Nigéria no Mundial, Egipto fora outra vez

André CoroadoDezembro 13, 201810min0

Nigéria no Mundial, Egipto fora outra vez

André CoroadoDezembro 13, 201810min0
O Egipto perdeu com a Nigeria na meia final da Copa das Nações Africanas e voltou a falhar o acesso ao seu primeiro mundial. Também o Senegal assegurou a vaga no mundial ao desfeitear Marrocos. Até que ponto será aceitável este sistema de constantemente dita o afastamento de equipas de topo mundial do grande palco da FIFA? O que poderia ser feito para inverter a situação?

O ano de 2019 aproxima-se e com ele todo um leque de competições de abre perante os olhos dos actores e adeptos do futebol de praia em geral. Entre os diversos eventos em perspectiva, apesar de todas as novidades, não existe torneio com a dimensão e o impacto de um campeonato do mundo FIFA.

No próximo ano, será a vez de o Paraguai acolher a décima edição da prova, cabendo agora às diversas selecções das 6 confederações do planeta o dever de lutar por uma das 15 vagas em aberto no mundial, que contará naturalmente com os guaranis como anfitriões da prova. O primeiro de meia dúzia de torneios de apuramento está actualmente a ser disputado no Egipto, tendo já consagrado os representantes africanos na América do Sul.

Hoje, o Senegal deu continuidade a um torneio verdadeiramente impressionante (mas nada surpreendente para quem conhece a implacabilidade do rolo compressor senegalês), vencendo a selecção de Marrocos por 7-2.

Se o valor dos Leões do Atlas deve ser reconhecido, pela evolução recente do seu jogo, há que reconhecer que a qualidade apresentada nas areias egípcias muito dificilmente poderiam levar os norte africanos ao mundial do Paraguai, sobretudo quando o caminho para a América do Sul esbarrava num conjunto que tem dominado o futebol de praia africano na ultima década e neste apuramento já leva 31 golos marcados em 4 jogos. Todavia, o confronto entre os homens da casa e as hostes nigerianas foi bastante mais equilibrado, acabando por ditar a qualificação dos visitantes.

Nigéria no Paraguai, Abu em festa

Com efeito, a Nigéria carimbou o apuramento para o campeonato do mundo ao derrotar o Egipto por 7-6, num autêntico thriller desportivo realizado na arena de Sharm El Sheikh. As Sand Eagles estiveram quase sempre em vantagem, mas contaram com uma resiliente resposta por parte dos faraós, que conseguiriam por diversas vezes chegar ao empate.

No último minuto da partida, registando-se então uma igualdade a seis bolas, uma perda de bola de Shina a meio campo na disputa com um resoluto Emeka acabaria por sentenciar a partida, fruto do remate impiedoso do número 10 nigeriano para o fundo das redes locais!

O Egipto ainda disporia de duas situações para marcar mas a vitória já não fugiria aos homens do Golfo da Guiné, que assegurariam assim a sexta presença em mundiais. A festa nigeriana foi ainda coroada pelas comemorações do golo 100 de Azeez Abu, durante muito tempo o jovem prodígio do futebol de praia africano que apontou um póquer e chegou assim ao golo 103 na carreira pela Nigéria. Mas, então e o Egipto?

Os motivos do fracasso egípcio

O Egipto, depois de 9 tentativas consecutivas, continua sem conseguir apurar-se para o campeonato do mundo de futebol de praia. Em 6 dessas 9 ocasiões, os mediterrânicos chegaram ao encontro decisivo da meia final, mas acabaram invariavelmente derrotados por uma oposição de peso (Camarões, Costa do Marfim, Senegal e agora Nigéria).

A postura dos egípcios tem sido de louvar, voltando ano após ano com a mesma crença e a mesma ambição de conquistar um lugar no evento mais importante do planeta. Inclusivamente, o nível exibicional da equipa tem vindo a crescer a olhos vistos, conforme o atestam as recentes participações na Copa Intercontinental.

[Foto: BSWW]
Mais concretamente, relembramos o honroso 4º lugar averbado na primeira semana de Novembro último no Dubai, em que apenas o trio estratosférico Irão – Rússia – Brasil logrou classificar-se acima dos egípcios. O percurso dos faraós incluiu triunfos sobre a vice-campeã europeia Espanha e os anfitriões Emirados Árabes Unidos, além de um jogo relativamente equilibrado frente ao Brasil na decisão do bronze (derrota por 5-3).

Já na qualificação africana, o Egipto venceu solidamente Marrocos, Madagáscar e Costa do Marfim na fase de grupos, liderando com 9 pontos e constituindo-se como grande favorito à qualificação.

O crescendo de resultados da parte dos egípcios explica-se por uma evolução técnica gradual de jogadores como Mohammed, Moustafa, Samir e Haitham, actualmente ao nível de alguns dos melhores executantes do planeta, acompanhada por um modelo de jogo directo, assente numa eficaz saída em 2:2. Tal abordagem tem vindo a potenciar a manifestação das qualidades de um plantel equilibrado, sem comprometer, de um modo geral, o rigor defensivo, espelhando uma evolução da compreensão táctica do jogo.

De facto, enquanto Senegal e Nigéria continuam a praticar exactamente os mesmos estilos de jogo a que recorriam há pelo menos 6-7 anos, o Egipto tem reformulado e aperfeiçoado o seu modelo, com resultados comprovados dentro de campo.

Todavia, a imagem de marca do Egipto continua a ser, à semelhança das principais equipas africanas, a primazia do factor físico e a atitude ultra-ofensiva dos seus jogadores, tirando partido ao máximo das suas emoções e até da sua extrema religiosidade.

Na nossa opinião, essa tem sido a principal força dos faraós, que lhes permite fazer a diferença contra algumas das selecções de topo de continentes onde a táctica é geralmente encarada de um modo mais sério. Ironicamente, parece também ter sido a causa da eliminação egípcia na qualificação africana: apesar de tacticamente mais disciplinados do que os rivais, acabam por abdicar da sua habitual organização e deixam-se levar pelo coração na perseguição da ambicionada qualificação para o mundial.

Como resultado, os egípcios ganham em intensidade e agressividade ofensiva, mas expõem-se defensivamente e, principalmente, tornam-se vulneráveis a um estilo de jogo que, excepcionamente contra o poderio físico de Nigéria e Senegal, não os favorece. Pelo contrário, fá-los perder o controlo do jogo e concede aos adversários a oportunidade de fazer uso das suas melhores armas, num registo que lhes convém.

Senegal e Nigéria: os tubarões africanos de longa data

Já outras selecções foram, no passado, vítimas da fogosa impetuosidade dos Lions de Teranga e das Sand Eagles. Para citar alguns exemplos, recordemos que a única derrota de Portugal na caminhada vitoriosa rumo ao triunfo no mundial 2015 em Espinho foi precisamente aos pés do Senegal (6-5), cuja primazia física fez a difierença, principalmente no terceiro período da partida.

Na verdade, tal resultado não poderia ser considerado surpreendente, dado que 4 anos antes, no mundial de Ravena, Portugal teve de trabalhar muito para superar o Senegal nos quartos de final, após grandes penalidades (4-4 em jogo corrido).

No mesmo dia, o Brasil apenas derrotou a Nigéria no prolongamento (10-8), num duelo tremendo que culminou num empate a 8 bolas. Conclui-se portanto que o factor físico, aliado a um modelo de jogo pragmático adaptado às forças dos jogadores, desde cedo permitiu a estes dois colossos africanos bater-se de igual para igual com os maiores nomes do futebol de praia mundial.

[Foto: FIFA]
Mais recentemente, no mundial das Bahamas 2017, o Senegal massacrou Equador (9-0) e Bahamas (10-1), forçou a marcação de grandes penalidades diante da Suíça (os Leões acabariam por perder o encontro). A eliminação acabaria por chegar no confronto com a Itália nos quartos de final (5-1), num encontro que os senegaleses pareceram dominar durante largos momentos, mas a frieza táctica e qualidade defensiva dos transalpinos fariam toda a diferença. Na mesma competição, a Nigéria por pouco não eliminava o colosso Irão, eventual 3º lugar da prova, tendo o poderio físico dos nigerianos forçado as grandes penalidades que dariam aos persas a passagem à segunda fase.

Se, por um lado, ficaram evidentes as limitações de um futebol de praia que teima em persistir nos mesmos moldes e acaba por esbarrar numa defesa compacta, as prestações africanas em mundiais deixam claro que apenas uma equipa com um plantel muito equilibrado e extremamente bem preparado do ponto de vista da condição física, rigoroso nos processos defensivos, tem chances reais de resistir ao assalto avassalador das armadas nigeriana e, principalmente, senegalesa.

Que esperança para África?

As outras equipas do continente africano, de que Egipto e Marrocos são actualmente o exemplo mais nítido, acabam por sofrer do mesmo mal, na medida em que tendem a não apresentar os índices físicos assombrosos de Nigéria ou Senegal e o rigor táctico defensivo que colocam em campo acaba algo ofuscado pela enorme carga emotiva que colocam em campo. Reiteramos que, na conjuntura actual, esta ideia encontra eco particularmente na equipa egípcia, que parece estar um degrau acima da congénere marroquina (conforme o atesta o triunfo por 6-1 no encontro da fase de grupos).

Em todo o caso, parece-nos claro que ambas as equipas encontram um obstáculo intransponível rumo a uma primeira presença no mundial. Não lhes pode ser negada a responsabilidade por tais resultados, uma vez que, objectivamente, o seu não apuramento se deve ao facto de não terem sido suficientemente competentes para vencer o jogo decisivo.

Mas convenhamos que ficar impossibilitado de entrar em campo num mundial FIFA ao cabo de mais de 10 anos começa a ser uma punição excessiva por não se conseguir vencer Nigéria ou Senegal, num único jogo de mata-mata.

Omã, Venezuela, Equador, Costa Rica e Panamá constituem exemplos de selecções que tiveram a oportunidade de ir ao mundial sem nunca ter de o fazer, e provavelmente nunca se encontraram num patamar exibicional tão elevado como o do Egipto actualmente. Simplesmente, a atribuição de apenas 2 vagas ao continente africano revela-se escassa nos dias de hoje.

Alteração de formato?

Este é o principal ponto que pretendemos sublinhar neste olhar que dedicamos ao apuramento africano. Temos também vindo a preconizar a ideia de que 4 vagas para o continente europeu são manifestamente insuficientes, não sendo no nosso ponto de vista aceitável um número de participantes inferior a 6, atendendo à qualidade do futebol de praia actualmente praticado no velho continente – e mesmo assim equipas de topo ficariam de fora.

Note-se que no ano passado o mundial não contou com Rússia, Ucrânia, Bielorrússia ou Espanha. Inclusivamente, a sempre empolgante equipa de El Salvador esteve ausente dos dois últimos mundiais, por ter sido infeliz numa partida decisiva de 36 minutos do apuramento da CONCACAF. Consequentemente, equipas de topo, com qualidade para alcançar uma segunda fase, acabam por ser sistematicamente arredadas do mundial antes da cerimonia de abertura.

Concluímos portanto que a FIFA deveria rever os moldes do apuramento para evitar que uma prestação menos conseguida de uma equipa ao longo de 36 minutos ditasse o afastamento do mundial, comprometendo seriamente 2 anos de trabalho de uma selecção que pode inclusivamente figurar entre as melhores do mundo.

Tal objectivo seria mais facilmente atingido se a FIFA atendesse ao registo de anos anteriores para expandir o mundial para um formato de 20 ou 24 participantes, que efectivamente possibilitaria uma reformulação do formato das qualificações um pouco por todo o mundo.

Até lá, continuaremos a assistir a mundiais incompletos, que sabem a pouco aos amantes da modalidade e se revelam uma tremenda injustiça para as equipas que trabalham regularmente durante anos a fio para cumprir o sonho de participar num mundial, seja ele o primeiro ou o décimo da sua historia.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter