Arquivo de NHL - Fair Play

nhl-este-2020.jpg?fit=1200%2C800&ssl=1

Dando continuação ao artigo anterior, hoje faço-vos a minha análise e previsão daquilo que penso que irá acontecer na ronda de qualificação para os playoffs da Conferência Este.

Pittsburgh Penguins (5º) vs Montreal Canadiens (12º)

Começo já por escolher facilmente o vencedor desta ronda que serão claramente os Penguins e irei explicar o porquê.

Se compararmos as duas defesas, podemos verificar uma ligeira, mas não muita supremacia dos Canadiens em relação aos Pens.

O guardião Carey Price (a meu ver já é desde algum tempo muito sobrevalorizado em relação a outros guarda-redes e também não está a ter a melhor época de sempre), que será sempre uma barreira complicada de ultrapassar, contudo não tem de facto um backup à altura sequer para lhe fazer cócegas, o que não puxa muito o espírito competitivo interno.

Ainda podemos falar do patrão da defesa e capitão Shea Weber que é de longe o melhor ativo desta equipa e ainda do 2nd liner Jeff Petry.

Depois olhamos para os Penguins e vemos 2 guarda-redes bastante covalentes (Matt Murray e Tristan Jarry), na medida em que não tendo as qualidades de Price, conseguem puxar um pelo outro de modo a darem o seu melhor em cada jogo, o que pode ser um fator interessante de observar, e, finalizando, penso que os Pens só têm um grande defesa à altura que é claramente o experiente Kris Letang que com 33 anos continua a dar muito que falar.

Falámos nas defesas e agora vamos falar nos ataques e se quisermos falar no ataque dos Canadiens é impossível porque não existe em comparação ao dos Penguins, é como se metêssemos frente a frente uma jangada contra um barco pneumático, e o que Sidney Crosby e Evgeni Malkin foram capazes de fazer na época regular enfrentando todas as adversidades e mais algumas é provável que os Canadiens passem um mau bocado nesta ronda.

Carolina Hurricanes (6º) vs New York Rangers (11º)

Este confronto penso que já será um pouco mais sumarento isto porque do lado dos Hurricanes temos provavelmente a equipa mais homogénea de toda a NHL e se olharmos quer para as 4 linhas ofensivas , quer para as 3 linhas defensivas, quer para os guarda-redes, constatamos claramente que estão a altura de enfrentar qualquer adversário e que a competitividade interna é imensa e a toda a hora incentiva pelo seu head coach e líder Rod Brind’Amour, o que lhes dá uma consistência muito forte nas suas exibições a toda a hora e provavelmente foi isso que os fez chegar no ano passado quase à final da Stanley Cup.

Já da parte dos Rangers, podemos falar de 3 autênticos patrões das 3 linhas defensivas (Jacob Trouba, Anthony De Angelo e Adam Fox) e claro que não nos podemos esquecer do que as duas grandes referências ofensivas e estrelas da equipa, Artemi Panarin e Mika Zibanejad, que durante este ano já demonstraram do que são capazes de fazer.

Penso que no final os Carolina Hurricanes acabarão por bater os Rangers, a não ser que as duas estrelas de New York superem toda a máquina bem oleada dos Hurricanes.

New York Islanders (7º) vs Florida Panthers (10º)

Este embate a meu ver será certamente o mais renhido de todos e até me atrevo a dizer que provavelmente irá até ao jogo 5.

Analisando os Islanders, vemos uma equipa com 3 linhas ofensivas muito homogéneas e um jogador que se sobressai sobre todos os restantes que é o jovem Mathew Barzal que aos 23 anos tem uma leitura de jogo de um super jogador de 35 anos e é por isso o motor desta equipa e o que faz efetivamente a equipa jogar e produzir vitórias.

Depois olhamos para a defesa e não vemos nenhum defesa pontuador nem nenhum patrão assumido, mas vemos sim 3 linhas muito homogéneas de atletas experientes que sabem defender muito bem. Por último, a baliza onde temos Thomas Greiss e Semyon Varlamov que são geralmente muito regulares e que puxam também muito um pelo outro.

Já nos Panthers vemos uma defesa também muito madura e ao mesmo tempo mais envolvida na produção ofensiva (falamos de Keith Yandle e de Aron Ekblad, que são também os 2 patrões da defesa). Na baliza há um muro russo chamado Sergei Bobrovsky que em tempos de playoffs costuma ser um terror para qualquer avançado, porém a única dúvida é saber se recupera a tempo da lesão e se consegue dar “uma perna” à equipa, o que pode ser decisivo nesta ronda.

Depois falando do ataque, temos a experiência de Brett Connolly (detentor de 1 Stanley Cup em Washington) e de Erik Haula (finalista da Stanley Cup em Las Vegas) e ainda uma fome insaciável de playoffs das duas referências da equipa, Aleksander Barkov e Jonathan Huberdeau que estão há duas temporadas a falhar os playoffs por escassos lugares ou mesmo pontos e estando eles a altura penso que serão um problema para os Islanders.

Penso que no final o que vai contar será a inspiração de Barzal e do guardião Bobrovsky (caso chegue a tempo) mas tendo de escolher um, escolho os Florida Panthers.

Barzal vs Florida Panthers (Foto: NHL.com)

Toronto Maple Leafs (8º) vs Columbus Blue Jackets (9º)

Por último, temos aqui um embate entre um candidato assumido, os Toronto Maple Leafs e um underdog, os Columbus Blue Jackets.

Começando pelos Leafs, destacam-se claramente as 3 armas mortíferas do ataque, o capitão John Tavares, o goleador nato Auston Matthews e o inteligentíssimo Mitch Marner que bem inspirados chegam para qualquer equipa. Depois na defesa temos o capitão e patrão Morgan Rielly e o irreverente Tyson Barrie que brilhou nos playoffs do ano passado ao serviço dos Colorado Avalanche.

Na baliza o guardião principal Frederik Andersen para além de por hábito, fazer exibições a alto nível nos playoffs, sabe que tem agora uma segurança maior no banco com Jack Campbell, que vindo de Los Angeles preencheu uma lacuna que havia em arranjar um backup a altura nos Leafs.

Depois olhamos para os Jackets e perguntamo-nos a nós mesmos “como é que esta equipa chegou aqui?” …penso que a resposta está mesmo no seu head coach fora do normal, John Tortorella, que com muito pouco já conseguiu fazer imenso por esta equipa… conseguiu passar de ter um buraco na baliza para ter um guarda-redes extraordinário (Elvis Merzlinkins), passou de ter uma equipa dependente de uma referência (Artemi Panarin), para passar a ter 3 linhas ofensivas com uma química extraordinária e guerreira e sobretudo passou de ter uma equipa que toda a gente sepultava no início do ano para ter aqui uma equipa em que nenhum adversário pode baixar a guarda.

Uma caminhada que dava quase para o argumento de um filme e uma caminhada que se tornou muito dramática quando ao mesmo tempo, o patrão da defesa Seth Jones, e as referências ofensivas Cam Atkinson, Oliver Bjorkstrand, Alexander Texier e ainda Josh Anderson (que é tipicamente uma das armas dos playoffs) se lesionaram com gravidade e que provavelmente não irão estar para ajudar a equipa a passar o teste de Toronto.

Para esta eliminatória escolho os Toronto Maple Leafs, deixando a dica de que se os Columbus Blue Jackets conseguirem um bom começo como no ano passado frente aos indestrutíveis Tampa Bay Lightning, a história poderá complicar-se para os Leafs.


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS