Arquivo de Qualificação - Fair Play

mexico-1.jpg?fit=1200%2C732&ssl=1
André CoroadoMarço 13, 20218min0

O mundial de futebol de praia vai mesmo acontecer este ano e a qualificação CONCACAF será a primeira a conhecer a luz do dia! Nesta viagem de regresso ao novo mundo, o Fair Play analisa os participantes da prova e as suas aspirações, procurando antecipar o desfecho de uma competição que promete animar os areais da Costa Rica!

Untitled_design_94.png?fit=672%2C353&ssl=1
André CoroadoDezembro 13, 201810min0

O Egipto perdeu com a Nigeria na meia final da Copa das Nações Africanas e voltou a falhar o acesso ao seu primeiro mundial. Também o Senegal assegurou a vaga no mundial ao desfeitear Marrocos. Até que ponto será aceitável este sistema de constantemente dita o afastamento de equipas de topo mundial do grande palco da FIFA? O que poderia ser feito para inverter a situação?

dcc1617se504.jpg?fit=1024%2C682&ssl=1
Luís PereiraSetembro 17, 20163min0

Nico Rosberg na pole em Singapura, com volta extraordinária; Hamilton sem andamento para a pole; Mercedes resolveu os problemas que os afetaram o ano passado; Ricciardo em 2º, mostra o potencial dos Red Bull; Vettel azarado parte do último lugar;

Nico Rosberg voou para a pole em Singapura, com uma volta lançada incrível, que deixou o colega de equipa, o Campeão do Mundo em título, Lewis Hamilton, a uns distantes 0.7 segundos. Nico Rosberg sempre pareceu ser o piloto da Mercedes mais à vontade e conseguiu a pole depois de uma volta que o alemão descreveu como uma das melhores da carreira.

A Q1 decorreu já sobre as magnificas luzes artificiais do circuito de Singapura, com os Mercedes a fazerem voltas rápidas bem cedo para melhor prepararem as seguintes sessões. Foi uma sessão sem incidentes, apesar de o circuito citadino ser bastante propício a embates nos muros, com a maior surpresa a ser a eliminação de Vettel, em último lugar, por ter problemas no seu Ferrari. Estava assim eliminado um dos candidatos à pole, juntamente com os pilotos da Manor e os habituais Renault e um dos Sauber. Sim, apenas um, porque Marcus Ericcson conseguiu aproveitar a vaga deixada por Vettel, para chegar à Q2.

A Q2 foi uma sessão relativamente animada, com os Red Bull a utilizarem uma estratégia diferente, ao utilizarem os pneus Super Macios e não os Ultra Macios. Quem não se mostrou muito competitivo nesta sessão, foram ambos os Williams, que ficaram à porta da Q3, mas sem lá chegar. Mais atrás ficou Button, que teve um toque num muro, tal como ambos os Haas e o Sauber de Ericsson.

Na Q3, na primeira tentativa, Rosberg fez um tempo avassalador, com 0.7 segundos de vantagem para Lewis Hamilton, mostrando que os Mercedes recuperaram os problemas do ano passado. No entanto, Lewis Hamilton não se mostrou à vontade neste GP, tal como se viu nesta sessão, onde cometeu erros em todas as voltas lançadas, mostrando que a sua liderança pode estar em real risco. Quem fez pela vida e aproveitou o menor fulgor de Hamilton foi Daniel Ricciardo, que ficou num excelente 2º lugar.

Mais atrás ficaram Max Verstappen e Kimi Raikkonen, que nunca estiveram em contenção pelos lugares cimeiros. Ambos os Toro Rosso fizeram uma excelente prova, numa pista onde o motor tem menos influência, tal como ambos os Force India e ainda o McLaren-Honda de Alonso, que volta a chegar à Q3.

A corrida realiza-se no domingo, às 13h, num circuito onde apesar de haver poucos pontos de ultrapassagens, não costuma faltar drama. Rosberg parte como claro favorito, mas em Singapura o Safety Car é presença constante e muita coisa pode mudar.

Qualificação Grande Prémio de Singapura

Foto: formula1.com
XPB_837685_HiRes-768x512.jpg?fit=768%2C512&ssl=1
Luís PereiraSetembro 3, 20162min0

Pole para Hamilton, 3ª consecutiva em Monza; inglês dominou a seu belo prazer e com relativa facilidade; Rosberg em 2º nunca ameaçou o colega de equipa; Vettel em 3º, com a Ferrari a mostrar melhorias; estreia da Haas na Q3.

Lewis Hamilton dominou completamente a qualificação do Grande Prémio de Itália, chegando facilmente à pole. Hamilton bateu Rosberg por quase 0.5 segundos, numa verdadeira demonstração de superioridade no circuito italiano. Os Mercedes partem, como seria de esperar, na grelha da frente, com Vettel a ser o “melhor dos restantes”, no 3º lugar, provando que as melhorias que a Ferrari trouxe para a unidade motriz, surgiram efeito.

Na Q1, os Renault ficaram nas últimas posições, mostrando que tanto chassis como motor têm muito para evoluir, tal como os habituais Sauber. O “azarado” com o 17º lugar foi Daniil Kvyat, voltando a mostrar que a Toro Rosso está a ficar cada vez mais para trás.

O Manor de Pascal Wehrlein conseguiu chegar à Q2, aproveitando ao máximo o seu ponto forte nesta pista, o motor Mercedes, ainda muito superior ao Honda dos McLaren, que ficaram “sanduicharam” o Manor. Quem não conseguiu utilizar essa vantagem foi Felipe Massa, já que se ficou pelo 11º lugar, sem chegar à Q3, isto na semana em que o brasileiro anunciou o final de carreira, depois desta temporada. Destaque para o bom lugar na Q2 de Romain Grosjean, também utilizando o novo motor Ferrari.

Na Q3 viu-se mais uma luta pela pole entre os Mercedes, só que na realidade, é injusto para Hamilton dizer que houve uma luta, já que o britânico pareceu estar sempre em controlo da situação. Aliás, o tempo da Q2 do campeão do mundo seria suficiente para lhe dar a pole, tal foi a superioridade em relação ao colega de equipa. Os Ferrari foram que mais se aproximaram, mas sem nunca estarem na luta, já que Vettel ficou a quase 0.8 segundos da pole. Os Red Bull sentiram dificuldades, não conseguindo mais do que 6º e 7º, atrás do Williams de Bottas, com a Force India a completar o top 10, com o estreante Haas de Gutierrez.

Para a corrida de domingo, espera-se mais um domínio da Mercedes, com Hamilton a partir como claro favorito, já que o inglês tem dominado nesta pista. A corrida decorre às 13h de domingo, como é costume nas corridas europeias.

 Qualificação Grande Prémio de Itália

Foto: formula1.com
Foto: formula1.com

Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS