Convocação de Tite denota a carência de defesas direitos no Brasil

João Pedro SundfeldOutubro 10, 20205min0

Convocação de Tite denota a carência de defesas direitos no Brasil

João Pedro SundfeldOutubro 10, 20205min0
Gabriel Menino é uma das maiores promessas do futebol brasileiro. Mesmo atuando como médio central no Palmeiras, o jogador foi convocado para a seleção brasileira como defesa direito, facto que evidencia a carência de atletas para a posição

No dia 18 de setembro, Tite, o treinador da seleção brasileira, apresentou a sua convocatória para as partidas contra a Bolívia e o Peru, válidas pelas eliminatórias da Copa do Mundo de 2022. Dentre os jogadores chamados pelo técnico, alguns são figuras presentes em suas convocações anteriores, mas outros foram gratas surpresas. Destes, o médio central Gabriel Menino destacou-se por ser convocado como defesa direito.

Gabriel Menino é um jovem talento do futebol brasileiro. Com 19 anos, o atleta iniciou sua carreira profissional no Palmeiras, sendo uma das peças chave do planejamento alviverde para 2020, que optou por fazer poucas contratações e lapidar talentos formados na Academia de Futebol. O jogador fez sua primeira partida pelo Verdão no dia 15 de janeiro, contra o Atlético Nacional pela Florida Cup, e foi muito elogiado por sua qualidade e personalidade. Com isso, ele, aos poucos, se tornou titular e incontestável no meio campo da equipa. Além disso, o atleta demonstrou uma qualidade que o difere dos demais: a polivalência, pois, mesmo sendo um médio de origem, fez grandes partidas como defesa direito durante a temporada. Essas boas atuações renderam-lhe a sua primeira convocação à seleção canarinha, algo que, por mais que merecido, deixa evidente a falta de opções do país para a posição.

Menino teve boas atuações pela seleção Sub-20 e, agora, ganha uma chance na principal ( Foto: Fernando Torres / CBF)

A seleção brasileira contou, ao longo de sua história, com grandes platéis, facto que resultou em cinco títulos mundiais e inúmeras campanhas inesquecíveis (como as de 1950 e a de 1982). A posição de defesa direito, com isso, sempre foi ocupada por um jogador de nível internacional. Nas campanhas de 1958 e 1962, o Brasil tinha Djalma Santos (um dos melhores da história) como titular; na histórica equipa de 70, Carlos Alberto Torres (possivelmente o melhor que o Brasil já teve) foi o escolhido por Zagallo; em 1994, Jorginho era inquestionável na posição e em 2002, Cafu levantou a taça do penta. Todos eram atletas de qualidade inigualável. Atualmente, porém, são poucos os que se destacam.

Desde a aposentadoria de Cafu, o Brasil teve dois defesas direitos que fizeram temporadas dígnas da titularidade na Seleção: Maicon e Dani Alves. O primeiro foi titular absoluto de uma fortíssima Inter, que ganhou a tríplice coroa em 2010. O segundo foi, durante anos, o melhor do mundo na posição, atuando em equipas como o Barcelona, Juventus e PSG. Os dois atletas tiveram, durante boa parte de suas carreiras, um ótimo desempenho, mas, atualmente, ambos estão próximos da aposentadoria, sendo Dani Alves o único que mantém um bom nível, atuando no São Paulo e sendo considerado, aos 37 anos, o melhor jogador da última Copa América. Com isso, então, a renovação na posição é necessária.

No Brasil, atualmente, apenas Guga, do Atlético Mineiro, pode vestir a camisa verde e amarela no futuro, devido ao seu potencial. Fora do país, Rafinha, ex Flamengo, poderia ser convocado, dado que ele foi o melhor da posição no último Brasileirão, mas já tem 35 anos. Outro jovem que poderia ser chamado por Tite é Emerson, jogador do Real Betis que já havia sido convocado, mas o treinador, mesmo assim, optou pelo atleta palestrino.  Com isso, é evidente que as opções brasileiras para a posição estão escassas.

Siga a página do Fair Play no Facebook.

Atualmente com 37 anos, Daniel Alves foi eleito o melhor jogador da Copa América 2019 (Foto: Lucas Figueiredo/CBF)

Além disso, houveram diversos jogadores que, no passado, demonstravam grande potencial mas não corresponderam às expectativas. Destes, Cicinho é, talvez, o principal. O jogador destacou-se vestindo as cores do São Paulo, em 2005, e, na equipa, foi titular nas campanhas do título da Libertadores e do Mundial. A ótima época do atleta fez com que ele fosse o titular da seleção na Copa das Confederações, e, por ser um dos principais atletas da competição, Cicinho conseguiu a convocação para a Copa do Mundo. Ele, também, foi contratado pelo Real Madrid, mas não conseguiu manter o alto nível.

Sendo assim, é evidente que o país, mesmo contando com alguns dos melhores e mais valiosos jogadores do planeta, carece de altetas da posição. A convocação de Menino é merecida, dado que ele é um dos principais destaques deste Brasileirão, mas deixa evidente uma enorme debilidade do futebol brasileiro que pode custar caro no futuro.

Confira a convocação completa da seleção brasileira:

Goleiros: Ederson (Manchester City)*¹, Santos (Athletico-PR) e Weverton (Palmeiras)
Laterais: Danilo (Juventus), Gabriel Menino (Palmeiras), Alex Telles (Porto) e Renan Lodi (Atlético de Madrid)
Zagueiros: Thiago Silva (Chelsea), Marquinhos (Paris Saint-Germain), Felipe (Atlético de Madrid) e Rodrigo Caio (Flamengo)
Meio-campistas: Casemiro (Real Madrid), Fabinho (Liverpool), Bruno Guimarães (Lyon), Douglas Luiz (Aston Villa), Philippe Coutinho (Barcelona) e Everton Ribeiro (Flamengo)
Atacantes: Matheus Cunha(Hertha Berlim)*², Rodrygo (Real Madrid), Neymar (Paris Saint-Germain), Everton (Benfica), Roberto Firmino (Liverpool) e Richarlison (Everton)

*¹ Convocado no lugar de Alisson, que está lesionado
*² Convocado no lugar de Gabriel Jesus, que está lesionado

Leia Mais:
Relembre as arbitragens mais polêmicas da história do futebol brasileiro
A Mitologia Grega e as transmissões da Libertadores no Brasil

A reta decisiva na edição de 2020 da Copa do Brasil


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter