Arquivo de Crusaders - Fair Play

scotthigginbotham-cropped_imp533s25udr112168nosxt0l.jpg?fit=1200%2C675&ssl=1
Francisco IsaacJunho 9, 20196min0

HIGGINBOTHAM O REI DOS AVANÇADOS DO SUPER RUGBY

A 8 de Julho de 2019 fechou-se mais uma era para o rugby australiano e, em especial, para os adeptos dos Queensland Reds que disseram adeus ao poderoso e totalitário Scott Higginbotham, Wallaby por 34 ocasiões e, a partir de agora, detentor do recorde de mais ensaios marcados por um avançado no Super Rugby: 41!

O australiano atingiu a marca de centurion pelos Reds em Março de 2019, sendo também o avançado aussie com mais jogos no Super Rugby de sempre. Um fim-de-semana em grande para Higginbotham que se despede do Suncorp Stadium, uma vez que vai emigrar para paragens nipónicas durante as próximas duas épocas… nada melhor que fechar o seu 2º “reinado” nos Reds com uma vitória saborosa frente aos Blues por 29-28, num encontro disputado até ao apito final.

Brad Thorn voltou a poder lançar Samu Kerevi no seu leque de titulares e o centro, a par de Higginbotham, foi decisivo para o garantir de uma vitória que pareceu impossível de acontecer nos primeiros 15 minutos de cada parte do jogo, altura em que a formação neozelandesa dos Blues apresentou os seus melhores argumentos.

O esforço de Akira Ioane, Augustin Pulu (como é que o formação ficou tanto tempo arredado ao banco de suplentes quando é de longe o melhor na sua posição na franquia de Auckland) Ma’a Nonu ou Tanielu Tele’a (exibição preponderante do asa com 4 quebras-de-linha e 7 defesas batidos em 100 metros percorridos) compensou durante esses períodos, onde o rugby “agressivo”, de penetrações constantes e de apoio imediato (sem ser deslumbrante) fez a diferença frente aos Reds.

Contudo, a equipa neozelandesa começou a cambalear quando não podia e ofereceu o flanco à equipa da casa de uma forma ingénua e contra-producente, com os eleitos de Brad Thorn a operarem duas reviravoltas em dois momentos do jogo. No final de contas, os Reds de Higginbotham e Kerevi mereceram a vitória destruindo por completo as esperanças dos Blues de seguirem em frente na competição.

QUEM É QUE PEDIU UNS CRUSADERS IMPARÁVEIS?

10 ensaios a zero, 66 pontos a zero, uma equipa que mantém os seus melhores atributos no topo e outra que está em queda… Isto foi o retrato final do jogo que opôs Crusaders e Rebels, numa total afirmação de força por parte da formação de Christchurch, que lança um sério aviso: quem não pressiona as acções ofensivas de Richie Mo’unga ou não impede a facilidade de movimentos a David Havili, está destinado a não só perder como a ser totalmente “humilhado” e passado por cima sem qualquer tipo de problemas ou dúvidas.

Os saders completaram 50 pontos só em ensaios com super Sevu Reece a conquistar mais um hatrick para além do MVP do encontro, BraidonEnnor que também foi responsável por três toques de meta. O ponta conquistou 6 quebras-de-linha, todas elas com carimbo de ensaio, abrindo um corredor de ataque perfeito para que o três-de-trás da franquia neozelandesa tivesse uma daquelas noites perfeitas, com carimbo de Richie Mo’unga e liderança total de Kieran Read e Matt Todd.

É essencial perceber que os Crusaders são a melhor equipa no contra-ataque. no “resgatar” da bola no ruck e no disparar frenético até à área de validação ou, pelo menos, numa subida total no território. Os Rebels nunca conseguiram encontrar o rumo correcto e questiona-se o facto de Will Genia e Quade Cooper terem ficado de fora, tudo opções tomadas por David Wessels, que teria a cabeça no jogo decisivo frente aos Chiefs na última ronda do Super Rugby.

Quem se atreve a fazer oposição aos Crusaders? E depois de um resultado negativo ante os Chiefs esta não terá sido a melhor resposta possível dos bicampeões da competição do Hemisfério Sul?

BARALHA E VOLTA A DAR, OU COMO HÁ 3 VAGAS POR DECIDIR

Bem, os três primeiros (Crusaders, Brumbies e Jaguares) já estão encontrados assim como o 4º lugar (Hurricanes) e os Bulls têm o praticamente o 5º lugar assegurado, estando em disputa três lugares para o playoff de apuramento de campeões que tem “só” seis pretendentes possíveis: Lions, Stormers, Rebels, Sharks, Chiefs e Highlanders.

Vários cenários podem surgir no horizonte do Super Rugby com alguns bem interessantes de lembrar: caso Highlanders e Chiefs conquistem vitórias bonificadas na última ronda (os adversários são Waratahs e Rebels, respectivamente) garantem praticamente um lugar no playoff, desde que os Stormers ou Sharks percam.

Estas duas equipas sul-africanas vão medir forças no último jogo da conferência sul-africana e um empate será letal para os desígnios de qualquer uma. Já os Lions dependem só de si para marcar presença em mais uma fase-final do Super Rugby e se conquistarem inclusive uma vitória em Loftus Versfield, garantem o 5º lugar. Todavia, se a equipa de Swys de Bruin tropeçar na visita ao campo dos Bulls e os Chiefs e Sharks conquistarem vitórias nos seus jogos, podem mesmo ficar de fora dos 8 melhores da temporada, numa situação nada surpreendente perante um dos piores anos dos Lions em termos de qualidade exibicional.

Felizmente para estes pretendentes ao top-8, Brumbies, Jaguares e Hurricanes (Crusaders têm um fim-de-semana de folga) não podem influenciar esta discussão pelo apuramento, já que jogam frente a equipas excluídas de qualquer pretensão de atingir o playoff.

Na 18ª ronda do Super Rugby 2019 muito suor, lágrimas, desespero, pânico e ensaios vão correr… quem vai conquistar o direito de lutar pelo título de Super Rugby durante mais um fim-de-semana?

OS JOGADORES-PORMENORES DA SEMANA

Melhor Chutador: Richie Mo’unga (Crusaders) – 14 pontos (7 conversões 80% eficácia)
Melhor Placador: Reese Prinsep (Hurricanes) – 22 placagens (95% eficácia)
Melhor Marcador de Ensaios: Sevu Reece (Crusaders) e Braydon Ennor (Crusaders) – 3
Melhor Marcador de Pontos: Sevu Reece (Crusaders) e Braydon Ennor (Crusaders) – 15 pontos (3 ensaios cada)
O Rei das Quebras-de-Linha: Sevu Reece (Crusaders) – 7
O Jogador-Segredo: Tanielu Tele’a (106 metros conquistados, 4 quebras-de-linha, 7 defesas batidos e 1 ensaio)
Lesionado preocupante: Nada a apontar
Melhor Ensaio: 


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS