Liga NOS e o regresso: os candidatos, os que estão em risco e quem ver!

Fair PlayMaio 30, 20209min0

Liga NOS e o regresso: os candidatos, os que estão em risco e quem ver!

Fair PlayMaio 30, 20209min0
O futebol português está de volta (parte dele) e é altura de perceber o que mudou nestes três meses! A Liga NOS reanalisada ao pormenor aqui no Fair Play

Artigo por Rui Mesquita, José Nuno Queirós e Francisco Isaac

A Liga NOS está de volta (ou quase) e vamos ter umas últimas 9 jornadas “loucas” pela frente que vai desafiar os clubes a mostrar o seu melhor para atingirem os objectivos de época. Num momento particularmente complicado para todos, a principal liga de futebol profissional em Portugal regressa por força de manter activa uma estrutura económica importante nacional, que alberga uma grande número de profissionais que vai bem para além dos jogadores e treinadores, ao contrário do que alguns poderão pensar.

Essencialmente, percebem-se as dúvidas para um retorno em Junho mas perante as recomendações da OMS e dos especialistas que têm trabalhado com a DGS em permanentemente contacto, porquê negar o regresso de uma das competições desportivas mais importantes em Portugal? O risco de lesões vai aumentar, mas é o mesmo de um início de época ou de épocas sem interrupção, para além de garantir que os jogadores de futebol – e é preciso olhar para a vida fora dos “maiores” – e outros profissionais associados à prática possam retomar os seus ordenados e vida socio-económica fundamental para a sustentabilidade individual e colectiva.

Sem saber se todos vão ter direito a ver todos, parte ou alguns dos jogos – como discutimos no nosso podcast do Futebol à Portuguesa -, a verdade é que o futebol vai rolar em Portugal e o Rui Mesquita, José Nuno Queirós e Francisco Isaac explicam o que tens de ter mais em atenção para o que falta jogar.

PORTO E BENFICA… QUEM VAI ENTRAR E SAIR MELHOR DESTA “PAUSA”?

Desde a paragem da Liga NOS, pouca coisa mudou no que diz respeito à luta pelo título. Os candidatos são os mesmo (FC Porto e SL Benfica), a diferença pontual e a mesma (1 ponto a favor do FC Porto) e, na verdade, o principal favorito continua a ser o mesmo: o FC Porto. Com a neutralidade a ser a nossa grande preocupação, nada mais objetivo do que confirmar isso perante os melhores site de apostas para a Wincomparator. Referência ainda mais objetivo por analisar casas de apostas internacionais e por isso, completamente fora de qualquer poder de influência.

Explicar este favoritismo (também partilhado pelo Fair Play, claro) é simples. Há 1 ponto de vantagem, há vantagem no confronto direto e um calendário equilibrado com o grande rival de Lisboa. Os jogos mais complicados para os dragões (esquecendo a última jornada, já lá vamos) são em casa do Famalicão e no Dragão com o Sporting CP. Já o Benfica vai também a Famalicão e joga ainda com Vitória SC e Rio Ave.

A última jornada tem um SC Braga vs FC Porto e um SL Benfica vs Sporting CP. A decisão pode mesmo ser adiada para esta jornada e teremos dois jogos quentes para decidir o título. Ainda assim é importante analisar de que forma os dois candidatos chegam a este regresso e de que forma a paragem pode ter afetado as duas equipas.

O Porto parece ter sido mais prejudicado pela pausa. O momento de forma dos azuis e brancos era melhor (3 vitórias e 1 empate desde a vitória no Clássico) do que o dos encarnados (1 vitória, 2 empates e 1 derrota). O plantel estava coeso e, apesar de o futebol praticado ser pior do que os resultados, estavam no caminho certo para a conquista do título. Agora, Sérgio Conceição perdeu Marcano para o resto da época e perde algum momento de forma de alguns jogadores.

O Benfica pode sair beneficiado pela pausa. Apesar de partir atrás na corrida, a pausa pode ajudar no forcing final de ataque ao título. Bruno Lage terá Gabriel de volta (peça importante do meio-campo encarnado) e um recomeçar da corrida deixando para trás um momento de forma francamente mau.

Esta pausa parece ter aproximado os dois candidatos e Porto pode ter perdido algum favoritismo, mas o ponto de vantagem faz dos Dragões os claros favoritos. Apesar disso, o recomeço do campeonato parece-nos ser altamente imprevisível e, como antes, qualquer um dos dois pode levantar a taça (e a Taça) no fim.

A CAÍDA PARA A SEGUNDA LIGA A EVITAR POR QUEM?

Não é só o topo da tabela que está por definir no campeonato. Como é hábito é mais para baixo que encontramos a disputa mais alargada do campeonato: a da permanência.

Com o Desportivo das Aves praticamente sentenciado no último lugar a 9 pontos do 16º classificado e com a perda do melhor marcador e do guarda-redes devido a problemas financeiros, a luta parece que se vai resumir este ano a 5 equipas.

Começando por baixo temos um Portimonense aflito já a 6 pontos da salvação. Com um plantel recheado de qualidade individual não deixa de ser estranho que a equipa algarvia tenha caído para lugares tão baixos, mas ao mesmo tempo é essa qualidade que faz acreditar os adeptos que a manutenção é possível.

Logo acima está o Paços de Ferreira com 22 pontos e uma recuperação bastante interessante com a entrada de Pepa e com as contratações do mercado de inverno com destaque para Eustáquio e Marcelo.

Acima dos pacenses temos 3 equipas separadas por apenas 2 pontos: Marítmo, Tondela e Belenenses SAD.

A equipa da Madeira conseguiu garantir a vantagem de jogar em casa os restantes jogos da Liga NOS, mas isso pode não ser suficiente. Com uma vantagem algo confortável o Marítimo já não se livra de ser uma das desilusões da época, mas ainda pode cumprir o objetivo mínimo e ficar com os rivais nacionalistas na primeira no próximo ano.

Tondela e Belenenses SAD são as equipas que faltam e que já muito dificilmente vão descer pois tem 9 e 10 pontos à maior, mas ainda assim tiveram que suar bastante para fugir aos lugares de baixo com o Belenenses a apostar em Petit como salvador da equipa que piorou bastante em relação à época passada. Já os tondelenses apostaram na estabilidade e acabam com uma das épocas mais tranquilas, ainda que perto da descida.

Neste momento parece que o Aves está apenas à espera da confirmação oficial ao passo que para o Portimonense será muito difícil escapar ao buraco que ele criou devendo estas duas equipas descer mesmo no final do ano.

O FLUSH DE JOGADORES QUE PODEM DECIDIR JOGOS

Ao contrário do que a maioria das pessoas gosta de postular nestes tempos mais conturbados, pouco ou nada vai mudar neste tema dos jogadores-decisivos da Liga NOS 2019/2020. Na nossa opinião, entre as duas dezenas de jogadores que merecem o factor estrela, escolhemos um flush que vai ter impacto directo em qualquer uma das suas equipas.

O primeiro nome é o de Pizzi, o médio do SL Benfica que insiste em ser o pêndulo fundamental da capacidade ofensiva das águias e na transição de jogo, sendo um dos nomes fundamentais do elenco treinador por Bruno Lage, como se prova pelos 26 golos e 13 assistências registadas até ao momento da paragem em Março. A facilidade com que Pizzi se movimenta com a bola nos pés (bem colada) tem valido segurança e equilíbrio à estrutura de jogo dos encarnados, para além de surgir sempre nos momentos capitais dos últimos 7 anos e não parece que esse cenário vá mudar nos próximos tempos, especialmente neste re-arranque da temporada.

Na cidade do Porto mora o melhor lateral de todo o campeonato e um dos jogadores mais influentes do plano estratégico de Sérgio Conceição: Alex Telles. O internacional canarinho tem sido constantemente uma peça-chave no dar profundidade ao corredor esquerdo dos azuis-e-brancos, oferecendo uma “agressividade” intensa à manobra ofensiva somando-se ainda a capacidade em colocar a bola com excelência na zona de perigo, algo que cria constantes problemas às equipas contrárias. Com 9 jogos ainda para se jogar, o lateral-esquerdo vai ser decisivo na luta pelo título que o FC Porto para já está com 1 ponto à frente do 2º lugar.

Com já viagem comprada para Barcelona no final da época, Francisco Trincão tem mostrado uma irreverência apaixonante pelo SC Braga nesta temporada, especialmente a partir de Janeiro deste ano… em 13 jogos foi responsável por 6 golos e 3 assistências, mostrando toda aquele virtuosismo que começou a despertar atenções em 2018. Dotado tecnicamente, ágil de movimentos e com um génio próprio desta nova geração de jogadores portugueses, Francisco Trincão terá de manter o mesmo nível para guiar os bracarenses na luta pelo pódio, apesar da saída de Rúben Amorim para o Sporting CP.

Por falar em médios virtuosos, João Carlos Teixeira parece ter finalmente “acordado” esta época, pincelando o ataque do Vitória Sport Clube com aquela genialidade que sempre lhe foi reconhecida, mostrando-se mais “adulto” e capaz de manobrar melhor os momentos de gestão de bola e de congelar o ritmo. Parecia ter começado a temporada no banco de suplentes, mas ao fim de poucos minutos de jogo foi atirado para a titularidade ocupando com elegância o lugar de médio criativo, postulando um excelente entendimento com André André e Pêpê que tem resultado num futebol francamente interessante para os lados de Guimarães.

A última cartada do nosso flush vai para o super-reforço do Rio Ave de 2019, Mehdi Taremi. O internacional iraniano aceitou aventurar-se pelo futebol português e os vilacondenses bem podem agradecer tal decisão, já que o ponta-de-lança já completou mais de uma dezena de golos nesta sua primeira época na Europa, podendo subir o número nestas últimas jornadas da Liga NOS. A fisicalidade que aplica nos duelos na área, a capacidade de carregar a bola de fora no último terço do terreno e os particularismos técnicos, fazem de Taremi um dos avançados mais desafiantes desta edição do campeonato português e decididamente um “ás” no pensamento estratégico de Carlos Carvalhal.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter