Luz sobre Karen Khachanov

André Dias PereiraNovembro 5, 20182min0

Luz sobre Karen Khachanov

André Dias PereiraNovembro 5, 20182min0
Em Paris, na cidade Luz, Karen Khachanov conseguiu o título importante que lhe faltava para dar o salto na carreira. Aos 22 anos, o russo, vencedor de três títulos em 2018 alcança o 11º de um ranking agora liderado por Novak Djokovic.

O russo Karen Khachanov era, no bom sentido da expressão, uma bomba relógio. Um talento puro carente de um grande resultado para chamar a atenção do mundo. Esse momento chegou este domingo. Aos 22 anos, o número 18 do mundo, surpreendeu Novak Djokovic e conquistou o ATP Paris. Foi o seu quarto título da carreira e o terceiro este ano. Foi, contudo, o seu primeiro torneio de categoria 1000. Os outros foram de categoria 250 em Moscovo e Marselha, este ano, e Chengdu, em 2016.

Khachanov não fez por menos. Quebrou uma invencibilidade de Novak Djokovic de 22 jogos, vencendo a final por 7-5 e 6-4. O sérvio, novo número 1 mundial, até começou bem, chegando ao 3-1 no primeiro set, mas mostrou-se muito fatigado da meia-final contra Roger Federer, que durou mais de 3 horas. O russo, com a frescura física de 22 anos, conseguiu inverter o resultado e chegar à vitória por 7-5.

O resultado abalou Djokovic. E o russo aproveitou a sua terceira chance para quebrar o serviço do sérvio e abrir para 3-1, gerindo depois o resultado para chegar à sua primeira conquista Masters 1000.

O russo deixou para trás adversários como Filip Krajinovic (7-5, 6-2), Mathew Ebden (6-2, 2-0), Alexander Zverev (6-1, 6-2) e Dominic Thiem (6-4, 6-1). Khachanov é um dos rostos na nova geração russa. A par de Medvedev, 2018 está a ser o ano da confirmação do trabalho desenvolvido pela Federação daquele país. Com esta vitória, Khachanov passa a ser, a partir desta segunda-feira, número 11 mundial.

Djokovic, o novo número 1

Apesar da derrota, Novak Djokovic conseguiu atingir o topo da hierarquia mundial, destronando Rafael Nadal. Djokovic, que eliminou João Sousa na ronda inaugural (7-5, 6-3), venceu também Damir Dzumhur (duplo 6-3), Marin Cilic (7-6 e 6-4) e Roger Federe (duplo 6-4). O jogo com o suíço foi, porventura, a grande partida do torneio.

Com a vitória sobre o suíço, o sérvio é o primeiro a vencer 25 vezes, ou mais, o trio Federer, Nadal e Murray, somando, igualmente, mais vitórias do que derrotas sobre todos eles.

O ATP Paris foi o último Masters 1000 da época. Djokovic aponta agora baterias para o Masters Finals, que terá uma baixa importante. Juan Martin del Potro, lesionado, dará lugar a Kei Nishikori.

Djokovic entrará em prova como número um mundial e é o grande favorito. Essa condição resulta de um grande segundo semestre que o torna o melhor tenista do ano.

Como Karen Kachanov venceu o ATP Paris


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter