Arquivo de Olivais FC - Fair Play

Vagos-vs.-CAB-2-scaled-2.jpg?fit=1200%2C801&ssl=1
José AndradeAbril 13, 20229min0

Para hoje, o nosso habitual texto com quem mais se destacou nos duelos que marcaram o fim de semana da nossa cada vez mais ao rubro e espetacular, Liga Betclic Feminina que viu ficarem encontradas as quatro melhores equipas que vão discutir quem vai chegar à final já a partir da próxima sexta-feira, por isso mesmo venham connosco ver quem mais se destacou porque as escolhas foram muito complicadas.

Eva Carregosa – Fechar a época como começou, em destaque

Começamos pelo playout, o Francisco Franco recebeu e venceu o Olivais FC por 77-67 e garantiu assim a manutenção na Liga Betclic Feminina. A equipa de Coimbra lutou muito, não foi um jogo fácil, mas o Olivais esteve até ao fim na luta e a dar tudo, mais um jogo onde a raça desta equipa ficou à vista. O Francisco Franco conseguiu “fugir” apostando na velocidade nas transições, Dayna e Katherine também elas a terminar a época em alta, tal como foi normal durante toda a temporada. Bianca Silva muito forte na luta das tabelas, mas nesse capítulo destaque para Leonor Santos que voltou a entrar muito bem e conseguiu ajudar a travar a superioridade na zona interior do Francisco Franco. Num jogo muito intenso, o menor número de soluções pesou no Olivais, mas a equipa bateu-se e nunca desistiu.

Além das norte-americanas, destacar o ótimo jogo de Cristina Freitas. Do lado do Olivais, Mafalda Pompeu muito bem, esteve em evidência no aspecto defensivo, teve que “aguentar” Dayna Rouse e esteve muito bem na tentativa da equipa de Coimbra em fechar os caminhos para o cesto. Menção ainda para a boa entrada de Mariana Garrido, mais uma vez entrou bem e “mexeu” com o jogo. O destaque maior vai para Eva Carregosa, a base foi uma das estrelas desta Liga Betclic, foi uma das maiores figuras e terminou como começou e como foi o seu normal, a jogar muito bem, mesmo num jogo onde o tiro exterior não caiu. Neste desaire que ditou a descida do Olivais, Eva Carregosa conseguiu 20 pontos (8 em 10 de lançamentos de campo, 1 em 9 na linha de três pontos e 1 em 3 na linha de lances livres) acrescentando ainda 3 ressaltos, 1 assistência e 2 roubos de bola.

Carolina Rodrigues – Em modo estrela

O SL Benfica depois da derrota no primeiro jogo com o Vitória SC foi obrigado a lutar e a ser a única equipa a precisar dos 3 jogos e neste fim de semana as comandadas de Eugénio Rodrigues venceram o segundo e terceiro jogo por 77-58 no sábado e 65-54 no domingo garantindo assim a passagem às meias-finais do playoff da Liga Betclic Feminina. Dois duelos diferentes, no sábado a equipa encarnada conseguiu uma vitória mais folgada fruto de uma entrada fulgurante no encontro e de um último quarto onde o Vitória acusou algum cansaço. No jogo de domingo, foi bem diferente, jogo muito mais equilibrado, o Vitória conseguiu mesmo no segundo quarto deixar o Benfica em dificuldades, mas voltou a ser o último período a fazer a diferença para o lado da equipa da luz.

Dois grandes jogos, luta até ao fim e o Benfica a ter de suar muito ara conseguir chegar à próxima fase da Liga Betclic Feminina. Nestes dois duelos tivemos destaques que não mudaram, do lado do Vitória, Filipa Barros a mais regular, sempre a assumir, sempre a conseguir fazer a diferença, além da base ainda Kahlia Lawrence que brilhou mesmo que não no mesmo nível que no primeiro jogo. Do lado do Benfica, Raphaella Silva obviamente e como sempre em destaque, a internacional canarinha sempre regular e sem baixar o seu rendimento, mas o maior destaque foi Carolina Rodrigues. A base que chegou às campeãs nacionais oriunda da SIMECQ, foi a jogadora que mais brilhou, tal como nas finais nesta temporada, Carolina Rodrigues surgiu a pegar no jogo, sem tremer e sendo um farol para o conjunto do Benfica.

Licinara Bispo – Força e estilo

No segundo jogo deste duelo, o União Sportiva recebeu e venceu o Quinta dos Lombos por 73-61 garantindo dessa forma a presença na meia-final do playoff da Liga Betclic Feminina. Duelo começou muito equilibrado, com os Lombos a cometerem muitos turnovers que o Sportiva soube aproveitar de forma eximia. A superioridade das açorianas a surgir no terceiro quarto, mais Nausia em jogo e a equipa de José Leite a gerir melhor os tempos de jogo, sem erros, sem precipitações e saber sempre contemporizar no ataque em busca da melhor solução, a juntar a isso o jogo interior onde o Sportiva esteve melhor.

Os Lombos sentiram mais dificuldades, faltou agressividade e a habitual força no jogo interior. O Lombos melhora muito com a entrada da Filipa Cruz, mas o principal problema da equipa da linha foram sempre os erros, muitos turnovers que custaram ao Lombos muito neste jogo. O jogo interior a ser o fator diferencial. Nos destaques individuais, Filipa Cruz Luiana Livulo os maiores do lado do Quinta dos Lombos, já no União Sportiva, Nausia Woolfolk que como sempre encheu o campo e iluminou esta partida com uma excelente exibição, mas o maior destaque vai para Licinara Bispo. A poste foi quem fez a diferença, garantiu a superioridade do Sportiva e fez um dos melhores jogos desde que chegou à nossa Liga Betclic Feminina. Neste duelo Licinara conseguiu, 16 pontos (com 8 em 12 de lançamentos de campo) ainda 18 ressaltos e 1 roubo de bola.

Carolina Bernardeco – Brilha mesmo nos maus momentos

O AD Vagos recebeu e venceu o CAB Madeira por 81-53 e conseguiu assim garantir presença na meia-final do playoff da Liga Betclic Feminina. O CAB Madeira entrou melhor, as duas faltas de Carolina Bernardeco condicionaram cedo a estratégia das madeirenses, mas o Vagos deu a volta quando Susana Carvalheira saiu e a equipa passou a jogar de uma forma mais rápida criando mais dificuldades à defesa do CAB. O CAB voltou a entrar melhor no segundo quarto, contragolpes mortíferos, mas a verdade é que o Vagos depois de sentir alguns problemas acabou por voltar a fugir através do tiro exterior que mais uma vez foi fazendo a diferença para a equipa da casa. O CAB acaba por conseguir equilibrar no segundo quarto, muito pelas ações de Carolina Bernardeco que iam fazendo a diferença, mas muito equilíbrio num grande jogo em Vagos. A verdade é que depois do equilíbrio, tudo mudou com um terceiro quarto onde o Vagos se superiorizou através de uma eficácia muito elevada no ataque para o lado das jogadoras de João Janeiro.

O CAB ia tentando através de rasgos individuais e muito pela Alice Martins que na luta do jogo interior foi conseguindo ser das melhores num terceiro quarto onde nada saiu bem à equipa da Madeira. No último período, Fátima Silva apostou nas mais novas e elas conseguiram mostrar, o Vagos estava confortável no jogo e acabou por gerir esta vantagem. Nos destaques individuais, Devon Brookshire que esteve mais uma vez fabulosa, ainda Rita Oliveira que continua de mão quente e Martha Burse que com o seu grande pulmão acabou por fazer toda a diferença. No CAB apesar do desaire, destacar Alice Martins, lutou imenso e esteve sempre bem no jogo, Isabel Berenguer, uma base que é impossível não ser fã, sempre muito lutadora, mas o maior destaque foi Carolina Bernardeco. A base e figura maior do CAB mesmo não tendo atuado no último quarto e mesmo com a questão das faltas, foi quem mais tentou, quem mais brilhou e mesmo num jogo complicado foi a figura maior mostrando a sua imensa qualidade.

Leonor Serralheiro – Nunca joga mal

O GDESSA triunfou por 64-58 na receção ao Esgueira e dessa forma carimbou a presença na meia-final do playoff da Liga Betclic Feminina. Foi o Esgueira a entrar melhor, a equipa visitante foi em busca de conseguir dar a volta à eliminatória e por isso mesmo uma entrada ótima que animou ainda mais tudo. O GDESSA demorou para conseguir acertar o tiro exterior e isso fazia a diferença. Jogo muito equilibrado, o GDESSA foi crescendo depois de um começo um pouco pior. Esgueira sempre muito bem, todas as jogadoras a serem importantes, todas as jogadoras sem medo de assumirem e criaram problemas ao GDESSA. Jogo muito rápido, muito intenso, tivemos uma grande luta entre postes, mas sempre muito equilíbrio e foi uma partida muito eletrizante a ser decidida nos últimos segundos do encontro.

Nos destaques individuais, Trudy e Vashti os nomes em maior evidência no Esgueira, mas as irmãs Raimundo estiveram muito bem, sempre que conseguiram espaço apareceram e fizeram a equipa jogar muito. Do lado do GDESSA, Márcia da Costa Robalo que marca o cesto decisivo, mas apareceu em todos os momentos e é uma jogadora que joga sempre bem, Maianca Umabano também muito bem, mas o maior destaque vai para Leonor Serralheiro. A base do GDESSA voltou a ser a líder, assumiu, criou, fez jogar e como em todos os jogos foi uma das estrelas da equipa e do fim de semana. Leonor Serralheiro conseguiu 16 pontos (2 em 4 nos lançamentos de campo, 1 em 5 na linha de três pontos e 9 em 10 na linha de lances livres) ainda 6 ressaltos, 4 assistências e 2 roubos de bola.

Ficaram encontradas as quatro melhores equipas desta edição da Liga Betclic Feminina, tudo ainda mais ao rubro, nervos à flor da pele para as meias-finais dos playoffs da fantástica Liga Betclic Feminina que apaixona e que voltou a mostrar o porquê de ninguém poder perder nenhum jogo porque é garantido que ficamos colados e maravilhados em todos os jogos.

FTC_6295-copy_edited.jpg?fit=1000%2C667&ssl=1
José AndradeAbril 8, 20227min0

Para hoje, vamos falar de 3 + 1 destaques dos primeiros jogos dos playoffs e do playout da Liga Betclic Feminina, por isso mesmo venham dai que a tarefa foi muito complicada, mas estes são os nossos 4 destaques desta semana.

Maianca Umabano – A excelência de sempre

O GDESSA venceu o Esgueira por 86-78 num jogo de alta intensidade no Pavilhão Clube do Povo de Esgueira. Uma entrada demolidora da equipa do Barreiro que esteve a grande maioria do tempo na frente, o Esgueira lutou, ainda conseguiu empatar, mas o GDESSA foi mais forte. Um jogo marcado pelos lançamentos de lances livres, o Esgueira falhou apenas 1 e o GDESSA 2, um se não o melhor jogo da época na linha de lances livres na Liga Betclic Feminina. O GDESSA soube aguentar o ímpeto do Esgueira, principalmente no segundo e terceiro quarto, a experiência pesou muito, Márcia da Costa Robalo e Sofia Ramalho Gomes determinantes, com destaque para Rita Rodrigues que entrou numa altura delicada para o lugar de Letícia Josefino que havia sido excluída por faltas e a jovem poste não tremeu e esteve muito bem.

No Esgueira, as irmãs Raimundo sempre incansáveis, sempre muito bem, mas a zona interior com Trudy e Vashti foi o ponto forte e que elevou o Esgueira. O destaque maior desta partida foi Maianca Umabano, como acontece em todos os jogos voltou a estar imparável, muito importante nos dois lados do campo, com o tiro exterior a cair em momentos decisivos e mais uma vez a estar muito bem na defesa. Maianca Umabano conseguiu 17 pontos (4 em 7 de lançamentos de campo e 3 em 7 no tiro exterior) ainda conseguiu 1 ressalto, 4 assistências e 1 roubo de bola. Partida espetacular e GDESSA em vantagem no primeiro jogo dos quartos de final da Liga Betclic Feminina.

Kahlia Lawrence – Exibição monstruosa

O Vitória SC recebeu e venceu o SL Benfica por 80-72 e conseguiu assim fazer o que ninguém havia feito na Liga Betclic Feminina, derrotar e terminar a invencibilidade da equipa de Eugénio Rodrigues. As vitorianas confirmam a excelente segunda metade de época, tal como tinha falado aqui, estavam claramente em crescendo e o facto das coisas nem sempre terem corrido bem retirava alguma pressão e podiam surpreender, aí está, confirmado isso e o Vitória SC entra com tudo nos playoffs da Liga Betclic Feminina. Entrada demolidora da equipa da casa, Benfica com um acerto muito abaixo do normal nos lançamentos de campo, algo que não é nada habitual nas encarnadas. Grande jogo, muita luta e a prova de como a Liga Betclic Feminina é incrível e de como tudo está em aberto.

Benfica tem dois jogos em casa para dar a volta, mas Vitória SC na frente e com uma demonstração de muita qualidade no arranque dos playoffs. Vários destaques individuais, como Laura Ferreira e Joana Soeiro no Benfica, já do lado do Vitória SC, Kourtni Perry dominou no jogo interior, Sara Ressurreição sempre muito bem, não sabe jogar mal, mas Maria Oliveira foi uma das protagonistas, esteve em grande neste jogo e só não foi a figura maior do Vitória porque Kahlia Lawrence esteve monstuosa. Neste triunfo, Kahlia Lawrence conseguiu, 31 pontos (10 em 15 em lançamentos de campo, 2 em 5 na linha de três pontos e 5 em 5 na linha de lances livres) ainda obteve 6 ressaltos, 3 assistências e 2 roubos de bola.

Laura Silva – Muita qualidade

O Vagos venceu o CAB Madeira por 69-65 num jogo disputado até ao último segundo. As madeirenses tiveram duas entradas em grande, primeiro e terceiro quarto foram da equipa de Fátima Silva, mas depois os turnovers acabaram por custar este triunfo às madeirenses. O Vagos manteve-se sempre seguro, mesmo quando estavam atrás no marcador, a exclusão de Susana Carvalheira pesou, mas foi bem “substituída” com destaque aí Inês Pinto que teve triplos decisivos. Muita luta, foi o jogo mais discutido, porque foi do princípio ao fim do encontro, belo jogo na Madeira e tudo em aberto, claro que o Vagos ficou em vantagem, mas a verdade é que o CAB deixou à vista a muita qualidade que possui, também aqueles que tem sido os problemas desta temporada. Jogo de alto nível, a festa dos playoffs brindou-nos com grandíssimo jogo na Madeira com o Vagos a sair na frente neste duelo dos quartos de final da Liga Betclic Feminina.

Nos destaques individuais tivemos vários, Manuela Rios e Martha Burse à cabeça do lado do Vagos, além claro das Joanas, Canastra e Cortinhas que como sempre entram, jogam bem e fazem a diferença na partida. Do lado do CAB Madeira, Madison Torresin com um grande jogo, voltou a estar muito bem, depois Isabel Berenguer, mais uma jogadora que não sabe jogar mal e que sempre rende, ainda Carolina Bernardeco que brilha em todos os jogos, nem sempre foi fácil, mas sempre muito bem, mas o maior destaque foi Laura Silva. Apesar do desaire, Laura Silva merece o maior destaque desta partida onde conseguiu 12 pontos (3 em 5 de lançamentos de campo, 1 em 5 na linha de três pontos e 3 em 3 na linha de lances livres) além de 3 ressaltos e 1 assistência, uma jogadora incansável que assumiu o jogo e que agitou a partida recolocando o CAB em jogo por diversos momentos.

Raquel Alves – Exibição de luxo

Para terminarmos, o Francisco Franco foi a Coimbra vencer o Olivais FC por 62-55 e está assim em vantagem no playout da Liga Betclic Feminina. Mais um jogo onde o Olivais entrou muito bem, o primeiro quarto foi da equipa da casa que mais uma vez sentiu dificuldades com o decorrer da partida, principalmente em termos de estatura e físicos, porque Dayna subiu ainda mais de rendimento no segundo e terceiro quarto criando assim mais problemas à equipa da casa. Também mais uma vez, vimos o Olivais a terminar bem a partida. Um Francisco Franco muito forte, com Dayna Rouse em grande destaque, mas com o jogo que caracterizou esta equipa ao longo da temporada. Do lado do Olivais, jogaram bem, estiveram por cima em diversos momentos, mas mais uma vez acabaram por perder. Francisco Franco em vantagem na luta pela manutenção, levam assim a eliminatória para a Madeira com um ascendente e com uma vantagem segura neste playout da Liga Betclic Feminina.

A verdade é que além de jogar bem e apesar de tudo, sabemos que o Olivais vai dar tudo, jogar bem e criar muitas dificuldades ao Francisco Franco. Neste duelo ficaram vários destaques individuais, Dayna Rouse o mais mencionado e o mais incontornável, mas além dela do lado madeirense ainda destaque Katherine Andersen, mas em especial Cristina Freitas que é aquela peça que rende sempre, que raramente erra e que nem sempre tem o destaque merecido.

Do lado da equipa da casa, Eva Carregosa também ela sempre incontornável, Mafalda Pompeu que esteve muito bem e em momentos mexeu com o jogo, mas o maior destaque foi Raquel Alves. Num duelo de alto nível, parecia um jogo de playoff, Raquel Alves foi a estrela, mais uma vez a capitã do Olivais brilhou muito, é claramente um dos destaques maiores desta temporada e começou este playout com uma exibição de luxo. Raquel Alves conseguiu, 21 pontos (2 em 4 de lançamentos de campo, 5 em 9 na linha de três pontos e 2 em 2 na linha de lances livres) obteve ainda 6 ressaltos, 3 assistências e 2 roubos de bola.

Está assim dado o mote para os playoffs e para o playout, grandes jogos, tudo ainda mais ao rubro e em aberto, invencibilidades quebradas, muita luta e a excelência do basquetebol feminino da Liga Betclic feminina que é impossível perder.

010d7ceb-0069-45c2-b971-5e3383e41b5e-scaled.jpg?fit=1200%2C795&ssl=1
José AndradeMarço 24, 20229min0

Neste texto vamos lançar a Taça da Federação que regressa depois do interregno de uma temporada, recordando jogadoras, equipas vencedoras e históricas que marcaram esta competição que se vai jogar entre os dias 25 e 27 entre Vagos e Esgueira, por isso venham connosco nesta viagem pela competição.

Com o final da fase regular, surge a segunda altura de decisões no nosso basquetebol, pouco depois da Taça de Portugal ter sido conquistada pelo SL Benfica, chegou a altura de saber quem sucede ao Olivais FC na Taça da Federação, troféu que começou a ser disputado em 2009-2010.

– Quinta dos Lombos: Será desta que o penta chega?

Vamos até Carcavelos para falar da única equipa que já conquistou a Taça da Federação por 4 ocasiões. A primeira conquista foi na segunda edição deste troféu em 2010-2011, numa equipa que já tinha o professor José Leite como timoneiro, algo que não mudou até aos dias de hoje e onde brilhavam atletas como Paula Muxiri, Dora Duarte, Inês Aragão e Felicite Mendes, quatro nomes muito grandes do nosso basquetebol. A segunda conquista surge em 2013-2014 interrompeu a senda do CAB Madeira e era uma equipa composta por algumas das maiores de sempre, falo de Mery Andrade, Filipa Bernardeco, Sónia Reis, Inês Viana, Maria Koustorkova ou ainda Márcia da Costa Robalo, uma equipa que ficou para a história e que nessa mesma temporada ainda conquistou o campeonato.

A terceira conquista foi em 2016-2017, numa equipa com nomes que atualmente brilham na Liga Betclic ou no estrangeiro, casos de Marcy Gonçalves, Josephine Filipe, Artémis Afonso, Vania Sengo, Carolina Rodrigues, Carolina Escórcio, Vania Sengo ou Beatriz Jordão, Cláudia Viana e Chanaya Pinto que brilham nos Estados Unidos. No ano seguinte aquela que foi a última conquista do Quinta dos Lombos e que colocou a equipa como a maior vencedora deste troféu.

Nesta conquista estavam presentes as já mencionadas e ainda algumas jogadoras como Mariana Carvalho, Sara Barata, Helga Gonçalves, Nazaré Lopes e Kankou Coulibaly. Nesta temporada, José Leite procura a sua quinta Taça da Federação numa equipa onde Letícia Rodrigues e Ndioma Kane são as grandes figuras seguindo as estrelas que falámos que foram passando e brilhando nas posições interiores do Quinta dos Lombos, com Mariana Carvalho em busca do seu segundo troféu ela que é uma das armas que pode fazer a diferença para uma possível conquista.

– CAB Madeira: a busca pelo tetra

As madeirenses são a equipa com mais conquistas a seguir ao Quita dos Lombos ao ter vencido esta competição por 3 vezes, venceram a primeira edição da Taça da Federação, com uma equipa composta por grandes jogadoras como Marcy Gonçalves, Marta Bravo, Candice Champion, Kaitlin Sowinski ou Catarina Freitas, uma equipa de estrelas orientadas por João Paulo Silva que atualmente orienta a equipa masculina.

A segunda conquista surge 3 temporadas depois, na época 2012-2013 o CAB voltou a vencer, mais uma equipa de enormes talentos tais como Catarina Freitas ou Carolina Escórcio que se mantinham da primeira conquista, ainda Fátima Silva a atual treinadora do CAB Madeira, mas entre outras craques que compunham esta equipa estavam, Jheri Booker, Carmen Reynolds, Maria Correia e Marta Bravo que também elas revalidavam assim a conquista da primeira edição num conjunto orientado por Paulo Freitas o atual timoneiro do Francisco Franco.

A última conquista do CAB Madeira acontece dois anos depois, na temporada de 2014-2015 com João Pedro Vieira como treinador e numa equipa onde a base se mantinha com Marta Bravo, Carolina Escórcio e onde brilhavam jogadoras como Ashley Bruner, Joana Lopes, Carla Freitas ou ainda Lavínia Silva, esta última que conseguia a sua segunda conquista. Equipas históricas, jogadoras consagradas e que marcaram o nosso basquetebol num CAB Madeira que neste fim de semana vai buscar o regresso aos troféus numa equipa onde Carolina Bernardeco se assume como a herdeira destas estrelas históricas e como a principal arma para uma possível conquista na edição da Taça da Federação que vamos ter em Vagos e Esgueira.

– GDESSA: Em busca da segunda conquista

Vamos até ao Barreiro para falar do GDESSA, uma das 4 equipas que já venceu este troféu por uma ocasião. A conquista ocorreu em 2015-2016, com Nuno Manaia atual diretor técnico nacional como timoneiro e com três das maiores figuras a serem as mesmas de atualmente, falo de Maiana Umabano, Leonor Serralheiro e Márcia da Costa Robalo que voltava aqui a vencer a Taça da Federação. Além destes nomes consagrados, estavam jogadoras como Joana Bernardeco que também ela vencia a sua segunda Taça, Luana Serranho e Eliana Cabral que brilham lá fora e ainda Kamilah Jackson uma das melhores estrangeiras que passou pela nossa liga nos últimos anos.

O GDESSA, procura a sua segunda conquista com a mesma base de sucesso, com o acréscimo de Letícia Josefino, Tanita Allen ou Sofia Ramalho, uma equipa que esteve na final da Taça de Portugal e que vai tentar aqui reconquistar esta Taça da Federação mostrando aquilo que tem mostrado nesta temporada, que são uma das equipas mais fortes do nosso basquetebol.

– União Sportiva: A Procura pelo Bi

As açorianas foram as penúltimas vencedoras da Taça da Federação, em 2018-2019 conseguiram a sua primeira e única conquista com Ricardo Botelho a ser o técnico tal como acontece atualmente. Como sempre nos habituaram até aos dias de hoje, as açorianas tinham uma equipa muito forte onde brilhavam jogadoras como Joana Soeiro, Raphaella Monteiro, Catarina Mateus, Anna Seilund, Josephine Filipe e Kankou Coulibaly que voltaram aqui a conquistar este troféu e ainda um nome muito grande como Sara Djassi.

Nesta temporada, uma equipa muito forte, onde brilham Nausia Woolfolk, Joana Alves ou Simone Costa e onde a estrela maior e líder é Raquel Laneiro que assume o estrelato nesta equipa que é uma das favoritas a vencer neste fim de semana esta edição da Taça da Federação.

– Olivais FC e Boa Viagem

Duas equipas que não marcam presença nesta edição, mas que nos deram duas equipas históricas e repletas de grandes jogadoras. O Boa Viagem venceu em 2011-2012, na segunda edição da Taça da Federação, numa equipa onde brilhavam Lavínia da Silva, Solange Neves, Corin Adams ou ainda Célia Simões, jogadoras que marcaram muito o nosso basquetebol. No caso do Olivais FC, a conquista surgiu em 2019-2020, a equipa vinha de vencer o campeonato e que era comandada por Eugênio Rodrigues, nela brilhavam Marcy Gonçalves, Artémis Afonso ou Carolina Rodrigues que já haviam conquistado esta competição, além de jovens como Alice Martins, Mariana Mendes ou Raquel Alves, um conjunto que nos deu um basquetebol espetacular e algumas das atuais figuras da Liga Betclic Feminina.

Teremos um vencedor novo?

– SL Benfica: Intenção de aumentar o domínio

O Benfica vem de vencer os últimos quatro troféus nacionais e busca aqui a sua primeira Taça da Federação com elementos que já conseguiram levantar esta Taça, casos de Eugênio Rodrigues, Raphaella Monteiro, Joana Soeiro ou Carolina Rodrigues. O Benfica surge como a equipa favorita, algo que é inevitável pelas conquistas e por ainda não terem conhecido o sabor da derrota nesta temporada, uma equipa que além dos nomes já citados tem em Mariana Silva e Candella Gentinetta duas das armas que podem voltar a fazer a diferença para a conquista de uma taça.

– AD Vagos: Fazer história em casa

No caso do Vagos, a procura é pela primeira Taça da Federação com um plantel onde ninguém venceu este troféu, mas onde a experiência e a muita qualidade podem ser os fatores diferenciais para uma conquista aliado ao facto de jogarem em casa. Martha Burse, Manuela Rios e Susana Carvalheira serão certamente jogadoras em destaque nesta Taça da Federação e podem assumir mesmo um peso maior para uma possível conquista.

– Esgueira: Busca de aumentar a surpresa

As aveirenses jogam em casa, a final vai mesmo ser no seu pavilhão e são mais uma equipa que busca a primeira Taça da Federação. Uma equipa onde todos procuram a sua primeira conquista desta Taça da Federação e que foram a sensação da fase regular da Liga Betclic, a muita qualidade técnica neste conjunto pode ser o principal ponto a favor do Esgueira. Gabriela Raimundo, Inês Ramos e Ana Raimundo vão ser com toda a certeza figuras dos jogos deste fim de semana, podendo mesmo sendo as estrelas do que poderá ser a primeira conquista desta competição numa equipa onde a arma mais ou menos secreta, poderá vir a ser André Janicas e alguma carta na manga que surpreenda neste fim de semana em Esgueira.

– Vitória SC: Deixar em definitivo o mau bocado para trás

De Guimarães surge uma equipa que adora competições assim, que se decidem em poucos dias. As comandadas de Pedro Dias vão à procura da primeira conquista da Taça da Federação, apenas Catarina Mateus já levantou este troféu. Uma equipa em crescendo na temporada, que tem aqui um teste para esta nova fase da temporada e para esse crescimento. Talvez a época mais complicada afaste alguma atenção e favoritismo, por isso mesmo poderá ser a equipa a surpreender em Aveiro. Filipa Barros e Mariana Teixeira podem vir a ser duas das melhores jogadoras da Taça da Federação desta temporada, com toda a certeza que será uma das equipas que vai animar mais esta competição em Esgueira.

Ficou aqui lançada a Taça da Federação, recordando alguns dos maiores nomes do nosso basquetebol, mas de dia 25 ao dia 27 todos os caminhos vão dar a Vagos e Esgueira para sabermos quem será que vai levantar a Taça da Federação desta temporada.


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS