A Seleção Sub-18 feminina e o sonho realista para o europeu de Sofia

José AndradeJulho 27, 20227min0

A Seleção Sub-18 feminina e o sonho realista para o europeu de Sofia

José AndradeJulho 27, 20227min0

Em contagem decrescente para o Campeonato da Europa em Sofia que decorre de 30 de julho a 7 de agosto, falamos dos últimos jogos de preparação da seleção sub-18 feminina e olhamos para o que podemos esperar nesta grande competição.

Portugal vs Irlanda: Vencer sem deixar dúvidas

Em Carnide, a seleção feminina sub-18 começou por defrontar a Irlanda vencendo os dois duelos de forma confortável. No primeiro encontro triunfo por 95-30 e no segundo por 79-36. Foram dois jogos onde Portugal foi superior e não deixou margem para dúvidas, estando sempre na frente e sem dar qualquer tipo de hipótese aos seus adversários. A defesa irlandesa nunca conseguiu suster o ímpeto do ataque luso e a defesa portuguesa anulou sempre as investidas visitantes. Estes dois duelos foram importantes para se ver mais de algumas jogadoras como Fatumata Djaló ou Matilde Pereira e para que ficasse evidente a progressão na qualidade de jogo da seleção nacional. Triunfos esclarecedores, que impressionaram e que estabeleceram já o nível onde a seleção sub-18 feminina está ou seja estas vitórias deixaram bem evidente que as portuguesas são das melhores da Divisão B.

Portugal vs Bélgica: Prontas para ir encantar na Bulgária

Nos duelos com a Bélgica foi tudo diferente, como esperado as dificuldades foram maiores e por isso mesmo os resultados. No primeiro jogo as comandadas de Agostinho Pinto triunfaram por 69-57 e no segundo as belgas levaram a melhor por 70-68. Depois de dois triunfos esclarecedores, Portugal sentiu mais problemas com a seleção Belga, como era previsível, pois foram os detalhes a fazer toda a diferença perante uma das seleções europeias mais fortes. No primeiro jogo e mesmo com muito equilíbrio, as lusas estiveram sempre por cima, conseguiram mostrar a sua qualidade de jogo, a boa circulação de bola e a pressão ajudou a que as belgas nunca conseguissem ter nenhum período ascendente.

No segundo duelo foi bem distinto, o ataque luso já sofreu mais perante a pressão intensa das belgas, além de que no primeiro jogo o tiro exterior tinha aparecido e neste devido à defesa adversária isso não se sucedeu. Foram dois duelos bem importantes para terminar a preparação, permitiram ver que tínhamos que fazer ajustes para defender seleções como as belgas onde as jogadoras tem facilidade de tiro e principalmente no segundo duelo isso fez a diferença. O ataque luso mesmo com mais problemas no segundo duelo mostrou sempre qualidade, mobilidade e muita técnica que criou dificuldades as belgas.

Neste último jogo a grande questão foi o cansaço notório e a defesa, os ajustes não resultaram e não se conseguiu anular o ataque adversário que fosse na procura pelas postes ou na maior circulação na busca por uma linha de passe para uma atiradora conseguiu sempre pontuar, mas as ilações destes jogos em Carnide foram muito boas, o ataque foi mesmo o maior destaque e saímos destes duelos com a certeza que vamos ter uma prestação lusa de alto nível em Sofia.

As escolhas para o Campeonato da Europa

Estas foram as escolhidas para representar Portugal. Vamos com a certeza de que podemos sonhar, é possível conseguir algo deste Europeu, a qualidade desta seleção permite pensar em lugares de topo. Nas escolhas, Inês Bettencourt, Gabriela Falcão, Laura Silva, Ana Pinheiro e Andrea Chiquemba assumem-se como jogadoras que podem vir a estar entre os destaques deste Campeonato da Europa. Mencionar ainda Matilde Pereira, Marta Roseiro e Cristina Freitas que vão ser os “jokers” desta seleção sub18 feminina, jogadoras que vão crescer com a competição e podem ser as sixth women’s do Europeu e também elas grandes destaques em Sofia.

Um olhar para as “rivais” neste Europeu

No Campeonato da Europa, Portugal vai estar no Grupo A da Divisão B onde vai enfrentar as seleções da Croácia, do Luxemburgo, da Macedónia do Norte e da Grã-Bretanha. O primeiro jogo é dia 30 frenta à Macedónia do Norte pelas 14h00, no dia seguinte a equipa das quinas defronta a Croácia pelas 14h15. O terceiro jogo é no dia 2 de agosto pelas 14h15 frente ao Luxemburgo e no dia seguinte o último jogo da fase de grupos frente à Grã-Bretanha pelas 14h00.

Olhando para cada uma das seleções, a Croácia será uma das adversárias mais fortes com a estatura a ser um dos pontos em evidência, mas não só, pois este conjunto possui jogadoras de qualidade e onde muitas delas já jogam ao mais alto nível. Destaque para Lucija Banovic, uma extremo que foi destaque nas sub16 e que vem de ser uma peça fundamental no Tresnjevka, quartas classificadas da fase regular na liga croata. Lucija é um dos maiores talentos de 2004, uma jogadora que domina nas tabelas, muito móvel e que tem facilidade para pontuar, um verdadeiro talento geracional e que vai ser uma dor de cabeça para as portuguesas. Depois destacar ainda Franka Cuklin uma poste e Lana Beslic base, duas jogadoras que também já tem andamento de primeira liga croata. Cuklin é uma poste com bom footwork e Beslic é uma base criadora que se destaca mais pela visão e qualidade de passe, mas a Croácia será um osso duro de roer.

Passando para as luxemburguesas, uma seleção que chega com menos créditos, mas que nem por isso deve ser desvalorizada. A qualidade técnica não é tanta, mas existe, o maior destaque individual desta seleção: Faith Etute, uma extremo muito forte fisicamente e que mesmo sendo muito jovem foi uma das peças mais utilizadas do Dudelange equipa campeã luxemburguesa e que vai defrontar o Benfica na fase de grupos da Eurocup. Etute foi a jogadora em maior evidência no Europeu sub-16 e chega aqui depois de uma ótima temporada onde mostrou evolução, é uma jogadora poderosa fisicamente, que se impõem nas tabelas e que consegue surgir nos dois lados do campo.

Mudando para a Macedónia do Norte, é a seleção com a média de altura mais elevada deste grupo, jogadoras altas e com alta capacidade física, não tem a capacidade técnica de Portugal, mas tem algumas atletas que se destacam tais como, Anastasija Todorova uma base que foi um dos destaques nas sub16 em 2021, será a responsável pelo ataque e pela criatividade. Todorova é uma base muito móvel e com técnica. Depois nas outras atletas que se podem evidenciar: Mihaela Aleksovska uma base versátil, isto porque falamos de uma jogadora muito completa porque tem um naipe de recursos técnicos que a colocam em evidência sempre, mas também porque defende bem, sendo intensa e agressiva, depois é uma jogadora que atira bem e tem facilidade de lançamento. Por fim, Marija Nikolov que foi quem mais se destacou nesta seleção nas sub16 e que vem de uma ótima temporada ao serviço das KAM Basket vice-campeãs na Macedónia do Norte, mas falamos aqui de uma jogadora de posição 4, com bastante mobilidade e que técnica.

Na última seleção, a Grã-Bretanha é um conjunto com muitas soluções, talvez das com mais profundidade na competição, e também com jogadoras de recursos técnicos e com capacidade e estatura para a luta das tabelas. Nos destaques individuais temos, Isobel Bunyan uma extremo com capacidade física e ainda Natalie Charity uma base que esteve em bom plano no Nottingham Wildcats e que garante bastante qualidade de passe, além de ser a jogadora que vai assumir a responsabilidade de “criar” no ataque e que se destaca pelo 1×1. Seleção que não tem uma super estrela, mas que tem profundidade e muitas soluções, podendo mesmo surpreender em vários momentos pelas apostas sendo ainda um conjunto homógeneo e que que tem ai mesmo a sua maior força.

A Seleção sub-18 feminina vai para a Sofia com possibilidades de subir à Divisão A e de ainda conseguir algo mais, esta seleção permite-nos sonhar muito, nada é irrealista porque a nossa seleção joga muito bem, tem algumas das melhores jogadoras que vão estar presentes e é uma dos conjuntos mais fortes, o sonho é real e possível.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter