Taylor Fritz devolve a glória aos EUA

André Dias PereiraMarço 23, 20223min0

Taylor Fritz devolve a glória aos EUA

André Dias PereiraMarço 23, 20223min0

Poucos tenistas têm mais razões para sorrir do que Taylor Fritz. O norte americano conquistou o seu primeiro Masters 1000 e subiu ao top-10 da hierarquia mundial. Aconteceu em Indian Wells, no domingo. Fritz não era o favorito, mas a verdade é que conseguiu impor a primeira derrota do ano a Rafael Nadal (6-3 e 7-5). Foi um triunfo e tanto por vários motivos. Mas vamos por partes.

Este foi o primeiro grande título de um dos mais promissores tenistas norte americano dos últimos anos. Os EUA sempre foram, tradicionalmente, uma das grandes escolas do ténis mundial. Nos anos 90, com Pete Sampras, André Agassi e Michael Chang, lideraram a cena mundial. Mas desde Andy Roddick, o último tenista norte americano a ser número 1, que o país não tem um verdadeiro protagonista na modalidade. Aliás, o último tenista dos EUA a ganhar Indian Wells tinha sido André Agassi, em 2001. Para se ter uma ideia mais concreta, o torneio existe desde 1990 e até 2001 só por quatro vezes o título não ficou em casa. E é por isso que este feito tem um gosto especial para Taylor Fritz.

Há muito que os norte americanos clamam por um novo símbolo. E Fritz, 24 anos, é um dos mais promissores. Mas nenhum ícone sobrevive sem títulos. O seu primeiro troféu no circuito aconteceu no relvado de Eastbourne. Mas era pouco. Até que ponto o título de Indian Wells pode catapultar Fritz só o tempo o dirá. Para já está assegurada pela primeira vez a sua subida ao top-10 mundial.

A caminhada: da estreia em 2015 à vitória em 2022

É preciso recuar até 2015 para recordar a estreia de Taylor Fritz em Indian Wells. Dois anos depois, em 2017, venceu o primeiro jogador do top-10 mundial. Marin Cilic foi a vítima. Em 2018 alcançou pela primeira vez os 16 avos de final. E o ano passado, as meias-finais.

Este ano chegou à glória. Para isso, deixou para trás Kamil Majchzark (duplo 6-1), Jaume Munar (6-4, 2-6, 7-6), Alex de Minaur (3-6, 6-4, 7-6 ), Miomir Kecmanovic (7-6, 3-6, 6-1), Andrey Rublev (7-5 e 6-4) e, finalmente, Rafa Nadal (6-3 e 7-6).

Esta foi também a primeira derrota do ano para o campeão do Australian Open. Rafael Nadal, ainda assim, sobe ao terceiro lugar do ranking ATP, atrás do líder Djokovic e de Medvedev. Frente ao californiano, o espanhol sentiu problemas físicos, chegando a ser atendido várias vezes pela equipa médica. Recorde-se que Nadal teve uma longa paragem por lesão em 2021, regressando no seu melhor em Melbourne. “Dei o meu melhor nas últimas duas semanas, mas desta vez não foi possível vencer”, disse o maiorquino.

Mas Indian Wells fica também marcado por mais um grande torneio de Carlos Alcaraz. O jovem de 18 anos é apontado como o sucessor de Rafa Nadal. E a verdade e que os dois se defrontaram nas meias-finais, com o triunfo a sorrir para o multicampeão (6-4, 4-6, 6-3).

Quem também mostrou estar em um bom momento é Andrey Rublev. O número 7 mundial já ganhou dois torneios em 2022, em Dubai e Marselha, alcançando agora as meias-finais, onde perdeu para o campeão. Para trás, tinha deixado rivais como Dimitrov, Hurkacz e Tiafoe.

Indian Wells acaba por confirmar o bom momento de vários jogadores, mesmo que a glória final pertença apenas a Taylor Fritz. Mas a temporada é longa e muito há ainda por acontecer.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter