Charles Leclerc regressa às vitórias no GP da Áustria

Nuno CanossaJulho 13, 20228min0

Charles Leclerc regressa às vitórias no GP da Áustria

Nuno CanossaJulho 13, 20228min0
Fim-de-semana bom para Charles Leclerc que conseguiu retornar ao 1º lugar do pódio, mas sem Sainz ao seu lado! Fica a saber o que se passou no GP da Áustria

No fim-de-semana que marcou o ponto médio da temporada da F1, o piloto da equipa da ‘casa’, Max Verstappen, viu o seu rival mais direto, Charles Leclerc, triunfar numa corrida em que a Ferrari esteve perto de alcançar a 2ª dobradinha da temporada (Bahrain). Entre mudanças em PU’s (power unit), tempos anulados por exceder limites da pista, despistes na Q3 e um monolugar em chamas, como se comportou cada um dos pilotos e equipas na qualificação, sprint e corrida deste GP da Áustria?

ALFA ROMEO

‘Foi um dia complicado para nós na qualificação’. Quem o afirmou foi o chefe da equipa, Frederic Vasseur, que viu os seus pilotos a não irem além de um 12º e 18ºs lugares no apuramento para a sprint de sábado. No entanto, o fim-de-semana já se adivinhava de sentida dificuldade para a equipa sediada na Suíça, uma vez que a mudança de PU no monolugar de Valteri Bottas o despromovera automaticamente para o fundo da grelha de domingo. Já Zhou Guanyu admite não ter sido fácil entrar em prova com um carro praticamente novo, após o acidente drástico em Silverstone, sem, no entanto, culpabilizar o mesmo pela sua performance menos bem conseguida.

No sábado, a Alfa Romeo optou por dividir a estratégia em macios (Bottas) e médios (Zhou), acabando por ganhar 2 e 4 posições, respectivamente – sem esquecer que Bottas acabaria por iniciar a corrida nas boxes.

Ainda assim, Bottas (11º) e Zhou (14º) não conseguiram trazer qualquer ponto da Áustria, com o finlandês a discutir até à última com Alonso pelo último lugar pontuável.

ALPHATAURI

Pierre Gasly foi certamente um dos destaques do fim-de-semana, mas não pelas melhores razões. Ora, na sexta-feira, Gasly acabou por ser o maior prejudicado da volta anulada de Sergio Pérez que o atirou para P13 na qualificação para a sprint de sábado. Caso o tempo de Checo tivesse sido eliminado antes do início da Q3, Gasly teria oportunidade de lutar por um outro lugar entre os 10 primeiros. Contudo, o automobilista francês afirmou sentir-se satisfeito com a performance do seu AT03, uma vez que a equipa ainda não fez as esperadas alterações ao mesmo.

No sábado, Gasly voltou a estar em destaque após uma colisão com Lewis Hamilton que atirou o piloto de P10 para P15. Na corrida, novo choque – desta feita com Sebastian Vettel -, que lhe valeu uma penalização. E se o fim-de-semana não correu bem ao francês, o mesmo se poderá dizer do piloto japonês Yuki Tsunoda que, sem ritmo e frustrado com os pneus, não foi além de P14, P17 e P16 durante os 3 dias. Desta forma, a AlphaTauri despede-se da Áustria com a entrega do 7º lugar no campeonato de construtores á Haas.

ALPINE

Que dizer do fim-de-semana de Esteban Ocon? Depois de conseguir atingir a Q3 e posicionar-se em 5º lugar para sábado, foi mesmo em P5 que terminou a corrida de domingo, tendo arrecadado os 1ºs pontos (3) de sempre da Alpine numa sprint e ascendendo ao 8º lugar no campeonato de pilotos.

E o cenário só não foi ainda mais animador para a Alpine, porque Alonso, devido a problemas elétricos no seu monolugar, não conseguiu arrancar na sprint de onde partiria em boa posição (P8). Consequentemente, e sabendo que iria partir do fundo da grelha, a equipa aproveitou a ocasião para alterar vários componentes no carro. Mesmo assim, Alonso arrecadou mais um pontinho para a sua conta pessoal e da equipa, num fim-de-semana em que tudo lhe correu menos bem.

ASTON MARTIN

Apesar de tudo, houve espírito de equipa. Vettel e Stroll viram ambos dos seus melhores tempos serem anulados atirando-os para o fundo da Q3. Vettel e Stroll foram ambos de macios para a sprint numa estratégia que não funcionou. Só faltou Stroll acompanhar o seu parceiro de equipa, quando este optou por abandonar a reunião de pilotos que lhe valeu uma multa de 25 mil euros. Sem conseguirem pontuar, a Aston Martin abandona terras austríacas sem boas recordações das mesmas.

FERRARI

A equipa italiana foi a grande vencedora do GP da Áustria de 2022 e, ainda assim, nem tudo correu bem. Após uma sexta-feira que deixou bons indicadores do ritmo e velocidade dos dois Ferrari, Leclerc e Sainz iniciaram a sprint em P2 e P3 e acabaram por lutar entre si pela oportunidade de não partirem atrás de Max Verstappen no domingo. Um duelo que, segundo ambos, foi divertido, mas nem beneficiou nem foi a causa de falharem o assalto ao 1º lugar do piloto da Red Bull na corrida de sábado.

No domingo, e após uma quase-inédita excelente estratégia da Ferrari, tudo apontava para a segunda dobradinha da época (Bahrain), quando o carro de Sainz começou a arder e o impediu de finalizar a corrida já nas últimas voltas da mesma. Pouco tempo depois, Leclerc reportou problemas no pedal do acelerador e dificuldades em abrandar, que permitiu a Max aproximar-se do monegasco, ainda que sem sucesso.

Leclerc voltou assim às vitórias – e conquista a 1ª sem sair de uma pole position -, conseguindo o 1º triunfo da Ferrari na Áustria desde 2003 e após uma corrida em que ultrapassou Verstappen em 3 ocasiões. Quanto a Sainz, foi a 4ª vez que não terminou uma corrida, afirmando-se frustrado por não conseguir um 1-2 que parecia inevitável.

HAAS

Senhoras e senhores, Mick Schumacher foi o Driver of the Day, protagonizou um duelo com Hamilton, já vai em 15º no campeonato de pilotos e ajudou a Haas a atingir o 7º posto no de construtores. Um bem-haja ao Magnussen pelos 6 pontos conseguidos na totalidade dos 3 dias, mas Silverstone e Red Bull Ring foram conquistadas por Mick.

MCLAREN

Se tivermos em conta como o fim-de-semana se iniciou para a Mclaren, Norris e Ricciardo terem terminado em P7 e P9 foi um resultado positivo. Desde logo, Lando teve uma alteração de PU no seu monolugar (regulamentada, portanto sem penalização) e reportou alguns problemas no motor e nos travões. Para além disso, foi claramente o mais penalizado pelas excedências dos limites da pista com várias voltas anuladas na Q2 que não o permitiram uma melhor classificação para a sprint e, depois, uma penalização de 5 segundos na corrida que o relegou de P6 para P7.
Quanto a Riccardo, ficou-se pela Q1 pela 1º vez na temporada, não foi além de P12 na sprint e acabou por beneficiar de algumas desistências na corrida conseguindo arrecadar 2 pontos.

Acima de tudo, o fim-de-semana da Mclaren parece ter ficado condenado pela péssima qualificação.

MERCEDES

Após um excelente início de qualificação com um ritmo que parecia ameaçar os Ferrari e Red Bull, Russel (curva 10) e Hamilton (curva 7) despistaram-se consecutivamente na Q3. Ainda assim, Toto Wolff assumiu preferir ‘um carro rápido e que tenha uma qualificação como esta, do que não ter velocidade para competir no top4’. Uma ideia complementada por Russell, que falou na melhor qualificação da equipa em termos de ritmo, mas a pior no que toca aos resultados.

Nas corridas, ficam marcados dois incidentes: o de Gasly com Hamilton no sábado que deixou o piloto britânico frustrado, falando de um ‘movimento desnecessário’; na corrida de domingo, em que Russell ‘empurra’ Perez para fora da corrida e é penalizado em 5 segundos.

Em todo o caso, foi um bom fim-de-semana para uma Mercedes cada vez mais competitiva, naquele que foi o 3º pódio consecutivo para Hamilton – o agora único piloto a finalizar todas as corridas nesta temporada e um de vários que teve o privilégio de conhecer a Dona Marília.

RED BULL

Não foi o melhor dos regressos a casa para a Red Bull, que perdeu novamente a corrida para um piloto da Ferrari. Mas se Max se pode queixar de uma má gestão de pneus e de falta de ritmo durante o fim-de-semana, a realidade é que P2 é melhor do que um DNF.

E não foram dias fáceis para Sergio Pérez. Depois de uma qualificação em que registou a 4ª melhor volta na Q3, mas partiu em 13º para a sprint, só mesmo o sábado o salvou com um 5º lugar a garantir 4 pontos para a equipa. No domingo, um incidente com Russel atirou-o para fora da corrida, com a equipa a decidir que, mesmo com condições, seria improvável conseguirem alcançar os pontos e, assim, desistindo da mesma.

Apesar de tudo, Christian Horner deixou o seu agradecimento aos adeptos, repudiando, no entanto, quem apupou os rivais – um cenário também assistido na última corrida, em Silverstone.

WILLIAMS

E porque o texto já vai longo e a Williams voltou a ter um fim-de-semana pouco vistoso (0 pts), destacar o regresso de Albon após a colisão de Silverstone, que afirma estar feliz com o trabalho da equipa na reconstrução do seu monolugar.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter