15 grandes Talentos do basquetebol feminino nacional (Parte I)

José AndradeAgosto 25, 20217min0

15 grandes Talentos do basquetebol feminino nacional (Parte I)

José AndradeAgosto 25, 20217min0
José Andrade escolhe 15 talentos em voga no basquetebol feminino português que merecem uma atenção especial. Descobre quem são neste artigo

Para esta semana “mato” saudades de escrever sobre o basquetebol feminino com um novo desafio, escolher e falar de grandes nomes até 23 anos a nível nacional, falando assim do presente e futuro da nossa bola laranja. Um desafio para este regresso e para começar, é preciso explicar alguns pontos: o escolher apenas 5 jogadoras. Bem optámos por este número porque a lista é muito extensa evitando cair em repetição de elogios isto porque algumas delas já foram muito elogiadas por mim ao longo da época (a partir do meu twitter pessoal). Por tudo isto, venha daí que neste texto e para a primeira parte vamos falar de jogadoras de que nos cativam, impressionam e que nos vão dar muitas alegrias.

Maria Lopes

Começamos pela Maria Lopes, uma extremo de imensa qualidade e potencial. Falamos de uma jogadora com formação no Benfica, que na última época esteve no Clube Basket de Queluz e que foi uma das jovens que marcou presença na seleção no Challenger sub20.

Não foi uma época fácil para a Maria Lopes, surgiram vários fatores extracompetição que não a ajudaram, que no meu caso só me fizeram ficar mais fã dela, mas a verdade é que mesmo sem ser a época perfeita e longe do que a própria desejava, ela conseguiu mostrar sempre bom basquetebol e pormenores de alto nível, isto porque é uma atleta que sabe ler muito bem o jogo, habilidosa, boa atiradora e não precisa de muito para ter um momento onde espalha classe e qualidade. Alia a qualidade individual com a resiliência e muito trabalho, dá garantias a todos os treinadores, independente da forma de jogar ou dos minutos.

Desde cedo que deu nas vistas e se percebeu que iria ser uma jogadora com muito futuro logo no arranque da carreira, e é um diamante que vai brilhar cada vez, com capacidade para chegar ao mais alto nível e de quem vamos ouvir falar imenso no futuro próximo.

Carolina Cruz

Carolina Cruz, poste do Quinta dos Lombos que também vem de estar presente do Challenger Sub20. No caso deste atleta falamos de uma poste moderna, alta, que tem habilidade e por isso mesmo a certa altura, na formação, jogou mesmo como base, habilidade essa que ela foi aprimorando e melhorando aos longos dos anos. É uma poste com grande capacidade para atirar, que tem melhorado no aspeto defensivo, mas com capacidade para dominar na luta das tabelas e garante mais à equipa do que postes mais “comuns”, muito visível isso no ataque, onde ela tem sempre um papel fundamental não só pela altura, mas por essa habilidade que a faz destacar-se.

A Carolina vai dar o salto para os Estados Unidos da América, pois vai se mudar para a universidade de Manhattan College. Nesta época teve médias por jogo de 8.0 pontos, 39.7% em lançamentos de campo, 25.0% na linha de três pontos, 67.8% na linha de lances livres, 4.5 ressaltos, 1.6 assistências e 1.4 roubos de bola. A Carolina Cruz já conseguiu dar o salto, é uma poste que domina e já dá muito às equipas e seleções, é uma certeza e sabemos que vai estar na elite do basquetebol.

Raquel Laneiro

Passamos para a Raquel Laneiro, a base do União Sportiva é uma das atletas que mais elogiei e de quem mais escrevi na última temporada, isto porque falamos de uma jogadora acima da média, que aos 20 anos demonstra a maturidade de uma atleta com o dobro da idade. A Raquel destaca-se na criatividade, na combatividade, no lançamento exterior, no passe, na leitura de jogo e na luta, isto porque além das qualidades técnicas que ficam à vista a cada momento de jogo, a base também se evidencia por nunca desistir de nenhuma bola e por mesmo condicionada fisicamente nunca deixar de ir atrás de todas as bolas.

É uma atiradora e passadora de elite, foi a terceira melhor na linha de três pontos com 42% nesta época que terminou, mas falamos de uma jogadora que liderou o União Sportiva à final da última edição da Liga Skoiy e que mesmo com problemas físicos que se foram intensificando com o decorrer da temporada, ela terminou com médias de 10.1 pontos, com 34% de lançamentos de campo, os 42% da linha de três pontos e 83% na linha de lances livres, depois foi ainda a terceira melhor em relação às assistências, 3.8 apenas atrás de Joana Soeiro e Carolina Bernardeco respetivamente.

A Raquel Laneiro é já uma figura do nosso basquetebol, uma das estrelas a nível nacional e estaremos a falar de uma jogadora que vai levar o basquetebol português ao mais alto nível. Da jovem promessa que brilhava no Grupo Desportivo Escola Maria Alberta Menéres (GDEMAM) até ao topo do basquetebol mundial.

Susana Carvalheira

Altura de analisarmos Susana Carvalheira que não é apenas uma poste, pois é das melhores nessa posição da Liga Skoiy e uma das melhores portuguesas, carregada de muita qualidade e que já vai mostrando que tem lugar entre a nata das jogadoras nessa posição. A Susana tem vindo a evoluir muito de época para época, uma jogadora que alia a qualidade individual ao muito trabalho e compromisso. É uma eximia defensora, domina na luta das tabelas, é um “monstro” nos ressaltos, mas além disso é uma atleta que dá garantias ofensivas e não se limita a brilhar na defesa. Poste que apesar da altura e do poderio, consegue trabalhar muito bem, tem um bom passe e habilidade, sendo aquela unidade que todas as equipas procuram, principalmente pelo lado defensivo onde se apresenta é de um nível altíssimo.

De Braga, onde começou cedo a evidenciar-se, passando pela presença num dos momentos mais históricos do basquetebol português, quando se conseguiu o terceiro lugar nas Universíadas de Nápoles em 2019, o primeiro pódio de sempre da seleção nacional numa competição mundial, até ao Vagos, equipa onde a Susana se assume como uma das estrelas da Liga Skoiy onde mostra a cada jogo como já é uma poste para grandes ligas. Médias de 8.2 pontos, 6.6 ressaltos, 1.9 assistências e 0.9 roubos de bola por jogo. Falamos de mais um enorme talento, que também tem tudo para chegar ao topo do basquetebol internacional.

Carolina Rodrigues

Para o fim da nossa lista nesta primeira parte, vamos a uma das melhores jogadoras portuguesas, uma base que não é necessário muito para cativar quem a vê jogar e é, claramente, jogadora de equipa grande, com uma qualidade acima da média, destacando-se por ser uma jogadora com uma grande capacidade de pontuar. Contudo, Carolina Rodrigues vai bem além disso, pois é uma jogadora com um QI basquetebolístico muito elevado que dá muito à equipa, que passa como poucas, com uma excelente eficácia de arremesso, sendo uma das jogadoras mais completas do basquetebol português, que rende no ataque e que ajuda na defesa.

Sempre muito empenhada, deu um salto atrás para jogar na SIMECQ, não conseguiram a subida para a Liga Skoiy, mas a atleta mostrou mais uma vez toda a sua qualidade, demonstrando como tem evoluído como jogadora e provou mesmo fora da Liga Skoiy que é jogadora de seleção e é um dos maiores nomes do basquetebol nacional. Carolina Rodrigues terminou esta época de 2020/2021 com 45% de lançamentos de campo, números que comprovam bem como ela se destacou mesmo numa temporada atípica e complicada.

Jogadora que em todas as realidades, em todas as equipas, em todas as formas de jogar, provou e mostrou a sua qualidade e capacidade de brilhar. É sempre um destaque e sempre uma das figuras da época independente de onde jogue. Como disse, é já jogadora de equipa grande, mas além disso é mais uma da nossa lista que tem qualidade, potencial e tudo para chegar ao topo do basquetebol.

Para esta semana escrevi sobre alguns dos enormes talentos nacionais, primeira lista de estrelas do basquetebol português que aqui vamos trazer e por isso esperamos que tenham gostado e que não percam os próximos capítulos.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter