Arquivo de Manuel Cardoso Pinto - Fair Play

00143-min-compressed-min-1-scaled.jpg?fit=1200%2C800&ssl=1
Francisco IsaacDezembro 21, 20214min0

Sem uma classificação de 15 ao 1, escolhemos 15 jogadores do rugby português que estiveram em evidência tanto na selecção nacional, Lusitanos ou nos seus clubes (em Portugal ou Europa), divididos em três partes, que vão desde os “mágicos”, os trabalhadores-natos, os “enforcers” ou os comandantes! Esta é a parte 2, e podes ler a parte 1 aqui.

SAMUEL MARQUES (CARCASSONNE/PORTUGAL)

Se tivéssemos de colocar uma numeração neste top-15 de melhores jogadores portugueses de 2021, certamente seria Samuel Marques em 1° lugar, não faltando motivos e razões para merecer esse destaque, e enumeramos aqui algumas: a visão de jogo, confiança injectados nos processos dos “lobos” e a capacidade para fazer a diferença em momentos decisivos, foram essenciais para a época de quase excelência de Portugal no Rugby Europe Championship 2021, tendo aí contribuído com 77 pontos, divididos por 1 ensaio, 21 conversões e 9 penalidades. Observando o desempenho pelo Carcassonne, o formação tem sido um dos principais elementos do histórico clube do sul de França, com os seus pontapés aos postes, assistências e lucidez estratégica a valerem vitórias e uma boa classificação quer na ProD2 anterior como na actual (já vai com 134 pontos), e não há dúvidas alguma que é dos principais atletas nacionais a conquistar atenção internacional.

RAFAELLE STORTI (TÉCNICO RUGBY/STADE FRANÇAIS/PORTUGAL)

Aguarda pacientemente a sua estreia pelo Stade Français, clube francês que o contratou após o ponta ter rubricado uma época ridiculamente estonteante pelos “Lobos”, onde marcou 7 ensaios, realizou uma assistência e somou 549 metros de conquista e 7 quebras-de-linha, confirmando aquilo que se esperava de uma das sensações de Portugal no Campeonato do Mundo “B” de sub-20 em 2019. Pelo Técnico foi uma das peças fulcrais de Kane Hancy e João Uva, ajudando os “engenheiros” a conquistar o título de campeão nacional quase ao fim de três décadas, compondo uma dupla de centros mortífera com Diogo Salgado, numa demonstração clara que a sua genialidade não fica só na ponta.

NUNO SOUSA GUEDES (CDUP/LUSITANOS/PORTUGAL)

Cuidado com o “fantasista” do CDUP, que num suspiro leve pode desencadear uma jogada de ensaio, elevando as suas equipas para um extraordinário nível no que concerne ao aparelho ofensivo, muito por conta dos seus skills individuais e pelo génio quase único para encontrar soluções e inventar momentos extraordinários. Nuno Sousa Guedes começou até como suplente no cenário internacional em 2021, rapidamente ganhando a titularidade após uma estupenda exibição contra a Roménia (três quebras-de-linha e oito defesas batidos), nunca mais largando este estatuto quer no contexto dos “Lobos” (1 ensaio e 3 assistências) ou Lusitanos (2 ensaios, 5 assistências e 63 pontos), sendo considerado um dos melhores jogadores da Super Cup desta temporada, recebendo rótulo de ilusionista, mágico e um problema sistemático para quem está do outro lado.

TOMÁS APPLETON (CDUL/LUSITANOS/PORTUGAL)

Como dissemos sobre José Lima, o capitão de Portugal e dos Lusitanos, compôs com o seu colega do Carcassonne uma parelha de centros sensacional pelos “Lobos” fazendo a diferença nos maiores palcos do Rugby Europe Championship, colhendo para si um protagonismo heroico e, em diversos momentos, decisivo no atingir de objectivos para este ano de 2021. Placagem dura e inteligente, já que consegue disponibilizar o adversário para os seus colegas de equipa caçarem a oval no chão, fel de luxo na condução da oval e uma visão de jogo que, num estalar de dedos, pode valer uma jogada de alto perigo para qualquer um dos emblemas que serve, Tomás Appleton encerra 2021 com todos os destaques possíveis, capitaneando e liderando por exemplo em todos os jogos.

MIKE TADJER (PERPIGNAN/PORTUGAL)

Infelizmente, o talonador não participará na temporada 2022 de Portugal, tudo devido a uma grave lesão sofrida neste Dezembro, o que deixará algum vazio na seleção nacional, apesar de termos Duarte Diniz, Loic Bournonville, Nuno Mascarenhas ou Lionel Campergue para disputar este lugar. Foi Mike Tadjer um dos melhores em 2021? Sem dúvida alguma, e explica-se pelos formidáveis desempenhos pelos “Lobos”, onde realizou 36 introduções no alinhamento em 42 tentativas, com ainda 1 ensaio e mais de quase três dezenas de placagens, impondo-se constantemente a cada nova formação-ordenada, pique ou aparição no XV nacional. Destaque ainda para a época competente ao serviço do Perpignan, tendo sido titular na maior parte dos jogos pelo emblema do País Basco francês.


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS