Esteban Ocon sobrevive ao drama e vence pela primeira vez na F1

Luís PereiraAgosto 1, 20214min0

Esteban Ocon sobrevive ao drama e vence pela primeira vez na F1

Luís PereiraAgosto 1, 20214min0

Esteban Ocon conseguiu sobreviver ao drama na Hungria e vencer pela primeira vez um GP de Fórmula 1. Drama foi coisa que não faltou na corrida na Hungria. As previsões davam chuva para o início da corrida, o que prometia apimentar o arranque do Grande Prémio. Com Hamilton e Bottas nas duas primeiras posições, Verstappen logo atrás, e ainda com o incidente de Silverstone na memória de todos, a corrida prometia ter um arranque cheio de emoção.

Só que o arranque não trouxe apenas emoção, mas também o caos para a pista, pois Valtteri Bottas arrancou mal e foi ultrapassado por Norris antes da primeira curva. Ao tentar travar, o finlandês bateu em cheio na traseira do McLaren, o que levou o carro da equipa britânica a bater em cheio no Red Bull de Max Verstappen, danificando-o, e em efeito dominó, também no de Pérez.

Toda esta confusão também levou Stroll a perder o controlo do seu Aston Martin e bater em Leclerc, tirando o Ferrari da corrida. Apesar do dano, o holandês, ainda conseguiu manter-se a correr, mas Bottas, Stroll, Pérez e Leclerc não tiveram tanta sorte.

Os destroços eram imensos e a direção de corrida decidiu interromper a corrida com a bandeira vermelha. Os mais beneficiados disto foram Ocon e Vettel, que de repente se viram em lugares de pódio, apenas atrás do líder, Lewis Hamilton.

Enquanto a corrida estava interrompida foi tempo de as equipas tentarem reparar os carros danificados, principalmente a Red Bull no seu principal bólide e a McLaren com ambos os carros. Ricciardo e Verstappen ainda conseguiram ver os carros em condições mínimas para voltar, mas Norris já não e terminou, assim, de forma inglória para o jovem britânico a sequência de corridas a pontuar.

(foto: formula1.com)

Quando os pilotos regressam à pista para o reatar da corrida, verificou-se que a pista já estava bastante seca, o que levou toda a gente às boxes para trocar de pneus. Todos, exceto um. Todos, exceto Lewis Hamilton.

O campeão do Mundo em título arrancou sozinho, já que o resto do pelotão parou para montar pneus de pista seca. Só que isso mostrou ser uma má decisão, pois ao final da primeira volta também Hamilton teve de parar, só que dessa forma voltou para a pista em último, na 14ª posição.

Era agora uma corrida de recuperação para o britânico. Quem herdou a liderança foi Ocon, que tinha agora de se preocupar apenas com Sebastian Vettel.

Apesar da perseguição e das várias tentativas do alemão, Ocon manteve-se firme e nunca pareceu que a sua liderança estava em risco, até que Lewis Hamilton começa a fazer das suas. Na volta 48, o britânico volta a parar para trocar de pneus e fica com um andamento surpreendente e ao ritmo que andava existia a possibilidade de chegar à vitória. Só que na Hungria ultrapassar é difícil, ainda para mais se o piloto que temos à nossa frente é Fernando Alonso.

Na luta pela quarta posição, o espanhol conseguia colocar o seu Alpine no local certo, fechando sempre a porta a Lewis Hamilton. A espetacular defesa de Alonso não era tanto pela posição em si, mas era uma estratégia de equipa para proteger a liderança do seu colega de equipa e essa estratégia funcionou na perfeição, já que o campeão do Mundo só conseguiu ultrapassar o espanhol a cinco voltas do final.

Acabavam, assim, as esperanças de chegar à vitória, mas não ao pódio. Hamilton facilmente passou por Carlos Sainz, para chegar ao terceiro posto. O lugar no pódio era suficiente para o ainda campeão em título chegar à liderança do Campeonato do Mundo, já que Verstappen, com o carro bastante danificado do toque inicial, só conseguiu terminar em 10º, amealhando apenas um ponto.

Ocon é que foi o piloto mais feliz da tarde, com a sua primeira vitória na F1. Destaque também para Latifi e Russell que terminaram nos pontos, dando os primeiros pontos da época para a Williams, e logo com os dois pilotos.

Agora a Fórmula 1 vai para a pausa de verão e volta apenas no final de agosto na Bélgica.

GRANDE PRÉMIO DA HUNGRIA

CAMPEONATO DO MUNDO DE PILOTOS

CAMPEONATO DO MUNDO DE CONSTRUTORES

 


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter