Arquivo de Roger Federer - Fair Play

3.jpg?fit=590%2C350&ssl=1
André Dias PereiraSetembro 16, 20192min0

E inegável que o ténis vive a sua geração de ouro. Federer, Nadal e Djokovic são os três maiores expoentes não apenas desta geração mas, porventura, da história da modalidade. As audiências e premiações dos grandes torneios, não são repetidas, contudo, nas provas de seleção.

A Taça Davis e a Fed Cup são, ainda, os maiores expoentes neste capítulo, mas nem sempre são uma prioridade para os maiores astros.

A pensar nisso, a Associação de Ténis Profissional anunciou a criação ATP Cup. A prova decorre entre 3 e 12 de janeiro do próximo ano. Dezanove de 24 nações já estão definidas. Haverá 4 grupos de 6 equipas e os melhores de cada grupo avançam para as eliminatórias. O que verdadeiramente esta prova acrescenta é a distribuição de 750 pontos de 15 milhões de dólares pelos vencedores.

Roger Federer, Rafa Nadal, Novak Djokovic e Andy Murray são nomes já confirmados. Aliás, todos os jogadores do top-10 já confirmaram a sua presença.

A Associação de Ténis Profissional parte à conquista das nações, por forma a inovar a modalidade e a maximizar a era que vive.  O timing também parece ajustado.  A prova marcará o arranque da nova temporada, permitindo aos jogadores ganharem forma antes do Australian Open. Não por acaso, o torneio acontece precisamente nas cidades de Brisbane, Perth e Sidney.

Os Grand Slam continuam a ser as provas maiores, com mais audiência, premiação e patrocícios. São também as mais valorizadas pelo público e tenistas, que muitas vezes preparam a temporada a pensar nesses torneios. E por isso, aos poucos, a ATP tem vindo a ensaiar novos modelos, como a Laver Cup. Só que a ausência de pontos não estimula a presença dos maiores jogadores.

A ATP Cup é, por assim dizer, a cara lavada da Taça Davis. Cada confronto terá duas partidas de simples e uma de duplas. Cada nação pode ter até cinco jogadores, com as suas classificações a serem determinadas pelo ranking após Novembro.

 

nadal.jpg?fit=1200%2C801&ssl=1
André Dias PereiraSetembro 14, 20194min0

Não existe nenhum jogador com menos de 30 anos no circuito com vitórias em Grand Slam. A hegemonia do Big-3 continua intacta. Ao conquistar o seu quarto título US Open e o 19º Major na carreira, Nadal está agora a apenas um título de igualar Federer.

djokovic.jpg?fit=1200%2C675&ssl=1
André Dias PereiraAgosto 26, 20192min0

Arranca esta segunda-feira, dia 26, a 139ª edição do US Open. Sem surpresa, Novak Djokovic apresenta-se como o principal candidato à vitória final. Campeão em título, o sérvio venceu 4 dos últimos 5 Grand Slam e é líder do ranking mundial.

Vencedor das edições de 2011, 2015 e 2018 do US Open, Nolan tenta o inédito bicampeonato em Nova Iorque. Com 16 Grand Slam, o sérvio está a 4 de igualar Roger Federer. Em conferência de imprensa, Djokovic admite que esse é um objetivo “e uma responsabilidade”. Talvez por isso, aos 32 anos, Djokovic priorize já os Major na preparação de suas temporadas. Se olharmos para o ano de 2019, o sérvio venceu “apenas” três títulos. Para além de Wimbledon e Australian Open, Nolan ganhou o ATP 1000 de Madrid. Há uma semana, em Cincinatti, caiu nas meias-finais para Daniil Medvedev.

“Especialmente agora, os slams são basicamente o fundamental na forma como eu vejo o ténis. O meu foco principal é a forma de me preparar para eles”, explicou o sérvio.

Outro pormenor que sempre acompanhou Djokovic é a antipatia que recebe por parte do público. Sobretudo em relação a Federer e Nadal. Uma das explicações pode ser por ter entrado no circuito mais tarde e se tornado como que un anti-herói do suíço e do espanhol.

Federer e Nadal, os suspeitos do costume

Se há jogadores que podem travar Djokovic são Federer e Nadal. Sem surpresa, também. O espanhol entra em cena diante John Millman e vai evitar, na sua chave, o suíço e o sérvio. “Tenho de ganhar os meus jogos para ter uma vantagem. Só posso os enfrentar na final. Tenho muito trabalho antes disso para saber se é vantagem ou não”, constatou Nadal.

O espanhol falhou Cincinatti para se preparar para o US Open. Campeão em Montreal, Nadal diz estar “com boas sensações” para o US Open. Na base desse pensamento está o facto de não sentir mais dores nos joelhos, que tanto o têm afetado.

Também Roger Federer, 37 anos, é um eterno candidato ao título. O suíço reconhece que “vai ser difícil” reerguer o título que levantou pela última vez em 2008. A vitória sobre Rafa Nadal em Wimbledon reforça a confiança do suíço, que poderá ter que enfrentar Djokovic nas meias-finais se lá chegarem. A estreia será diante o indiano Sumit Nagal (190º).

Dominic Thiem, Daniil Medvedev, Alexander Zverev, Kei Nishikori e Stefanos Tsitsipas são, naturalmente, outros jogadores a seguir com atenção. Mas os três magníficos continuam a ser os principais candidatos. Até porque Zverev e Tsitsipas não atravessam a melhor forma, e o piso rápido não é o preferencial de Thiem.

djokovic.jpg?fit=1024%2C683&ssl=1
André Dias PereiraJulho 16, 20193min0

Magistral. Eterno. Sublime. São muitos os adjetivos que podem classificar o triunfo de Novak Djokovic este domingo, em Wimbledon. O mais antigo Major do mundo viveu mais uma tarde de glória, que coroou Djokovic como pentacampeão.

A final contra Federer não foi apenas elevada a um nível técnico estratosférico e uma das mais emocionantes de sempre. Foi também a final mais longa da história de Wimbledon. Ao fim de 4h57 minutos, Nolan venceu por 7-6(5), 1-6, 7-6(4), 4-6, 13-12(3). O jogo foi decidido no tie-break do quinto set, após um 12-12, sendo a primeira final de Wimbledon a ser decidida desta forma.

Federer tentou de tudo. Usou slices, subiu à rede e foi tão eficaz no seu jogo de serviço que não sofreu qualquer break point nos três primeiros sets. De resto, olhando para os números, Federer teve mais ases (25/10), cedeu menos duplas faltas (6/9), foi mais eficaz no primeiro serviço (63%/62%), teve mais winners (94/54) e teve mais pontos ganhantes (218/204). Mas não foi suficiente.

Djokovic mostrou porque é número um mundial está entre os melhores de sempre, ao lado de Federer e Nadal. Os três, aliás, contiuam a dominar o circuito. Federer diz que, independentemente do ranking, enquanto se sentir competitivo vai continuar a jogar. E à beira dos 38 anos o suíço não parece abrandar. Se na final esteve ao seu melhor nível, o mesmo aconteceu diante Rafa Nadal, nas meias-finais. Em mais um clássico Fedal, o helvético terá feito uma das suas melhores exibições de sempre no confronto entre os dois. No 40º confronto entre os dois recordistas de Major, Federer ganhou por 7/6 (7-3), 1/6, 6/3 e 6/4, atingindo a sua 12ª final no All England Club. De resto, ao vencer Kei Nishikori, o octacampeão Federer tornou-se o primeiro jogador a conquistar 100 vitórias em Wimbledon.

Sousa, em grande, sobe 13 posições

Ao vencer Wimbledon, Novak Djokovic conquistou 4 dos últimos 5 Grand Slam disputados. O seu domínio no circuito, mesmo com Nadal e Federer, é inquestionável. Mesmo que nas bancadas se gritem os nomes dos seus rivais. Certo é que o sérvio tem agora 16 Grand Slam, cinco dos quais no All England Clube. Aos 32 anos não é impensável que o Nolan possa igualar, ou ultrapassar, os 8 títulos de Federer em Wimbledon, ou até os seus 20 Grand Slam, tornando-se o maior campeão da história. E conseguir isso durante na Era de Federer e Nadal é um grande feito.

Aliás, no confronto com Federer a vantagem de Djokovic é inequívoca. Em 47 jogos, Nolan venceu 25 e nos três disputados em Wimbledon ganhou todos. O sérvio também tem mais vitórias sobre Federer em Grand Slam (9/6) e nos últimos 5 jogos, venceu 4. Por fim, das 4 finais que disputaram, Djokovic ganhou 3.

Quem também esteve em grande plano foi João Sousa. O português alcançou a sua melhor prestação em um Major, atingindo os oitavos de final. Foi o melhor resultado de um tenista português em Grand Slam. O vimarenense deixou para trás nada menos que Marin Cilic (6-4, 6-4, 6-4) e Daniel Evans (4-6, 6-4, 7-5, 4-6, 6-4). Sousa acabaria afastado por Nadal, por triplo 6-2.

Com este resultado, João Sousa sobe 13 posições no ranking e é agora 56 do mundo.

Não menos surpreendente foi o espanhol Roberto Bautista Agut. Ao atingir as meias-finais, tornou-se o primeiro espanhol que não Nadal a jogar este fase de Wimbledon deste 1972. Antes de ser eliminado por Djokovic (6-2, 4-6, 6-3, 6-2) deixou para trás Karen Khachanov, Benoit Paire e Guido Pella.

nolan.jpg?fit=750%2C563&ssl=1
André Dias PereiraJulho 1, 20193min0

Arranca esta segunda-feira o torneio de Wimbledon, o mais antigo e tradicional Grand Slam. No ano passado, Novak Djokovic conquistou o seu quarto torneio no All England Club diante Kevin Anderson. Poderá este ano fazê-lo outra vez?

Na teoria, sim. O sérvio mantém-se como número 1 do mundo e tem-se exibido a um nível que o torna favorito à conquista do seu 16º Major.  Vencedor, este ano, do Australian Open e do ATP Madrid, o sérvio somou triunfos no piso rápido e em terra batida. Nolan tem gerido com critério o seu calendário e a preparação para os principais torneios. Por estes dias anunciou Goran Ivanisevic na sua equipa técnica para o All England Club. A estreia acontece já esta segunda-feira, dia 1, diante o alemão Phillip Kholschreiber, onde é amplamente favorito. Em 12 confrontos entre os dois, o sérvio ganhou 10.

Tal como nos últimos anos, Federer e Nadal são apontados também como grandes favoritos. Senão vejamos. Roger Federer (8), Novak Djokovic (4), Rafael Nadal (2) e Andy Murray (2) venceram as últimas 16 edições de Wimbledon. De entre esses, Federer, Nadal e Djokovic ganharam os últimos 10.

O suíço é o maior campeão do torneio e prepara as suas temporadas para que, nesta altura, esteja no auge. Oito vezes campeão, Federer surge como segundo cabeça de série. Apesar de Nadal ser número 2 do mundo, ao contrário de outros Major, Wimbledon tem em conta não o ranking mas a prestação dos tenistas na relva nos últimos 24 meses. Um critério criticado por Nadal que considera que essa opção “não é boa”.

Candidatos além dos suspeitos do costume

Federer chega a Wimbledon depois de vencer Halle pela décima vez. O suíço ganhou também os torneios de Dubai e Miami em 2019. Perto de completar 38 anos, o helvético não pode ser ignorado na luta pelo título, sobretudo em Wimbledon.

Como terceiro cabeça de série, Nadal terá uma chave mais dura. Jogadores como Kyrgios, Shapovalov, Cilic e Federer são alguns dos possíveis adversários. O espanhol vem de uma vitória importante em Roland Garros e apesar de relva não ser o seu ponto forte, já ganhou Wimbledon por duas ocasiões (2008 e 2010).

Mas para além do big-3 há outros nomes a acompanhar. Da velha geração, como Kevin Anderson, Kei Nishikori ou Stan Wawrinka, à nova geração, Thiem, Zverev, Tstsipas ou até Felix Auger-Aliassime. O canadiano, 18 anos, entrou em 2019 como 109 do mundo e atualmente é 21º. Uma escalada impressionante, que se junta a outros elementos como a capacidade de jogar de igual para igual com todos os adversários, em qualquer piso.

Tsitsipas também tem feito uma época muito boa. Apesar de denotar quebra física, o grego venceu em 2019 dois torneios: Marselha e Estoril. Ao todo, El Greco soma 3 títulos ATP na carreira aos 20 anos de idade. Tal como Thiem. O austríaco é número 4 do mundo, jogou a final de Roland Garros e soma, em 2019, vitórias em Barcelona e Indian Wells.

Quem está de fora é Andy Murray. O britânico jogará apenas a vertente de pares. Já Borna Coric lesionou-se no abdómen e também está fora da competição. Por outro lado, Kevin Anderson regressa após uma longa paragem por lesão. O sul-africano, finalista vencido em 2018, está longe da melhor forma para voltar a repetir o feito. Caso chegue às meias-finais, poderá defrontar Djokovic naquela que seria a reedição da final de 2018.

federer1.png?fit=797%2C453&ssl=1
André Dias PereiraJunho 24, 20192min0

Roger Federer conquistou, em Halle, este domingo, o 102º título da sua carreira. O suíço não deu chances a David Goffin. Com os parciais de 7-6 e 6-1 o helvético ganhou o torneio alemão pela 10ª vez (2003, 2004, 2005, 2006, 2008, 2013, 2014, 2015, 2017 e 2019). Este foi também o terceiro título de Federer em 2019. Recorde-se que Roger venceu também os torneios de Dubai e Miami.

Ainda no arranque da temporada de relva, Federer entrou da melhor maneira, mostrando o porquê de, mesmo aos 37 anos, ser o grande favorito neste piso. O primeiro set da final foi muito equilibrado, com o suíço a definir tudo no tie-break: 7-2. O segundo set já começou com uma quebra de serviço por parte de Federer. A partir daí Goffin não mais se encontrou e o suíço venceu por 6-1.

Ao longo do seu percurso esta semana Federer perdeu apenas dois set. Um contra Tsonga e outro diante Bautista Agut. O primeiro a cair foi o australiano John Millman (7-6, 6-3). Seguiu-se Tsonga (7-6, 4-6, 7-5) e Bautista Agut (6-3, 4-6, 6-5). Nas meias-finais levou a melhor sobre a sensação Pierre-Hugues Herbert (6-3, 6-3).

O francês, 38º do mundo e 28 anos de idade, ainda não venceu qualquer torneio ATP. Contudo, já chegou a três finais, uma delas este ano, em Montpellier. Em Halle deixou para trás jogadores como Borna Coric, Sergiy Stakhovsky ou Gael Monfils. Acabou por cair nas meias-finais.

Connors à vista

Já David Goffin, 23 do mundo, continua o seu jejum de títulos desde 2017. O belga não atingia uma final desde 2017. Outrora um dos mais promissores tenistas do mundo, aos 28 anos de idade não atravessa a melhor fase da carreira. Ainda assim, pode ser um adversário duro para qualquer um. Para trás deixou Matteo Berretini nas meias-finais. O italiano atravessa um ótimo momento. Recorde-se que chega a Halle depois de vencer em Estugarda. Também Alexander Zverev caiu aos pés de Goffin, nos quartos de final.

Com este título, Federer soma agora 19 na relva, um record. E por falar em record, faltam “apenas” sete títulos para que o suíço iguale Jimmy Connors como maior campeão de sempre do circuito ATP. A questão não é saber se Federer conseguirá, mas sim quando o vai conseguir.

nadal.jpg?fit=1200%2C801&ssl=1
André Dias PereiraJunho 10, 20192min0

Se havia dúvidas, Rafa Nadal fez questão de as desfazer este domingo. O espanhol tremeu, mas não caiu frente a Dominic Thiem (6-3, 5-7, 6-1 e 6-1) e conquistou Roland Garros pela 12ª vez.

Depois do duelo entre os dois tenistas em 2018, nos quartos de final, após Thiem ter vencido, já esta temporada, o maiorquino em Monte Carlo, os dois finalistas confirmaram o favoritismo que lhes era atribuído.

Nadal não está a atravessar um bom momento. Já se sabia. Pela primeira vez na carreira havia chegado a Maio sem títulos. Em Roma acabou por vencer o seu único torneio até Roland Garros. Thiem, pelo contrário, tem crescido não só no ranking mas também no seu jogo. Já o tinha mostrado o ano passado e este ano atingiu a final do principal torneio de terra batida.

O autríaco surgia, pois, como desafiante. Só que Nadal voltou a mostrar que em Roland Garros é praticamente invencível. São agora 93 vitórias e apenas duas derrotas, uma das quais (Soderling, em 2009) por desistência. Durante o percurso este ano, Nadal deixou para trás jogadores como Goffin, Londero, Nishikori ou Federer. Aliás, o suíço voltou a atingir as meias-finais de Roland Garros. Um registo superior ao que esperava, admitiu o helvético. Só que Nadal não deu chances para que pudesse avançar: 6-3, 6-4 e 6-2.

Já Thiem também fez um grande percurso. Entre outros, afastou Novak Djokovic nas meias-finais: 6-2, 3-6, 7-5, 5,7 e 7-5.

Apesar de Nadal ainda reinar e o seu domínio em Paris não parecer ter fim, Thiem é, pelo menos para já, o fiel súbdito. “Dominic, desculpa porque és um dos melhores exemplos que temos no circuito. Trabalhador, sempre com um sorriso no rosto. És uma inspiração para mim e para tantas crianças”, disse o espanhol sobre o austríaco.

stan.jpg?fit=594%2C401&ssl=1
André Dias PereiraJunho 3, 20192min0

Os quartos de final de Roland Garros vai juntar Roger Federer e Stan Wawrinka. Amigos e rivais a carreira dos dois tenistas suíços tem convergido ao longo dos anos. Os estatutos de ambos no circuito são, contudo, diferentes. Pode dizer-se que são como que o parente rico e o parente pobre do ténis suíço.

Os dois vão defrontar-se pela 26ª vez, e apesar da história estar a favor de Federer – 22 vitórias contra 3 derrotas – a verdade é que na terra batida de Paris, Wawrinka tem uma palavra a dizer. Aliás, talvez por quase sempre ter vivido na sombra de Federer, Wawrinka parece sempre ter uma palavra a dizer. Sobretudo em Roland Garros, onde já ergueu o troféu, em 2016.

O espírito combativo, mentalidade, capacidade de trabalho, aliado ao seu talento, fazem de Wawrinka um caso especial no ténis. Passou a carreira a ver Federer, Nadal e Djokovic, dominarem o circuito, evoluiu e conseguiu vencer 3 Grand Slams.

Aos 34 anos é 28º do mundo, mas já foi número 3. A terra batida é o seu piso preferencial, ao contrário de Federer, que abdicou da temporada de terra batida nos últimos anos.

Talvez pelo seu jogo mais físico, Wawrinka tem sofrido muito com lesões, que o afastaram de sua melhor forma. O seu último de 16 títulos foi em Genebra, em 2017.

De então para cá, entre lesões e operações, Wawrinka tem estado longe do seu melhor. Mas na terra batida, é sempre um gigante a ter em conta. Sobretudo em Paris.

O jogador dos grandes momentos

Que o diga Stefanos Tsitsipas. O grego, um dos candidatos à vitória em Roland Garros, caiu nos oitavos de final. Num jogo épico, de 5 horas de duração, Wawrinka fechou com 7-6, 5-7, 6-4, 3-6, e 8-6. Stan regressa aos quartos de final de Paris, dois anos depois e não por acaso. Stan mostrou que o seu talento experiência continuam lá. E é preciso contar com ele. Contra Tsitsipas salvou 22 pontos de break e não desperdiçou nenhum.

Antes de eliminar Tsitsipas, Wawrinka deixou para trás Grigor Dimitrov (7-6, 7-6, 7-6). “Na terra batida ele tem sido mais perigoso do que em qualquer outra superfície”, admitiu Federer, que espera “que não esteja ao nível de 2015”. Regressado à competição, Roger Federer deixou para trás Leonard Mayer (6-2, 6-3 e 6-3) e Casper Ruud (6-3, 6-1 e 7-6).

Quem também já está nos quartos de final é Rafa Nadal. O espanhol, o maior campeão de Roland Garros, não teve dificuldades em deixar para trás, David Goffin (6-1, 6-3, 4-6 e 6-3) e Juan Ignacio Londero (6-2, 6-3 e 6-3). O maiorquino vai defrontar o vencedor entre Kei Nishikori e Benoit Paire. O jogo foi interrompido por falta de luz com o resultado em 6-2, 6-7 e 6-2 a favor do japonês.

nadal-1.jpg?fit=1000%2C667&ssl=1
André Dias PereiraMaio 27, 20193min0

Arrancou este domingo Roland Garros, o Grand Slam da terra batida. Todos anos, desde que Nadal é profissional, a grande pergunta é se existe alguém que possa travar o espanhol. E não é por menos. Desde 2005 só por três ocasiões o maiorquino não ganhou o torneio dos mosqueteiros. Em 2009, ganhou Federer, em 2015, Wawrinka e 2016, Novak Djokovic.

Para se ter ideia do peso que torneio tem na carreira de Nadal, dos 17 Grand Slam conquistados – apenas superados pelos 20 de Roger Federer – 11 foram em Paris. Só que agora, com 32 anos, e muitas lesões em cima, será menos favorito?

Nem tanto. A bolsa de apostas continua a acredita que Nadal é o principal candidato à vitória, seguido de Djokovic e Thiem.

O certo, contudo, é que os resultados de Rafa este ano estão longe do que outrora foram. Pela primeira vez na sua carreira, chegou ao mês de Maio sem títulos. O seu domínio em Monte Carlo e Madrid foi quebrado precisamente por Dominic Thiem e Novak Djokovic. Só que em Roma, Nadal surgiu de forma imperial. Com direito a ‘pneu’ na final sobre Djokovic. Aliás, em quatro dos cinco jogos disputados, aplicou ‘pneu’ aos adeversários.

Novak Djokovic, Dominic Thiem, Alexander Zverev e Roger Federer são os desafiantes ao trono do rei Nadal. O número um do mundo, vencedor em 2016, surge em Paris com o título de Madrid no bolso e pretende conquistar o quarto Major consecutivo, fazendo o seu segundo carrear Grand Slam.

Dominic Thiem é também visto como um rival à altura do espanhol. A terra batida é o seu piso preferencial e na temporada passada jogou uma partida épica com Nadal nos quartos de final, onde acabou batido. Já este ano, em Monte Carlo, o austríaco levou a melhor sobre o espanhol nas meias finais. E, conforme disse o próprio Nadal, “Thiem é favorito ao título em qualquer torneio de terra batida”.

O regresso de Federer

Mais improvável é a vitória de Alexader Zverev. O alemão costuma falhar nos grandes torneios, embora a terra batida seja o seu piso mais forte. O ano passado atingiu os quartos de final, o seu melhor registo em Major. Só que este ano, Zverev, que venceu o torneio de Genebra, parece numa crise de resultados. Em Roma foi afastado por Matteo Berrettini na segunda ronda.

Três anos e 11 meses depois, Roger Federer regressa a Roland Garros. Recode-se que o torneio francês foi o primeiro Major que o suíço jogou há já 20 anos. Há 10 venceu o seu único torneio de Roland Garros. Mas não se pense que o suíço é mais limitado na terra batida, apesar de ter essa fama. Ao longo da carreira conquistou nada menos do 20 troféus neste tipo de piso. Neste regresso, contudo, parece correr por fora no que diz respeito a favoritismo. Porque, de facto, há jogadores mais fortes que ele na terra batida e porque, aos 37 anos, parece já ter dificuldades em levar a melhor sobre os seus maiores rivais.

Ao longo dos anos, Federer acumulou cinco derrotas para Rafael Nadal, além de eliminações para Alex Corretja, Hicham Arazi, Luis Horna, Gustavo Kuerten, Novak Djokovic, Jo-Wilfried Tsonga e Ernests Gulbis.

Contudo, há um factor novo. Desta vez a ausência de expectativas e de pontos a defender, deixam Federer sem pressão para o torneio. E isso pode pesar a seu favor. Poderá surpreender?

djokovic-madrid-2019-trophy-ballkids.jpg?fit=1200%2C675&ssl=1
André Dias PereiraMaio 13, 20192min0

Novak Djokovic conquistou, este domingo, em Madrid, o seu segundo título do ano. Mas não foi um título qualquer. Porque o sérvio vinha de uma crise de resultados, porque conseguiu ganhar pela terceira vez no país do seu maior rival em terra batida, e, também, porque igualou Nadal com 33 vitórias em Masters 1000.

Para isso, Djokovic teve que vencer na final Stefanos Tsitsipas (6-3, 6-4). O grego, 20 anos de idade, atravessa um momento inegavelmente bom. Depois de vencer o Estoril Open, El Greco reiterou que também é preciso contar com ele na terra batida.

A melhor prova, talvez, tenha sido as meias-finais. Tsitsipas deixou para trás nada menos que o favorito Rafa Nadal (6-4, 2-6 e 6-3). Prossegue assim o jejum de vitórias do espanhol na terra batida. Em Monte Carlo e Barcelona, o maiorquino também caiu nas meias-finais. Esta foi, de resto, a 70ª meia final de Nadal em um torneio Masters 1000.

Tsitsipas reconheceu ter sido uma das mais importantes vitórias da sua ainda curta carreira profissional. “Pode parecer estranho, mas prefiro defrontar Nadal na terra batida”, reconheceu o grego, que, no Australian Open, foi eliminado precisamente pelo espanhol.

Nos quartos de final de Madrid, Tsitsipas ultrapassou outro “master” da terra batida, Alexander Zverev (3-6, 6-4 e 6-4).

O adeus de Ferrer

Por seu lado, Djokovic também afastou Dominic Thiem nas meias-finais (7-6 e 6-4). O austríaco, igualmente um especialista na terra batida e vencedor em Monte Carlo, havia eliminado Roger Federer na eliminatória anterior (3-6, 7-6 e 6-4). Os quartos de final de Madrid, foram, aliás, um regalo para os apreciadores do ténis, juntando 5 vencedores de Major (Djokovic, Federer, Nadal, Cilic e Wawrinka) e três dos mais proeminentes tenistas mundiais (Tsitsipas, Thiem e Zverev). Aqui, destaque para a evolução de Stan Wawrinka. Está longe dos seus melhores tempos, mas parece, aos poucos, regressar a um nível alto. Nadal, contudo, acabou por levar a melhor sobre o suíço com naturalidade (6-1 e 6-2).

O Masters de Madrid também confirmou o final de carreira de David Ferrer. O espanhol, 37 anos, manteve uma carreira longa, sendo conhecido pela sua capacide física e mental. Alexander Zverev acabou por colocar o ponto final, ao vencer, na segunda eliminatória, por 6-4 e 6-1.


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS