Gold Cup – História e Curiosidades do torneio de seleções da Concacaf

Thiago MacielJulho 10, 20214min0

Gold Cup – História e Curiosidades do torneio de seleções da Concacaf

Thiago MacielJulho 10, 20214min0
Começa neste sábado mais uma competição de seleções. A Gold Cup ou Copa Oro para os países espanhois. Aqui te explico um pouco do torneio.

Origens

A história da Gold Cup, competição continental de seleções da América Central e do Norte, surgiu em 1941, com a CCCF (Confederação Centro Americana e Caribe) indo até 1961, depois com a NAFC (North American Football) entre 1947 e 1949, e a CONCACAF CUP, DE 1963 e 1971.

Também existiram títulos oferecidos aos países que venciam a fase final das eliminatórias entre 1973 e 1989. Mas desde 1991, a união de todos os países em torno da Gold Cup, que México (7 títulos), Estados Unidos (5 títulos) e Canadá (1 título) são os que já conquistaram a taça.

Em 2021, são 16 seleções divididas em 4 grupos com 4 seleções cada, que jogam entre si em 3 rodadas. Serão 8 seleções que passam para as Quartas de Finais. Daí as semifinais e a decisão no dia 10 de agosto

Estreantes

A edição de 2021 contará com dois países estreantes no torneio. Suriname, que estará no grupo C ao lado de Costa Rica, Jamaica e Guadalupe; e o convidado Qatar, que disputará o grupo D juntamente com Panamá, Honduras e Granada.

Gold Cup

Seleção mais goleadora

A maior goleada do torneio aconteceu na edição de 1993, na partida entre México e Martinica. A seleção mexicana venceu o duelo por 9 a 0. El Tri também possui o maior número de goleadas aplicadas no top 10 da competição, com um 8 a 0 no Canadá (em 1993), 6 a 1 na Jamaica (em 1993) e 6 a 0 e um 7 a 0 em Cuba (em 2015 e 2019 respectivamente).

Convidados

No total, seis seleções de outras confederações já disputaram o torneio como convidadas. Brasil e Colômbia participaram de três edições; a Coreia do Sul de dois torneios; enquanto que Peru, Equador e África do Sul disputaram uma edição cada. O Brasil foi à seleção com maior êxito, chegando à final da edição de 1996, quando perdeu para o México por 2 a 0. Este ano e na próxima edição do torneio, a seleção do Qatar será uma das convidadas. Qatar que busca agregar mais experiência internacional, visando a Copa do Mundo de 2022.

Kaká começou sua trajetória na seleção jogando a Gold Cup.

Única sede

Em todas as 16 edições do torneio, os Estados Unidos foi o único ou um dos países que receberam o torneio. Apenas em 1993 (foi Sede junto com o México), 2003 (novamente como México), 2015 (junto com o Canadá), em 2019 (junto com a Costa Rica e a Jamaica). Para este ano o país será única Sede do torneio.

Recordes

O jogador com mais gols no torneio é o ex-atacante da seleção norte-americana, Landon Donovan, com 18 gols. Sua primeira participação no torneio foi na edição de 2000. Donovan também é o atleta com mais partidas disputadas no torneio, com 34 jogos. Além disso, é o jogador com mais títulos, quatro no total.

Donovan é o maior artilheiro da competição.

Tricampeão do torneio, o ex-técnico da seleção norte-americana, Bruce Arena, é o maior vencedor do torneio da competição.

Porém, no que diz respeito a títulos do torneio a seleção mexicana é a maior campeã do torneio com 11 conquistas (Considerando os torneios antecedentes a Gold Cup). O último título foi conquistado na edição de 2019, após bater a seleção dos Estados Unidos por 1 a 0. Americanos que são detentores do maior número de vice-campeonatos em cinco edições. Seus últimos vice-campeonatos foram contra a seleção mexicana, nas edições de 2011 e 2019.

Todos os campeões da Gold Cup entre 1991 e 2019

1991 – Estados Unidos
1993 – México
1996 – México
1998 – México
2000 – Canadá
2002 – Estados Unidos
2003 – México
2005 – Estados Unidos
2007 – Estados Unidos
2009 – México
2011 – México
2013 – Estados Unidos
2015 – México
2019 – México

Gold Cup
Mexicanos são os maiores campeões do Torneio.

 


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter