3 destaques da 12ª Ronda do Super Rugby Pacific 2022

Francisco IsaacMaio 9, 20224min0

3 destaques da 12ª Ronda do Super Rugby Pacific 2022

Francisco IsaacMaio 9, 20224min0
Mais uma jornada dividida entre australianos e neozelandeses neste Super Rugby Pacific, com Francisco Isaac a contar o que se passou na 12ª jornada

Nova jornada do Super Rugby Pacific, e mais uma vez três vitórias para cada lado, com destaque para os Brumbies que derrubaram os Chiefs num jogo emotivo e disputado até ao último segundo. Fica a saber dos três destaques da jornada neste artigo.

O SKILL: RATICE MÁXIMA SEGUNDO NIC WHITE

Que equipa é que não gosta de ter um formação inteligente, envolvido com uma manha especial e detentor de um poder de leitura de jogo especial, conseguindo encontrar fórmulas quase mágicas, para abrir espaços e chegar ele mesmo ao ensaio? Nic White, dos Brumbies, é um dos nº9s mais apaixonantes de seguir do Super Rugby Pacific, rei de uma visão-de-jogo especial, sempre ligado à eletricidade e pronto para lançar o pânico, e irritação, por entre os seus adversários, a par do que aconteceu na visita e vitória no campo dos Chiefs.

O internacional australiano foi uma das principais unidades da equipa de Dan McKellar, com duas assistências para ensaio, e com o próprio a arrancar 5 pontos, vindos de um momento de brilhantismo e que também pode ser considerado um skill fundamental para se jogar rugby: calma veloz, inteligência eletrizante e sentido de oportunidade. Aos 6 minutos de jogo os Brumbies conquistaram um erro forçado aos Chiefs, e seguiram em direcção à área de validação da franquia neozelandesa, até serem parados a poucos metros dos postes. Ruck, bola na entrada, e Nic White

apercebe-se que nenhum dos seus adversários acredita que o formação tem espaço para passar pelo lado de fora, resvés à linha-de-fora… e o que faz o formação? Apanha a oval e sai com total charme junto ao ruck pel lado exterior, sem que ninguém fosse capaz de o parar. Manha, olhos vivos e cabeça sempre à procura de oportunidades, estes são skills fundamentais a quem quer chegar mais longe.

O JOGADOR: WILL JORDAN EM GOD MODE

Depois de duas jornadas mais apagado, o espectacular sprinter e fantasista do três-de-trás dos Crusaders, Will Jordan, conseguiu realizar uma soberba exibição na estrondosa vitória ante a Western Force, onde marcou três ensaios, engoliu mais de 160 metros de conquista, causando ainda quatro quebras-de-linha e doze defesas-batidos numa daquelas prestações de genialidade pura.

Sim, não era o jogo mais difícil para os campeões do Super Rugby Aotearoa, apesar da Force estar em crescendo nestes dois anos de reorganização do Super Rugby (da Oceânia), mas Will Jordan foi simplesmente vertiginoso em todas as suas acções, atirando-se aos pontapés altos não só com uma impulsão estrondosa, munido de uma inteligência ameaçadora pois em três dessas acções soube aterrar no momento certo para sair disparado em direcção à área de validação contrária, sem que Manasa Mataele tivesse as pernas para capturar o explosivo número 15 dos Crusaders. A dificuldade em conseguir ler como vai correr, mudar de direcção/velocidade, ou se até vai apostar num pntapé curto ou comprido, criam problemas profundos a qualquer equipa que ofereça demasiado espaço, como foi o caso da Force, tendo estes consentido excessivos erros perante um dos jogadores mais explosivos do Super Rugby Pacific 2021/2022.

O STAT: BLUES FICAM PERTO DO RECORDE

Os Blues realizaram uma das primeiras partes mais fulminantes da história do Super Rugby, seja o Pacific ou a que começou a meio dos anos 90 do século passado, conseguindo marcar 47 pontos logo nesses primeiros 40 minutos de jogo frente aos Melbourne Rebels. O encontro até começou mal para os homens de Leon McDonald, que se viram a perder desde o 1º minuto de jogo, passando mesmo a ter uma diferença negativa de 14 pontos quando ainda não tínhamos chegado aos primeiros 10 minutos desta 12ª jornada da competição… porém, a partir desse momento, só “deu” Blues, com a formação de Auckland a simplesmente encaixar 7 ensaios de uma assentada só, passando por cima completamente dos seus adversários australianos.

Akira Ioane, que retornou na jornada anterior, mostrou novamente um nível exibicional de alto gabarito, com dois ensaios, sete tackle-busts (um máximo da jornada e competição), cinco defesas batidos, sendo seguido pelo seu irmão, Rieko Ioane, autor de um hattrick e de alguns dos melhores momentos de todo o encontro, sempre bem pautado por Stephen Perofeta – substitui Beauden Barrett como médio-de-abertura dos Blues. Foi a maior vitória de sempre dos Blues da sua história, mostrando que estão num dos melhores momentos de forma, assumindo o papel e protagonismo de candidatos ao título do Super Rugby Pacific, a par dos Brumbies (estão intratáveis contra as franquias neozelandesas, somando três vitórias em três jogos), com um jogo de ataque rico, e uma defesa viva e reactiva a cada placagem e bola saída do ruck.

 


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter