Arquivo de GP de Espanha - Fair Play

destque.jpg?fit=1200%2C675&ssl=1
Luís PereiraMaio 13, 20192min0

Lewis Hamilton venceu o GP de Espanha, voltou à liderança do Campeonato, e talvez mais importante ainda, deu uma resposta a Valtteri Bottas.

Em mais uma dobradinha da Mercedes, a quinta em cinco corridas (!!!), foi uma performance dominadora e mandona de Hamilton. Depois de ver Bottas dominar no Azerbaijão, Hamilton puxou dos galões para mostrar que não se vai deixar vencer na corrida para p título.

Bottas parecia que iria continuar na senda do GP em Baku, ao conseguir conquistar a pole, com 0.6 segundos de avanço para Hamilton. O problema é que os pontos se ganham aos domingos, e na corrida, Hamilton dominou.

Hamilton começou por arrancar melhor e já liderava na primeira curva, liderança essa que nunca foi posta em causa. Bottas só conseguiu ver o seu colega de equipa desaparecer na sua frente, ficando-se assim pelo 2º lugar.

A completar o pódio ficou Max Verstappen, numa corrida onde não teve muito que lutar. É assim o segundo pódio da Honda desde o seu regresso à F1, e também segundo com a Red Bull.

Em 4º e 5º ficaram os Ferrari de Vettel e Leclerc, em mais um fim de semana para esquecer para a Ferrari. Cada vez parece ser mais evidente que a Ferrari não vai mesmo ter capacidade de lutar contra a Mercedes e que a luta para o título será apenas entre os pilotos da Mercedes.

Em 6º ficou Gasly, no segundo Red Bull, com Kevin Magnussen a terminar na sétima posição, como melhor dos ‘outros’.

Destaque também para o Carlos Sainz, a terminar a sua corrida caseira no 8º lugar, em mais um bom resultado para a McLaren em recuperação.

Cada vez mais a Mercedes cimenta a sua posição nesta temporada da Fórmula 1, e parece que a corrida para o título vai ser a dois, dois pilotos da mesma garagem.

GRANDE PRÉMIO DE ESPANHA

(foto: formula1.com)

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE PILOTOS

(foto: formula1.com)
Grande-Prêmio.jpg?fit=980%2C653&ssl=1
João DuarteMaio 8, 20192min0

Grande Prémio das Américas

Com duas etapas disputadas a caravana do MotoGP deslocou-se para os Estados Unidos, onde se realizou o terceiro GP da época.

Foi um Grande Prémio marcado por muita chuva, mas onde Marc Marquez, depois de vencer a etapa da Argentina, se destacou. Foi o melhor em duas das três sessões de treinos livres, com a terceira de quatro a ser cancelada devido à intensidade da chuva, com Maverick Viñales a ser o piloto a conseguir batê-lo e a ser o melhor tempo dos treinos livres.

As sessões de qualificação fizeram-se com pista seca e mais uma vez Marc Marquez foi o melhor em pista, conquistando a pole position.

Valentino Rossi e Cal Crutchlow eram segundo e terceiro, respetivamente, à partica para a corrida.

A corrida ficou marcada por lutas intensas pelos lugares mais altos e por algumas quedas, uma das quais a de Marc Marquez que era favorito à vitória.

Alex Rins e Valentino Rossi foram os protagonistas da luta pelo primeiro lugar até à bandeira de xadrez, mas quem levou a melhor foi mesmo o espanhol da Team Suzuki Ecstar. Rossi acabaria em segundo e o terceiro seria Jack Miller.

Miguel Oliveira saiu da 16ª posição da grelha e acabou a corrida em 14º lugar, conquistando assim mais dois pontos para a sua conta pessoal.

Grande Prémio de Espanha

Depois de 3 semanas de paragem o MotoGP voltou e desta vez à Europa, no Circuito de Jerez – Angel Nieto, em Espanhã.

Depois de não ter terminado a etapa anterior, Marc Marquez queria recuperar para os seus rivais diretos na disputa do campeonato e foi o melhor tempo em duas das quatro sessões de treinos livres, mas o melhor foi mesmo Danilo Petrucci que na terceira sessão conseguiu baixar do minuto 1’37, o único até ao momento no fim-de-semana.

Na qualificação foi um dos roockies a tomar conta das sessões, deixando todos estupefactos. Fabio Quartararo sairia assim da pole position na corrida.

Na corrida o italiano não conseguiu segurar o primeiro lugar e foi Marc Marquez quem assumiu a liderança e acabou por vencer a etapa. Em segundo ficou Alex Rins e em terceiro Maverick Viñales.

Miguel Oliveira que saiu da 22ª posição da grelha, não teve um fim-de-semana fácil e acabou por ficar fora dos pontos com a 18ª posição na corrida, numa corrida onde foi o único roockie a terminar a prova e onde podia ter encurtado distâncias na luta por esse título.

destaque.jpg?fit=1200%2C800&ssl=1
Luís PereiraMaio 15, 20183min0

O Campeão do Mundo, Lewis Hamilton, está de volta à sua plena forma, depois de dominar o GP de Espanha. Foi a primeira vez que se viu, em 2018, um Hamilton capaz de gerir toda a corrida a seu gosto.

Hamilton começou o seu domínio logo na qualificação, onde conseguiu a sua primeira pole desde a corrida inaugural. Hamilton largou bem da 1ª posição e nunca se viu ameaçado durante a corrida, nem sequer pelo colega de equipa, Bottas. Depois de na corrida anterior, em Baku, Hamilton ter vencido graças ao infortúnio dos outros, desta vez Hamilton fez tudo por merecer a vitória. Hamilton sente-se agora capaz de defender o título de campeão, agora que sentiu um Mercedes calibrado à sua medida.

Bottas ficou em 2º, mas bastante longe do andamento do colega de equipa. Apesar disso, sempre é melhor o 2º lugar do que ter um desgosto como na última corrida, onde teve um furo enquanto estava na liderança.

Quem se estreou nos pódios este ano foi Max Verstappen, com o 3º lugar. Verstappen tem estado bastante pressionado, por causa dos inúmeros choques que já teve esta temporada. Apesar de nesta corrida ainda ter tido um toque menor, Verstappen conseguiu ficar no último lugar do pódio, algo que o pode ajudar a esfriar a cabeça e concentrar-se no restante Campeonato.

Fora do pódio e mais afastado da liderança do Campeonato ficou Sebastian Vettel, em 4º. Vettel até arrancou bem e passou Bottas no arranque, mas nunca conseguiu ameaçar Hamilton. Além disso os Ferrari pareciam estar a desgastar mais os pneus, que obrigou Vettel a ser o único dos pilotos da frente a fazer mais do que uma paragem nas boxes, algo que o afastou da luta pelo pódio.

Daniel Ricciardo completou o top 5, atrás de Vettel. O “Campeonato dos restantes” foi ganho por Magnussen, que ficou em 6º lugar, pela Haas. Magnussen fez uma corrida bastante solitária, longe dos intocáveis da frente, mas também com ritmo bastante superior a Sainz, que ficou em 7º, pela Renault.

Em 8º ficou Alonso, no melhorado McLaren. Alonso conseguiu chegar à Q3 pela primeira vez esta temporada, mas não conseguiu melhor do que terminar onde começou, porque na primeira volta teve de se desviar de Grosjean, e perdeu muitas posições. Acabou por ser mais uma corria de recuperação a terminar nos pontos.

Perez e Leclerc fecharam o top 10, com o piloto da Sauber a destacar-se pela segunda corrida consecutiva nos pontos.

Com isto Hamilton conseguiu distanciar-se na liderança do Campeonato, com agora 17 pontos de vantagem para Vettel. Hamilton agora sente que a Mercedes consegue mesmo lutar pelo Campeonato e Hamilton voltou a mostrar que quando está nos seus dias é mesmo intocável. Já Vettel teve um grande “soco no estomago”, mas também sabe que a Ferrari não ficou do dia para a noite lenta. Foi uma corrida onde a Ferrari nunca conseguiu “ligar” os pneus, mas com os meios que a Ferrari tem ao seu dispor, não deverá ser algo que iremos ver se repetir muitas mais vezes.

A F1 regressa agora no Mónaco, no dia 27 de maio.

GRANDE PRÉMIO DE ESPANHA

(foto: f1.com)

CAMPEONATO MUNDIAL DE PILOTOS

(foto: f1.com)
035.jpg?fit=1024%2C683&ssl=1
Luís PereiraMaio 18, 20175min0

Lewis Hamilton vence o GP de Espanha, na melhor corrida do ano; Vettel fica em 2º, depois de muita luta em pista, com a dupla da Mercedes; Ricciardo fica no último lugar do pódio, sem andamento para mais; Bottas esteve grande parte da corrida em 3º, mas abandona com o motor partido; luta intensa pelo campeonato, ainda com muitas incertezas.

Lewis Hamilton regressou às vitórias no GP de Espanha. Depois de uma intensa corrida e luta com Sebastian Vettel, Hamilton voltou ao topo do pódio, naquela que terá sido a melhor corrida desta temporada.

Uma temporada que tem sido bastante equilibrada, Hamilton igualou as duas vitórias que Vettel também tem nesta temporada, estando apenas separados por 6 pontos. Depois de ter perdido a liderança da corrida no arranque, bom andamento e boa estratégia conseguiram dar a oportunidade a Hamilton de ultrapassar Vettel para terminar na frente.

A completar o pódio ficou Ricciardo, apesar de o Red Bull nunca ter tido andamento para correr com os da frente. Ricciardo beneficiou do abandono de Bottas, com problemas no motor. A Mercedes não ficará totalmente desiludida, já que Bottas fez um excelente trabalho de equipa ao atrasar Vettel.

GRANDE PRÉMIO DE ESPANHA

(Foto: f1.com)

Melhor corrida da temporada

A corrida do GP de Espanha até agora foi considerada a melhor corrida da temporada, por ter tido emoção até ao final. Apesar de Hamilton ter cometido erros, ainda conseguiu lutar, ultrapassar e chegar à vitória.

Vettel, apesar de ter ficado apenas em 2º lugar, também teve de lutar muito em pista. Vettel teve de ultrapassar Bottas, que fez muito bom trabalho de equipa. Outras lutas em pista também tiveram importância, como a de Alonso com Kvyat, ou a de Max Verstappen e Kimi Raikkonen.

Apesar de o circuito de Barcelona geralmente ser considerado uma pista com poucas ultrapassagens, este ano não se verificou isso, para deleite dos adeptos. Isto vem a mostrar que este ano a preocupação de haver poucas ultrapassagens não se deve tanto aos novos carros (bem mais rápidos), mas depende do circuito e da escolha de pneus para cada Grande Prémio.

Hamilton vs. Vettel

(Foto: f1fanatic.co.uk)

Se já foi dito que esta corrida foi provavelmente a melhor corrida da temporada, a muito se deve a enorme disputa em pista entre os líderes do campeonato. Hamilton e Vettel são provavelmente os pilotos mais talentosos desta geração. Esta temporada está a ser aquela onde eles estão mais vezes em duelo direto em pista, para delírio dos fãs.

Em Barcelona a corrida começou com Vettel a arrancar melhor e Hamilton parecia estar destinado a terminar atrás do rival. A Mercedes, no entanto, estava a pensar como dar a volta à situação, e elaborou uma estratégia que permitiu a Hamilton apertar o cerco a Vettel. O enorme andamento de ambos atingiu o seu pináculo quando Hamilton tentou ultrapassar Vettel, mas Vettel fechou a porta e chocaram rodas. Isso não impediu Hamilton de voltar a tentar 5 voltas mais tarde, mas desta vez com sucesso.

Estava assim ganha a corrida para o inglês, mas o que ficou na retina foi a intensa batalha entre os candidatos ao titulo. Batalhas destas é aquilo que os fãs de F1 esperam que se volte a repetir muitas vezes nas próximas corridas. Espera-se mais porque a competitividade Mercedes e Ferrari está bastante apimentada, com cada pequeno erro a custar caro.

A corrida pelo título muito vai depender da capacidade de desenvolvimento de ambas as equipas, que estarão dispostas a apostar tudo nos pilotos estrela para ganhar o campeonato.

McLaren-Honda continua a desiludir

(Foto: f1fanatic.co.uk)

Depois de uma qualificação espetacular, onde foi à Q3, Alonso não conseguiu acabar a corrida nos pontos. A nova aliança McLaren-Honda continua a não funcionar e começa a haver cada vez mais dúvidas de que alguma vez irá. Não admira que Alonso tenha trocado a corrida em Mónaco (!!!!!!) para participar nas 500 Milhas de Indianápolis. O espanhol sente que tem mais hipótese de ganhar uma corrida oval, onde nunca participou, do que com a atual combinação McLaren-Honda.

O que vem a seguir?

Nada mais nada menos do que a corrida rainha da F1, o GP do Mónaco. Apesar da ausência chocante de Alonso e o regresso de Button também ser destaque, as verdadeiras cabeças de cartaz desta corrida são o glamour e os duelos Vettel vs Hamilton e Mercedes vs Ferrari. Vamos ver quem irá vencer no principado e terá direito a jantar com o Príncipe Alberto II.

CAMPEONATO MUNDIAL DE PILOTOS

(Foto: f1.com)

 

CAMPEONATO MUNDIAL DE CONSTRUTORES

(Foto: f1.com)

Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS