Alcaraz, o mais jovem a vencer um ATP 500

André Dias PereiraFevereiro 22, 20223min0

Alcaraz, o mais jovem a vencer um ATP 500

André Dias PereiraFevereiro 22, 20223min0

Carlos Alcaraz tem apenas 18 anos mas já não nenhum estranho no circuito ATP. O espanhol venceu o Rio Open este domingo e tornou-se o mais jovem de sempre a ganhar um torneio ATP 500.  Este é o segundo título da carreira de Alcaraz. O primeiro troféu aconteceu no ATP 250 de Umag, na Turquia, o ano passado, ainda com 16 anos de idade.

Desde vez, o espanhol levou a melhor sobre o Diego Schwartzman, por 6-4 e 6-2. O argentino venceu o torneio em 2018 e era terceiro cabeça de série. Por esse motivo era o favorito ao título. Em caso de vitória seria o primeiro tenista da história do Rio Open a vencer o troféu por duas vezes.

Alcaraz não apenas não deixou como foi muito superior. Ainda assim, o primeiro set foi bem jogado, longo, até o espanhol quebrar o serviço do rival e fechar em 6-4. No segundo set, veio a supremacia do espanhol, que chegou a uma vantagem de 5-1. Em apenas 1h26 minutos, Alcaraz sagrou-se campeão.

Antes da final, havia deixado para trás Jaume Munar, Federico Delbonis, Metteo Berretini e Fabio Fognini.

Com este triunfo, Alcaraz sobe do 29º lugar para o 20º, alcançando pela primeira vez o top-20 mundial. Até aqui, o mais jovem jogador a ganhar um ATP 500 era Jannick Sinner, com 19 anos e 11 meses.

Este é apenas mais um passo na meteórica ascensão de Carlos Alcaraz no circuito. Ele foi também o mais jovem jogador, desde Michael Chang e Pete Sampras, a alcançar os oitavos de final do US Open e o primeiro, desde 1973, a vencer um top-3. Foi ainda o primeiro tenista nascido em 2003 a vencer um jogo Challanger.

Mas o que este título pode representar? Bom, primeiro que Alcaraz parece estar a consolidar-se. Não é expectável que possa intrometer-se em títulos de maior relevância, contudo, em um bom dia pode eliminar qualquer um e começar a avançar para fases mais avançadas de majors.

Irmãos Cerundolo, o futuro da Argentina

Como vem sendo tradição, o Rio Open voltou a ter forte presença espanhola e argentina. Para além dos finalistas há ainda a destacar a prestação de Francisco Cerundolo. O argentino alançou as meias-finais caindo para o compatriota Schwartzman (7-6 e 6-3). Cerundolo é um nome que pode marcar o futuro do ténis albiceleste. Não apenas Francisco, mas também o seu irmão Juan Manuel, de 20 anos. Eles são os primeiros irmãos argentinos a alcançarem o top-100 mundial. Juan Manuel também jogou o Rio Open, mas caiu perante o italiano Fabio Fognini. No mais, o italiano, finalista vencido em 2015, acabou eliminado nas meias finais perante o campeão Alcaraz.

Outro candidato ao título era Matteo Berretini. O italiano ressentiu-se do clima nesta que foi a sua segunda participação no Rio de Janeiro. Ainda assim, é um nome também a ter em conta esta temporada. Número 6 mundial, Berretini tem evoluído muito nos últimos anos, somando já 5 títulos, dois alcançados o ano passado. Mas talvez mais relevante, foi ter jogado, também em 2021, a final de Wimbledon e do Masters de Madrid. Será, por certo, interessante acompanhar o seu desempenho em 2022.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter