Mundial 2021: Qualificação CONCACAF em perspectiva

André CoroadoMarço 13, 20218min0

Mundial 2021: Qualificação CONCACAF em perspectiva

André CoroadoMarço 13, 20218min0
O mundial de futebol de praia vai mesmo acontecer este ano e a qualificação CONCACAF será a primeira a conhecer a luz do dia! Nesta viagem de regresso ao novo mundo, o Fair Play analisa os participantes da prova e as suas aspirações, procurando antecipar o desfecho de uma competição que promete animar os areais da Costa Rica!

Apesar do cancelamento de algumas competições FIFA previamente agendadas para 2021, o organismo que tutela o futebol mundial, em parceria com a Beach Soccer World Wide, têm vindo a deixar uma ideia bem clara: o Mundial de Futebol de Praia vai mesmo acontecer. Assim sendo, e não obstante as incertezas lançadas pela pandemia ainda muito presente nas vidas de todos nós, podemos já começar a sonhar com o regresso aos areais dos astros mais resplandecentes da modalidade em todo o mundo.

Os primeiros sinais positivos de que o mundial virá mesmo a realizar-se em Agosto, em Moscovo, chegarão nas passadas duas semanas, com a divulgação das datas e localização dos torneios de apuramento do continente africano (CAF) e da América do Norte, Central e Caraíbas (CONCACAF): se, por um lado, a fase final da qualificação africana irá desenrolar-se em Dakar, no Senegal, de 23 a 29 de Maio, as grandes decisões alusivas à representação da CONCACAF em solo russo serão tomadas em plano mar das Caraíbas, na Costa Rica, entre 17 e 23 do mesmo mês. Assim sendo, dedicamos o artigo de hoje a perspectivar o evento costa riquenho que dará início a uma longa série de torneios de qualificação por todo o mundo.

Os participantes

Mercê da influência inegável da pandemia nos tempos que correm, o número total de equipas inscritas no torneio de qualificação da CONCACAF baixou dos habituais 16 para apenas 12, sendo que apenas 11 equipas poderão lutar pelos 2 lugares de acesso ao mundial. Tal acontece porque a formação de Guadaloupe, embora membro legítimo da confederação, não se trata de um membro reconhecido pela FIFA, enquanto parte do território francês. A nação insular compete assim apenas pela glória continental, o que até chegou a baralhar as contas da qualificação em 2017, quando Guadaloupe alcançou as meias-finais (em caso de acesso à final e consequente apuramento para o mundial, a vaga teria de ser reatribuída ao 3º classificado do torneio. Conseguirá a nação emergente do futebol de praia caraibenho repetir a proeza desta feita?

Já lá iremos… para já, realçamos que entre os 11 candidatos ao apuramento se encontram 6 das 7 equipas que já maracaram presença na competição FIFA: México, Estados Unidos da América, El Salvador, Costa Rica, Bahamas e Panamá. A sexta seria o Canadá, que disputou o Mundial de Copabacana de 2006, mas raramente voltou a marcar presença na qualificação. O lote de participantes fica completo com presenças habituais, a saber, Guatemala, Trindade e Tobago, Belize, Turks and Caicos e República Dominicana.

As equipas são divididas em 3 agrupamentos de 4 formações, que se irão digladiar na contenda por um lugar nos quartos de final (dois primeiros classificados de cada grupo e os dois melhroes terceiros). A partir de então, as eliminatórias ditarão os vencedores, em jogos de tudo ou nada, uma vez que apenas os finalistas irão carimbar o passaporte para Moscovo.

Grupo A

México, Panamá, Guadaloupe e Belize. São estas as quatro selecções que marcarão presença no grupo A, sendo que, curiosamente, as três primeiras chegaram às meias finais do evento de 2017, quando o México derrotou os panamenhos na final e ambas as formações acompanharam as Bahamas no mundial de Nassau. Os mexicanos, que não perderam uma edição do mundial desde 2015, partem como cabeças de série, fruto da experiência acumulada em anos anteriores. Os mexicanos têm dominado o futebol de praia da CONCACAF em anos recentes, demonstrando uma organização e consistência táctica acima da média, mas jamais conseguem impor o seu jogo a nível mundial, esbarrando na maior qualidade técnica e criatividade das formações adversárias, apesar do talento de nomes como Angel David Rodriguez ou Ramón Maldonado.

Por seu turno, o Panamá procura repetir o feito de 2017, após uma campanha desapontante em 2019, quando viram o sonho mundialista cair precisamente aos pés do México (3-0) nas meias finais da qualificação. A formação de Guadaloupe tem uma palavra a dizer num grupo que se espera equilibrado, tendo alcançado os quartos de final em 2019 e as meias finais em 2017. Já enquanto o Belize, equipa menos cotada, procura pela primeira vez alcançar o TOP 8 continental.

O nosso prognóstico é que tanto México, como Panamá e Guadaloupe irão conseguir passar à próxima fase, sendo que México e Panamá, classificando-se em primeiro e segundo lugar, serão fortes candidatos à passagem às meias finais.

Grupo B

El Salvador, Guatemala, Bahamas e República Dominicana. São estas as quatro equipas que compõem o segundo agrupamento, onde El Salvador emerge como o grande candidato não só à passagem aos quartos, mas também a alcançar uma qualificação que tem vindo a fugir desde a última presença dos Cuscatlecos, no Taiti em 2013. Apesar de ter atravessado momentos menos bons a nível desportivo, a nação centro-americana nunca perdeu a sua emblemática ligação à modalidade e manteve uma liga forte, que permitiu o despontar de novos talentos, como Exon Perdomo, melhor jogador da qualificação CONCACAF em 2019, entre outros que têm vindo a surgir nos jogos amigáveis realizados pela selecção salvadorenha recentemente.

De facto, os eleitos de Rudis Gallo apresentam diversas opções nas suas fileiras e estão desejosos de quebrar o enguiço das meias-finais (nas últimas trẽs edições da prova foram eliminados no derradeiro jogo da qualificação), mas primeiro terão de ultrapassar uma sempre complicada Guatemala, equipa responsável pela eliminação precoce da favorita Costa Rica em 2019. Os guatemaltecos nunca jogaram um mundial, mas são presença assídua nos quartos de final da qualificação e irão procurar fazer um pouco melhor desta feita. Por seu turno, as Bahamas de St. Fleur e Williams já estiveram no mundial que organizaram, mas jamais por intermédio da qualificação, onde jamais alcançaram as meias finais. A República Dominicana participa pela segunda vez no apuramento e irá certamente procurar baralhar as contas do grupos.

A nossa previsão aponta para El Salvador como vencedor incontestado do grupo, sendo a Guatemala um provável segundo classificado. Parece-nos que as Bahamas não irão além do 3º posto, que ainda assim poderá ser suficiente caso consigam tirar partido do jogo frente à República Dominicana para melhorar a sua diferença de golos.

Grupo C

Estados Unidos da América, Costa Rica, Trindade e Tobago, Turks and Caicos. Assim se constitui o grupo C das eliminatórias da CONCACAF, que encontra nos Estados Unidos o destacado favorito ao primeiro lugar. Trata-se, no entando, de um agrupamento muito interessante, dado incluir os anfitriões da prova e uma equipa de Trindade e Tobago sobre a qual recaem grandes expectativas… Os norte-americanos, na sequência de uma trajectória de crescimento que culminou com o apuramento para o mundial em 2019 e prestações honrosas diante de Suíça, Japão e Paraguai (ainda que sempre com derrotas), irão procurar afirmar os seus argumentos técnico-tácticos, bastante alicerçados num sistema 2:2 que procura tirar partido da mais valia de nomes como Nick Perera, Canale e Akol.

Por outro lado, a Costa Rica recupera de uma campanha desastrosa em 2019 (não passou da fase de grupos) e procura tirar partido da galcanização dos seus atletas perante o seu público para regressar aos grandes palcos mundiais, repetindo as façanhas de 2009 (Dubai) e 2015 (Espinho). Mas o maior foco de interesse está numa equipa que nunca se qualificou para o mundial: Trindade e Tobado. A pequena nação insular ao largo da Venezuela surpreendeu o mundo do futebol de praia ao anunciar a contratação do astro espanhol, Ramiro Figueras Amarelle, que após a experiência na China ruma assim às Caraíbas para ensinar um pouco da sua magia a uma nação com potencial, mas a que ainda faltam algumas bases. Por fim, Turks and Caicos irão procurar fazer melhor do que o registo de 0 pontos das edições anteriores.

O nosso palpite vai para os Estados Unidos da América em primeiro lugar, Trindade e Tobago em segundo e a Costa Rica em terceiro, mas provavelmente com todas as equipas apuradas para a segunda fase, assumindo que a diferença de golos o permita.

Qualificação

E para culminar as previsões, arriscamo-nos a antever quais poderão ser as equipas apuradas para o mundial da Rússia! Sendo certo que tudo depende do desenho final do torneio, e dos cruzamentos nas meias finais, parece-nos que as três equipas mais cotadas para alcançar o mundial serão México, El Salvador e Estados Unidos da América, havendo sempre margem para surpresas. Se tivéssemos de adivinhar, com todos os riscos envolvidos, apostaríamos desta feita em El Salvador e Estados Unidos como representantes CONCACAF em Moscovo, repetindo o duo que viajou há 8 anos para o mundial do Taiti.

Aqui estaremos para assumir os riscos de semelhante previsão, mas acima de tudo para partilhar a paixão do futebol de praia internacional neste regresso que se avizinha promissor nos próximos meses!


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter