Rafa Nadal: demonstração de força em Barcelona

André Dias PereiraAbril 27, 20212min0

Rafa Nadal: demonstração de força em Barcelona

André Dias PereiraAbril 27, 20212min0

Na terra batida não tem para mais ninguém. Enquanto Nadal jogar, dificilmente poderá ser destronado nesse piso. Embora, reconheça-se, alguns tenistas, com Thiem à cabeça, possam ser altamente competitivos. Mas a verdade é que o espanhol não parece abranda. Mesmo aos 34 anos. Para se ter uma noção melhor, são já 61 troféus em 82 torneios. São ao todo 452 vitórias em jogos de terra batida.

No passado final de semana, nova vitória em Barcelona. Foi a 12 do maiorquino na Catalunha, reforçando o seu estatuto de maior campeão. Frente a Stefanos Tsitsipas, Nadal levou a melhor por 6-4, 6-7 e 7-5. Foi a sétima vitória do espanhol sobre o grego, em 9 confrontos. O número 6 mundial já venceu, este ano, o torneio de Monte Carlo. Em Barcelona, atingiu a nona final da sua carreira no circuito ATP. Para além de Barcelona, Tsitsipas foi também finalista vencido, este ano, em Acapulco, no México.

Na Catalunha, o grego mostrou-se em bom nível, deixando para trás Jaume Munar, Alex de Minaur, Felix Aliassime e Jannik Sinner. Depois de um 2020 irregular, Tsitsipas parece apostado em elevar o seu nível e colar-se entre o top-5 mundial. E por falar em bom nível, Jack Sinner voltou a mostrar que o futuro também pode passar por si. O italiano, 19 anos de idade, caiu para o grego nas meias-finais. Antes disso, eliminou Egor Gerasimov, para além dos favoritos Bautista Agut e Andrey Rublev.  Sinner conta já com dois títulos ATP, um em Sofia (2020) e outro em Melbourne (2021).

Outra vez número 2

Mas o grande nome de Barcelona foi outra vez Rafael Nadal. O espanhol encontrou, contudo, um caminho espinhoso até à final. Primeiro eliminou Ilya Ivashka. depois Kei Nishikori e Cameron Norrie, e finalmente Carreno-Busta. Com este resultado Nadal sobe ao segundo lugar do ranking ATP, liderado por Novak Djokovic.

O torneio de Barcelona é um dos principais do ATP 500. A sua origem remonta a 1953 e desde então só em 2020 não se disputou por conta do Covid-19. Por ali já passaram campeões como Bjorn Borg, Ivan Lendll, Matts Wilander, Emilio Sanchez, Carlos Moya, Thomas Muster, Kim Nishikori ou Dominic Thiem.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter