Como a Superliga da Europa poderia impactar o futebol brasileiro?

Renato SalgadoAbril 22, 20215min1

Como a Superliga da Europa poderia impactar o futebol brasileiro?

Renato SalgadoAbril 22, 20215min1
A criação da Superliga por parte das principais equipas europeias geraria um impacto esportivo e financeiro muito forte no futebol brasileiro e Sul-americano.

A criação da Superliga poderia gerar um forte impacto no futebol brasileiro e Sul-americano. Mas muito maior do que se possa imaginar. Insatisfeita com a decisão dos gigantes do velho continente, a UEFA avisou que os jogadores que disputarem o torneio não poderão ser convocados para suas seleções nacionais para disputar nenhum campeonato. Como a entidade não deve reconhecer a liga, a FIFA muito provavelmente deve seguir o mesmo caminho.

Assista ao webcast Ginga Canarinha do Fair Play

Foto: gazetaesportiva.com

Com a FIFA proibindo as seleções nacionais de convocar jogadores que defendam as 12 equipas que aderiram ao torneio, Tite não poderia convocar jogadores desses times. Lembrando que os clubes que integram essa lista são compostos por seis times da Inglaterra (Arsenal, Chelsea, Liverpool, Manchester City, Manchester United e Tottenham). três da Itália (Juventus, Milan e Internazionale) e três da Espanha (Atlético de Madrid, Barcelona e Real Madrid). Assim, hoje por exemplo, o treinador da Seleção Brasileira teria que convocar a equipa sem nomes como os guarda-redes Alisson e Ederson, os laterais Danilo, Renan Lodi e Alex Telles, o zagueiro Thiago Silva, Felipe e Éder Militão, os volantes Arthur, Casemiro e Fabinho, meia Phelippe Coutinho e os atacantes Gabriel Jesus, Roberto Firmino, Rodrygo e Vinicius Júnior.

Foto: Getty Images

Recados da FIFA e da UEFA

A FIFA, entidade que comanda o futebol mundial se pronunciou e pediu diálogo antes de qualquer decisão.

“Como já dito diversas vezes, a FIFA gostaria de esclarecer que segue firme a favor da solidariedade no futebol e segue defendendo um modelo de distribuição igualitária de dinheiro para ajudar no desenvolvimento do esporte a nível global, já que o desenvolvimento do futebol mundial é a missão primordial da FIFA“, afirmou a entidade em nota oficial.

“Na nossa visão, e de acordo com nossos estatutos, qualquer competição de futebol, seja ela nacional, regional ou global, deve sempre refletir os princípios da solidariedade, inclusão, integridade e distribuição financeira igualitária. Além disso, as entidades que comandam o futebol devem sempre empregar medidas esportivas e disciplinares para garantir que essas regras sejam respeitadas“, continuou.

“Dito isso, a FIFA só pode expressar sua desaprovação com a criação de uma nova Superliga Europeia fechada, que fica fora da estrutura internacional do futebol e não respeita os princípios mencionados acima“, rebateu…

“A FIFA sempre se posicionará a favor da unidade no mundo do futebol e convida todas as partes envolvidas nessa discussão acalorada para entrarem em um diálogo calmo, construtivo e balanceado pelo bem do jogo e no espírito da solidariedade e do fair play. A FIFA irá, é claro, fazer o que for necessário para contribuir com medidas que harmonizem com o avanço e com os interesses de todos no futebol“, finalizou a entidade.

Medidas da UEFA

Contra a criação da Superliga Europeia, a UEFA prometeu ser rígida com os clubes que participarem da disputa. Como forma de punição “as equipas serão banidas de participar de qualquer competição nacional, continental e internacional e seus jogadores serão proibidos de defenderem as seleções nacionais”, revelou a entidade.

O presidente da UEFA, Aleksander Ceferin, deixou claro que os atletas da Superliga não poderão atuar por suas seleções.

–”Não vamos permitir esta mudança. Os jogadores que participarem desta liga não poderão jogar com as suas seleções” – declarou Ceferin.

Siga a página do Fair Play no Facebook

Foto: Agência EFE

O dirigente diz que, além da FIFA, conta com apoio da La Liga, Série A Italiana e Premier League. Além disso, PSG,  Bayern de Munique e Borussia Dortmund não apoiaram o torneio. Assim, permanecendo no clube francês, Neymar poderia defender a Seleção Brasileira sem problemas. Mas com certeza, vestiria uma camisola canarinha muito mais enfraquecida.  Agora, se o Brasil ficasse mais fraco, imaginem a Seleção Argentina sem Messi, Aguero e cia. As Seleções da Colombia, Uruguai e Paraguai, também teriam muitos desfalques importantes e dificuldades para escalar equipas competitivas!

Brasil poderia sofrer impacto também na transmissão dos jogos

Com SBT e TNT Sports como canais que possuem os direitos de transmissão da próxima Champions League para o país, a tevê brasileira também seria impactada. Hoje, os dois canais de televisão pagaram verdadeiras fortunas para a UEFA para transmitir os jogos da competição. Mas sem contar com os gigantes já citados, provavelmente vão querer renegociar ou até mesmo abrir mão do torneio/contrato.

Se a Superliga realmente ocorresse com os 12 participantes, se tornaria provavelmente, um torneio mais atrativo do que a própria Champions League. Assim, outras emissoras que perderam a disputa para o SBT, como a Rede Globo e outras, poderiam voltar à cena.

Como podemos ver, não seria somente na Europa que a Superliga geraria um grande impacto negativo nos meios esportivos e financeiros, mas em todo o futebol mundial!

 

Leia Também:


One comment

  • Guilherme

    Abril 25, 2021 at 9:00 am

    Por que estao querendo criar essa superliga?

    Reply

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter