16 Jul, 2018

Arquivo de Sporting - Fair Play

sinisa.jpg?fit=816%2C462&ssl=1
André Dias PereiraJunho 22, 20184min0

Depois de Leonardo Jardim, Marco Silva e Jorge Jesus, Sinisa Mihajlovic. O sérvio é o novo treinador do Sporting e a aposta de Bruno de Carvalho para liderar o clube a um novo ciclo. Confirmadas as saídas de jogadores nucleares, como Rui Patrício, William Carvalho, Gelson Martins ou Bruno Fernandes, e também de Jorge Jesus, o líder dos leões voltou a apostar num perfil de treinador carismático para comandar os destinos do Sporting.

Mihajlovic vai experimentar, pela primeira vez, uma liga diferente da italiana e tentar relançar uma carreira ainda sem um auge. É, por isso, uma aposta de risco de Bruno de Carvalho numa altura sensível da vida do clube. Por outro lado, é também uma oportunidade. Aos 49 anos, Mihajlovic vai liderar um novo começo no leão. Com novas ideias, jogadores e conceitos que poderá explorar ao longo dos três anos de contrato. Isto porque a debandada verificada em Alvalade inviabiliza uma herança de modelo de jogo de Jorge Jesus.

Conhecido como jogador pelo potente pé esquerdo e livres directos, Mihajlovic fez o seu percurso de treinador em Itália e na selecção sérvia. Os primeiros passos como técnico foram no Inter de Milão – onde também se notabilizou como jogador – enquanto adjunto de Roberto Mancini. Tornou-se, depois, treinador principal do Bolonha, em 2008/09. Passou por Catania e Fiorentina antes de tomar conta da selecção da Sérvia. Na equipa viola esteve duas temporadas. Na primeira a Fiorentina terminou em nono (12 vitórias, 11 derrotas e 15 empates), a doze pontos da Europa. Na seguinte, Mihajlovic não resistiu aos maus resultados e pressão dos adeptos. Deixou a Fiorentina em 13º, com doze pontos em dez jogos. Na Sérvia, terminou em terceiro na fase de qualificação para o Mundial 2014.

Em 2013, assumiu o comando da Sampdoria e em 2015 foi para o AC Milan, onde ficou apenas uma época. Em Genova, o sérvio conseguiu não apenas evitar a despromoção como levou ao desenvolvimento da equipa. Em Milão esteve dez meses, substituindo Pippo Inzaghi, tendo dado oportunidades a Gianluigi Donnarumma, então com 16 anos. Deixou o Milan em sexto, bem longe (27 pontos) do líder. A última experiência do sérvio antes de Alvalade foi no Torino, onde permaneceu por menos de oito meses.

Carismático e polémico

Conhecido pelo seu carisma e por uma liderança forte, é possível que essas características tenham sido tidas em conta no momento da escolha do presidente do Sporting. Este é, aliás, o primeiro treinador estrangeiro da era Bruno de Carvalho. Por outro lado, Mihajlovic tem acumulado algumas polémicas dentro e fora do futebol. No Catania, por exemplo, houve rumores de divergências entre jogadores e treinador. Também as suas convicções políticas e sociais lhe têm valido fama de machista, racista e fascista.

A falta de conhecimento do futebol português é um ponto negativo, contudo, o estilo disciplinador e a incrementação de um estilo italiano e rigor defensivos podem acrescentar algo novo a este Sporting. Mas não se pense que com Mihajlovic o Sporting se vai italianizar. Adepto do 4x3x3, Mihajlovic pode recuperar a velha escola de extremos dos leões. No Milan também experimentou em alguns momentos o 4x3x1x2 e o 4x4x2, com pressão alta e intensa. Por vezes com sucesso, outras nem tanto, como a derrota com o Napoli por 4-0.

É preciso, contudo, saber com que jogadores o sérvio poderá contar e que capacidade terá para desenvolver atletas como Matheus Pereira, Francisco Geraldes ou até o brasileiro Wendel. Além disso, é também fundamental perceber o resultado da Assembleia Geral de Sócios, este sábado, dia 23, e o futuro da actual direcção. Poderá uma direcção diferente condicionar a manutenção de Sinisa Mihajlovic?

De qualquer forma já começaram a ser feitos os primeiros testes médicos no Sporting de pré-temporada. Uma pré-época que promete ser longa e quente.

Mihajlovic treinou a Sérvia, mas falhou o acesso ao Mundial 2014. Foto: Eurosport


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS