A arte do ténis regressa ao Estoril

André Dias PereiraAbril 25, 20184min0

A arte do ténis regressa ao Estoril

André Dias PereiraAbril 25, 20184min0
Arranca este sábado, dia 28, mais uma edição do Estoril Open, onde o top-10 mundial, representado por Kevin Anderson, o melhor do ténis português, representado por João Sousa, entre outros, e a Next Gen, com Kyle Edmund à cabeça, tornam o ténis, em arte.

Arranca sábado, dia 28, o Estoril Open. Será a quarta edição desde que a prova conta com nova organização. Sob o slogan a Arte do Ténis, o torneio luso é o único que integra o circuito ATP.

Kevin Anderson, número 8 do mundo, Kyle Edmund, número 23 e João Sousa, número 67, são algumas das principais atrações. Os três tenistas representam três vértices importantes do torneio. Aposta nos tenistas lusos, em ter, pelo menos, um jogador do top-10, e na NexGen.

O sul-africano encontra-se a recuperar de uma lesão que o afastou dos torneios de Houston, Monte Carlo e Barcelona. Portugal será, assim, o seu primeiro torneio de terra batida do ano. Será por isso interessante perceber em que forma se encontra e se é, de facto, o grande candidato ao título. Anderson, finalista vencido do último US Open,  foi a primeira confirmação do Estoril Open, que garante assim um jogador de top-10.

O sul-africano regressa ao Estoril depois de ter participado em 2011, tendo, na altura, sido eliminado por Fernando Verdasco. Também a recuperar de lesão está Pablo Carreño Busta. Campeão em título, o espanhol é o segundo cabeça de série e ficou de fora do torneio de Monte Carlo.

Já Kyle Edmund, 23 anos, é o rosto mais consagrado da nova geração. Semi-finalista no Australian Open e finalista vencido em Marraquexe, o britânico quer fazer melhor que a segunda ronda de 2017, onde perdeu para o português João Domingues. Edmund procura ainda o primeiro título ATP e é também um dos rostos do que o Estoril Open pretende ser. É um forte candidato pelo bom momento que atravessa e pela época que tem feito. Outros nomes a seguir com atenção são o norte americano Frances Tiafoe, que venceu este ano em Delray Beach, o grego Stefanos Tsitsipas, ou o australiano Alex de Minaur.

Quem está fora de prova é Nick Kyrgios. O australiano é como que um embaixador da prova, mas foi traído por uma lesão no cotovelo. Em 2017, recorde-se, a morte de seu avô também o afastou do Estoril. O enfant terrible do ténis, 25 do ranking ATP, já disse, contudo, que quer voltar em 2019. O seu regresso ao circuito só deverá acontecer em Maio, em Roma.

João Sousa volta a ser a maior esperança portuguesa. Foto: Sapo Desporto

João Sousa, a bandeira portuguesa no Estoril Open

Sem surpresa, João Sousa volta a ser a grande esperança portuguesa. Ele é o rosto do ténis português e, também, desta prova. Sousa chega ao Estoril em bom momento de forma, depois das meias-finais em Marraquexe e ter atingido a terceira ronda de Indian Wells. Menos bem, esteve esta semana em Barcelona, afastado na ronda inaugural por Jaume Munar, 174º do ranking ATP.

O seu histórico no torneio luso não joga, contudo, a seu favor. Pelo quarto ano consecutivo entra directamente no quadro principal mas nos últimos anos não tem conseguido ultrapassar as primeiras rondas. Há ainda outros tenistas portugueses a disputar o qualifying, como Gastão Elias, Pedro Sousa e Frederico Silva. Se os dois primeiros se inscreveram, Frederico Silva ganhou um convite por ter sido o melhor jogador luso em torneios Future.

O qualifying começa a jogar-se já no sábado. Cameron Norri, britânico de 22 anos e ex-top 10 de juniores, é o cabeça de cartaz da fase de qualificação. No seu palmarés tem três títulos Challenger e está à porta do top-100. Outro nome a seguir com atenção é Bjorn Fratangelo, que o ano passado alcançou a segunda ronda do Estoril Open, tendo batido João Sousa. Em 2011 foi também campeão júnior de Roland Garros.

O argentino Carlos Berlocq, vencedor em 2014, e que este ano chegou às meias-finais no ATP 250 Buenos Aires, também é um nome forte.  Da Next Gen destacam-se Ernesto Escobedo,  Corentin Moutet e o cazaque Alexander Bublik, respectivamente, 13º, 15.º e 22.º na actual Corrida para Milão, o ranking de jogadores com menos de 22 anos.

O Estoril Open, que arranca sábado, dia 28, e se prolonga até dia 6 de Maio, já tem três sessões com lotação esgotada, nomeadamente terça-feira (1 de Maio), meias-finais (5 de Maio) e finais (6 de Maio). Em 2017, a prova teve uma assistência, nos recintos, de 41.695 espectadores. A expectativa é ultrapassar esse número este ano. A competição terá transmissão da TVI.

Recordamos aqui alguns dos melhores momentos de 2017


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter