Rugby Português “lá fora”: Francisco Bessa em grande pelos blaugrana

Francisco IsaacNovembro 29, 20217min0

Rugby Português “lá fora”: Francisco Bessa em grande pelos blaugrana

Francisco IsaacNovembro 29, 20217min0
Exibição sólida de Francisco Bessa, que merece o destaque neste artigo de acompanhamento. Fica a saber os motivos e quem jogou neste fim-de-semana

Fim-de-semana em que a Nationale e Féderal 1 estiveram paradas, mas que vimos o retorno de Mike Tadjer, e mais uma série de jogadores ao serviço dos seus clubes no Top14 e ProD2, com o destaque a cair em Francisco Bessa, como contamos e explicamos neste artigo de acompanhamento aos atletas lusos a actuar fora-de-portas.

O DESTAQUE DA SEMANA: FRANCISCO BESSA, ENTRE A DEFESA DE IMPACTO E O ENSAIO DE ESTREIA

As últimas três semanas têm sido extremamente positivas para o centro português, Francisco Bessa, que depois de ter logrado a sua estreia oficial pelo seu novo clube, o FC Barcelona Rugby, conseguiu chegar ao seu primeiro ensaio à passagem desta 6ª jornada da Division de Honor de Espanha, num jogo em que brilhou muito para além desses 5 pontos marcados na visita ao campo do CR La Villa.

Alto impacto no contacto, inteligente na gestão da posse de bola (dois dos 6 ensaios da formação catalã tiveram participação decisiva do português), capacidade física sempre no timbre mais alto e uma confiança estonteante, foram só alguns dos pormenores que se puderam vislumbrar desta 4ª aparição de Francisco Bessa, antigo jogador da Académica de Coimbra e Benfica Rugby, pelo Barcelona, sendo que os números podem ajudar a perceber o quão excelente esteve Francisco Bessa: 56 metros de conquista, duas quebras-de-linha, dois defesas batidos, três tackle-busts, um ensaio, oito placagens efectivas (nenhuma falhada) com duas a serem dominantes, enquanto não realizou qualquer erro na conservação da posse de bola ou na missão defensiva, realizando uma das prestações de melhor qualidade no encontro do passado Domingo.

O papel do 3/4’s tem sido algo diferente daquele que desempenhou ao serviço do SL Benfica nas últimas temporadas, já que no Barcelona Rugby espera-se uma maior manobrabilidade na operação ofensiva, oferecendo outras soluções de ataque aos seus companheiros de equipa, invés de ser ele a ter de ir constantemente ao contacto para fixar uma fase ou fomentar uma situação de impacto. Para ficarmos a perceber um pouco mais do crescimento de Francisco Bessa em Espanha, falámos com o próprio,

Francisco Bessa, fim-de-semana em grande para o Barcelona que somou mais uma vitória, com participação directa tua. Foi o jogo que te sentiste mais confortável desde que chegaste a Espanha?

Senti me confortável tanto neste jogo como contra o Santboiana, a diferença é que neste jogo o nosso ataque saiu mais fluido e conseguimos divertir-nos mais com bola. Também ajuda o facto de estar cada vez mais entrosado com a equipa, agora que já tenho oportunidade de jogar a titular.

Qual tem sido o teu papel pelos blaugrana na posição de centro? E a alta competitividade pelo lugar tem te empurrado para evoluir ainda mais?

A nossa linha de 3/4s é muito forte. Temos médios muito competentes e um 3 de trás muito rápidos. A minha função é a de jogar como centro híbrido, actuando muitas vezes como manobrador mas também como penetrador. Penso que é o papel de um centro no rugby moderno. Sem dúvida! A competitividade força-me a estar sempre focado a 100% nos treinos e a dar sempre o meu máximo. Dando tudo nos treinos e treinando com jogadores mais experientes, os resultados acabam por surgir. Ainda assim, tenho muito para evoluir e muito para aprender no tempo que aqui estiver!

NOTÍCIAS DE OUTROS JOGADORES

Mike Tadjer fez parte de uma bela vitória do Perpignan na recepção ao Clermont, com o talonador a manter-se em campo até ao 62º minuto, conseguindo até esse momento garantir todas as suas seis introduções nos alinhamentos, considerando ainda nove placagens efectivas (uma dominante) e uma falhada, 15 metros de conquista de bola (apareceu bem junto à ponta), e ainda 2 penalidades cometidas (não saiu do eixo da bola no ruck por duas ocasiões), mantendo-se como o titular na equipa da Catalunha francesa.

O Carcassonne voltou a perder ao fim de 4 jornadas, no encontro frente ao Bayonne, com Samuel Marques a alinhar do início (saiu aos 53′ e voltou a entrar aos 73′ fruto de uma lesão forçada na sua equipa), e José Lima a entrar no arranque da 2ª parte. Ambos tiveram minimamente bem nesta visita a um dos seus rivais regionais franceses, com nota para a agressividade defensiva do formação, que tentou ser um bloqueio aos avanços dos seus adversários, tendo voltado a somar 9 pontos a partir dos seus pontapés; em relação a José Lima, foi fundamental a sua entrada no jogo, já que deu outra sagacidade e velocidade ao par de centros, surgindo bem em duas situações do ataque dos jaunards.

Titularidade em mais um jogo para José Madeira, que voltou a cumprir os 80 minutos ao serviço do FC Grenoble, com a equipa do 2ª linha português a conquistar 4 pontos frente ao Narbonne (Manuel Cardoso Pinto não foi convocado), que teve Geoffrey Moïse a entrar nos últimos 15 minutos do encontro. Olhando em especifico para a prestação do antigo jogador do Belenenses Rugby, José Madeira efectuou 12 placagens, garantiu um turnover, capturou 4 alinhamentos e ainda teve um par de situações ofensivas de qualidade, sempre a mostrar uma excelente categoria quando a oval foi ter às suas mãos.

Francisco Fernandes, Anthony Alves e Simão Bento – todos titulares – encontraram-se num dos jogos mais aguardados desta jornada da ProD2, e a vitória acabou por sorrir ao emblema do Stade Montois, que levou o Béziers-Herault de vencida por 32-22, com notas de destaque para os três: Simão Bento deu o toque mágico ao pé para o desenrolar do primeiro ensaio da sua equipa, tendo ainda conseguido duas quebras-de-linha, garantindo todas as recepções ao pé, o que levou a ser considerado um dos melhores em campo para o Midi Olympique; Anthony Alves fez o turnover que deu início à jogada do 2º ensaio do Stade Montois, conseguindo ainda somar 8 placagens efectivas (só uma falhada), e uma excelente prestação na formação-ordenada (arrancou uma penalidade nessa fase-estática, apesar de também ter concedido outra); e, por fim, Francisco Fernandes que foi “rei” na formação-ordenada dos da casa, com duas penalidades bem arrancadas na formação-ordenada, tendo lutado directamente contra Anthony Alves neste ponto;

Rui M. Freitas manteve a titularidade pelo Eemland, que recebeu o RC Diok (último campeão holandês oficial, já que a temporada passada a Ereklasse não terminou) e num encontro difícil, carregado de lama, chuva e frio, o defesa esteve bem nas suas competências individuais, apesar de ter sofrido uma derrota por 0-6. Tentou forçar bons momentos com a oval em seu poder, em que até arrancou uma quebra-de-linha, mas sem nunca se sentir um impacto decisivo, muito por culpa de todas as condicionantes deste encontro.

José Rebello de Andrade fez a sua estreia a titular pelo Nottingham, num encontro que acabou por ser penoso para o emblema defendido pelo 2ª linha ex-Agronomia Rugby, já que foram derrotados na casa dos Bedford Blues. O avançado desempenhou competentemente as suas funções nas fases-estáticas, aparecendo em uma ou outra situação, sem ter um jogo exuberante ou de impacto no ataque (raros foram os jogadores do Nottingham que o conseguiram, na verdade), com o seu trabalho defensivo a merecer destaque pelas 14 placagens aplicadas no decorrer desta derrota.

José Conde regressou à titularidade e somou 62 minutos na vitória do UE Santboiana frente ao super SilverStorm El Salvador, com o pilar ex-GDS Cascais a realizar um encontro de grande qualidade, especialmente nos piques, saídas junto ao alinhamento e apoio defensivo, merecendo uma nota amplamente positiva (dureza extrema em duas das sete placagens realizadas, forçando mesmo a perda de bola ao adversário numa ocasião).

Vasco Baptista foi um dos principais “aríetes” defensivos do Alcobendas, que foi até Madrid para derrotar o Cisneros por 36-13, com o asa a conseguir três placagens dominantes nas oito realizadas, um turnover e três boas solicitações de apoio atacante que deram outra profundidade ao emblema de Burgos.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter