Rugby Português “lá fora”: Jean de Sousa “gigante” nas alturas

Francisco IsaacDezembro 20, 20215min0

Rugby Português “lá fora”: Jean de Sousa “gigante” nas alturas

Francisco IsaacDezembro 20, 20215min0
O segunda-linha português conquista o último destaque do ano de 2021, e explicamos tudo neste artigo de acompanhamento aos atletas de rugby a jogar fora

Estamos prestes a entrar na pausa das festas de fim de ano, mas ainda há espaço para um último update sobre os jogadores portugueses a jogar rugby pela Europa fora, com o grande destaque desta semana a caber ao segunda-linha Jean de Sousa. Fica a saber as razões da nossa escolha e o que se passou com os outros atletas neste artigo!

O DESTAQUE DA SEMANA: JEAN DE SOUSA NAS ALTURAS PELO MONTAUBAN

Depois de três jornadas sem sentir o sabor das vitórias, em virtude de duas derrotas e um empate, o US Montallbanaise voltou a ganhar e Jean de Sousa alinhou os 80 minutos para ajudar o seu clube a garantir uma importante vitória na luta pelo playoff de subida, com uma exibição primorosa nas fases-estáticas, tendo dominado nas “alturas” com seis capturas de bola nos alinhamentos próprios e dois “roubos” nas introduções do adversário, sem deixar de ter tido uma prestação de franca qualidade na estratégia defensiva, coleccionando um total de 12 placagens e ainda um turnover.

Se no ataque a sua exibição foi mais modesta (serviu mais de apoio ao portador de bola e garante nos rucks em jogo aberto), foi no garantir da solidez dos processos, na construção de algum domínio nas e pelas fases-estáticas e no manter uma frescura física que capacitou o Montauban ter uma unidade constantemente móvel e pronta para o sacrifício, que o internacional português se destacou e acabou como um dos melhores em campo – duas estrelas no jornal Midi Olympique.

É uma das principais “caras” do pack de avançados do Montauban, sempre em busca de ser um problema no alinhamento adversário e de trazer alto impacto a cada nova placagem ou no suporte de ataque.

NOTÍCIAS DE OUTROS JOGADORES

Samuel Marques foi chamado a serviços na segunda-parte do Carcassonne-Nevers, com a sua entrada a ser decisiva na reviravolta dos jaunards pois estavam a perder por uma diferença de 15 pontos quando foram para o intervalo, acabando por fazer a reviravolta nos 40 minutos restantes, com duas assistências do formação, naquela que foi outra masterclass na saída dos rucks e pontapés tácticos do internacional luso.

O pilar Geoffrey Moise só actuou em 11 minutos da derrota esmagadora do Narbonne face ao Oyonnax, saindo por lesão, não existindo, para já, informação em relação à sua gravidade.

41 minutos para Francisco Fernandes, que acabou por ver a sua equipa a perder face ao Nevers, tendo o primeira-linha disputado uma boa batalha contra o tonganês Phil Kité, com o internacional luso a conseguir ganhar a frente em dois momentos, isto na formação-ordenada.

Simão Bento e Anthony Alves foram titulares na vitória do Stade Montois, com o emblema de Mont-de-Marsan a manter o 1º lugar na ProD2 pelo menos até Janeiro (são considerados “Campeões de Inverno”), com algumas notas bem positivas de ambos. O ex-Técnico Rugby cumpriu os 80 minutos na ponta esquerda, conseguindo fugir a três defesas e somar um total de 38 metros, realizando um momento tecnicamente delicioso que levantou aplausos das bancadas; já o pilar só saiu aos 68 minutos depois de ter conseguido vergar os seus homólogos do Colomiers na formação-ordenada, impondo ainda um apoio sempre certo no ruck – uma das suas “limpezas” abriu caminho para um turnover importante na primeira-parte – e uma defesa efectiva e dinâmica.

Choque de primeiras-linhas portugueses no Aubenas vs Dax Rugby, com Thibault Ferreira a levar a melhor sobre o seu compatriota Diogo Hasse Ferreira, tendo este último sido expulso temporariamente (minuto 53), mas que não trouxe problemas de maior na altura. No que toca a minutos e qualidade de prestações, o Thibault Ferreira começou como suplente e foi chamado à refrega quando o relógio apontava o minuto 53 cumprindo na maior parte das fases-estáticas, com duas boas entradas no contacto, enquanto o ex-GDS Cascais esteve dentro de campo até aos 66′, foi importante na formação-ordenada, mas acabou por sofrer com o somatório de erros do Dax a nível estratégico.

Luigi Dias voltou às convocatórias do Marmande e realizou um quarto-de-hora na conquista dos 4 pontos do seu clube, que dá um passo importante na Féderal 1, ficando só a 8 pontos do líder do seu grupo. 6 placages, 3 portagens de bola, um par de tacke-busts e duas excelentes saídas a partir de fases-estáticas foram os dados do 3ª linha luso.

O Bassin d’Arcachon de Lionel Campergue concedeu uma derrota problemática frente ao Chartres, estando cada vez mais longe da luta pela subida de divisão para a Nationale. O talonador cumpriu 54 minutos, só errou uma introdução de bola nas 8 arremessadas, não consentiu (grandes) erros na defesa, e manteve uma boa presença física quando o encontro caiu para a disputa mais fechada.

Segunda chamada como titular para José de Andrade ao serviço do Nottingham Rugby, com o 2ª linha português a ficar dentro de campo até ao apito final, com uma série de placagens de nível, boa presença nos alinhamentos e ainda uma portagem de bola competente, num jogo que acabou por terminar em derrota por 15-20.

José Conde voltou a começar de início pelo UE Santboiana, ajudando à sua equipa a garantir uma vitória estrondosa na recepção ao supercampeão VRAC, especialmente pelas duas penalidades conquistadas na formação-ordenada, realizando ainda três arranques em grande neste encontro para a Division de Honor.

Grande entrada de Francisco Galveias Henriques, conseguindo um ensaio, duas quebras-de-linha, três defesas fintados e dois pontapés captados no “ar” nos 22 minutos que jogou na derrota do Ciências Enerside na visita ao campo do El Salvador Silverstorm para a principal divisão de rugby em Espanha.

 


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter