Arquivo de GP da Rússia - Fair Play

destaque.jpg?fit=1200%2C1802&ssl=1
Luís PereiraOutubro 1, 20202min0

Valtteri Bottas venceu o GP da Rússia e impediu, para já, Lewis Hamilton de igualar o recorde de vitórias na F1 de Michael Schumacher.

Bottas aproveitou a dupla penalização de cinco segundos nas boxes que Hamilton apanhou para vencer o GP em Sochi. Hamilton pode apontar o dedo à Mercedes por o terem aconselhado a fazer treinos de arranque na zona errada da pista, que acabaram por o afastar da luta pela vitória.

Bottas reduziu assim a diferença pontual para Hamilton, estando agora a 44 pontos. Hamilton não ficou nada contente com a penalização, falando ainda de existir uma perseguição dos comissários ao Campeão do Mundo. Com esta penalização Hamilton terminou em terceiro, não só atrás do colega de equipa, mas também de Max Verstappen.

Verstappen terminou em segundo lugar, um excelente resultado, ainda para mais depois de dois abandonos seguidos. Verstappen espera agora recuperar o tempo perdido e voltar a poder lutar por vitórias nos próximos Grandes Prémios.

Sergio Perez ficou num ótimo quarto lugar, especialmente porque conseguiu bater o Renault de Daniel Ricciardo, em quinto lugar.

Apesar de ter recebido uma penalização de cinco segundos, o australiano conseguiu uma margem suficiente para manter Charles Leclerc atrás de si, depois da aplicação da penalização.

Sexto lugar para Charles Leclerc, num resultado excelente para a Ferrari, tendo em conta a pouca competitividade atual do carro.

Esteban Ocon (Renault), Daniil Kvyat (AlphaTauri), Pierre Gasly (AlphaTauri) e Alexander Albon (Red Bull) completaram o top 10. Albon ficou especialmente desiludido com a sua prestação, especialmente tendo em conta o resultado do colega de equipa.

A desilusão da corrida foi para a McLaren, com ambos os pilotos fora dos pontos, depois de estarem envolvidos num incidente logo na primeira volta, que danificou o carro de Norris e tirou Sainz da corrida.

A F1 volta agora à Alemanha, onde vai começar uma jornada de corridas em pistas que não estavam originalmente no calendário, onde se inclui o tão aguardado regresso da F1 a Portugal.

GRANDE PRÉMIO DA RÚSSIA

(foto: formula1.com)

CAMPEONATO DO MUNDO DE PILOTOS

(foto: formula1.com)

CAMPEONATO DO MUNDO DE CONSTRUTORES

(foto: formula1.com)
destaque-3.jpg?fit=1200%2C675&ssl=1
Luís PereiraSetembro 30, 20192min0

Lewis Hamilton venceu o GP da Rússia, numa corrida em que a Ferrari teve muito azar. Hamilton voltou às vitórias, o que não acontecia desde agosto, desde o GP da Hungria. A Ferrari mostrou ter o carro com mais andamento, mas o azar bateu à porta da Scuderia.

O fim de semana parecia apontar para a quarta vitória consecutiva da Ferrari. Leclerc voltou a mostrar na qualificação a razão de ele ser a sensação do momento, a conseguir mais uma pole. Hamilton bem lutou, mas ficou num ainda distante segundo lugar da grelha.

Na corrida, no entanto, a história seria outra. Vettel arrancou do terceiro lugar, mas lançou-se para a liderança, estando à frente da corrida logo na primeira volta. A partir daí estava uma liderança da dupla da Ferrari, com Vettel a ser, claramente, o mais rápido.

Só que a Ferrari tentou compensar Leclerc pelo que aconteceu em Singapura e parou primeiro o monegasco. Leclerc regressou atrás de ambos os Mercedes, quando manda parar também Vettel. Só que Vettel pouco tempo teve após o regresso à pista.

Vettel foi mandado parar pela Ferrari, já que perdeu toda a potência no motor elétrico do seu Ferrari. Isso foi um golpe duro para a Ferrari! Não só por perder Vettel, mas também porque essa paragem fez surgir um safety car virtual, o que deu a oportunidade de ouro para os Mercedes fazerem as suas paragens e voltarem na liderança.

A partir daqui foi uma corrida totalmente controlada pela Mercedes, com Hamilton a controlar as operações. Nunca mais Leclerc conseguiu ter uma real oportunidade de lutar pela vitória e teve de se contentar com o 3º posto, atrás de Bottas.

Desta forma, Hamilton aumentou a sua liderança no Campeonato, deu mais folgo à Mercedes, e atingiu a meta das 82 vitórias na F1. Por sua vez, a Ferrari tem de eliminar estes erros, quando se voltou a verificar que não basta ser o mais rápido, mas tem de se ter o pacote completo.

GRANDE PRÉMIO DA RÚSSIA

(foto: formula1.com)

CAMPEONATO DO MUNDO DE PILOTOS

(foto: formula1.com)

CAMPEONATO DO MUNDO DE CONSTRUTORES

(foto: formula1.com)
destaque.jpg?fit=1200%2C800&ssl=1
Luís PereiraOutubro 2, 20183min0

Lewis Hamilton está cada vez mais próximo de renovar o seu título de Campeão do Mundo. O britânico venceu o GP da Rússia e está agora com 50 pontos da vantagem! O título depende apenas de si!

Apesar de a corrida ter sido vencida e dominada por Hamilton, não deixou de haver alguma polémica na mesma. Muitos são os críticos da postura da Mercedes, que forçou ordens de equipa, para Bottas ajudar Hamilton.

Esta polémica começou logo pelo resultado da qualificação, onde Bottas bateu o companheiro de equipa e ficou na Pole. Logo aí ficou no ar a ideia de que a Mercedes iria impor alguma forma de ordens de equipa.

No arranque, Bottas manteve a 1ª posição e ficou com um bom andamento, que lhe permitiu manter a liderança. Só que esse não era o resultado que mais agradava a Mercedes. Por isso, a Mercedes pediu a Bottas que não lutasse e deixasse Hamilton passar para a sua frente.

Essa ordem permitia Hamilton ganhar o máximo de pontos e ainda a Bottas impedir Vettel de ficar no 2º lugar, alargando ainda mais a distância pontual entre os dois candidatos ao título.

Vettel não conseguiu então melhor do que o último lugar do posto, longe de conseguir lutar com ambos os Mercedes e ciente que está cada vez mais difícil lutar pelo “seu” Pentacampeonato.

No final da corrida, viu-se um Hamilton que apesar de satisfeito, não parecia confortável com a forma como conseguiu a sua 70ª vitória da carreira. Hamilton agradeceu o enorme espírito de equipa de Bottas, que também não estava muito satisfeito, mas que aceitou a sua função de ajudar a equipa a atingir os seus objetivos.

Apesar de algumas críticas pela imposição das ordens de equipa, houve quem defendesse a posição da Mercedes, como Vettel. Vettel considerou óbvias as ações dos seus rivais, que apenas fizeram o mais lógico para conseguir levar Hamilton ao Campeonato do Mundo.

Os mais puristas irão ser contra estas estratégias, muitos fazendo paralelismos com o que fez a Ferrari nos tempos de Schumacher, mas devemos lembrar que nos últimos anos a Mercedes também teve os seus pilotos a lutar entre si pelo título e aí a equipa não impôs ordens de equipa.

O mais importante de reter da corrida é que parece que a Mercedes é, agora, a equipa mais rápida, o que irá ajudar Hamilton a vencer o campeonato. 50 pontos de vantagem é muita coisa, mas tudo pode mudar com uma desistência ou problema mecânico e Vettel vai estar sempre à espreita, para procurar o cada vez mais difícil Campeonato.

GRANDE PRÉMIO DA RÚSSIA

(foto: f1.com)

CAMPEONATO MUNDIAL DE PILOTOS

(foto: f1.com)

Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS