Arquivo de GP de Abu Dhabi - Fair Play

destque.jpg?fit=1200%2C1502&ssl=1
Luís PereiraDezembro 13, 20214min0

Max Verstappen tornou-se no Campeão do Mundo de Fórmula 1 depois de ultrapassar Lewis Hamilton na última volta, numa corrida que, como não podia deixar de ser, teve muita polémica.

O Grande Prémio de Abu Dhabi começou a ter emoção logo ao início com o arranque de Hamilton a ser melhor do que o homem na pole, Verstappen. Isto dava mais emoção a um eletrizante final de temporada, já que os pilotos tinham pneus diferentes e estratégias diferentes para a corrida.

Ainda na primeira curva, Verstappen tentou ultrapassar Hamilton na curva 7, numa manobra no limite, que não fosse Hamilton evitar o contacto certamente teria havido choque entre os pilotos. Para evitar esse contacto Hamilton teve de sair de pista, mas isso fez com que o britânico saísse na frente. A Red Bull protestou que o piloto da Mercedes deveria devolver o lugar a Verstappen, mas a direção de corrida não concordou.

A partir daí Hamilton começou a ganhar vantagem ao rival para o título, chegando a ter mais de 4 segundos de vantagem. Uma vez que Verstappen tinha os pneus mais macios foi o primeiro da frente a parar. Apesar de ter pneus ainda com algum andamento, a Mercedes decidiu parar também, para cobrir o neerlandês.

Só que ao parar Hamilton surgiu atrás de Sérgio Perez, que deu uma aula de como bem defender e de trabalho de equipa, atrasando Hamilton, permitindo o colega de equipa reduzir uma desvantagem de 8.5 segundos para apenas 1.
Só que depois de ultrapassado Perez, Hamilton voltou a ganhar tempo e espaço livre a Verstappen. Hamilton e o Mercedes simplesmente estavam mais rápidos.

Enquanto isso, a última corrida da carreira de Kimi Raikkonen na F1 terminava, com o seu Alfa Romeo a ter problemas de travões. Numa corrida de azares para a Alfa Romeo, a seguir foi a vez de Antonio Giovinazzi ter problemas e teve de parar na pista. Isso deu origem a um Virtual Safety car.

Com o VSC em vigor a Red Bull decidiu parar ambos os carros para pneus frescos, já a Mercedes não quis perder a posição em pista, arriscando.

Apesar de pneus bem mais frescos, Verstappen não conseguia queimar distancia suficiente para Hamilton, a estar a 10 voltas do fim a menos de 11 segundos. A não ser que os pneus de Hamilton dessem a melhor de si (algo que já se viu inúmeras vezes), parecia que a corrida ia mesmo cair para o britânico.

Só que apenas a seis voltas do fim Nicholas Latifi bateu e o Safety car teve de entrar em pista. A Mercedes, sem margem, manteve Hamilton em pista, enquanto a Red Bull manda parar novamente Verstappen.

Enquanto a pista era limpa começava a ficar a dúvida de se a corrida iria retomar ou se iria mesmo acabar em período de safety car. A direção de corrida queria acabar em situação de bandeira verde então não permitiu que os carros retardatários pudessem ultrapassar o SC. A Red Bull protestou e pressionou para isso não acontecer e então a direção de corrida tomou a decisão muito controversa de permitir que apenas os carros entre Hamilton e Verstappen se desdobrassem.

(foto: formula1.com)

Essa decisão deixou a Mercedes em fúria porque basicamente entregava a chave de ouro, e o título, a Verstappen. No recomeço, e com apenas uma volta por disputar, Verstappen facilmente ultrapassou Hamilton e acabou a corrida em primeiro, tornando-se assim Campeão do Mundo de Fórmula 1.

Um final muito polémico, como não podia deixar de ser, que levou a Mercedes a protestar o resultado final, protesto esse que não foi aceite pelos comissários. A Mercedes ainda assim deixou o aviso que vai recorrer da decisão.

Um final de temporada que tinha tudo, mas que acaba em muita polémica, que tal como aconteceu durante o ano, com decisões no mínimo, questionáveis por parte da direção de corrida. Haveria outra forma de gerir o final da corrida, sem polémica, sem influência direta no resultado final do campeonato.

Max Verstappen é um merecido campeão, tal como seria Lewis Hamilton, mas nenhum merecia que acontecesse o que aconteceu nas últimas voltas da corrida. Um desporto deve ser regulado para ser justo, para ser desporto, e não para ter volta final “emocionante”, ou para dar que falar na próxima temporada da série da Netflix.

GRANDE PRÉMIO DE ADU DHABI

CLASSIFICAÇÃO FINAL DO CAMPEONATO DO MUNDO DE FÓRMULA 1

 

destaque-2.jpg?fit=1200%2C675&ssl=1
Luís PereiraDezembro 13, 20203min0

No regresso de Lewis Hamilton à competição, recuperado de COVID-19, foi Verstappen que surpreendeu e assegurou a pole, a primeira do ano de um carro com motor não Mercedes.

Numa pista onde é notório a dificuldade em ultrapassar, a pole foi um fator determinante para a Red Bull, que só tinha de assegurar um bom arranque e uma estratégia segura.

E foi isso que Verstappen fez. Verstappen arrancou bem e partiu para uma corrida tão controlada que a meio da corrida o holandês dizia que poderia baixar a potência do motor Honda (algo impensável há uns anos).

Com a segunda vitória da temporada, Verstappen conseguiu vencer os dois Mercedes, que fecharam o pódio, com Bottas em segundo e Hamilton em terceiro.

Bottas, apesar de ter ficado na frente de Hamilton, nunca pareceu ser ameaça para Verstappen e vai precisar de recarregar baterias se quer desafiar Hamilton na luta pelo título de 2021.

Hamilton, recuperado de COVID-19, admitiu que não se sentia ainda 100% recuperado e também ele não conseguiu andar perto de Verstappen nem de Bottas.

Alex Albon ficou em quarto, não muito distante de Hamilton, mas sem conseguir ser uma verdadeira ameaça. Albon fez o que pode nesta corrida para manter o lugar na Red Bull para o próximo ano, lugar esse que pode vir a ser de Sérgio Pérez.

Em quinto e sexto lugares ficaram os pilotos da McLaren, Lando Norris e Carlos Sainz. Foi o resultado que a equipa britânica precisava, já que partiu ara esta corrida em quarto lugar no campeonato, mas desta forma terminaram em terceiro, na melhor posição para os antigos Campeões do Mundo desde 2012.

Ricciardo terminou em sétimo, no que não foi uma má corrida para o australiano, mas sem os pontos suficientes para a Renault ganhar a luta pelo terceiro lugar.

Gasly ficou na oitava posição, na frente de Ocon, e ambos ganharam a luta a um desinspirado Lance Stroll, que não conseguiu lutar para conseguir mais pontos para a Racing Point.

Destaque para a última corrida de Vettel pela Ferrari, fora dos pontos, um final cinzento numa história que ainda lutou por campeonatos, mas não conseguiram bater a dupla Hamilton/Mercedes.

A temporada de 2020 acaba com uma vitória da Red Bull, mas a época foi marcada pelo domínio fortíssimo da Mercedes, num ano atípico, por causa da pandemia.

2021 vai ser uma época mais normal a nível de corridas e calendário, mas onde as equipas irão utilizar os monolugares deste ano, antes da introdução de novos carros em 2022.

GRANDE PRÉMIO DE ABU DHABI

(foto: formula1.com)

CAMPEONATO MUNDIAL DE PILOTOS

(foto: formula1.com)

CAMPEONATO MUNDIAL DE CONSTRUTORES

(foto: formula1.com)
destaque.jpg?fit=1200%2C800&ssl=1
Luís PereiraDezembro 1, 20192min0

Lewis Hamilton dominou completamente o GP de Abu Dhabi, fechando a temporada em grande. Foi uma grande demonstração de força e de o porquê de ser o Campeão em título.

Hamilton começou por mostrar o domínio que se faria sentir logo na qualificação, conquistando a pole, sem nunca parecer que iria para outro piloto.

Logo no arranque Hamilton mostrou que não seria na última corrida do ano que iria abrandar, sem perder a liderança uma única vez. Foi de “ponta a ponta”, e nem a paragem nas boxes, para troca de pneus, lhe tirou momentaneamente a liderança da corrida.

Atrás de si ficou Max Verstappen, numa corrida onde ainda teve alguns problemas de potência, mas que ainda assim mostrou andamento suficiente para terminar no segundo posto.

A completar o pódio ficou Leclerc, o melhor dos Ferraris, que ainda assim pouco ficou na frente de Bottas, que arrancou da última posição! Bottas conseguiu ficar na frente do desiludido Vettel, que promete refletir no que aconteceu esta temporada, para evitar que o mesmo aconteça nas seguintes.

Albon ficou no esperado sexto lugar, terminando na última posição dos “três grandes” da atual F1.

O melhor dos restantes desta vez foi Perez, que passou Norris na última volta. Carlos Sainz terminou em 10º, conseguindo um ponto, o suficiente para terminar o Campeonato como o “melhor dos restantes”.

No final foi mais uma vitória para Hamilton, a 84ª da carreira, com o recorde de Schumacher cada vez mais perto. Foi um excelente trabalho de equipa entre Hamilton e a Mercedes, uma combinação que se tem provado de sucesso desde 2014.

Em 2020 Hamilton e a Mercedes serão novamente o alvo a abater, mas será difícil tirar o Campeão do seu posto, mas na f1 não há impossíveis.

GRANDE PRÉMIO DE ABU DHABI

(foto: formula1.com)

CAMPEONATO DO MUNDO DE PILOTOS

(foto: formula1.com)
destaque-2.jpg?fit=1200%2C801&ssl=1
Luís PereiraNovembro 26, 20183min0

Lewis Hamilton fechou a temporada de F1 da maneira que mais gosta, a vencer o GP de Abu Dhabi. O novo pentacampeão do Mundo mostrou que o título conquistado este ano não foi à toa e mostrou-se em plena forma neste fim de semana.

Hamilton começou o fim de semana a dominar, conquistando a pole, cimentando o seu lugar como o piloto mais rápido do pelotão. Durante a corrida foi “business as usual” para o britânico, a ter uma corrida onde pouco teve de suar, já que manteve sempre a sua posição confortável, sem nunca ter o primeiro posto em risco.

Em 2º lugar ficou Sebastian Vettel, que fez uma sólida corrida, mas sem andamento para lutar com Hamilton. Vettel ainda se deve lamentar da falta de eficácia na segunda metade da temporada, onde ficou muito aquém dos resultados. Vettel sabe que tem de voltar mais forte em 2019 se quer acabar com o domínio de Hamilton.

Em 3º lugar e depois de muita luta, como sempre, ficou Verstappen. O jovem piloto da Red Bull espera que a mudança de que a red Bull vai fazer em 2019 dê frutos. A Red Bull vai apostar na potência dos motores Honda, que melhoraram substancialmente em 2018, mas será que vão conseguir lutar com os Mercedes e Ferraris?

Foi uma corrida de despedidas, Ricciardo despediu-se da Red Bull e segue agora para a Renault, tal como Raikkonen, que vai sair da Ferrari e regressar à casa que o lançou, a Sauber.

Uma despedida mais simbólica é a de Fernando Alonso. O piloto espanhol vai deixar a F1, com a sensação de dever cumprido, mas com uma porta entreaberta a um eventual regresso, até porque para o seu talento dois campeonatos do mundo parecem pouco. Alonso vai continuar a ser piloto da McLaren, mas desta vez na Indycar, onde irá competir nas 500 milhas de Indianápolis já em 2019.

No final da corrida foi muito bonito ver Hamilton, Vettel e Alonso a fazer piões na reta da meta, proporcionando aos fãs uma bonito espetáculo que serve de despedida de mais uma época.

2018 foi um ano que solidificou a posição de Hamilton como piloto de elite entre as elites. Hamilton superou-se, conquistou 11 vitórias numa época em que nunca se sentiu que a Mercedes tinha um carro dominador. 5 campeonatos do mundo e 73 vitórias já deixam Hamilton num lugar de destaque nos anais da F1, mas espera-se que Hamilton continue com a mesma fome de sempre e volte em 2019 mais forte.

2019 poderá ser a continuação da luta entre Hamilton e Vettel, algo que os fãs sempre quiseram e tiveram duas épocas onde estes dois titãs muito lutaram em pista. Esperemos que a F1 fique ainda mais competitiva e acrescente mais um nome ou outro à luta pelo título.

GRANDE PRÉMIO DE ABU DHABI

(foto: formula1.com)

 

(foto: formula1.com)

 

(formula1.com)

Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS