André Dias Pereira, Author at Fair Play

rublev-petersburgo.jpg?fit=640%2C371&ssl=1
André Dias PereiraOutubro 19, 20201min0

Quando se fala atualmente no ténis russo o nome Daniil Medveded é o primeiro a ser lembrado. Contudo, a nova geração também pode contar com  Andrey Rublev. Na sua primeira semana como top-10 mundial não fez por menos. O russo venceu, em São Petersburgo, o seu segundo título ATP 500.

Diante o croata Borna Coric, 23 anos e atual número 27 do Mundo, Rublev levou a melhor por 7-6(5) e 6-4. A partida ficou marcada pelo facto de Coric ter deixado fugir uma vantagem de 5-2 no tie-break do primeiro set.  Com 80% de acerto no seu jogo de serviço, o russo aumentou para 10 vitórias consecutivas em jogos em torneios de seu país natal.

Rublev deixou para trás Vasek Popisyl (6-4, 6-2), Ugo Humbert (4-6, 6-4, 7-5), Cameron Norrie (6-2, 6-1) e Denis Shapovalov (4-6, 6-3, 6-4).

Aos 22 anos, o número 8 mundial vive um momento único na carreira. Soma 34 triunfos em 2020 e 4 títulos: Dona, Adelaide, Hamburgo e São Petersburgo. Por seu lado, Borna Coric perdeu a final do torneio russo pela segundo ano consecutivo. Em 2019 o campeão foi outro jogador da casa, Daniil Medveded.

Rublev espreita agora a oportunidade de chegar, pela primeira vez, ao ATP Finals. De uma forma ou de outra, o russo garante que não esperava uma temporada tão boa. Em 2019, venceu o torneio de Moscovo e em 2017 o de Umag.

O ano de 2020 está, por isso, a ser o da sua consolidação. De resto, Rublev se tornou o primeiro jogador, desde Dominik Hrbaty, 2004, a ganhar dois torneios consecutivos nas duas primeiras semanas do ano. E desde o regresso do ténis, pós-pandemia, soma 19 vitórias contra 4 derrotas.

nadal2.jpg?fit=1200%2C809&ssl=1
André Dias PereiraOutubro 13, 20204min0

Um rei nunca perde a sua coroa, diz o ditado popular. Em vésperas da final de Roland Garros, Goran Ivanisevic disse que Nadal não teria chances contra o Novak Djokovic. O resultado não apenas desmentiu categoricamente o campeão Wimbledon de 2001, como mostrou que ninguém está perto de Nadal, quando se fala em terra batida.

Nadal alcançou este domingo uma das suas maiores vitórias na carreira. No conteúdo e na forma. Pela maneira como foi conseguida e por tudo o que representou. O resultado de 6-0, 6-2 e 7-5 só foi possível devido a uma exibição de excelência do maiorquino. Porventura, uma das melhores de sua carreira, ao ponto de, perto do final do segundo set, ter apenas 1 erro não forçado.

O espanhol era, de resto, o grande favorito a vencer o torneio dos mosqueteiros. Ainda assim, tinha desafios acrescidos. Depois de seis meses parado, o espanhol chegou a França com apenas 3 jogos realizados no período pós pandemia. Para trás ficou também a eliminação por Diego Schwartzman no torneio de Roma. No mais, Nadal reajustou as contas com o argentino nas meias-finais de Roland Garros: 6-3. 6-3 e 7-6. Diga-se, contudo, que Schwartzman fez um grande torneio, atingindo pela primeira vez esta fase de um Grand Slam. Para trás, tinha deixado outro favorito: Dominic Thiem: 7-6 (7-1), 5-7, 6-7 (6-8), 7-6 (7-5) e 6-2. Com isso, o argentino está agora em oitavo lugar no ranking ATP.

Até então o caminho de Nadal tinha sido tranquilo, com vitórias sobre Egor Garasimov, Mckenzie McDonald, Stefano Travaglia, Sebastian Korda e Jannic Sinner. Ao longo do torneio, Nadal não perdeu qualquer set.

Quando se fala em terra batida ninguém na história é maior que Rafa Nadal. O triunfo sobre Djokovic foi o 100 na carreira do maiorquino, em Paris. Ele é, inegavelmente, o maior nome da competição. Com este título são já 13 em Roland Garros. Para se ter noção da diferença do espanhol para os outros, Bjorn Borg, com seis vitórias, é o segundo maior vencedor.

Nadal iguala Federer

O triunfo deste domingo coloca Rafa Nadal lado a lado com Roger Federer com 20 Grand Slam. O suíço não perdeu tempo em parabenizar o espanhol, o seu grande rival, lembrando que foi precisamente essa rivalidade que puxou pelos dois e também pelos outros adversários. Agora, os dois compartilham o recorde de Majors. A pergunta que se coloca é quem terminará a carreira com mais triunfos. O favorito é Nadal, porque é mais novo e porque não é expectável que alguém o possa vencer, em condições normais, em Roland Garros. A recuperar de uma lesão, Federer não jogará mais até final da temporada. Aos 39 anos, é difícil acreditar que possa vencer muito mais Majors, embora o suíço sempre pareça surpreender e chegar a decisões. E depois há ainda Djokovic. Aos 33 anos, tem tudo para continuar a emplacar Majors na relva e piso rápido.

Muito dependerá, claro, de como se organizará o ténis pós-pandemia. Em Paris, o sérvio foi competente, apesar de alguns sobressaltos com Tsitsipas, nas meias-finais (6-3, 6-2. 5-7, 4-6 e 6-1) e Carreño Busta, nos quartos de final: 4-6 6-2 6-3 6-4.

Iga Swiatek, o meteoro polaco

Se entre os homens, Nadal continua a fazer história, entre as mulheres há um novo nome na parada. Iga Swiatek tornou-se a primeira polaca a vencer um Major. Aos 19 anos de idade, surgiu em Roland Garros longe dos holofotes, fora do top-50. A verdade, porém, que o seu percurso foi um verdadeiro conto de fadas. Foi eliminando favorita atrás de favorita, incluindo Simona Halep, sem perder qualquer set.

Em 2018, a polaca tinha se sagrado campeã de Roland Garros em juniores. Longe de imaginar que sê-lo-ia nos seniores tão pouco tempo depois. E a verdade é que precisou pouco mais de 1h20 para vencer na final Sofia Kenin, vencedora do Australian Open, por 6-4 e 6-1.

Swiatek ascende agora ao 17 lugar do ranking WTA. Este foi o seu primeiro grande título, apesar de ter vencido outros sete torneios ITF. Antes dela, apenas os duplistas  Wojciech Fibak  (Austrália,1978) e Łukasz Kubot (Austrália, 2014 e Wimbledon, 2017) eram os jogadores polacos com títulos nos quatro principais torneios do mundo.

A jovem polaca também se tornou apenas a ´sétima tenista a ganhar sem ceder qualquer set. Em sete partidas ela cedeu apenas 28 jogos às adversárias, entre elas Markéta Vondroušová (vice-campeã em 2019), a canadiana Eugenie Bouchard (semifinalista em 2014) e a cabeça de série, Simona Halep (campeã em 2018).

usopen.jpg?fit=1200%2C799&ssl=1
André Dias PereiraAgosto 21, 20202min0

Falta pouco para o arranque do US Open. Entre 31 de agosto de 13 de setembro, joga-se o segundo major do ano. Um cenário impensável há um ano, mas que foi viabilizado pela pandemia do Covid-19. Também por isso, a pouco tempo do início, há tantas polémicas.

O último episódio envolve Guido Pella e Hugo Dellien. Os dois tenistas estão de quarentena, em Nova Iorque, depois de terem estado em contato com pessoas infetadas com Covid. Pella e Dellien foram afastados de Cincinnati e podem também ficar de fora do US Open. Cincinnati foi movido para Nova Iorque no sentido de ser uma preparação do US Open. A situação deixou descontente vários jogadores do circuito. De acordo com o diário espanhol Marca, pode haver um movimento para boicotar Cincinnati e US Open. O argumento é o de que os jogadores só devem retirar-se do torneio se partilharem quarto com um caso positivo de Covid-19, o que não aconteceu.

Quem também falhou o primeiro torneio após o regresso do ténis é Kei Nishikori. O japonês foi infetado pelo vírus na Florida e deve falhar o master norte-americano. Ausência garantida é a Rafael Nadal. O atual número dois mundial explica que a ausência de controle do vírus nos EUA e sua saúde foram os motivos para falhar o US Open. No quadro feminino, Simona Halep também priorizou a sua saúde e não jogará.

De acordo com a organização sete jogadores do top-10 mundial deverão jogar a prova. Entre eles está Novak Djokovic, envolvido recentemente em polémica por organizar um torneio beneficente nos balcãs que causou a infeção de jogadores e adeptos.

O tenista sérvio apresenta-se como o grande favorito, dentro da quadra. Recorde-se que as pontuações foram congeladas desde o início da quarentena. A busca pelo 18 Grand Slam foi uma das principais motivações do número 1 mundial para jogar. Djokovic tem, de resto, sido um crítico sobre as condições de participação. Os jogadores farão testes regularmente, não poderão sair do espaço montado no aeroporto, não poderão ir a  Manhattan e só poderão entrar com um acompanhante no recinto do torneio.

Depois de uma paragem tão longa, é importante saber a forma como estão os jogadores. Certamente, será um US Open diferente, dentro e fora de court. De uma forma ou outra, a bola vai rolar.

nitoo.jpg?fit=760%2C427&ssl=1
André Dias PereiraAgosto 13, 20201min0

É um dos principais torneios do ano. Habitualmente jogado em Dezembro, o ATP Finals vai acontecer entr 15 e 22 de Novembro. Londres garantiu, uma vez mais, o torneio que reúne os 8 melhores tenistas do ano.

Por saber está ainda se será com ou sem público. Mas mesmo que haja público a estrutura será muito mais reduzida que o habitual. O evento vai marcar o final da temporada de ténis, este ano bem atípica em função do Covid-19. Por enquanto, o único Grand Slam jogado foi o Australian Open. Wimbledon foi cancelado, contudo, o US Open e Roland Garros ainda deverão jogar-se, com o primeiro a iniciar no final de Agosto.

O grego Stefanos Tsitsipas é o atual campeão em título. Por enquanto é ainda cedo para saber o quadro final dos grupos, ou até prever quem irá jogar e em que condições. Recorde-se que este torneio, ao contrário dos outros, não se joga por eliminatórias. Existem dois grupos de 4 jogadores, apurando-se os 2 primeiros para as meias-finais. Roger Federer é o maior campeão, com 6 títulos.

Atualmente o ranking ATP encontra-se congelado. Novak Djokovic é o líder. Rafa Nadal e Dominic Thiem fecham o top 3.

Andre Gaudenzi, presidente da ATP, explica em entrevista ao Supertennis que o objetivo, neste momento, é manter o maior número possível de torneios na Europa e fechar com o ATP Finals. A temporada asiática foi cancelada.

Será também o último ano que a prova se realizará em Londres. A partir de 2021 será Turim a acolher o Masters Final.

 

cincinnati.jpg?fit=752%2C428&ssl=1
André Dias PereiraJulho 31, 20202min0

Falta pouco para o ténis ao mais alto nível regressar. A partir de 20 de agosto, ao que tudo indica, joga-se, em Nova Iorque, o primeiro Masters após paragem devido à pandemia do Covid-19. Será em Cincinnati, nos EUA. Novak Djokovic e Rafael Nadal surgem como inscritos em uma lista de cerca de 80 nomes para o certame. Roger Federer, a recuperar de uma cirurgia ao joelho, será o grande ausente.

Por esta altura, nada está ainda confirmado. E, em bom rigor, o espanhol e o sérvio estão ainda em dúvida para o US Open, agendado para o final de agosto.

Para além de Nadal e Djokovic, outros jogadores deverão jogar Cincinnati. Thiem, Medvedev, Tsitsipas e Zverev são nomes fortes, que poderão disputar o título. Mas tudo dependerá de como regressarem. Os jogadores têm procurado manter a forma física em casa e com alguns treinos, mas sem viagens longas. A esta distância, é impossível saber quem efetivamente vai jogar prever quem pode avançar até à final. Até porque dois torneios agendados para o final de agosto nos EUA foram cancelados. Recorde-se que as classificações estão congeladas.

No quadro feminino o cenário é ainda menos animador. Metade do top-10 não está inscrito. Ash Barty, Simona Halep, número 1 e 2, não estarão em prova. Naomi Osaka, Elina Svitolina e Bianca Andreescu são também ausências confirmadas.

Nos últimos meses, várias têm sido as polémicas associadas a jogadores como Djokovic, Coric e Dimitrov, mas também sobre as condições de regresso às competições. Sobretudo o US Open. Certo é que a chagada aos EUA obriga os jogadores a um período de quarentena. Isso influencia diretamente os calendários. A organização também informou que os tenistas não deverão poder deslocar-se a Manhattan e terão que ser testados para o Covid várias vezes por semana, no aeroporto, onde deverão dormir.

djoko.jpg?fit=670%2C483&ssl=1
André Dias PereiraJunho 24, 20202min0

Novak Djokovic, Borna Coric, Grigor Dimitrov e Vicktor Troicki. Quatro tenistas do circuito profissional de ténis testaram positivo para o Covid-19. Os jogadores terão contraído a doença na sequência da Adria Tour, torneio beneficente organizado na Sérvia e Croácia por Djokovic.

O objetivo era promover o ténis no leste europeu, tendo os tenistas participado sem cachet. Djokovic garantiu que todas as medidas de segurança seriam tomadas, mesmo com público para garantir algum ambiente. A final já não chegou a acontecer.

O torneio foi alvo de críticas, por decorrer num período tão sensível da doença. Djokovic está assintomático e sua mulher Jelena também foi diagnosticada com o vírus. Os dois ficarão isolados por 14 dias. Antes deles, o preparador físico do sérvio também testara positivo para a doença.

O presidente da ATP, Andrea Gaudenzi, comparou a organização da prova a uma criança que quer aprender a andar de bicicleta sem proteção. O número 1 mundial alega que a Adria Tour tinha boas intenções e defende que decorreu num período de enfraquecimento do vírus, lamentando pelo sucedido.

Sérvio critica medidas de segurança para US Open

Este episódio é apenas mais um no rol de polémicas que têm envolvido o sérvio nos últimos meses. Enquanto presidente Presidente do Conselho dos Jogadores, tentou planos de apoio junto da ATP para tenistas em dificuldade, mas também se manifestou contra a vacinação obrigatória.

Uma das críticas veio de Rafa Nadal. “Cada um é livre e eu não sou ninguém para exigir nada a ninguém, mas se você participa do circuito, precisa se orientar pelas normas que há nele. Se nos obrigarem a tomar a vacina, Djokovic terá que se vacinar se quiser continuar a jogar ténis”.

Ainda sobre o Coronavirus, Novak Djokovic tinha sido um dos tenistas que se posicionaram contra o “excesso de medidas” tomadas pela ATP.  Com o US Open agendado para 31 de agosto, é crível que a ATP aperte ainda mais as medidas de segurança. Uma delas é a impossibilidade de os jogadores deixarem o complexo para rumarem a Manhattan. Outra medida é dormir no aeroporto para que os tenistas sejam testados várias vezes por semana, para além de poderem levar apenas uma pessoa para o clube.

Djokovic nunca foi um dos mais populares tenistas do circuito. E a verdade é que nos últimos meses pouco tem feito para mudar isso. O torneio US Open vai, por isso, ser não apenas um bom teste para a ATP mas também para o número 1 mundial.

agut_na_semi_em_wimbledon.jpg?fit=1200%2C828&ssl=1
André Dias PereiraMaio 22, 20201min0

Apesar das incertezas que envolvem a temporada de ténis, Roberto Bautista Agut mantém o foco. O tenista espanhol, 31 anos, não perdeu as esperanças de se qualificar para o ATP Finals. A acontecer seria a primeira vez em sua carreira. Ao ATP Tour, Agut reconheceu que pretende jogar o torneio que reúne os 8 melhores do ano, antes do final da carreira. “Se for este ano, tanto melhor”, afirmou.

O tenista espanhol afirma também que esse objetivo não é uma obsessão. Nos últimos anos tem estado perto. Atualmente em 12 do ranking mundial, Agut diz que tem trabalhado em casa e “os possíveis para se manter a forma para o mais alto nível”.

O início do ano para o Roberto Bautista Agut foi promissor. Venceu 6 partidas individuais, por Espanha, na ATP Cup. Depois, seguiu-se o terceiro ronda no Australian Open, onde caiu perante Marin Cilic.

Ao todo, o espanhol soma 9 títulos, o último dos quais em 2019, em Doha. Recorde-se que em Novembro, Agut venceu 11 vitórias seguidas contra jogadores do top-10. Foi, aliás, em novembro que atingiu o nono lugar do ranking ATP, o seu melhor registo da carreira.

Por enquanto, a ATP espera que o circuito regresse em agosto. Apesar de Wimbledon estar cancelado,  US Open e Roland Garros ainda se mantêm agendados. O ATP Finals tem data marcada para o período entre 12 e 22 de novembro, em Londres. Tudo indica, porém, que deverá ser adiado.

tenis.jpg?fit=1200%2C635&ssl=1
André Dias PereiraMaio 17, 20202min0

A suspensão do calendário de ténis foi prolongada até 31 de julho. Sem surpresa, aliás. A medida assumida pela ATP, WTA e ITF vinha ganhando força nas últimas semanas. Quer isto dizer que a paragem devido ao COVID-19 se prolonga mais 15 dias em relação à expetativa inicial.

Com isto, são afetados os torneios de Hamburgo (ATP 500) e os de Bastad (Suécia), Newport (EUA), Los Cabos (México), Gstaad (Suíça), Umag, Atlanta (EUA) e Kitzbuhel ([Austria), todos de categoria 250. No quadro feminino, as provas de Bastad, Lausanne (Suíça), Bucareste (Romênia) e Jurmala (Letónia), não vão acontecer, bem como os torneios da ITF.

Por enquanto, todos os torneios que acontecem a partir de 1 de agosto mantêm-se, entre eles o US Open. Certo é que em meados de Junho deve haver uma nova atualização. As entidades que regulam o ténis dizem que vão continuar a acompanhar de perto a situação.

Entretanto, recorde-se, os pontos e classificações dos torneios encontram-se congelados. Para já, a temporada de relva foi suspensa, com Wimbledon à cabeça. Uma decisão histórica que só encontra paralelo durante as guerras mundiais. No resto, Roland Garros deverá acontecer após o US Open.

Tal como nos outros desportos e sectores de atividade, este é um desafio à solidez do negócio em redor do ténis. A ATP tem procurado tranquilizar toda a gente, referido que o sistema é sólido e capaz de estar um ano parado. Mas não muito mais. Certo é que só após o regresso do ténis se poderá ter uma ideia mais exata. Até porque é necessário entender como o mundo vai funcionar após pandemia. Muito provavelmente haverá novas regras para assistir e jogar, como já acontece no futebol.

fedserena.jpg?fit=992%2C558&ssl=1
André Dias PereiraAbril 28, 20202min0

A ideia foi proposta por Roger Federer. ¨Eu sou o único pensando que agora é o momento para que o tênis masculino e feminino se torne um só?¨ A questão feita via Twitter causou impacto. O que está em causa não é criar torneios mistos mas sim fundir as Associações. Ou seja, transformar a Associação de Tenistas Profissionais (ATP) e a Associação de Tênis Feminina (WTA) em apenas uma entidade administrativa.

Federer não está sozinho. Billie Jean King, ex-tenista, afirmou que sempre sonhou a união do circuito. Aliás, esse era o plano principal antes de criar a associação. A ideia do suíço não surgiu de um dia para o outro. De acordo com Stan Wawrinka e Vasek Popisil o cenário é discutido desde, pelo menos, desde o início do ano. Nick Kyrgios, mostra-se receptivo, embora considere importante que seja debatido pela maioria.

Mas o que poderia impedir esta fusão? Acima de tudo, patrocínios e premiações. Não é de hoje que se discute a equiparação de premiações entre os quadros masculino e feminino. Apesar de desde 2007 os valores nos Grand Slam estarem equivalentes, nos torneios menores não é bem assim. Os homens faturam muito mais que as mulheres.

Outra diferença está no número de sets jogados. No quadro masculino pode jogar-se até à melhor de cinco. No quadro feminino joga-se à melhor de três. E aí pode entrar o mercado televisivo. Há quem sugira que a tendência é jogar-se à melhor de três, mas torneios clássicos, como Wimbledon, são resistentes a mudanças desse tipo.

A unificação das associações representaria unificar, pelo menos, alguns torneios. E isso, por certo, daria mais visibilidade à competição feminina. A barreira, nesse caso, é os torneios terem estrutura para receber tantos atletas. Por outro lado, isso condicionaria a expansão da competição no mundo.

É preciso também pensar em competições de seleções, como a ATP Cup. À semelhança do que acontece na Hopman Cup, os países teriam mais oportunidades de desenvolver equipas femininas.

De uma forma ou de outra, o debate está em aberto. Em tempo de Covid-19 todos os cenários estão em aberto. Quem sabe, pode até antecipar decisões.

rolandgarros.jpg?fit=652%2C408&ssl=1
André Dias PereiraAbril 21, 20202min0

A temporada de terra batida pode regressar em Agosto. Essa é, pelo menos, a expetativa do presidente da ATP Andrea Gaudenzi. A ideia é realizar nos últimos cinco meses do ano nada menos que 3 Majors e 6 Marsters 1000. Tudo dependerá da evolução do Corona Virus.

Recorde-se que a temporada de ténis se encontra suspensa, pelo menos, até 13 de Julho. O único Grand Slam jogado até agora foi o Australian Open. O torneio de Wimbledon foi cancelado e Roland Garros adiado. Da mesma forma, os masters de Roma e Madrid também deverão acontecer em Setembro ou Outubro.

A ATP mostra-se confiante que o US Open possa acontecer em Agosto, depois dos torneios de Toronto e Cinncinati. “O melhor cenário seria ter os torneios norte-americanos durante o verão, depois os torneios de terra batida, a temporada asiática e o ATP Finals. Se isso acontecesse, significaria que salvaríamos 80% da época”, afirmou Andrea Gaudenzi.

O presidente do ATP admite que o sistema é sólido e aguenta um ano sem torneios. Contudo, é preciso também pensar na abordagem que os jogadores vão ter para os torneios faltantes. Sem data definida regresso, a preparação fica altamente condicionada. Não se trata apenas da preparação física e mental. Sem calendário definido, não há como saber em que torneios investir, como o fazer e adaptar-se aos diferentes desafios. Uma hipótese levantada por Nadal e Djokovic é a possibilidade de jogar com os portões fechados. Ambos concordam que não é a situação ideal mas que estão preparados caso isso venha a acontecer.

Recorde-se que Novak Djokovic é o número um mundial mas a ATP congelou as classificações para impedir que o período sem ténis seja contabilizado. Nole soma 282 semanas como líder da hierarquia mundial.

Certo para já é o cancelamento da temporada na relva. Wimbledon, recorde-se só foi interrompido anteriormente pelas duas guerras mundiais.


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS