Arquivo de Basquetebol - Fair Play

CROD1920-copy_edited.jpg?fit=1000%2C667&ssl=1
José AndradeMaio 10, 202210min0

Novo dia de basquetebol feminino aqui no nosso FairPlay, hoje vamos falar da final da Liga Betclic Feminina que viu o SL Benfica sair vitorioso e conseguir assim o seu bicampeonato, mas venham daí que temos muito para falar destes dois últimos jogos da final da Liga Betclic Feminina.

Segundo jogo – Benfica empata num jogo de “loucos”

O SL Benfica recebia o União Sportiva obrigado a vencer e foi isso que aconteceu, a equipa da luz triunfou por 81-65 e conseguiu assim deixar tudo para a “negra” de domingo. Ricardo Botelho apostou de início em Emília Ferreira, uma semi-surpresa para o começo deste jogo, era a procura pelo tiro exterior da internacional portuguesa. Benfica entrava mais pressionado e foi o Sportiva a começar melhor, a defesa açoriana a conseguir travar no jogo interior e os contra-ataques o Benfica através de uma defesa muito agressiva. Benfica começa a crescer com o ataque ao cesto rápido, mais uma vez a busca pela mobilidade das jogadoras interiores em contrataste com o maior poderio físico do lado açoriano. No primeiro quarto o Benfica foi conseguindo ganhar nos ressaltos ofensivos, com isso foram conseguindo abrir uma ligeira vantagem, Licinara Bispo demorou para conseguir entrar no jogo. Um primeiro período com vários triplos, ataques em destaque e as defesas iam demorando para conseguir travar os ataques, se do lado do Benfica Laura Ferreira ia aparecendo dos dois lados, no Sportiva era como sempre Raquel Laneiro que ia aparecendo principalmente na concretização. Mariana Silva e Carolina Rodrigues entraram ainda no primeiro quarto e assumiram logo grande protagonismo como acontece sempre.

Benfica com o tiro exterior a ser o ponto diferencial neste começo de jogo, além dos ressaltos ofensivos, Sportiva por outro lado ia sentindo problemas na luta das tabelas. Segundo período muito complicado para o Sportiva, as defesas começaram a surgir, mas do lado visitante a falta de mobilidade estava a penalizar a equipa. O Benfica estava por cima, maior mobilidade, Carolina Rodrigues mais uma vez entrou muito bem e na defesa as encarnadas iam conseguindo travar o Sportiva, pela defesa pressionante, as ajudas e marcação à Nausia Woolfolk. A equipa dos açores cresce já dentro dos 2 minutos finais da primeira-parte, Laneiro e Simone mantiveram o nível e foram as melhores, mas foi com o crescimento de Licinara que a equipa conseguiu mais. Primeira-parte superior do Benfica, foram melhores, eram 12 pontos ao intervalo com o Sportiva a entrar melhor e a conseguir os melhores ajustes, mas sem conseguir mostrar o seu jogo habitual, iam sendo Rapha e Mariana Silva em destaque do lado da equipa da casa, Laneiro e Simone do lado visitante. O União Sportiva voltou a entrar muito bem no terceiro quarto como tem sido habitual, Licinara mais em jogo e Raquel Laneiro com um triplo ajudaram a uma aproximação ao Benfica. Açorianas mais agressivas, a ganhar nos duelos interiores, tiro exterior a cair e maior mobilidade, o Benfica sentia alguns problemas e conseguiam pontuar através de Candela Gentinetta e Raphaella Monteiro que com penetrações vindas de fora conseguiam manter o Benfica em jogo.

Partida cada vez mais intensa, Sportiva a ganhar nos duelos mais físicos e Benfica a conseguir sempre nas transições pontuar e criar problemas às açorianas, maior equilíbrio que na primeira-parte, Sportiva começou muito bem, Benfica soube reagir melhor que nos Açores e o terceiro quarto termina com Joana Alves em grande destaque do lado do Sportiva e Marta Martins do lado do Benfica. Joana Alves voltou a entrar muito bem com um triplo no quarto período, Raquel Laneiro mais uma vez muito bem na defesa e no ataque e ainda Nausia Woolfolk que nunca baixava o rendimento. Sportiva voltou a entrar em grande, Joana Alves com maior protagonismo, mas as açorianas não baixavam nunca os braços e voltavam a acreditar, do lado benfiquista, foi Carolina Rodrigues a assumir e a comandar a resposta do Benfica. Depois de um bom começo açoriano, o Benfica conseguiu “fugir” no marcador e garantiu o empate nesta final.

Terceiro jogo – Sportiva muito perto, mas águias acabam a sorrir

No duelo mais decisivo da temporada, o Benfica acabou por vencer o União Sportiva por 73-70 num grande jogo que garantiu o bicampeonato à equipa de Eugénio Rodrigues. Benfica entrou melhor, Sportiva cresce com a bola a passar mais por Raquel Laneiro, com o aparecimento de Licinara Bispo no jogo interior e ao contrário do segundo jogo, a equipa dos açores entrou a conseguir travar os contra-ataques do Benfica. Mais um jogo onde a equipa do União Sportiva não entrou bem e foi crescendo principalmente no final do primeiro período. Um dos destaques no início do jogo era mesmo a recuperação defensiva do Sportiva que conseguia travar mais as transições do Benfica, mas a equipa encarnada até pela presença de Carolina Rodrigues mais tempo em jogo tinha um ataque mais pausado e pensado e depois a mobilidade no duelo interior voltava a ser chave para a vantagem da equipa da luz. No segundo quarto o Sportiva começou muito melhor, fruto sempre da maior agressividade e da maior velocidade, mais uma vez mais Laneiro e Simone, logo mais União Sportiva.

Tal como no sábado, quando o Sportiva cresceu, Eugénio Rodrigues parou o jogo. Grande duelo entre Marta Martins e Raquel Laneiro, uma das maiores animações do jogo, com destaque obvio para o trabalho defensivo da capitã do Sportiva, jogadora que nunca baixava o nível e que ia sendo sempre das jogadoras mais. A equipa de Ricardo Botelho mais uma vez em crescendo, a terminar bem o segundo quarto. A segunda-parte começa com Licinara a surgir mais em jogo, Sportiva a defender melhor, mas o ataque benfiquista conseguia sempre pontuar com maior ou menos dificuldade, sempre fruto da inteligência de Raphaella e de Soeiro. A resposta do Sportiva surge ainda mais no final do terceiro com dois triplos seguidos, Laneiro criava, Nausia não parava e Simone Costa aparecia na finalização com um belo triplo a juntar a todo o seu trabalho na defesa. Benfica ia sentindo alguns problemas, apesar da vantagem, a equipa benfiquista não ia conseguindo ter o jogo tão fluído como normalmente. 8 pontos à entrada do último quarto, Sportiva reagiu e Benfica apesar dos problemas conseguiu não sair pior do terceiro quarto. No último quarto, Benfica volta a entrar melhor, Sportiva continuava em recuperação, mas as encarnadas continuavam a ser mortíferas em cada erro das açorianas. Sportiva conseguia construir melhor e pontuar da linha exterior, do lado encarnado Carolina Rodrigues sempre a entrar muito bem e a fazer a diferença. Final de jogo insano, as duas equipas a lutar muito, grande intensidade, Sportiva por cima, algumas questões nas decisões da equipa de arbitragem, mas o ponto chave acabou por ser a escorregadela de Nausia Woolfolk a 1:16 do final do encontro, das jogadoras que menos merecia um azar assim.

Benfica geriu a posse, guardou a bola, tentou ir para o cesto por Carolina Rodrigues que não conseguiu pontuar, Sportiva saiu em velocidade e viu o Benfica fazer falta sobre a Nausia que converte um dos lances livres, depois mais uma vez bola em Joana Soeiro que tentou gastar o mais possível, a base encarnada colocou em Rapha que em cima do final do tempo de ataque conseguiu marcar. O Sportiva ainda viu Emília Ferreira conseguir um triplo, mas depois a equipa dos açores não conseguiu fazer falta e assim o Benfica revalidava a conquista da Liga Betclic Feminina. Final incrível, dois grandes jogos, SL Benfica a vencer a final da Liga Betclic Feminina conseguindo o bicampeonato juntando a todos os títulos já alcançados nestas duas últimas temporadas. União Sportiva merece todos os elogios, uma equipa que sofreu muito, mas que fez uma excelente temporada, mereciam mais porque a época foi muito boa. Benfica acaba com duas derrotas, mas sem perder nenhum jogo em casa e com uma temporada recheada de títulos.

Destaques da final da Liga Betclic Feminina

Nos destaques, óbvio que Raphaella Monteiro e Nausia Woolfolk são os nomes mais consensuais, mas não são os únicos, por isso vamos lá falar de mais 4 nomes em evidência nesta final:

  • Raquel Laneiro: MVP dos playoffs

Foi o nome mais destacado aqui ao longo das últimas semanas e não foi por acaso, Raquel Laneiro surgiu numa forma incrível na segunda metade da temporada, depois de deixar os problemas físicos para trás foi sempre em crescendo até chegar a este terceiro jogo como uma das maiores figuras da Liga Betclic Feminina. A capitã do União Sportiva foi mesmo a jogadora mais regular de todas nestes playoffs, é dona de um talento raro e já muito conhecido por todos e neste final de temporada volta a assumir um papel e a ter um rendimento que está ao nível de muito poucas. Terminou em lagrimas a temporada, mas a merecer todos os elogios e destaques porque voltou a ser uma das melhores da temporada.

  • Simone Costa: Temporada de luxo

Simone Costa é mais um nome já muito mencionado aqui, mais uma atleta que não podia deixar de ser destaque. Na época de regresso a Portugal, nunca baixou de rendimento, começou logo muito bem, foi crescendo e foi sempre sendo uma das mais regulares e das que mais brilhava a cada jogo, uma temporada muito boa de uma das jogadoras que merecia muito mais destaque e atenção pelo seu rendimento nesta época.

  • Carolina Rodrigues: Final de temporada soberbo

Uma das melhores jogadoras da nossa Liga Betclic Feminina, teve uma temporada em crescendo, foi subindo muito de rendimento ao longo da época e chega a estas finais como uma das maiores protagonistas. 8 pontos no segundo jogo mais 15 no terceiro, a juntar a isso excelentes exibições de uma jogadora que soube dar um passo atrás, soube gerir emoções ao longo da época e apareceu em grande neste final sendo uma das estrelas das finais da Liga Betclic Feminina.

  • Mariana Silva: Uma das figuras maiores da época

Mariana Silva, mais um nome muito destacado aqui ao longo da temporada, mas torna-se natural que se repita e se fale muito de Mariana Silva, conseguiu ser sempre uma das animadoras, entrou sempre muito bem nos jogos e nestas finais não foram diferentes, conseguiu 8 pontos no segundo e terceiro jogo da final da Liga Betclic Feminina.

Terminou assim a temporada na Liga Betclic Feminina, o SL Benfica conseguiu revalidar a conquista, mas ficou aqui tudo sobre os dois últimos jogos da temporada e ainda os maiores destaques numa final absolutamente épica.

20220427_2_53292062_76336474-scaled.jpg?fit=1200%2C800&ssl=1
José AndradeMaio 9, 20229min0

Novo texto e novo tema em mais uma competição europeia que vos trazemos aqui, hoje vamos falar sobre a FIBA Europe Cup competição ganha pelos turcos do Bahcesehir e que ficou marcada pela presença de 3 equipas portuguesas, com o Sporting CP a chegar muito longe, por isso venham connosco para entenderem o que aconteceu nesta competição europeia.

Ronda de qualificação – Portugueses obrigados a suar, mas qualificados

A ronda de qualificação começou com destaque para o SL Benfica e o FC Porto, as duas equipas portuguesas conseguiram deixar para trás, o Voluntari e Groningen no caso dos encarnados, já do lado portista foram o Keravnos e NES-Ziona, duelos muito complicados, com Betinho Gomes e Max Landis a serem as maiores figuras das equipas portuguesas nestes dois jogos que já deixavam à vista o que seria uma boa época das equipas nacionais nesta competição.

Fase de grupos – Equipas portuguesas a dominar

Na fase de grupos, tivemos Sporting que havia caído diretamente da fase de qualificação da Basbetball Champions League para esta fase de grupos juntando-se a Benfica e Porto. As equipas portuguesas começaram mal, três derrotas na primeira jornada, mas depois conseguiram dar a volta ao ponto do SL Benfica ter vencido o Grupo C na frente do Parma, o Sporting venceu o seu Grupo F à frente do Antuérpia, já o FC Porto acabou por desiludir e não conseguir passar no Grupo H ficando atrás do Legia de Varsóvia e Oradea com estes últimos a garantirem a vaga que iria permitir que tivéssemos três equipas no mesmo grupo na segunda fase.

Segunda fase – Leões protagonistas

Quatro grupos, com as duas equipas portuguesas a estrem na discussão pela passagem até ao fim, a maior rivalidade do desporto português presente até na Europa. Oradea que tinha deixado o FC Porto para trás, colocou grandes dificuldades aos rivais de Lisboa conseguindo o primeiro lugar, Sporting em discussão direta com o Benfica garantiu o segundo lugar no Grupo K e passagem aos quartos de final deixando para trás o seu maior rival. Nos outros grupos, ZZ Leiden já era uma das melhores equipas e com o triunfo no I assumiram-se como uma das equipas favoritas a vencer no final. Reggio Emilia triunfou no Grupo J e Avtodor Saratov no Grupo L, estes últimos acabaram por cair devido ao conflito armado na Ucrânia e as sanções aplicadas às equipas russas, com isso acabaram a ser os turcos do Bahcesehir a conseguir vencer este último grupo nesta segunda fase da FIBA Europe Cup.

Fase final – Sporting perto do sonho

Nesta fase final da FIBA Europe Cup, o Sporting acabou por cair dentro das 8 melhores equipas e frente aqueles que viriam a ser os campeões. Derrota por 70-73 no Pavilhão João Rocha e depois por 66-54 na Turquia, a equipa portuguesa conseguiu criar dificuldades aos turcos, a lesão de Travante Williams no segundo jogo complicou, mas mesmo caindo nos quartos, ficou uma campanha história e importante para o basquetebol português. Além dos Turcos, os italianos do Reggio Emilia, os holandeses do ZZ Leiden sem surpresas conseguiram passar às meias-finais, a surpresa foram os dinamarqueses do Bakken Bears que conseguiram eliminar os romenos do Oradea em dois grandes jogos com Marvelle Harris a ser o maior destaque. Falamos de um dos melhores jogadores desta edição da FIBA Europe Cup e que nestes dois duelos conseguiu 50 pontos, carregando os dinamarqueses no ponto de vista ofensivo. Nas meias-finais, sem surpresas o Bahcesehir eliminou o Leiden e o Emilia deixou para trás o Bears, terminando assim a caminhada histórica e fantástica dos dinamarqueses. Quatro grandes jogos, se os turcos mesmo obrigados a suar conseguiram vencer os dois duelos, os italianos perderam o primeiro e foram obrigados a um triunfo catedrático no segundo duelo.

Na grande final, favoritismo para os italianos mesmo depois do sofrimento com os dinamarqueses, a verdade é que os turcos não deram hipóteses e conseguiram vencer os dois duelos da final e conseguir assim levantar a FIBA Europe Cup. No primeiro jogo os maiores destaques foram as defesas, as duas equipas tentavam não perder e os turcos mantinham a sua arma até então na competição, os processos simples e coletivos frente a uma equipa que estava mais dependente das individualidades. Neste primeiro duelo, muito equilíbrio, mas a defesa turca a fazer maior diferença. Dificuldades para pontuar, ninguém conseguia criar uma grande vantagem até ao quarto período quando os turcos conseguiram abrir um diferencial maior que chegou aos 11 pontos. Os italianos no seu melhor momento neste jogo conseguiram deixar tudo a apenas uma posse quando faltavam 3 minutos para o fim do jogo, mas no último ataque os italianos não converteram e o Bahcesehir saindo muito rápido em direção ao cesto conseguiu pontuar e assim vencer este primeiro jogo por 69-72.

No segundo jogo, a primeira nota foram os 13,485 adeptos nas bancadas que assim definiram um novo recorde de espetadores nesta FIBA Europe Cup. No segundo duelo, foram os italianos a entrar melhor, abriram com um 5-0, mas os turcos responderam rapidamente e assumiram o controlo do jogo conseguindo mesmo uma vantagem de 43-37 ao intervalo, depois de terem conseguindo 14 de vantagem no final do primeiro quarto, mas a defesa turca começou a cometer erros que até então não tínhamos visto e com isso ao intervalo, vantagem dos turcos, mas os italianos a acreditar cada vez mais. A segunda-parte foi bem diferente, o ataque italiano deixou de funcionar, a equipa começou a errar bem mais e o ataque coletivo que tínhamos visto no primeiro tempo, desapareceu fruto da defesa turca que voltou a ser fundamental. Boa defesa e transições mostíferas deixaram os turcos com uma vantagem segura que nunca mais perderam e com isso triunfaram por 90-74 conseguindo assim o primeiro título europeu da sua história.

5 jogadores em destaque desta competição

  • TJ Shorts – Base de outro nível

Começamos por TJ Shorts, um base dos alemães do Hakro Merlins Crailsheim, equipa que venceu o Grupo G na fase de grupos na frente do Bakken Bears, mas que depois desiludiu na fase seguinte. TJ terminou com o jogador com melhor média de pontos por jogo nesta FIBA Europe Cup. Um base de outro nível, de muita qualidade, que tem brilhado muito na liga alemã e que termina como um dos jogadores que mais brilhou nesta competição. TJ Shorts conseguiu 17.6 pontos, 3.7 ressaltos, 6.0 assistências e 1.6 roubos de bola de média por jogo nesta Europe Cup.

  • Travante Williams – Estrela bem conhecida da nossa liga

Vamos até Travante Williams, jogador do Sporting CP e que já bem conhecemos, é o melhor jogador da nossa liga e por isso não é novidade que brilhe e que jogue muito bem, aqui o destaque é por se ter assumido como um dos melhores nesta edição da FIBA Europe Cup. Terminou com a eliminação do Sporting e com este jogador lesionado e a não conseguir ajudar os leões, mas nada disso apaga a excelente campanha da equipa e de Travante nesta competição. Travante Williams conseguiu, 16.4 pontos, 5.4 ressaltos, 3.1 assistências e 2.3 roubos de bola de média por jogo, terminando como o segundo jogador com melhor média de pontos e de roubos de bola desta FIBA Europe Cup.

  • Travis Taylor – O melhor poste da competição

Vamos até à Dinamarca, se o Bakken Bears foi a equipa surpresa da FIBA Europe Cup, Travis Taylor foi um dos melhores, no caso e de forma inequívoca, o melhor poste desta edição da quarta maior competição europeia. Travis Taylor foi a peça mais regular da sua equipa e o jogador mais dominante no jogo interior de todas as fases desta competição. Jogador já com muita experiência e que voltou a mostrar que é de um patamar bem mais acima que este. Travis Taylor conseguiu, 8.3 pontos, 9.1 ressaltos, 0.9 assistências, 0.3 desarmes de lançamento e 1.4 roubos de bola de média por jogo na FIBA Europe Cup, terminando como o melhor jogador em relação aos ressaltos.

  • Andrea Cinciarini – Classe absurda

O nosso penúltimo destaque, é o base italiano Andrea Cinciarini do Reggio Emilia. Jogador que nunca saiu de Itália, toda uma carreira de sucesso e de qualidade no seu país, mas a verdade é que uma base de altíssimo nível e que nesta temporada voltou a mostrar na europa que é um dos melhores bases das competições abaixo da Euroleague. Andrea Cinciarini foi uma das peças mais preponderantes nos vice-campeões, sendo o mais regular e aquele que menos falhou nesta caminhada que terminou com a prata da FIBA Europe Cup, além disso Andrea terminou como o jogador com melhor média de assistências nesta competição. Andrea Cinciarini conseguiu, 9.9 pontos, 3.1 ressaltos, 9.9 assistências e 1.4 roubos de bola de média por jogo na Europe Cup.

  • Isaiah Reese – Tudo para chegar a outro patamar

Chegamos ao último destaque da FIBA Europe Cup, falamos de Isaiah Reese que cumpre nesta temporada a sua primeira fora dos Estados Unidos da América, um jogador que teve contrato com os Houston Rockets e que jogou na NBA G League, os Santa Cruz Warrios onde acabou por se destacar vindo para a Europa para jogar nos Londos Lions. Reese tem sido um dos destaques no basquetebol britânico e que na Europa, mesmo numa equipa que não chegou longe, mas que ainda conseguiu atingir a segunda fase, Reese assumiu-se como um dos protagonistas maiores desta temporada na FIBA Europe Cup. Isaiah Reese conseguiu terminar como o terceiro melhor em relação à média de pontos, segundo no que diz respeito às assistências e ainda o primeiro nos roubos de bola. Isaiah Reese conseguiu 16.4 pontos, 5.6 ressaltos, 7.1 assistências e 2.3 roubos de bola de média por jogo, um jogador que deixou claro que o seu lugar é em competições e equipas superiores.

Ficou aqui tudo sobre a FIBA Europe Cup, uma competição marcada por recordes, novos campeões e muito pelas equipas portuguesas que conseguiram chegar muito perto do sonho.

1337907229.jpg?fit=1200%2C1200&ssl=1
José AndradeMaio 8, 20225min0

Vamos para a nossa segunda-parte deste nosso guia de lançamento da temporada na WNBA que vai começar já neste dia 6, vamos falar um pouco de mais algumas equipas e do que podemos esperar nesta espetacular competição, por isso venham connosco porque esta temporada promete muito.

O que podemos esperar de cada uma das equipas?

  • Los Angels Sparks – Defesa como a chave do sucesso

Vamos até Los Angels para falar das Sparks, uma equipa que apostou forte para não voltar a ficar de fora dos playoffs. O primeiro e principal ponto chave desta equipa é a defesa, vai ser uma dor de cabeça para os ataques tentar ultrapassar um conjunto tão bem organizado, a chegada de Liz Cambage trouxe centímetros e ainda ajudou a reforçar uma já ótima defesa. A juntar ao poderio no jogo interior, está a chegada da base Chennedy Carter, ela que não terminou a época passada por ter sido suspensa e que nesta temporada acabou por render pouco tanto em Israel como na Polónia, mas que em 2020 se mostrou como uma das jogadoras mais dinâmicas e uma das melhores scorers da WNBA. A questão é como estas estrelas vão funcionar ao longo da temporada, mas tudo para conseguirem uma época bem mais acima que a anterior.

  • Minnesota Lynx – A maior incógnita

Mudando para as Lynx, esta é a equipa mais difícil de analisar e de fazer qualquer previsão, isto porque Napheesa Collier a estrela da equipa pode falhar grande parte da temporada, a juntar a isso Damiris Dantas está a regressar depois de lesão, Angel McCoughtry chega de uma lesão no ligamento cruzado anterior, por isso mesmo muitas duvidas em relação a esta equipa e ao que podem conseguir. Sylvia Fowles, futura hall of famer vai ser preponderante neste conjunto pela experiência e muita qualidade, tal como Aerial Powers e Kayla McBride, mas as ambições estão condicionadas pelas lesões e limitações físicas.

  • New York Liberty – Possibilidade de ida aos playoffs

Em NY existiram muitas mudanças, chegou Sandy Brondello que neste ano vai construir o que se espera que seja um futuro risonho em NY. Conseguiram contratar a experiente poste, Stefanie Dolson que garante o aumento da experiência e da profundidade desta equipa que é muito jovem e que vai ter no regresso Sabrina Ionescu a melhor notícia, uma das melhores jogadoras da liga passou dois anos a sofrer com uma lesão no tornozelo e com todos esses problemas ultrapassados vai de certeza ajudar a elevar esta equipa. A presença nos playoffs é algo real e provável, vai depender muito da química desta equipa e principalmente de como vão render nos duelos com as outras favoritas. Será o primeiro passo para futuras conquistas com Sandy ao leme das Liberty.

  • Phoenix Mercury – Griner será o dominante da temporada

As finalistas da temporada passada conseguiram reforçar a equipa, mas a grande questão vai ser Brittney Griner, a jogadora que se encontra presa na Rússia e que era uma das peças determinantes na equipa. Este conjunto conseguiu a líder ofensiva da temporada passada, Tinha Charles que vai ajudar a que a ofensivamente a equipa cresça muito, juntando-se a Diamnond Shields que no ataque vai também ajudar muito. A grande questão é perceber que impacto pode ter toda a situação de Griner nas suas colegas, sendo que em jogo vai obrigar a grandes mudanças, uma vez que a poste era a peça fulcral porque garantia o domínio nas tabelas e no jogo interior, sem ela Vanessa Nygaard vai ser obrigada a mudar a sua estratégia numa época que pode marcar o adeus a uma das melhores de sempre, Diana Taurasi que pretender terminar com o tão desejado título. Skylar Diggins-Smith irá continuar a ser uma das figuras maiores da liga e terá de subir ainda mais na hierarquia da equipa sem Griner.

  • Seattle Storm – Tudo para dominarem a temporada 

Na época passada sofreram na segunda metade da temporada depois de um ótimo início, principalmente com as limitações física de Breanna Stewart. Este ano poderá ser o último do trio de luxo das Storm, falamos de Jewell Loyd, Sue Bird e Breanna, uma vez que uma das melhores de sempre, Bird poderá também ela estar a partir para a sua última temporada. Loyd é uma scorer de elite, Bird quer terminar em beleza, Breanna está saudável e ainda chegou Gabby Williams, MVP da Euroleague e a base Briann January. Com as estrelas saudáveis e com a chegada de jogadoras que aumentam a qualidade de uma das melhores equipas, podemos esperar uma temporada na luta pelo anel e de domínio na WNBA.

  • Washington Mystics – Muita curiosidade 

Chegamos a uma equipa que mais estou curioso para ver jogar, chegam de uma temporada onde as lesões foram as estrelas e onde Tyna Charles e Ariel Atkins tentaram de tudo para segurar e levar esta equipa que teve muitos problemas físicos. Elena Delle Donne está de volta, depois de dois anos complicados com vários problemas físicos, a MVP por duas vezes, está recuperada e pronta para brilhar e ajudar as Mystics a surpreender nesta temporada. Ole Miss e Shakira Austin adicionaram estatura e peso, além de irreverência a este conjunto, juntam-se a Natasha Cloud a máquina de assistências e com Elena recuperada o domínio no jogo interior é garantido, por isso mesmo podemos estar a falar de uma equipa de playoffs, desde que não voltem a ter novos problemas físicos.

Ficou aqui um guia para a temporada, estrelas de regresso, mais jogos, mais animação, numa temporada que pode ser o fim de duas das maiores de sempre, por tudo isto, temos os dados lançados para uma época que promete muito.

210714131252-candace-parker-july-10-super-tease.jpg?fit=1100%2C619&ssl=1
José AndradeMaio 5, 20227min0

Hoje vamos falar da WNBA, primeira-parte do guia de lançamento da temporada que começa já neste dia 6, vamos falar um pouco de algumas equipas e do que podemos esperar, por isso venham connosco porque esta temporada promete muito.

A temporada regular começa com as Washington Mystics a receberam as Indiana Fever nesta sexta-feira (já sábado em Portugal). 12 equipas vão em busca de suceder às Chicago Sky como as novas rainhas da WNBA, num total de 36 jogos nesta temporada que significa um novo máximo de duelos, o máximo anterior era de 34. Até 14 de Agosto vamos ter uma temporada que promete muito, mas que vai ser marcada pela prisão de uma das estrelas da Liga na Rússia, falamos de Brittney Griner que numa situação normal estaria prestes a entrar em ação depois de uma temporada na Europa, mas que se encontra detida num caso que tem abalado tudo e todos pelas poucas informações e pelo que se vive naquela zona do globo.

As quatro melhores equipas de cada conferência vão se apurar para os playoffs que se devem iniciar em agosto logo depois do dia 14. A primeira ronda joga-se à melhor de 3 jogos, já as meias-finais e final vão se discutir à melhor de 5 jogos. Menção para a All-Star weekend que vai decorrer em Chicago de 9 a 10 de julho e para a Commissioner Cup que vai ter a final a 26 de julho, uma competição onde vão ser designados os 10 jogos que vão contar para esta Taça, as melhores de cada conferência defrontam-se na final.

O que podemos esperar de cada uma das equipas?

  • Atlanta Dream – Vão animar muito a temporada

Começamos por Atlanta, uma equipa que vem de uma época com muitas mudanças e muito atribulada. Depois de novos donos, conseguiram Tanisha Wright para nova treinadora e ainda Dan Padover para novo general manager, chegam a esta época com uma equipa jovem e que vai de certeza animar muito a temporada, mas que pode sentir alguns problemas, por isso uma das curiosidades é perceber a dinâmica deste conjunto. Destaque obvio para Rhyne Howard, a primeira jogadora escolhida deste último draft e que é uma das atletas que mais curiosidade suscita para esta temporada. Época de transição neste rebuild, com pouca pressão e onde a juventude pode surpreender, ofensivamente dão garantias com a experiência da base Aari Macdonald, defensivamente as coisas podem ser diferentes e aí Nia Coffrey vai ter de assumir um papel de grande importância.

  • Chicago Sky – Em busca de defender o caneco

Chegamos às atuais campeãs, depois de uma temporada em crescendo, de sextas a campeãs com uma final épica, chegam a esta temporada mantendo a sua base e em busca de revalidar esta conquista. As Sky possuem profundidade, muita rotação, Kahleah Copper vem em ótima forma e depois de ser uma das figuras da época passada pode ser novamente uma das estrelas deste ano. A manutenção das estrelas é a chave do que pode ser uma época de sucesso, obvio destaque para Candace Parker, mas também para Courtney Vandersloot e Allie Quigley, duas bases fundamentais para o que pode ser a boa temporada desta equipa e ainda juntaram Emma Meesseman a MVP das finais em 2019. As Sky parecem mais equipa à partida para esta época e a boa free agency trouxe ainda mais profundidade, vai ser difícil repetir, mas voltam a ser uma das favoritas ao título.

 

  • Connecticut Sun – Será que confirmam o maior favoritismo?

As Sun foram a equipa mais dominante na temporada regular passada, um recorde impressionante de 26-6, muita qualidade de jogo, mas acabaram por sofrer no duelo das meias-finais com as Chicago Sky que viriam a vencer o título. Nesta temporada, a equipa de Connecticut volta a partir com maior favoritismo para vencer no final da época. Conseguem reforçar uma equipa que já era muito forte, vão continuar a ser uma equipa defensivamente sufocante e ofensivamente deram o salto com a entrada de Courtney Williams que vai permitir que a equipa suba de nível no ataque, juntar ainda a extrema Alyssa Thomas que chega a esta temporada totalmente recuperada e sem limitações físicas. Óbvio que juntando a tudo isto, a MVP da temporada passada, Jonquel Jones que vem de mais uma excelente temporada na Europa. São as favoritas e têm tudo para conseguir o tão desejado primeiro título da história deste franchise.

  • Dallas Wings – Muito talento jovem

Mudamos para Dallas, mais uma equipa cheia de jovens com muito potencial, com uma jogadora que parte com possibilidade de ser a MVP da temporada e uma equipa que parte como muito provável ir além do sétimo lugar da temporada passada. Nesta offseason conseguiram a poste Teaira McCwoan que chegou das Fever, ainda garantiram Arike Ogunbowale com um contrato de longa duração para uma das melhores bases. Junta-se a juventude, com destaque para a capacidade no perímetro de jogadoras como Marina Mabrey e Allisha Gray. Depois Satou Sabaly que tem tudo para se assumir como uma das estrelas da liga nesta temporada e com isso parte como uma possível candidata a MVP da época. As Wings subiram um degrau na sua evolução e podem ser uma das surpresas desta temporada.

  • Indiana Fever – Época de rebuild total

A equipa de Indiana entra nesta temporada com uma equipa muito jovem e bem diferente, depois de uma época onde foram o pior conjunto, mudaram e apesar de alguns erros, partem para uma temporada de rebuild. Conseguiram 4 das 10 primeiras escolhas do draft deste ano, conseguindo grandes talentos como Destanni Henderson. Esta equipa ganhou 12 jogos nas duas últimas temporadas, Lin Dunn começa como general manager de forma interina numa equipa sem ambições e que tudo o que vier de bom vai ser ganho. Será uma temporada complicada, onde a maior curiosidade vai ser perceber como vai continuar a reestruturação e que passos vão ser dados a seguir.

  • Las Vegas Aces – Muitas mudanças

As Aces vão em busca de regressar às finais, depois de caírem na meia-final o ano passado frente às Mercury, mudaram muito para conseguir regressar à final onde estiveram pela última vez em 2020. Chegou Becky Hammon para liderar a equipa, nova treinadora que tem funções bem mais vastas e que como já se pode ver mudou a forma de jogar da equipa, as Aces vão passar a privilegiar o movimento de bola e o spacing, uma mudança radical para o que acontecia com Bill Laimbeer. Com esta nova forma de jogar, Chelsea Gray e Kelsey Plum vão assumir ainda mais protagonismo nesta temporada. Com a saída de Liz Cambage, a equipa focou ainda mais em A’ja Wilson que já renovou com um contrato máximo, a MVP de 2020 que já mostrou na pré-época que vem para repetir esse feito. A única questão nesta equipa é a profundidade que não é tanta como nas Sun e em outros conjuntos, mas as estrelas estão em grande forma e chegam para dominar a Liga novamente.

Ficou a primeira-parte do nosso guia para a temporada da WNBA, não percam a segunda-parte que ainda temos mais equipas para falar.


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS