Super campeonato de elite à porta

André CoroadoMaio 7, 20216min0

Super campeonato de elite à porta

André CoroadoMaio 7, 20216min0
Numa época que marca o regresso à normalidade pós-pandemia, ainda que com restrições, as oito equipas do campeonato de elite preparam-se para uma fase regular a duas voltas, inédita. O que poderemos esperar deste novo marco na História da prova? Quem poderá surpreender na nova época?

Se a temporada internacional de futebol de praia se aproxima a passos largos, a temporada nacional está já aí à porta, e desta vez com uma novidade: a fase regular irá jogar-se a duas voltas, num número record de 56 jogos entre as 8 equipas que constituem a elite do futebol de praia português em 2021. A alteração estava prevista para o ano passado, mas acaba por apenas entrar em vigência na presente temporada, em virtude da replanificação do campeonato de 2020 por força da crise pandémica. Desta forma, o campeonato de elite traz acção a duplicar nesta nova época, o que promete agitar as areias de norte a sul do país com grandes espectáculos. A fase regular da prova terá lugar de 15 de Maio a 1 de Agosto, sendo a fase final disputada no fim-de-semana de 7 e 8 de Agosto.

Não obstantes as restrições que limitam a comparência do público nas bancadas, este campeonato fica também pautado por uma outra novidade interessante: a realização das partidas nos estádios apontados por cada uma das equipas participantes, que assim terão a oportunidade de jogar um ou dois jogos “em casa”. Será assim que o campeonato de elite visitará alguns locais habitualmente utilizados nas provas nacionais, nomeadamente a omnipresente Nazaré, reduto da ACD “O Sótão”, mas também o centro de desportos de areia de Chaves ou a praia de Buarcos, juntamente com outros campos dispersos um pouco por todo o país, desde o centro de treinos dos “Guerreiros do Minho” em Braga ao campo da Cidade Universitária em Lisboa que funciona como casa do Sporting, passando pela Póvoa de Varzim, por Pousos (na região de Leiria) e pela cidade de Loures, nos arreadores de Lisboa.

Do ponto de vista competitivo, o campeonato tornará a opor os campeões das últimas 8 edições: Sporting CP e SC Braga. Os lisboetas são os actuais detentores do troféu, conquistado em 2020 mas também em 2016, enquanto os minhotos já arrebataram 6 títulos, entre 2013 e 2015 e no período de 2017 a 2019. O clássico do futebol de praia português opõe, por norma, duas facções da selecção nacional portuguesa, reforçadas com importantes jovens talentos de ambas as formações e por nomes sonantes do exterior (recorde-se que nomes de peso da selecção brasileira, como Rafa Padilha, Bokinha e Filipe Silva, alinharam pelos bracarenses em 2020, enquanto os espanhóis Antonio, Eduárd Suárez e Dona jogaram de leão ao peito na temporada transacta). A composição exacta dos plantéis permanece uma incógnita, sendo certo que surgirão reforçados na fase final, mas certamente que a formação desempenhará um papel de peso nas 14 jornadas da fase regular, que assim proporcionarão uma boa oportunidade aos jovens talentos, não só de Sporting e Braga, mas também de todas as equipas. Quanto ao clássico, irá jogar-se já no Sábado 15 de Maio, em Chaves, repetindo-e mais tarde na 8ª jornada da prova.

No entanto, conforme se tornou evidente na temporada do ano passado, todas as equipas têm de ser levadas em conta na hora de projectar o desfecho do campeonato! Recorde-se a prestação da Casa do Benfica de Loures, que na temporada transacta teve a oportunidade de investir em estrelas de topo a nível internacional e alcançou uma honrosa 3ª posição, ou o Grupo Desportivo de Chaves, que montou rapidamente uma equipa coesa baseada em jogadores experientes de Espanha e Uruguai para se debater corajosamente diante dos grandes do futebol de praia português, obtendo o 4º lugar final.

Ainda assim, consideramos que a equipa a seguir em 2021 será mesmo a ACD “O Sótão”, que já no ano passado deslumbrou na fase regular, defrontando o SC Braga e o Sporting de igual para igual em partidas decididas nos detalhes, e que por manifesta infelicidade não se apurou para a final four. O combinado de jogadores nazarenos reforçados por atletas do país vizinho deu que falar e promete regressar em grande para 2021. Igual atenção merece o conjunto do GRAP Pousos, a única equipa a par de Sporting e Braga que disputou todos os campeonatos de elite desde 2014 e tem vindo a mostrar uma combatividade exemplar em todas as temporadas, um feito notável se tivermos em conta que utilizam apenas jogadores oriundos da região e já proporcionaram dois jogadores à selecção nacional, André Lourenço e Bernardo Lopes.

Finalmente, grandes expectativas recaem sobre as equipas recém-promovidas à divisão de elite: por um lado, o Varzim SC, presença habitual no principal escalão do futebol de praia português e berço de jogadores históricos da modalidade, como Bruno Torres, Pedro Sousa e Tiago Melo; por outro lado, a AD Buarcos, que pela primeira vez se soma à elite nacional após uma temporada de sonho na época passada, tendo como figura de proa o ex-internacional português de futebol de onze Hugo Almeida, natural da região. Se por um lado os varzinistas procuram melhorar o resultado da sua última presença no campeonato de elite, em 2018, os homens da Figueira da Foz iniciam este ano um caminho novo entre os melhores do futebol de praia nacional.

Para encerrar esta nossa antevisão, focamos ainda três transferências que foram tornadas públicas para a nova época e que nos parecem interessantes. Entre elas, Ricardinho, internacional portguês, deixa o campeão Sporting CP para reforçar a Casa do Benfica de Loures. Rumo semelhante seguirá Miguel Pintado, pivô do Sporting Clube de Braga na temporada passada, que este ano une os seus esforços aos homens de Loures. Tratam-se de duas movimentações que reforçam o plantel dos encarnados a nível interno, contrastando com a abordagem seguida no ano passado. Por outro lado, Rúben Brilhante, formado na ACD “O Sótão” e internacional campeão do mundo e da Europa por Portugal, reforça este ano o plantel do SC Braga, onde se junta aos colegas de selecção Tores, Jordan, Bê Martins, Léo Martins e André Lourenço, na tentativa de reconquistar o título nacional perdido para o Sporting na temporada passada.

Será muito interessante ver que impacto têm estas mudanças nas dinâmicas das equipas e como se irão reforçar internacionalmente para as fases decisivas da temporada. O espectáculo promete…


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter