Gstaad: outra vez Casper Ruud

André Dias PereiraJulho 28, 20222min0

Gstaad: outra vez Casper Ruud

André Dias PereiraJulho 28, 20222min0

Casper Ruud renovou o título de Gstaad, conquistado o ano passado. O norueguês, número 6 do mundo, venceu a final, de virada, diante Matteo Berrettini: 4-6, 7-6, 6-2.

Apesar de o torneio, de categoria 250, ter vários bicampeões, a verdade é que o último a fazê-lo de forma consecutiva foi Sergi Bruguera (1992-94). O título de Ruud vem reforçar a boa temporada do norueguês. São, para já, três títulos em 2022 (Gstaad, Geneve e Buenos Aires) e 9 na carreira, para além das finais do Masters de Miami e Roland Garros.

Mas a verdade é que Casper Ruud parece ter uma relação de amor com a Suíça. São para já 16 vitórias consecutivas entre os torneios de Gstaad e de Genebra. Isso quer dizer que nunca experimentou o amargo da derrota em terras helvéticas.

Em Gstaad deixou para trés rivais como Jiri Lehecka (6-3, 6-4), Jaume Munar (duplo 7-6), Albert Ramos-Viñola (6-2, 6-0) e, claro Metteo Berretini (4-6, 7-6, 6-2). Ruud fez um torneio sem sobressaltos, só cedendo um set em todo o torneio. E foi precisamente na final.

Berrettini, campeão do torneio em 2018 e que este ano já ganhou em Estugarda e em Queen’s, também deixou para trás adversários como Richard Gasquet, Pedro Martinez e Dominic Thiem. O austríaco, campeão em 2015, está longe do seu melhor momento na carreira, mas está em crescendo. Em Gstaad alcançou a sua primeira semi-final em 14 meses. Thiem é agora 199 do mundo. Um número longe do top-3 mundial que já ocupou mas que representa uma evolução de 140 posições em duas semanas. Isto porque chegou também aos quartos de final em Bastad, encotrando-se, esta semana, a jogar o torneio de Kitzbuhel. Recorde-se que Thiem esteve 9 meses afastado do circuito por lesão no punho, chegadno a somar 11 derrotas consecutivas.

A regularidade de Viñolas

Quem também fez um bom torneio foi Albert Ramos-Viñolas. O espanhol é um daqueles casos dos quais se sabe sempre o que esperar. Não é um jogador de picos, mas também não é de baixos. E é sempre perigoso. O ano passado, recorde-se, venceu o Estoril Open e este ano já ganhou em Cordoba, Espanha.

Campeão de Gstaad em 2019, este ano voltou às meias-finais mas não conseguiu levar a melhor sobre Berrettini. Ainda assim, eliminou Dominic Stricker e Nicolas Jarry.

O torneio de Gstaad joga-se desde 1968 e os seus maiores vencedores são os  espanhóis Sérgio Bruguera (1992, 1993 e 1994) e Alex Corretja (1998, 2000 e 2002).


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter