 20203min0

Roger Federer não deverá jogar o Australian Open, que está agendado para Fevereiro de 2021. Foi o agente do suíço, Tony Godsick, quem o garantiu à Associated Press. O tenista suíço continua a recuperar-se de duas intervenções cirúrgicas feitas ao joelho. Segundo Godsick, o multicampeão helvético tem feito grandes progressos mas acredita que a longo prazo o melhor é voltar à competição após o Australian Open.

O primeiro Grand Slam do ano, em 2021, não acontecerá em janeiro. A organização decidiu adiar o certame para 8 de fevereiro. Já há algum tempo, aliás, que se especulava sobre essa possibilidade. O aumento de número de casos relativos ao Covid-19 esteve na base da decisão.

A data inicial, 18 de janeiro, revelou-se inviável devido à necessidade de os tenistas precisarem de cumprir um período de quarentena de 15 dias. O qualifying masculino vai, ainda assim, jogar-se em Doha, entre 10 e 13 de janeiro. Os tenistas seguem depois para Melbourne onde farão a quarentena.

Para que os tenistas possam fazer uma melhor preparação, o torneio de Adelaide vai jogar-se na sede do Australian Open. Entretanto, os torneios de Auckland e Nova Iorque foram cancelados.

A temporada 2021 arranca da mesma forma que a de 2020 termina. Sob o signo da incerteza. Mesmo com a distribuição de vacinas no mundo inteiro as medidas de segurança e higiene deverão manter-se reforçadas. Não há ainda informação sobre se os torneios terão público mas é pouco provável que, em fevereiro, haja condições que decorra da mesma forma dos últimos anos.

O que a ausência de Federer representa

Para qualquer torneio, a ausência de Roger Federer tem um impacto financeiro. Desde logo para a valorização, não apenas desportiva, mas também da marca Australian Open. Afinal, o multicampeão suíço é um dos maiores símbolos do ténis, o seu maior campeão, e vencedor seis vezes em Melbourne. Apenas Djokovic tem mais vitórias no Australian Open do que Roger Federer.

É difícil mensurar um valor, mas, sobretudo em tempo de Covid, a venda dos direitos de transmissão do torneio deverá desvalorizar. Não estando garantida a presença de público, isso pode representar um peso acrescido para a organização.

Mas a ausência de Federer não é surpreendente. Aliás, o seu último jogo oficial foi em janeiro de 2020. Há já alguns anos que o suíço tem vindo a ser muito criterioso na calendarização de suas temporadas. Com 20 Majors no bolso, vencer ou acumular dinheiro, deixaram de ser a prioridade. Federer quer garantir que pode ser competitivo ao ponto de jogar finais e tentar, se possível, rivalizar com Nadal e Djokovic. Parte do seu sucesso aos 39 anos passa por aí.

Mas ao falhar Melbourne, o suíço pode ver Nadal se tornar o maior campeão de Grand Slam. O espanhol e o suíço somam, cada um, vinte vitórias. E, salvo alguma lesão, é expectável que o maiorquino possa vencer novamente Roland Garros. Se Djokovic confirmar o seu favoritismo ficará a 2 títulos dos seus rivais. Contudo, hoje ninguém pode ignorar outros nomes na parada, como Thiem, Tsitispas ou o campeão de Masters de 2020, Daniil Medvedev. Tudo depedenderá, porém, da forma como os jogadores se apresentarem no novo ano e as condicionantes da pandemia.

Cirstea.png?fit=600%2C395&ssl=1
André Dias PereiraDezembro 13, 20201min0

Ela chegou a andar pelo top-25, a jogar quartos de finais de Major e finais de WTA 1000. Sorana Cirstea venceu no Dubai o seu primeiro título ao fim de 4 anos de. Aconteceu no ITF do Dubai.

Aos 30 anos de idade, a romena atravessa um dos seus mais felizes momentos da carreira. Atualmente, na posição 86 do ranking WTA, Cirstea levou a melhor em um torneio que contou com 14 tenistas do top-100.

Na final, a romena levou a melhor sobre Katerina Siniakova (4-6, 6-3 e 6-3), número 64 do circuito, impondo a sua maior agressividade e, sobretudo, jogo de fundo de court.

Com este triunfo, Soriana vai subir 15 posições no ranking. Com uma carreira recheada de lesões, que condicionaram a sua evolução e estabilidade, a romena aposta, aos 30 anos, em continuar a evoluir e, talvez ganhar mais títulos.

Cirstea já teve a oportunidade de jogar todos os Grand Slam. O seu maior feito aconteceu em 2009, em Roland Garros, chegando aos quartos de final. Dos 448 jogos já disputados, venceu 340. A sua maior classificação até ao momento foi o 21 lugar.

Natutal de Bucareste, iniciou o seu percurso em 2004, chegando a estar no top-10 junior. Por essa altura, teve algumas aparições em finais, ganhando um torneio na Alemanha. Ela se tornou então profissional e em 2008 conquistou o seu primeiro título no torneio de Tashkent. Os seus problemas com a forma físicas começaram em 2010, mas aos poucos foi subindo no ranking até atingir o 21 lugar em 2013. Em 2014 enfrentou mais lesões que a atiraram para fora do top-100. De então para cá tem vindo a tentar recuperar-se, mas de forma irregular. A avaliar pelo que aconteceu no Dubai, 2021, pelo menos, promete.

medvedev-1.jpg?fit=768%2C512&ssl=1
André Dias PereiraNovembro 24, 20203min0

Não foi exatamente uma surpresa, mas, concordamos, também não era o esperado. O título do ATP Finals de Daniil Medvedev confirma o que nos últimos anos tem vindo a pronunciar-se. O melhor tenista da (ótima) geração russa, com capacidade de ser top-3 e estar na primeira linha para suceder ao Big-3.

Aos 24 anos, Medvedev vive o melhor momento de sua carreira. Venceu pela primeira vez o ATP Finals, depois de ter ganho o ATP Paris. É número 4 do mundo e está apenas a 655 pontos de Dominic Thiem, terceiro classificado de uma lista liderada por Novak Djokovic.

O austríaco, aliás, foi o tenista vencido na final de domingo: 4-6, 7-6 e 6-4. Thiem volta a perder uma final depois de ter caído em 2019 para Stefanos Tsitsipas. E, diga-se, até começou bem. No primeiro set, conseguiu quebrar um serviço ao russo e controlar a vantagem para vencer por 6-4. Só que a frieza, precisão e força mental de Medvedev fizeram a diferença nos sets seguintes. Aliás, o russo está a tornar-se conhecido por não festejar as suas vitórias. Após o triunfo, limitou-se a cumprimentar o rival. A explicação deve-se a problemas com o público durante o US Open de 2019. À época teve problemas logo no seu primeiro encontro, tendo sido vaiado por mau comportamento. O russo chegaria até à final, onde perdeu para Nadal, naquele que era, até aqui, o seu melhor resultado. Ainda assim, diga-se, acumula já 9 títulos ATP desde 2018.

Thiem termina como número 3

O percurso de Medveved em Londres foi imaculado, vencendo todos os jogos. No mais, o russo tornou-se apenas o quarto jogador nos últimos 30 anos a derrotar os três primeiros do ranking mundial, na mesma semana. Em um ATP Finals foi, no mais, a primeira vez que aconteceu. “É incrível vencer o top 3 aqui. São os melhores jogadores do mundo. Isso significa muito e mostra do que sou capaz quando estou a jogar bem”, disse o russo.

Incluído em um grupo com Djokovic, Zverev e Schwartzman, o russo não apenas ganhou todos os jogos como não cedeu qualquer set. Nas meias-finais, deixou para trás Rafael Nadal. O espanhol continua em busca do seu primeiro ATP Finals, o grande título que lhe falta. E, tal como Thiem, ganhou o primeiro set, só que Medvedev buscou a reviravolta: 3-6, 7-6, 6-3.

Thiem também confirmou o bom momento que atravessa, repetindo a final de 2019. Num grupo com Nadal, Rublev e Tsitsipas, o austríaco proporcionou, talvez, o melhor jogo do torneio e um dos melhores do ano contra o espanhol, ganhando por duplo 7-6. E nas meias-finais ultrapassou Novak Djokovic.

O austríaco termina a temporada como número 3 mundial e campeão do US Open. Um grande ano desportivo, apesar de tudo.

medvedev.jpg?fit=1024%2C512&ssl=1
André Dias PereiraNovembro 10, 20202min0

Daniil Medeved, 24 anos de idade, é por esta altura uma certeza no circuito ATP. O russo soma oito títulos ATP, o mais recente dos quais em Paris, no domingo. Diante Alexander Zvderev, Medvedev venceu de virada: 6-7, 6-4 e 6-2.

Foi uma semana especial para o russo. Não apenas porque venceu o primeiro título da temporada, mas pela forma em que se apresentou. O russo superou ladversários como De Minaur (5-7, 6-2 e 6-2), Diego Schawrtzman (6-3 e 6-1) e  Milos Raonic (6-4 e 7-6), mostrando que se pode intrometer nos próximos tempos na disputa pelo número 1 do mundo.

Para já, contudo, esse é um cenário ainda remoto. Todavia, com este título, Medvedev sobe a número 5 mundial ultrapassando o suíço Roger Federer. Apesar de este ter sido o primeiro título de 2020, o russo atingiu as meias-finais no último US Open, perdendo para Dominic Thiem. Em 2019, recorde-se, o russo foi finalista vencido diante Rafael Nadal. Mais recentemente, em Roland Garros, não esteve tão bem, caindo na primeira ronda.

O triunfo de Paris acaba por ser mais um passo na carreira de Medvedev que vai ganhando cada vez mais confiança. Que o diga Zverev, reconhecendo, após sofrer o empate em sets, que iria perder o encontro. Apesar de ter sido vice-campeão, o alemão também se deve orgulhar do seu percurso em Paris. Para trás, deixou jogadores como o favorito Rafael Nadal (6-4 e 7-5) e Stan Wawrinka (6-3 e 7-6).

O Masters de Paris é o penúltimo torneio importante do calendário de ténis. A partir de domingo terá início o ATP Finals, competição que reúne os oito melhores do mundo na temporada. Medvedev e Zverev estarão lá, assim como Rafael Nadal, Novak Djokovic, Dominic Thiem, Stefanos Tsitsipas, Andrey Rublev e Diego Schwartzman.

zverev.jpg?fit=1200%2C675&ssl=1
André Dias PereiraOutubro 26, 20201min0

Em Colónia, na Alemanha, Alexander Zverev fez o papel de anfitrião e não desiludiu. O número 7 mundial venceu os dois torneios realizados na sua terra natal integrados no novo calendário que substituiu a temporada asiática.

Este domingo, dia 25, Zverev levou a melhor sobre Diego Schwartzman por 6-2 e 6-1. E pode-se dizer, talvez, que este triunfo tenha sido o mais assertivo dos 8 jogados em Colónia. O alemão precisou apenas de 72 minutos para ganhar o 13 troféu da sua carreira. Ele é, aliás, um dos sete tenistas que em 2020 conquistaram mais do que um torneio. Por seu lado, Diego Schwartzman chegou ao seu terceiro vice-campeonato em três finais disputadas na temporada 2020. O último título do argentino de 28 anos de idade foi no ano passado no ATP 250 de Los Cabos.

Ao longo da semana, Zverev deixou para trás jogadores como Joh Millman (6-3, 0-6 e 6-3), Adrian Mannarino (6-4, 6-7 e 6-4) e Jannik Sinner (7-6 e 6-3).

Na semana anterior, o alemão havia vencido o primeiro torneio diante Auger-Aliassime, por duplo 6-3. O jovem canadiano continua ainda em busca do seu primeiro título ATP, tendo perdido finais para  Laslo Djere, Benoit Paire, Matteo Berrettini, Gael Monfils e Stefanos Tsitsipas.

Para chegar à final, Zverev eliminou Fernando Verdasco, Lloyd Harris, Bautista Agut e Alejandro Fokina.

O alemão, de resto, parece dar-se bem no seu país. Em 2017 e 2018 já havia vencido igualmente o torneio de Munique. No mais, Zverev já se qualificou para o ATP Finals, em Londres, prova que venceu em 2018.

rublev-petersburgo.jpg?fit=640%2C371&ssl=1
André Dias PereiraOutubro 19, 20201min0

Quando se fala atualmente no ténis russo o nome Daniil Medveded é o primeiro a ser lembrado. Contudo, a nova geração também pode contar com  Andrey Rublev. Na sua primeira semana como top-10 mundial não fez por menos. O russo venceu, em São Petersburgo, o seu segundo título ATP 500.

Diante o croata Borna Coric, 23 anos e atual número 27 do Mundo, Rublev levou a melhor por 7-6(5) e 6-4. A partida ficou marcada pelo facto de Coric ter deixado fugir uma vantagem de 5-2 no tie-break do primeiro set.  Com 80% de acerto no seu jogo de serviço, o russo aumentou para 10 vitórias consecutivas em jogos em torneios de seu país natal.

Rublev deixou para trás Vasek Popisyl (6-4, 6-2), Ugo Humbert (4-6, 6-4, 7-5), Cameron Norrie (6-2, 6-1) e Denis Shapovalov (4-6, 6-3, 6-4).

Aos 22 anos, o número 8 mundial vive um momento único na carreira. Soma 34 triunfos em 2020 e 4 títulos: Dona, Adelaide, Hamburgo e São Petersburgo. Por seu lado, Borna Coric perdeu a final do torneio russo pela segundo ano consecutivo. Em 2019 o campeão foi outro jogador da casa, Daniil Medveded.

Rublev espreita agora a oportunidade de chegar, pela primeira vez, ao ATP Finals. De uma forma ou de outra, o russo garante que não esperava uma temporada tão boa. Em 2019, venceu o torneio de Moscovo e em 2017 o de Umag.

O ano de 2020 está, por isso, a ser o da sua consolidação. De resto, Rublev se tornou o primeiro jogador, desde Dominik Hrbaty, 2004, a ganhar dois torneios consecutivos nas duas primeiras semanas do ano. E desde o regresso do ténis, pós-pandemia, soma 19 vitórias contra 4 derrotas.

nadal2.jpg?fit=1200%2C809&ssl=1
André Dias PereiraOutubro 13, 20204min0

Um rei nunca perde a sua coroa, diz o ditado popular. Em vésperas da final de Roland Garros, Goran Ivanisevic disse que Nadal não teria chances contra o Novak Djokovic. O resultado não apenas desmentiu categoricamente o campeão Wimbledon de 2001, como mostrou que ninguém está perto de Nadal, quando se fala em terra batida.

Nadal alcançou este domingo uma das suas maiores vitórias na carreira. No conteúdo e na forma. Pela maneira como foi conseguida e por tudo o que representou. O resultado de 6-0, 6-2 e 7-5 só foi possível devido a uma exibição de excelência do maiorquino. Porventura, uma das melhores de sua carreira, ao ponto de, perto do final do segundo set, ter apenas 1 erro não forçado.

O espanhol era, de resto, o grande favorito a vencer o torneio dos mosqueteiros. Ainda assim, tinha desafios acrescidos. Depois de seis meses parado, o espanhol chegou a França com apenas 3 jogos realizados no período pós pandemia. Para trás ficou também a eliminação por Diego Schwartzman no torneio de Roma. No mais, Nadal reajustou as contas com o argentino nas meias-finais de Roland Garros: 6-3. 6-3 e 7-6. Diga-se, contudo, que Schwartzman fez um grande torneio, atingindo pela primeira vez esta fase de um Grand Slam. Para trás, tinha deixado outro favorito: Dominic Thiem: 7-6 (7-1), 5-7, 6-7 (6-8), 7-6 (7-5) e 6-2. Com isso, o argentino está agora em oitavo lugar no ranking ATP.

Até então o caminho de Nadal tinha sido tranquilo, com vitórias sobre Egor Garasimov, Mckenzie McDonald, Stefano Travaglia, Sebastian Korda e Jannic Sinner. Ao longo do torneio, Nadal não perdeu qualquer set.

Quando se fala em terra batida ninguém na história é maior que Rafa Nadal. O triunfo sobre Djokovic foi o 100 na carreira do maiorquino, em Paris. Ele é, inegavelmente, o maior nome da competição. Com este título são já 13 em Roland Garros. Para se ter noção da diferença do espanhol para os outros, Bjorn Borg, com seis vitórias, é o segundo maior vencedor.

Nadal iguala Federer

O triunfo deste domingo coloca Rafa Nadal lado a lado com Roger Federer com 20 Grand Slam. O suíço não perdeu tempo em parabenizar o espanhol, o seu grande rival, lembrando que foi precisamente essa rivalidade que puxou pelos dois e também pelos outros adversários. Agora, os dois compartilham o recorde de Majors. A pergunta que se coloca é quem terminará a carreira com mais triunfos. O favorito é Nadal, porque é mais novo e porque não é expectável que alguém o possa vencer, em condições normais, em Roland Garros. A recuperar de uma lesão, Federer não jogará mais até final da temporada. Aos 39 anos, é difícil acreditar que possa vencer muito mais Majors, embora o suíço sempre pareça surpreender e chegar a decisões. E depois há ainda Djokovic. Aos 33 anos, tem tudo para continuar a emplacar Majors na relva e piso rápido.

Muito dependerá, claro, de como se organizará o ténis pós-pandemia. Em Paris, o sérvio foi competente, apesar de alguns sobressaltos com Tsitsipas, nas meias-finais (6-3, 6-2. 5-7, 4-6 e 6-1) e Carreño Busta, nos quartos de final: 4-6 6-2 6-3 6-4.

Iga Swiatek, o meteoro polaco

Se entre os homens, Nadal continua a fazer história, entre as mulheres há um novo nome na parada. Iga Swiatek tornou-se a primeira polaca a vencer um Major. Aos 19 anos de idade, surgiu em Roland Garros longe dos holofotes, fora do top-50. A verdade, porém, que o seu percurso foi um verdadeiro conto de fadas. Foi eliminando favorita atrás de favorita, incluindo Simona Halep, sem perder qualquer set.

Em 2018, a polaca tinha se sagrado campeã de Roland Garros em juniores. Longe de imaginar que sê-lo-ia nos seniores tão pouco tempo depois. E a verdade é que precisou pouco mais de 1h20 para vencer na final Sofia Kenin, vencedora do Australian Open, por 6-4 e 6-1.

Swiatek ascende agora ao 17 lugar do ranking WTA. Este foi o seu primeiro grande título, apesar de ter vencido outros sete torneios ITF. Antes dela, apenas os duplistas  Wojciech Fibak  (Austrália,1978) e Łukasz Kubot (Austrália, 2014 e Wimbledon, 2017) eram os jogadores polacos com títulos nos quatro principais torneios do mundo.

A jovem polaca também se tornou apenas a ´sétima tenista a ganhar sem ceder qualquer set. Em sete partidas ela cedeu apenas 28 jogos às adversárias, entre elas Markéta Vondroušová (vice-campeã em 2019), a canadiana Eugenie Bouchard (semifinalista em 2014) e a cabeça de série, Simona Halep (campeã em 2018).

usopen.jpg?fit=1200%2C799&ssl=1
André Dias PereiraAgosto 21, 20202min0

Falta pouco para o arranque do US Open. Entre 31 de agosto de 13 de setembro, joga-se o segundo major do ano. Um cenário impensável há um ano, mas que foi viabilizado pela pandemia do Covid-19. Também por isso, a pouco tempo do início, há tantas polémicas.

O último episódio envolve Guido Pella e Hugo Dellien. Os dois tenistas estão de quarentena, em Nova Iorque, depois de terem estado em contato com pessoas infetadas com Covid. Pella e Dellien foram afastados de Cincinnati e podem também ficar de fora do US Open. Cincinnati foi movido para Nova Iorque no sentido de ser uma preparação do US Open. A situação deixou descontente vários jogadores do circuito. De acordo com o diário espanhol Marca, pode haver um movimento para boicotar Cincinnati e US Open. O argumento é o de que os jogadores só devem retirar-se do torneio se partilharem quarto com um caso positivo de Covid-19, o que não aconteceu.

Quem também falhou o primeiro torneio após o regresso do ténis é Kei Nishikori. O japonês foi infetado pelo vírus na Florida e deve falhar o master norte-americano. Ausência garantida é a Rafael Nadal. O atual número dois mundial explica que a ausência de controle do vírus nos EUA e sua saúde foram os motivos para falhar o US Open. No quadro feminino, Simona Halep também priorizou a sua saúde e não jogará.

De acordo com a organização sete jogadores do top-10 mundial deverão jogar a prova. Entre eles está Novak Djokovic, envolvido recentemente em polémica por organizar um torneio beneficente nos balcãs que causou a infeção de jogadores e adeptos.

O tenista sérvio apresenta-se como o grande favorito, dentro da quadra. Recorde-se que as pontuações foram congeladas desde o início da quarentena. A busca pelo 18 Grand Slam foi uma das principais motivações do número 1 mundial para jogar. Djokovic tem, de resto, sido um crítico sobre as condições de participação. Os jogadores farão testes regularmente, não poderão sair do espaço montado no aeroporto, não poderão ir a  Manhattan e só poderão entrar com um acompanhante no recinto do torneio.

Depois de uma paragem tão longa, é importante saber a forma como estão os jogadores. Certamente, será um US Open diferente, dentro e fora de court. De uma forma ou outra, a bola vai rolar.

nitoo.jpg?fit=760%2C427&ssl=1
André Dias PereiraAgosto 13, 20201min0

É um dos principais torneios do ano. Habitualmente jogado em Dezembro, o ATP Finals vai acontecer entr 15 e 22 de Novembro. Londres garantiu, uma vez mais, o torneio que reúne os 8 melhores tenistas do ano.

Por saber está ainda se será com ou sem público. Mas mesmo que haja público a estrutura será muito mais reduzida que o habitual. O evento vai marcar o final da temporada de ténis, este ano bem atípica em função do Covid-19. Por enquanto, o único Grand Slam jogado foi o Australian Open. Wimbledon foi cancelado, contudo, o US Open e Roland Garros ainda deverão jogar-se, com o primeiro a iniciar no final de Agosto.

O grego Stefanos Tsitsipas é o atual campeão em título. Por enquanto é ainda cedo para saber o quadro final dos grupos, ou até prever quem irá jogar e em que condições. Recorde-se que este torneio, ao contrário dos outros, não se joga por eliminatórias. Existem dois grupos de 4 jogadores, apurando-se os 2 primeiros para as meias-finais. Roger Federer é o maior campeão, com 6 títulos.

Atualmente o ranking ATP encontra-se congelado. Novak Djokovic é o líder. Rafa Nadal e Dominic Thiem fecham o top 3.

Andre Gaudenzi, presidente da ATP, explica em entrevista ao Supertennis que o objetivo, neste momento, é manter o maior número possível de torneios na Europa e fechar com o ATP Finals. A temporada asiática foi cancelada.

Será também o último ano que a prova se realizará em Londres. A partir de 2021 será Turim a acolher o Masters Final.

 


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS