Arquivo de México - Fair Play

Colagem-sem-título.jpg?fit=1200%2C1200&ssl=1
Pedro CouñagoJunho 12, 20187min0

No início do mês de maio lançámos os jogadores-decisivos nos Grupos do Mundial, apresentando algumas estrelas e astros, mas também desconhecidos e novidades que vão deixar o leitor entusiasmados!

Agora juntámos as quatro personagens de cada grupo na mesma arena para perceber quem vai dominar a fase de grupos, quem vai passar por uma “unha negra”, quem estará numa luta intensa pela passagem e quem serão os derrotados desta fase de grupos.

No Grupo F relembramos que escolhemos Mats Hummels, Emil Forsberg, Hirving Lozano e Heung Min-Son. Como funciona este frente-a-frente? Vamos juntar partes das análises realizadas, olhar para os dados, perceber as “condições” a nível individual e colectivo e chegar a uma (proposta) de conclusão.

O CALENDÁRIO

Os jogos do Grupo C realizam-se a 17 e 18 (1ª jornada), 23 e 27 de junho. As partidas são as seguintes:

Jornada 1

Alemanha – México – (Estádio Luzhniki) 16h00 de dia 17
Suécia – Coreia do Sul – (Estádio Nizhny Novgorod) 13h00 de dia 18

Jornada 2

Coreia do Sul – México – (Rostov Arena) 16h00

Alemanha – Suécia – (Estádio Olímpico Fisht) 19h00

Jornada 3

Coreia do Sul – Alemanha – (Kazan Arena) 15h00

México – Suécia – (Arena Ekaterimburg) 15h00

OS DUELOS

O Grupo F tem uma clara favorita, que é a Alemanha. A Mannschaft entra na competição como defensora do título e instalada no número um do ranking da FIFA, sendo, portanto, uma das virtuais candidatas a vencer a competição.

O plantel que a Alemanha leva à Rússia é absolutamente impressionante, e o onze presumivelmente candidato à titularidade é fortíssimo, em todos os setores do campo. Na baliza, Manuel Neuer está de regresso. Na defesa, Mats Hummels (o jogador destacado) é o general. No meio campo, Toni Kroos (mais atrás) e Mesut Ozil (mais à frente) fornecem uma incrível capacidade de passe e de criatividade. Na frente, o promissor Timo Werner será um constante perigo. E aqui estão apenas alguns nomes, nos quais, para surpresa de muitos, não se encontra Leroy Sané, sendo tal justificado pelas suas pobres exibições pela seleção nos particulares realizados antes da Convocatória e por opções táticas.

Neste Grupo F do Mundial 2018, a Alemanha parece ter capacidade de poder seguir em frente com três vitórias, mas existem duas equipas de uma segunda linha de boas seleções que lhe podem causar problemas. Essas nações são o México e a Suécia.

Teoricamente, o México teria uma ligeira vantagem, tal é a sua profundidade nos vinte e três que viajaram para a Rússia, principalmente a nível atacante. Jogadores como Hirving Lozano (a estrela destacada), Jesus Corona, Carlos Vela, Raul Jiménez ou Javier “Chicharito” Hernández estarão prontos a brilhar pela seleção “Tri” e podem causar bastantes dificuldades a muitas seleções. Além disso, é uma seleção que, tipicamente, se sobressai nestas grandes competições. No entanto, os erros defensivos poderão ser o seu principal Calcanhar de Aquiles face a um ataque forte como o alemão. Mas o recente escândalo em que um grande número de atletas e, por consequência, o grupo mexicano, se viu inserido, poderá ter importantes implicações nos desempenhos da seleção.

Já a principal força da Suécia passa exatamente pela sua segurança defensiva, não sendo uma seleção que marca particularmente uma grande quantidade de golos. É uma seleção que aposta no equilíbrio entre setores, estando segura na defensiva por Victor Lindelof e Andreas Granqvist e tendo dois criativos em Viktor Claesson e, principalmente, Emil Forsberg, que pode ser o jogador decisivo numa boa campanha por parte da seleção nórdica. A Suécia tem as suas hipóteses, indiscutivelmente, podendo aproveitar um menor fulgor da seleção mexicana, devido a toda a sua situação, para se qualificar. Recordemos, também, que a Suécia venceu a França na fase de qualificação e, para chegar ao certame, eliminou a Itália no playoff, pelo que as restantes seleções do grupo estão de sobreaviso.

A correr por fora temos a seleção da Coreia do Sul. A seleção coreana é, indiscutivelmente, uma das seleções mais fortes do seu continente, mas tal não é suficiente para a poder tornar numa força a reconhecer na Rússia. Ainda assim, com Heung Min-Son a destacar-se cada vez mais em Inglaterra e a chegar a solo russo vindo de uma fantástica época, quem sabe se os asiáticos não podem ser uma seleção incómoda.

O melhor jogador asiático da atualidade, o filho pródigo da Coreia (Foto: 101 Great Goals)

Fica então a nossa previsão nos duelos:

Jornada 1

Alemanha – México MÉXICO AINDA ASSUSTA COM UM GOLO DE LOZANO NOS PRIMEIROS DEZ MINUTOS, MAS A ALEMANHA ENTRA MUITO FORTE NO SEGUNDO TEMPO, MARCANDO DOIS GOLOS DE RAJADA E UM NO TÉRMINO DO ENCONTRO.
Suécia – Coreia do Sul EMIL FORSBERG ESPALHA MAGIA E ASSISTE PARA O PRIMEIRO GOLO SUECO, HAVENDO OUTRO NO FIM DA PRIMEIRA PARTE. A VITÓRIA SUECA SURGE DE FORMA NATURAL.

Jornada 2

Coreia do Sul – México ENCONTRO QUE NÃO SAI DO EMPATE A ZERO, COM UM MÉXICO MUITO APÁTICO. 

Alemanha – Suécia UM GOLO MADRUGADOR DA ALEMANHA DÁ UMA VIRTUAL SEGURANÇA À SELEÇÃO GERMÂNICA, QUE, COM DIFICULDADES E UM SUPERIOR HUMMELS, ANULA OS CRIATIVOS SUECOS.

Jornada 3

Coreia do Sul – Alemanha A ALEMANHA VENCE E CONFIRMA O PRIMEIRO LUGAR NO GRUPO MAS NÃO SEM ANTES SOFRER UM GOLO DA ESTRELA COREANA SON, FAZENDO UM SEGUNDO TEMPO QUE LHE PERMITE CHEGAR À VITÓRIA. 

México – Suécia DUELO DE “BOLA CÁ”-“BOLA LÁ” QUE TERÁ UM MÉXICO COM MAIS POSSE DE BOLA E UMA SUÉCIA MAIS CONTRA-ATACANTE, PREVENDO-SE UM EMPATE, COM O GOLO MEXICANO A SER DE LOZANO E FORSBERG A MARCAR OS TEMPOS DE JOGO. 

QUEM PASSA?

A Alemanha, de forma destacada, passará o grupo, visto ser superior e querer demonstrar que o mau momento demonstrado nos recentes amigáveis não se transmitirá para os jogos a sério.

Seleção habituada a festejar, menos não se espera nesta fase de grupos (Foto: IG Esporte)

Para o segundo lugar, pode ser uma aposta arriscada, mas apostamos na Suécia, visto ser uma seleção equilibrada, com jogadores frios e que estarão à altura da circunstância, aproveitando a instabilidade vivida no seio da seleção mexicana. No entanto, o México, se conseguir resolver as suas questões internas, que bem se notaram na passada derrota por 2-0 diante da Dinamarca e que estão espelhadas na imprensa de todo o mundo, poderá conseguir tomar o segundo lugar, porque teoricamente tem mais jogadores que podem fazer a diferença. Diríamos que as chances estão 55-45% em favor da Suécia, neste momento.

Já a Coreia, sendo a seleção mais fraca, não será propriamente o bobo da corte, causando dificuldades às restantes seleções com a mestria de Son, mas terá vida muito difícil para conseguir fazer mais.

Junta-te à Fantasy League do FairPlay e mostra que és o melhor treinador aqui: https://fantasy.realfevr.com/t/73e9eba7

 

20171110-the18-image-hirving-lozano.jpg?fit=1200%2C675&ssl=1
Pedro CouñagoMaio 16, 20182min0

Hirving Lozano (PSV Eindhoven)

Idade: 22

Clube: PSV Eindhoven (Holanda)

Posição: Extremo Esquerdo

Internacionalizações: 26/7

Conquistas mais importante na carreira: Campeão da Holanda (2018), Melhor Marcador da CONCACAF Champions League e Campeão (2017)

Mais uma seleção em que existem bastantes jogadores que poderiam ser destacados. Desde o capitão portista Héctor Herrera, que fez uma época bastante positiva, passando pelo eterno capitão Andrés Guardado ou o ponta de lança Chicharito Hernández, entre outros, os mexicanos sem dúvida que estão bem apetrechados em quase todas as posições do terreno.

De facto, a seleção do México, nos últimos anos, tem vindo a ganhar uma profundidade assinalável nas suas opções, e a verdade é que o seu coletivo funciona bastante bem. No entanto, o maior talento puro dos mexicanos é Hirving Lozano, o extremo de 22 anos que teve um primeiro ano na Europa quase de sonho.

Grande marcador de golos, jogador franzino e também com uma capacidade de drible acima da média, o futuro avizinha-se bastante positivo para o extremo. Lozano poderá ser um excelente apoio ao ponta de lança e um jogador que, com o seu talento, poderá fornecer diversificadas soluções ao ataque mexicano. Além disso, a sua presença na área e capacidade de remate de fora de área são mortíferos, como se vê no vídeo abaixo.

Depois de ser uma das principais figuras do Pachuca, ganhando o troféu de campeão do México, o troféu da Liga dos Campeões daquela zona geográfica e sendo o melhor marcador da mesma, Lozano foi um alvo bastante apetecido no verão de 2017, acabando num campeonato que lhe permite crescer mas que será também certamente uma rampa de lançamento para outras paragens.

Este Mundial pode ser uma excelente plataforma para gerar interessados, e se tudo correr bem, Mino Raiola (conhecido agente) não irá desaproveitar a oportunidade de colocar o seu representado num clube mais ambicioso.

Num grupo no qual o México tem todas as hipóteses de seguir em frente mas que tem adversários europeus de valia, poderá Lozano ser a arma-chave que o México precisa para ajudar a um coletivo já com bastantes jogadores de valor?

Foto-Liga-MX_mediotiempo_com.jpg?fit=1200%2C675&ssl=1
Bruno DiasJulho 1, 20175min0

Nos últimos anos, o México e a Liga MX têm fornecido vários jogadores de alto nível aos grandes portugueses. O talento mexicano é de grande qualidade e continua a surgir em catadupa no país. Sugerimos aqui 3 possíveis “craques”, que poderão ser os próximos a brilhar na nossa liga.

Miguel Layún, Héctor Herrera, Jesús Corona, Raúl Jiménez. O México começa a estar presente de forma relevante no nosso campeonato, e com isso, o valor que é dado ao jogador mexicano e ao talento que vem da Liga MX tem aumentado. Apesar de ser uma liga que vende caro, é cada vez mais um local que oferece garantias de qualidade. A qualidade técnica, aliada à alta rotação de jogo e a alguns laivos de criatividade e virtuosismo, são traços característicos do jogador mexicano, que muito pode render num futebol europeu necessitado desse tipo de aspectos.

Aqui, poderão encontrar 3 sugestões para 3 sectores diferentes do terreno, com todos os jogadores aqui sugeridos a serem ainda jovens.

Nicolás Castillo

 

Posição: Avançado

Idade: 24 anos (14 de Fevereiro de 1993)

Nacionalidade: Chileno

Clube: UNAM Pumas

Já associado a clubes portugueses neste defeso (nomeadamente, ao Benfica), Nico Castillo é um jogador já conhecido no panorama futebolístico há algum tempo. Formado no Universidad Católica, cedo demonstrou uma apetência acima da média para o golo. Em 2014, rumou ao Club Brugge, da Bélgica. No entanto, talvez por ser ainda um jogador jovem, com uma personalidade forte e nem sempre fácil de gerir, a sua adaptação ao futebol europeu não correu da melhor forma, com sucessivos empréstimos a Mainz e Frosinone. Regressou então à América do Sul e à Universidad Católica, onde voltou a render, com 24 golos em 23 jogos. No último ano, ingressou a título definitivo no Pumas, onde continuou a sua boa forma, com 8 golos em 11 jogos.

Avançado de área, Castillo destaca-se pelo seu apurado faro de golo. Finaliza com qualidade, sobretudo com os pés, e possui também um remate portentoso. Não é um jogador com grande versatilidade, procurando sempre jogar perto da área, como a referência mais adiantada da equipa. No entanto, é aguerrido e combativo, e capaz de ajudar a equipa no momento defensivo. Seria uma excelente opção para o ataque de qualquer um dos “grandes” portugueses.

 

Raúl López

 

Posição: Lateral Direito

Idade: 24 anos (23 de Fevereiro de 1993)

Nacionalidade: Mexicano

Clube: Pachuca

Lateral formado no Chivas Guadalajara, um dos principais emblemas mexicanos, chega ao Pachuca por empréstimo em Julho de 2016, tendo assinado definitivamente com o clube em Janeiro de 2017. Raúl “Dedos” López é já internacional A mexicano, e um dos jogadores do sector mais recuado que mais impressiona na Liga MX.

Jogador polivalente, já tendo actuado em ambas as laterais, como médio-ala ou inclusive no corredor central, como médio interior, Raúl López destaca-se pela sua clara propensão ofensiva, assente numa qualidade técnica bastante razoável e numa capacidade física claramente acima da média, que lhe permite fazer o corredor direito durante 90 minutos, sempre com grande dinâmica e intensidade. Talvez por também actuar no corredor central, é um jogador que procura regularmente movimentos interiores quando joga como lateral direito, seja para assistir os companheiros ou para procurar aplicar o seu forte remate. Defensivamente, apresenta-se como um jogador sólido, consistente, bastante capaz no 1×1 e com capacidade para lutar pelas bolas aéreas, fruto também da sua altura (1,84m).

 

Orbelín Pineda

 

Posição: Médio Centro (“8”)

Idade: 21 anos (24 de Março de 1996)

Nacionalidade: Mexicano

Clube: Chivas Guadalajara

É uma das “coqueluches” recentes da Liga MX. Claramente o jogador com o valor de mercado mais elevado entre estes 3, mas também aquele que maior potencial e margem de progressão apresenta. Orbelín Pineda é um médio do Chivas Guadalajara, que o adquiriu em Janeiro de 2016 ao Querétaro, clube onde se formou. Com apenas 21 anos, feitos em Março, é já um dos melhores jogadores do campeonato, e certamente um daqueles que mais impacto teve no último ano do futebol mexicano.

Médio “box-to-box“, com qualidade na grande maioria dos momentos do jogo e com intensidade máxima em todas as suas acções, Pineda é capaz de influenciar o jogo em termos defensivos e ofensivos. Por possuir uma qualidade técnica acima da média, bem como alguma criatividade e qualidade no transporte de bola e no 1×1, é ocasionalmente utilizado mais adiantado no terreno, seja como médio ofensivo ou até como médio-ala. É também um médio com boa chegada à área, e com um remate potente e colocado. O seu perfil, em termos gerais, relembra-nos o de Enzo Pérez, argentino que brilhou no Benfica. No entanto, Pineda será até mais talentoso do ponto de vista ofensivo, e não demorará muito até que venha explanar todo o seu talento para a Europa. 


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS