Estrelas para o Draft 2022 e para o futuro da WNBA pt2

José AndradeAbril 6, 20226min0

Estrelas para o Draft 2022 e para o futuro da WNBA pt2

José AndradeAbril 6, 20226min0

Novo dia, novo texto, hoje a segunda-parte da nossa lista de jogadoras que devemos guardar para o draft da WNBA do próximo dia 11 e também para o futuro do basquetebol mundial. Mais 10 nomes que vão proporcionar excelentes momentos a todos nós adeptos de basquetebol.

Christyn Williams – Base de Connecticut

Um dos muitos talentos de UConn que vai chegar à WNBA, Christyn Williams vem de jogar a final em que não esteve bem, o jogo não lhe correu bem e isso pode fazê-la cair um pouco nos mocks, mas a verdade é que falamos de uma base que se assume como uma scorer eficiente, que consegue criar, com um tiro exterior de qualidade e que apresenta grande melhorias a nível defensivo. Teve alguns problemas de consistência esta temporada, mas é uma base “grande” e que além do que consegue criar, tem físico e capacidade física para em pouco tempo conseguir ter um papel relevante numa equipa na WNBA.

Sika Kone – Extrema/Poste de Gran Canaria

Chegamos a um dos maiores talentos deste draft, a jogadora que chega com mais provas dadas porque chega da Liga Espanhola, onde apesar da lesão grave que a afastou do final de temporada, está entre as possíveis MVPs e seria a escolhida se não tem sido a lesão. 5 prêmios de melhor da semana em Espanha, provas dadas e muito talento. A maliana pode fazer as duas posições interiores, dominou o campeonato do mundo sub19, tem apenas 19 anos e uma das maiores margens de progressão deste draft. Altura, capacidade atlética, domínio no garrafão, acresce ainda a enorme capacidade de passe, tem evoluído no tiro, dá totais garantias defensivas e no ataque é uma jogadora com muitos recursos. Potencial para ser uma estrela do basquetebol mundial.

Nia Clouden – Base de Michigan

Aqui falamos da melhor atiradora deste draft da WNBA, foi a jogadora com a melhor percentagem da linha de três pontos (39.6). É uma uma jogadora “baixinha”, mas muito ágil, rápida, é esta velocidade que impressiona e que também a coloca em destaque, porque além de se evidenciar no contragolpe, a sua rapidez faz com que roube bolas sem que as adversárias percebam de onde ela chegou. É uma base em constante evolução, que trabalha muito e que atira como poucas neste draft. Apesar de ser apontada a uma escolha de segunda ronda, não me admirava que pudesse ser uma das surpresas deste draft e acabar por ser uma escolha de primeira ronda, é a base com mais margem de progressão.

Evina Westbrook – Base de Connecticut

Voltamos a falar de uma jogadora de UConn, uma base com 23 anos e que não se assume como uma das estrelas deste draft, mas que é uma jogadora muito interessante. Evina é uma base versátil, que defende, o destaque maior nesta temporada foi quando deu um passo em frente e assumiu o papel de líder da equipa quando Paige Bueckers se lesionou. Uma base sólida, capaz de desempenhar vários papeis pela sua versatilidade, consegue defender, passa bem, tem visão de jogo e atira bem. Base que pode assumir no imediato um papel de role player em algumas equipas como nas Los Angeles Sparks.

Lorela Cubaj – Extrema-poste de Georgia

Uma jogadora que pode jogar a 4 ou a 5, acredito que se vai assumir cada vez mais como poste, mas é uma jogadora que defende muito bem, consegue enfrentar e vencer nos duelos com jogadoras mais altas e mais fortes fisicamente. Cubaj é a “big” com melhor capacidade de passe deste draft e acresce ainda o ser uma excelente ressaltadora. Uma poste capaz de ser já um ótimo backup para postes mais experientes.

Destanni Henderson – Base de South Carolina

Uma base recém-campeã em South Carolina, sendo uma das estrelas da final com UConn, onde conseguiu o máximo de pontos da carreira provando a sua imensa qualidade e que brilha na altura das decisões. Destanni neste jogo ganhou o duelo com Paige Bueckers, fazendo o que muito poucas jogadoras conseguiram, reduzir o impacto de Paige no jogo. É uma base muito forte, tem capacidade de liderança, é uma base criadora que faz a sua equipa jogar, mas que assume muito bem. Excelente atiradora, percentagem de acerto acima dos 50% na linha de três pontos e a juntar a isso o ser uma base que ataca bem o cesto… em que franquia da WNBA vai acabar?

Veronica Burton – Base de Illinois

Aqui falamos de um nome que não é apontado à primeira ronda do draft da WNBA, mas uma jogadora de futuro até para o basquetebol europeu. Uma base que se evidencia pelo lançamento exterior muito característico, com um belo step-back antes de atirar, mas é uma base habilidosa, com capacidade de aceleração e que se notabiliza por conseguir sempre achar uma linha de passe e alguém em melhor posição para lançar com maior sucesso. Uma base que ainda defende bem, tendo mesmo sido eleita por duas vezes a big ten defensive player.

Khayla Pointer – Base de Louisiana

Uma base que tem dois dígitos de médias desde 2018-2019, era no princípio dessa época apontada como a 15ª melhor base da sua geração e a verdade é que de ano para ano foi subindo e ganhando protagonismo para chegar ao draft e ser escolhida. É uma das bases mais rápidas deste draft com a bola nas mãos, notabiliza-se pela sua capacidade na área pintada e pelo ball handling de elevado recorte. Melhorou muito o seu mid-range, ótima em transições, evoluiu muito no jogo sem bola e é uma jogadora que gosta e que atira muito bem de longe.

Jenna Staiti – Poste de Georgia

Voltamos a falar de uma poste, Jenna Staiti é uma jogadora interior com um arsenal vasto para a posição. Joga bem com as duas mãos, consegue marcar em várias zonas, sendo uma poste que se movimenta bastante, consegue ganhar e tirar proveito da sua capacidade física. É uma poste que dá garantias na luta das tabelas, nos dois lados do campo e que se sabe mexer, pode ser um dos “steals” deste draft.

Olivia Nelson-Ododa – Extrema de Connecticut

Olivia era a dona e senhora do jogo interior de UConn, era quem garantia a defesa, uma jogadora que pode fazer as duas posições interiores, muita forte fisicamente e que além dos desarmes de lançamento é uma atleta que se caracteriza pela boa capacidade de passe, aqui algo onde trabalhou muito e onde cresceu bastante nesta temporada. Não é a melhor finalizadora, ainda é uma área que precisa de melhorar, mas a verdade é que uma poste alta, ótima defensora, boa passadora e com boa visão de jogo.

Fim da nossa segunda-parte, ficaram aqui mais 10 nomes de muito futuro e que vão brilhar muito ao mais alto nível do basquetebol mundial, não percam que ainda temos mais duas partes para vos revelar.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter