Arquivo de ATP Barcelona - Fair Play

thiem.jpg?fit=940%2C585&ssl=1
André Dias PereiraAbril 29, 20193min0

Rafael Nadal é, indiscutivelmente, o rei da terra batida. Os onze títulos de Roland Garros, Monte Carlo e Barcelona ajudam a explicar esse epíteto. Nem mesmo outras lendas nesta superfície, como Bjorn Borg ou Thomas Muster, colocam isso em causa. “Continuarem a chamar-me rei da terra batida é um insulto a Rafael Nadal. Olhem o que ele já ganhou”, disse um dia o austríaco.

Aos 32 anos, Rafael Nadal parece, contudo, estar a abrandar. O seu estilo de jogo demasiado físico gerou lesões e uma sobrecarga que, depois dos 30, começa a fazer-se sentir. “Nadal não é mais um jogador de ténis. É uma pessoa lesionada a jogar ténis”, declarou o tio do espanhol e seu ex-treinador, Toni Nadal.

Mesmo lesionado, o maiorquino continua a ser o principal favorito a ganhar tudo na terra batida. Só que já não está só. Ou, pelo menos, Djokovic deixou de ser a única grande ameaça.

Este domingo, Dominic Thiem quebrou a hegemonia do espanhol em Barcelona e venceu o torneio catalão. Na final contra Daniil Medvedev ganhou por 6-4 e 6-0.

Só que a vitória do austríaco não foi tão surpreendente como a de Fábio Fognini em Monte Carlo. Recorde-se que na temporada passada, em Roland Garros, Nadal e Thiem disputaram um jogo muito equilibrado nos quartos de final.

Passagem de testemunho?

Desta vez, nas meias-finais de Barcelona, foi o austríaco a levar a melhor (duplo 6-4). O espanhol cometeu 5 duplas faltas, conseguiu apenas um ás e teve o saque quebrado duas vezes. Já Thiem, converteu 5 ases, não sofreu qualquer dupla falta e não teve o seu saque quebrado. “Thiem é candidato a vencer qualquer torneio de terra batida”, disse Nadal após a derrota.

É certo que ainda falta Roland Garros, o principal torneio de terra batida, mas podemos estar a assistir a uma passagem de testemunho? É cedo para dizer. Contudo, parece claro que o número 5 mundial é mesmo candidato a ganhar o torneio de Paris.

Dos 13 títulos já conquistados pelo austríaco 9 foram na terra batida. Este domingo, tornou-se o primeiro tenista do seu país a vencer em Barcelona desde 1996. Precisamente quando Thomas Muster se tornou bicampeão. Este foi, de resto, o segundo título de Thiem em 2019, igualando Roger Federer. O primeiro, recorde-se, foi em Indian Wells. Diga-se, de resto, que Thiem começa também a ameaçar o suíço no quarto lugar do ranking.

A ascensão de Medvedev

Não se pense, contudo, que a final com Medvedev foi um passeio. Thiem começou mal, com muitos erros não forçados e saque cobrado. Chegou a estar a perder por 3-0 mas conseguiu reverter para 6-4. O segundo set foi mais assertivo para o austríaco, que aplicou um pneu no russo.

É preciso, todavia, ressalvar a evolução do russo que, nas meias-finais, deixou para trás Kei Nishikiri (6-4, 3-6, 7-5). Antes, havia eliminado Albert Ramos-Vinolas, Mackenzie Mcdonald e Nicolas Jarry.

Recorde-se que, em Monte Carlo, o russo eliminou também Novak Djokovic, que buscava o “tri” no principado. O sérvio não jogou em Barcelona.

nadal-1.jpg?fit=579%2C375&ssl=1
André Dias PereiraAbril 30, 20183min0

Onze vezes, Nadal! Tal como fizera a semana passada em Monte Carlo, Rafael Nadal conquistou, este domingo, também pela 11ª vez, o ATP Barcelona. Sem surpresa, o maiorquino voltou a passear a sua superioridade na terra batida. Agora, foi a vez do grego Stefanos Tsitsipas cair aos pés do espanhol: 6-2 e 6-1.

Para o grego, que a partir desta segunda-feira jogará o Estoril Open, o torneio de Barcelona foi como que uma fábula. Aos 19 anos o prodígio grego jogou pela primeira vez uma final de um torneio ATP. E isso só por si é uma vitória. O ex-número 1 de juniores deixou para trás, entre outros,  Dominic Thiem ou Pablo Carreño Busta.

A supremacia de Nadal foi tal que só nos quartos de final esteve perto de perder um set. Foi diante Martin Klizan (6-0 e 7-5). De resto, um passeio: Carbelles Baena (duplo 6-4), Garcia Lopez (6-1 e 6-3), Martin Klizan e David Goffin (6-4 e 6-0).

Nadal somou o 401º triunfo em terra batida e o 19º consecutivo. Leva também 46 sets consecutivos conquistados nesta superfície. O maiorquino repete, assim, os títulos de 2005, 2006, 2007, 2008, 2009, 2011, 2012, 2013, 2016 e 2017.

Por seu lado, Tsitsipas também fez um torneio memorável. Começou por Corentin Moutet (6-4 e 6-1) e seguiu-se Rogerio Dutra (6-2 e 6-1). Depois, chegaram os tubarões e nem isso fez tremer o grego, campeão por duplas, em Juniores, em Wimbledon (2016). Albert Ramos Viñolas foi o primeiro (6-4 e 7-5). E quando veio Dominic Thiem (6-3 e 6-2) o proeminente jogador deu-se a conhecer ao mundo. Moralizado, ainda despachou Pablo Carreño Busta nas meias-finais (7-5 e 6-3). Os dois seguem agora para o Estoril.

Djokovic e Nishikori caem na segunda ronda

Quem tarda em recuperar é Novak Djokovic. O sérvio foi eliminado na segunda ronda (ficou isento na primeira) por Martin Klizan (6-3, 6-7 e 6-4). Na última semana especulou-se sobre a possibilidade de Nolan jogar o Estoril Open, contudo, o sérvio declinou e regressa ao seu país para ficar com a família. Também Kei Nishikori, finalista vencido de Monte Carlo, caiu na segunda eliminatória para Guillermo Garcia Lopez (duplo 7-6). O japonês foi traído por um problema físico. Pouco melhor esteve Grigor Dimitrov. O búlgaro chegou até aos quartos-de-final, onde foi eliminado por Pablo Carreño Busta (6-3 e 7-6). Os dois jogadores proporcionaram um desentendimento num lance junto da rede, no tie-break do segundo set. Dimitrov acusou Carreño Busta de falta de desportivismo. O espanhol justificou que o serviço do búlgaro foi fora, prosseguiu o lance e acabou por errar. “Ele estava mais zangado pelo erro do que por qualquer outra coisa”, disse Carreño Busta, que agora se prepara para defender o título no Estoril.

 

A vitória de Rafa Nadal sobre Stefanos Tsitsipas


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS