Arquivo de Renato Sanches - Fair Play

a-fairplay.jpg?fit=817%2C460&ssl=1
Bruno Costa JesuínoMarço 27, 20208min0

Imaginem que eram o Fernando Santos e que teriam de tomar decisões para o (agora) Europeu 2021. Quem convocavam se tivessem de decidir agora? Eis as escolhas a pensar no agora e no depois. Venham daí essas discórdias.

São Patrício e mais dois

Na baliza não há dúvidas. Rui Patrício e mais dois. Anthony Lopes, capitão do Lyon, é o que apresenta melhores credenciais para fazer sombra ao guarda-redes do Wolverhampton. No entanto, por motivos pessoais, já chegou a pedir autorização para não ser convocado. O experiente Beto com 37 anos (Göztepe), conhecido por fazer bom balneário tem sido opção habitual para número 2 ou número 3. Se o luso-francês continuar afastado da seleção destacam-se três nomes: Cláudio Ramos (Tondela), José Sá (Olympiakos) e Rui Silva (Granada).

Ordem de preferência: Rui Patrício, Anthony Lopes, José Sá, Rui Silva, Beto e Cláudio Ramos.

No eixo da defesa é Pepe e mais três. Ou será dois?

Neste sector, quando os selecionadores têm um médio que pode jogar a centrar, muitas vezes optam por levar apenas três centrais, até porque além do guarda-redes, é onde os treinadores menos mexem. Parece-me óbvio que a experiência de Pepe é fundamental e será o mais titular de todos.

Rúben Dias, tem sido sempre titular, fez uma Liga das Nações fenomenal (melhor jogador da final), e mesmo o seu menor fulgor deve-se acima de tudo às fragilidades que toda a equipa do Benfica tem apresentado. Vítima disso mesmo, e eventualmente não só, foi Ferro. O jovem central encarnado era visto como provável no leque dos 4 ou 5 principais opções, terá sido ultrapassado por Domingos Duarte, a fazer grande época do Granada. Ah e pela segunda vida de Rúben Semedo.

O terceiro continua a ser o experiente José Fonte (menos um ano que Pepe). Bruno Alves, o mais velho de todos, será menos provável.

Ordem de preferência: Pepe, Rúben Dias, José Fonte, Domingos Duarte, Rúben Semedo, Ferro e Bruno Alves.

Tantos e tão bons na direita que algum pode ir parar à esquerda

Na esquerda Raphael Guerreiro é indiscutível. Apenas o sineense Mário Rui, normalmente titular no Nápoles lhe consegue fazer sombra. A terceira opção andará muito longe.

No entanto o lugar de Mário Rui pode estar ameaçado pela ‘excesso’ de qualidade existente à direita. Nélson Semedo, João Cancelo, Ricardo Pereira, qualquer um deles já jogou várias vezes à esquerda, e ainda o campeão europeu Cédric.

Ordem de preferência: Ricardo Pereira, Nélson Semedo, João Cancelo e Raphael Guerreiro.

Seja para 442 ou 433 opções para o meio não faltam

Danilo, o mais defensivo de todos os médios, poderá beneficiar da polivalência de poder jogar a central, e assim Fernando Santos levar apenas três (tendo em conta da idade de Pepe e Fonte, poderá ser mais arriscado).

Rúben Neves e William Carvalho serão as opções mais fortes para jogar de início, seja num meio campo a 3 com um médio mais ofensivo ou com duplo pivot. João Moutinho, apesar dos seus 33 anos, será a opção seguinte para alternar com William e Rúben, até pelo entendimento que tem com Rúben no clube inglês. Sérgio Oliveira e André Gomes são ainda nomes a ter em conta.

Renato Sanches, também opção para jogar como falso ala no 442 também será um nome a ter em conta, tanto pelas suas diferentes características como pelas prestações no Lille.

Ordem de preferência: William, Rúben, Danilo, Renato Sanches, João Moutinho

Mais à frente ou como ala

A seleção tanto se tem apresentado em 442 como em 433. Na primeira opção jogadores como Bruno Fernandes e João Mário são opções para falso ala, tal como Bernardo Silva. E o já referenciado Renato Sanches, que tem jogado assim no Lille, e no Europeu 2016 jogou muitas vezes com essa função. Pizzi será outra opção a ter em conta.

Ordem de preferência: Bernardo Silva, Bruno Fernandes, Renato Sanches, Pizzi

Avançados soltos e talvez um mais fixo

Na frente não dúvidas quanto ao capitão e melhor marcador de sempre da seleção. Tendo por base o 442, Cristiano Ronaldo deverá ter companhia de João Félix, Gonçalo Guedes ou Diogo Jota que tem estado em grande forma.

Na maioria das vezes, face às características dos jogadores a seleção tem optado, e bem, por jogar muitas vezes com jogadores móveis, sendo Cristiano o mais fixo.

No Euro 2016 jogou com Nani, no Mundial 2018 teve o apoio de Gonçalo Guedes ou André Silva, ficando este mais fixo. André tem sido o ponta-de-lança desde Nuno Gomes e Pauleta que tem apresentado melhores números. Depois de um época quase sempre lesionado, tem estado em boa forma no Eintracht Frankfurt. Curiosamente terá como principal concorrente o colega de equipa Gonçalo Paciência.

Éder, será sempre um nome a ter em conta, mas a sua chamada será pouco provável, e o próprio bracarense Paulinho partirá à frente.

Entre a posição de extremo no 4 do meio campo e a possibilidade de jogar na frente de ataque temos ainda a opção Rafa, importante para quando for preciso acelerar e agitar o jogo. Em circunstâncias normais será um dos selecionados. Ricardo Horta e Bruma, e o próprio Gonçalo Guedes, com características semelhantes serão alternativas dentro da mesma linha.

Ordem de preferência: Ronaldo, João Félix, Diogo Jota, Rafa, André Silva/Gonçalo Paciência, Ricardo Horta, Paulinho, Bruma e Éder.

Os “meus” 23

Guarda-redes: Rui Patrício, Anthony Lopes e José Sá

Defesas centrais: Pepe, Rúben Dias e José Fonte

Defesas Laterais: Nélson Semedo, Ricardo Pereira, João Cancelo e Raphael Guerreiro

Médio centro: William Carvalho, Rúben Neves, João Moutinho e Danilo

Médios ofensivos / Falsos Ala: Bernardo Silva, Bruno Fernandes, Pizzi e Renato Sanches

Ala / Avançado: Rafa, Guedes e Diogo Jota

Avançado: Cristiano Ronaldo e Gonçalo Paciência/André Silva

Mas o europeu foi adiado um ano, o que muda?

Estas escolhas foram feitas tendo em conta o momento actual, mas sendo o europeu adiado (e bem) num ano muito coisa pode mudar. Desde já a performance que os jogadores venham a fazer na próxima época, possíveis lesões, aparecimento de novos valores e… a idade dos mais velhos.

Pegando neste último ponto, o destaque principal vai para o centro da defesa. Pepe em 2021 terá 38 e José Fonte 37. Levar os dois pode ser arriscado, e será normal que pelo menos um caia, ainda para mais se a opção for apostar convocar apenas três centrais. No entanto, salvo qualquer quebra física gigante ou lesão pelo menos um dos dois irá para ser a voz da experiência. Principalmente Pepe.

No meio campo, João Moutinho com 34, e face rotação da sua posição, poderá perder fulgor. Mas se fizer mais uma época gual a estas duas (na qual foi eleito pelos adeptos como melhor jogador) que argumentos teremos para não o chamar face à qualidade e inteligência que vai demonstrando dentro quatro linhas?

Na frente Ronaldo. Será o Ronaldo dos 36 anos inferior ao Ronaldo dos 35? Esperamos e, pelo “monstro” físico que ele é, acreditamos que vai continuar a ser decisivo.

Lado positivo? Poderemos ser o primeiro campeão europeu em título por 9 anos seguidos.

Nota: Importante todas as medidas que estão a ser tomadas. Quanto maior for o nosso sacrifício AGORA e cumprirmos as regras, mais rapidamente retomaremos a nossa vida normal. #FicaemCasa

bayern.jpg?fit=1200%2C675&ssl=1
Gonçalo MeloDezembro 21, 201710min0

Mais um ano finda, e aqui estão os destaques do ano Alemão, desde os goleadores Auba e Lewa, aos destaques Leipzig e Nagelsmann, há de tudo, inclusive uma referência ao publico alemão.

renato.jpg?fit=1024%2C673&ssl=1
Gonçalo MeloJunho 7, 20176min0

Após analisados os destaques de mais uma edição da Bundesliga é tempo de analisar e comentar as desilusões ou, como de diz na gíria futebolística, os “flops”. Numa lista composta por algumas surpresas, algumas delas jogadores já internacionais, salta à vista um nosso bem conhecido, o campeão europeu Renato Sanches.

É pelo jovem internacional português formado no Seixal que começamos. Contratado por 35 milhões de euros com apenas 18 anos, Renato chegava à Baviera em alta após ter sido campeão português pelo Benfica e campeão europeu por Portugal.

No entanto, fruto da forte concorrência e inadaptação ao estilo de jogo do Bayern, Renato foi pouco utilizado, sem nunca conseguir expor o futebol apresentado no anterior clube e na seleção, tornando-se provavelmente no maior flop do ano na Alemanha, devido ao que custou e à qualidade e esperança que nele depositavam (explicamos melhor a sua situação no artigo dedicado ao jovem prodígio).

Mas, para alem dos vários flops individuais, como Douglas Costa que não deu seguimento à qualidade apresentada na primeira época, ou Marco Reus que não consegue jogar dois meses seguidos sem se lesionar (podia ser o melhor jogador alemão da atualidade, não fosse ele de cristal) os principais flops desta edição da Bundesliga foram coletivos.

O Bayer Leverkusen, que se propunha a disputar o terceiro lugar, terminou num paupérrimo 12º lugar a uma longa distância de 23 pontos do seu objetivo. Um ano para esquecer para os farmacêuticos, com vários jogadores a realizarem épocas abaixo do esperado.

O capitão Lars Bender teve um ano fustigado por lesões, o turco Hakan Çalhanoglu nunca conseguiu expor a qualidade técnica e visão de jogo a que nos habituou, Karim Bellarabi parece ter estagnado (foi ultrapassado por Julian Brandt e Leon Bailey nas alas, para alem de ter perdido o comboio da seleção) e os avançados Stefan Kiessling, Kevin Volland e Admir Mehmedi foram pouco produtivos a nível de golos, sendo muitas vezes Chicharito o abono de família da equipa, com a sua finalização e sobretudo abnegação a trabalhar em prol da equipa.

A nível defensivo, Jonathan Tah e Aleksandar Dragovic nunca deram a segurança necessária, e os laterais ofensivos Wendell e Benjamin Henrichs deixaram muitas vezes espaço para os oponentes, revelando dificuldades a fechar os corredores. Valeu muitas vezes o inspirado guarda redes Bernd Leno, que já pede voos mais altos. A dececionante campanha levou ao despedimento do técnico Roger Schmidt, algo que não fez subir a produção da equipa, bem pelo contrário.

Resultado de imagem para bayer leverkusen team small images
Foto: Der Bild

Outra grande desilusão foi o histórico Schalke 04. Com um defeso movimentado e cheio de aquisições que prometiam, como Breel Embolo, Yehven Konoplyanka, Nabil Bentaleb, Coke ou Baba Rahman, previa-se uma época a lutar pelos lugares de Champions League, algo que não sucedeu.

Com um novo timoneiro, Markus Weinzierl, que tinha realizado um bom trabalho ao serviço do Augsburgo, o Schalke nunca conseguiu ser uma equipa coesa e constante (as lesões não ajudaram, Embolo e Huntelaar quase não jogaram, e o lateral direito Coke só realizou a ponta final da época para alem dos jogos iniciais de Agosto).

O craque ucraniano Konoplyanka eclipsou-se, nunca sendo uma mais valia nem apresentando o talento que demonstrou no Dnipro e na seleção e sendo suplente a maior parte dos jogos, Baba Rahman nunca consegui destronar Kolasinac, Johannes Geis teve uma temporada abaixo do esperado, tal como Benjamin Stambouli que chegava do PSG com rótulo de craque, e os avançados Choupo Mouting e Di Santo que nunca conseguiram suplantar a ausência do goleador Huntelaar.

Por outro lado, valeram a Weinzierl o talentoso Leon Goretzka, os experientes defesas Naldo e Benedikt Howedes e os reforços de inverno Guido Burgstaller e Daniel Caligiuri, que conseguiram que a equipa terminasse num menos mau 10º lugar.

Max Meyer conseguiu por pouco escapar ao rótulo de flop nesta temporada (jogou muitas vezes fora da sua posição, a descair para a esquerda ou demasiado na frente de ataque) devido ao talento individual demonstrado muitas vezes, sem grande constância no entanto.

Apesar destes dois flops, nada bate a péssima época dos novos ricos do futebol alemão. O Wolfsburgo do português Vieirinha escapou à despromoção apenas no playoff diante do Eintracht Braunschweig, realizando a pior época dos últimos anos.

Numa anarquia tática constante, os lobos nunca pareceram ter uma ideia e forma de jogar definidas, vivendo à base de rasgos de Julian Draxler na primeira metade da época, e dos golos de Mario Gomez na segunda.

É portanto fácil identificar vários flops desta dispendiosa equipa, como o lateral esquerdo Ricardo Rodriguez que baixou muito o rendimento que o tornou num dos mais apetecíveis laterais esquerdos da europa, os médios defensivos Josuha Guilavogui e Luiz Gustavo, os criativos Maximilian Arnold e Daniel Didavi, os contratados em Janeiro Paul-George Ntep (que nunca apresentou o nível e qualidade que levaram o clube patrocinado pela Volkswagen a desembolsar 18 milhões na sua aquisição) e Riechedly Bazoer, ou até o guarda redes Diego Benaglio que perdeu o lugar para Koen Casteels. Salvaram-se os jovens Yannick Gerhardt, Vieirinha e Yunus Malli.

Resultado de imagem para wolfsburg fc 2017
Foto: Martin Rose / Getty Images

Nas restantes equipas, o Mainz e o Hamburgo podem também ser consideradas flops desta temporada que agora findou, devido à dificuldade em manter-se acima da linha de água.

No Mainz, o suíço Fabian Frei teve uma época num nível baixo, tal como o jovem promissor Kevin Oztunalli e o defesa central/trinco André Ramalho.

No Hamburgo, que mais uma vez se consegui manter na primeira liga, destaque negativo para o central Yohan Djourou, para o avançado Pierre Lasogga que marcou apenas 1 golo na temporada, e para o jovem trinco brasileiro Wallace Silva que denotou alguns problemas de adaptação a uma nova realidade fora do Brasileirão.

Num ano de descida para Darmstadt e Ingolstadt, que nem podem ser considerados flops devido ao baixo nível da maioria dos seus jogadores em relação a jogadores de outras equipas rivais na luta pela permanência (salvo alguns casos como Dario Lezcano, Matthew Leckie, Pascal Gross, Jerome Gondorf ou Marcel Heller), estes foram os principais destaques negativos de um campeonato disputado e atrativo até à ultima ronda.

Na próxima época, estas desilusões vão certamente querer dar a volta por cima e esquecer esta má temporada. Em Agosto começa tudo novamente, e tudo pode acontecer.


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS