Nadal, o eterno de Roma

André Dias PereiraMaio 18, 20212min0

Nadal, o eterno de Roma

André Dias PereiraMaio 18, 20212min0
Pela décima vez, o espanhol, Rafael Nadal, ganhou o ATP Roma, igualando Djokovic em Masters 1000. São agora 87 títulos ATP para a conta do maiorquino.

Rafael Nadal. Outra vez ele. Outra vez em Roma. O tenista espanhol conquistou pela décima vez p ATP Roma e logo frente a Novak Djokovic (7-1,1-6, 6-3). Foi o 57 encontro entre os dois, com vantagem agora de apenas um triunfo para o sérvio (29-28). Não é segredo para ninguém que Djokovic considera o maiorquino o seu maior rival e no final da partida voltou a enfatizá-lo.

Certo é Nadal soma já uns impressionantes 87 títulos ATP, empatando com Djokovic o número de triunfos em Masters 1000 (34). E mesmo aos 34 anos não parece abrandar.

Num torneio que contou com público na bancada, embora reduzido, a final esteve ao nível de dois supercampeões. Recorde-se, aliás, que Djokovic já ganhou por 5 vezes na capital italiana. Com boas trocas de bola, Nadal dominou o primeiro set, enquanto o sérvio foi melhor no segundo. No terceiro e decisivo set, contudo, Nadal mostrou porque ainda é o rei da terra batida e o grande favorito sempre que joga neste piso. Até porque o sérvio sentiu o desgaste físico. No dia anterior tinha jogado o restante da partida dos quartos de final, contra Tsitsipas (4-6, 7-5, 7-5), e também a meia final com Lorenzo Sonego (6-3, 6-7, 6-2).

Sonego, a sensação italiana

O italiano foi a grande sensação do torneio. A jogar em casa, esteve perto jogar a sua quarta final da carreira. Aos 28 anos, ganhou em Antalya (Turquia), em 2019, e em Cagliari (Itália), já este ano. Em Roma, deixou para trás deixou adversários como Rublev e Thiem.

Apesar do vice-campeonato, o líder da hierarquia mundial está feliz com o seu momento atual. E aponta, de resto, a Roland Garros como o próximo grande objetivo. Até lá, deverá regressar a casa para jogar o Open de Belgrado e ganhar confiança. Só que o torneio dos mosqueteiros é território de Nadal. E pelo que deu para ver em Roma será difícil ser travado.

Até chegar à final, Nadal não teve dificuldades para vencer Jannik Sinner, Alexander Zverer ou Reilly Opelka. O único adversário que lhe venceu sets, para além de Nolan, foi Shapovalov nos oitavos de final: 3-6, 6-4 e 7-6.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter