3 destaques da 15ª Ronda do Super Rugby Pacific 2022

Francisco IsaacMaio 30, 20224min0

3 destaques da 15ª Ronda do Super Rugby Pacific 2022

Francisco IsaacMaio 30, 20224min0
Ponto final na fase-regular e já temos os oito finalistas do Super Rugby Pacific. Quem? Fica a saber neste artigo de Francisco Isaac

Está fechada a fase-regular do Super Rugby Pacific 2022, com oito equipas a garantirem o acesso aos quartos-de-final da competição, com algum drama à mistura, pois os Highlanders tiveram de sofrer até ao fim! Os três destaques da 15ª jornada contados neste artigo.

O SKILL: UM MERGULHO IMAGÉTICO DE NAWAQANITAWASE

Mark Nawaqanitawase, como não começar a ficar fã de um dos pontas mais em voga do rugby australiano? Nova grande prestação, mais dois ensaios, com um deles a merecer o destaque de “skill” da 15ª, e última jornada do Super Rugby Pacific, que pode parecer não ter nada de especial, o facto do ponta ter inventado uma nesga de espaço para encaixar a oval dentro da área de ensaio a meio de um sal espantoso, que faria qualquer aficionado por acrobacias a soltar uma salva de aplausos. O que há de diferente neste ensaio? E porque é que merece ser o skill da semana?

Técnica de salto, combinação de timings, e capacidade para conseguir aterrar a bola dentro da área de validação sem que esta saísse para fora do relvado ou terminasse num avant, mostrando todo um engenho caprichoso em poder alterar o rumo de um jogo com um toque quase fantasioso para oferecer aquilo que parecia ser um ensaio decisivo num encontro que acabaria por ser decidido a favor dos Blues aos 80′, graças a um drop de Zarn Sullivan.

De qualquer forma, e apesar de não ter significado uma última vitória para os

NSW Waratahs, Nawaqanitawase dá o tónico que a equipa australiana precisa para os quartos-de-final do Super Rugby Pacific.

O JOGADOR: VINAYA HABOSI ENCERRA AS FESTIVIDADES FIJIANAS EM ESTILO

Os Fijian Drua voltaram a produzir uma exibição estrondosa a atacar – a defender nem por isso – frente aos Chiefs, num estádio completamente apinhado de público em Suva, com o resultado a terminar só com um ponto de vantagem para os Chiefs após uns 80 minutos completamente loucos e imprevisíveis. Entre os vários jogadores que foram simplesmente extraordinários, a nossa escolha recaiu em Vinaya Habosi, o ponta de 22 anos que encerra esta temporada do Super Rugby Pacific com uma nova super exibição.

Para os fãs dos números, Habosi quebrou a linha por três ocasiões, com duas a terminarem em ensaios para os Fijian Drua, impondo 120 metros de conquista de terreno em que aproveitou para tirar da frente 12 adversários, ficando o três-de-trás dos Chiefs completamente perdidos cada vez que o ponta se intrometia no jogo, suscitando problemas defensivos à franquia neozelandesa, com estes a sentirem sérios problemas em “silenciar” este jovem talento fijiano.

Mas esses números, coroados ainda com uma assistência para ensaio, é o suficiente para determinarmos que Habosi merece o MVP da semana, quando outros jogadores também estiveram em alta nesta jornada do Super Rugby Pacific, como Fraser McReight, Will Jordan, Brad Wilkin? É o suficiente, muito por conta de ter o dom de poder alterar o rumo de um jogo quando captura a oval nas suas mãos, iniciando algo que será especial, quase único e com o poder de colocar o público num alvoroço, para além de acordar a sua equipa quando o jogo parece estar a encaminhar-se no sentido errado.

Os Fijian Drua podem não estar nos quartos-de-final do Super Rugby Pacific 2022, mas mostraram todo o seu potencial, categoria, engenho e raça, estando aqui o início de algo novo para a selecção das Fiji.

O STAT: 1500 METROS À BOLEIA DE WILL JORDAN

Os Crusaders somaram uma importante vitória na recepção aos Queensland Reds, com Will Jordan a voltar a ser um dos melhores jogadores em campo, somando mais 110 metros de conquista, atingindo os 1500 metros ao fim de 15 jogos, uma marca estupenda para um dos jogadores mais especiais do Super Rugby Pacific e do Hemisfério Sul.

A prestação do polivalente três-de-trás voltou a ser adornada com dados e números especiais, com mais duas quebras-de-linha (atingiu um total de 14), seis defesas batidos (55, valendo-lhe o 3º lugar, atrás de Habosi e Timoci Tavatavanawai, este o “rei” das fintas, com 73 placadores caídos por terra), um ensaio (total de 9) e oito bolas apanhadas do ar, sem falhar qualquer captação, sendo uma das peças-chave actuais dos Crusaders, que apesar de não terem chegado ao 1º lugar da fase-regular da competição, voltaram a engrenar nas últimas jornadas, estando assim prontos para fazer o assalto ao título. Will Jordan foi novamente um dos cabeças-de-cartaz da franquia de Christchurch, e os 1500 metros somados ao fim de 11 jogos (falhou quatro jogos por opção) é um pormenor minimamente importante para compreender o papel do defesa/ponta na equação de Scott Robertson.

 


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter