Liga Betclic Feminina – Destaques do primeiro jogo da final

José AndradeMaio 4, 20229min0

Liga Betclic Feminina – Destaques do primeiro jogo da final

José AndradeMaio 4, 20229min0
A Liga Betclic Feminina viu o primeiro jogo da final acontecer e quem foram as jogadoras que mais se destacaram? José Andrade conta-nos tudo

Começou a final da Liga Betclic Feminina, num grande jogo o União Sportiva triunfou no primeiro duelo desta final onde tivemos muitos destaques individuais, por isso mesmo venham connosco para ficarem a saber quem mais se evidenciou nesta primeira batalha da final.

Reedição da final da temporada passada e neste primeiro jogo, o União Sportiva recebeu e venceu o SL Benfica por 64-60 num super jogo no Pavilhão Sidónio Serpa. AS açorianas conseguem assim começar melhor nesta final e manter o registo imaculado destes playoffs, do lado do Benfica foi a segunda derrota na temporada, a segunda nestes playoffs. O jogo começou logo muito rápido, Benfica marcou primeiro através de Candela Gentinetta da linha de lances livres, mas os minutos iniciais foram de muita velocidade e com as defesas em destaque. Benfica começou a ganhar vantagem através das transições rápidas, a equipa de Eugénio Rodrigues conseguia aproveitar a falta de eficácia inaugural do Sportiva fruto da defesa pressionante encarnada e através de ataques rápidos.

A resposta da equipa de Ricardo Botelho surge através da maior velocidade e pelas mãos de Raquel Laneiro, a capitã a pegar no jogo e a fazer a diferença, impedindo que o Benfica fugisse mantendo o União Sportiva a apenas duas posses. Depois de uma má entrada do União Sportiva, a equipa dos açores recuperou e aproximou-se ainda no primeiro quarto. A defesa do Benfica ia conseguindo fazer a diferença e Laura Ferreira esteve em evidência na primeira-parte principalmente no duelo com Nausia Woolfolk. No segundo quarto, o Benfica voltou a fugir, conseguiam anular a zona interior do Sportiva e em transições iam conseguindo pontuar aproveitando a maior mobilidade no ataque e através de movimentos simples. Sportiva sentia mais problemas nas transições, sempre que a equipa jogava o seu jogo mais pensado e pausado conseguia criar problemas ao Benfica, mas até ao intervalo o Benfica ia conseguindo obrigar o conjunto dos Açores a errar mais e a perder mais bolas, com isso as transições mortíferas encarnadas iam colocando a vantagem em 18 pontos ao intervalo.

A segunda-parte começa com o Sportiva a procurar as vantagens nas combinações das postes, principalmente Emília Ferreira que começou muito bem neste terceiro quarto, mas uma reentrada em jogo completamente diferente do Sportiva que aproveitava a vantagem nos duelos interiores e que trocava mais a bola procurando a altura certa para lançar, com isso conseguiram começar a aproximar-se. As açorinas estavam em crescendo no jogo, Benfica com maior mobilidade, mas a maior agressividade principalmente no garrafão fazia a diferença para o lado da equipa da casa. Sportiva a passar para a frente ainda no terceiro quarto através da suspeita do costume, Raquel Laneiro de 2 pontos, recuperação incrível de 14 pontos, um terceiro quarto alucinante e as açorianas cada vez mais “mandonas” na partida, mas Joana Soeiro ainda conseguiu empatar tudo no último lance deste período deixando tudo ao rubro para o último quarto deste grande jogo.

Destaque para o duelo entre Laneiro e Raphaella Monteiro, foi logo um dos duelos que abriu o último quarto com o Sportiva a ganhar esse duelo fruto da boa defesa de Raquel Laneiro e da ajuda de Nausia, os problemas nas ajudas que a equipa açoriana tinha sentido no começo do jogo estava ultrapassado e os duelos estavam agora a ser ganhos pelas jogadoras de Ricardo Botelho. O União Sportiva aproveitava bem cada ataque, baixava a velocidade de jogo e tratavam cada vez melhor a bola, procurando a altura exata, com isso o Benfica sentia mais problemas porque os movimentos de Laneiro e Nausia descompensavam a defesa encarnada e Simone Costa aproveitava para pontuar. Benfica menos intenso, sem conseguir ter capacidade para as transições e iam perdendo os duelos das tabelas. Benfica passa para pressão a campo inteiro a 3:35, mas o Sportiva estava com maior conforto na partida, a concretização do Benfica caiu muito e o conjunto de Ponta Delgada conseguia ganhar sempre os ressaltos, a juntar a isso o cansaço cada vez maior das encarnadas impedia que as transições funcionassem.

A 1:10 do final do encontro, Joana Alves com um triplo que colocou o jogo a 4 pontos e foi este o primeiro momento decisivo deste final de encontro. Benfica esperou para fazer falta, a busca por alguém menos eficaz na linha de lances livres obrigou o Benfica a esperar, a deixar o tempo passar, o Sportiva lançou de três pontos, ganhou ressalto e em desespero o Benfica acaba a fazer falta sobre Raquel Laneiro uma das jogadoras que as encarnadas não queriam na linha de lances livres. Raquel Laneiro marcou um lance livre, o Benfica saiu rápido com bola em Raphaella Monteiro que não conseguiu converter o triplo, no ressalto Simone Costa ganha e sofre falta, conseguindo depois marcar um dos lançamentos, na resposta rápida e a 2 segundos do final do encontro, Raphaella Monteiro conseguiu fazer o que não tinha conseguido antes, meter a bola da linha de três pontos. Na última posse, Carolina Rodrigues fez falta sobre Joana Alves e a interior do Sportiva conseguiu marcar um dos dois lances livres, mas ainda fez falta, mas o Benfica já não tinha tempo para mais. União Sportiva a entrar melhor nesta final, fruto de uma segunda-parte extraordinária e com isto conseguem a primeira vitória da temporada frente ao SL Benfica. Tudo ainda mais ao rubro nesta final da Liga Betclic Feminina.

Nos destaques individuais foram muitos e voltou a ser difícil escolher, mas estes foram as jogadoras em maior evidência:

  • Simone Costa a super regularidade e o muito talento que merecia mais destaque

Começamos por Simone Costa, foi um dos maiores destaques deste duelo, ela que foi mesmo uma das melhores da temporada, fui destacando aqui muitas vezes pela regularidade e pela capacidade de aparecer sempre em todos os jogos, fazendo tudo bem e sempre brilhando mesmo com no trabalho mais invisível. Neste jogo foi determinante, principalmente na segunda-parte onde conseguiu surgir muito na linha de três pontos aproveitando os ataques bem construídos da equipa, além de se evidenciar no ataque ainda voltava a ser das mais importantes no lado defensivo. Neste duelo conseguiu, 16 pontos (3 em 5 nos lançamentos de campo, 3 em 6 na linha de três pontos e 1 em 2 na linha de lances livres), mais 3 ressaltos e 2 desarmes de lançamento, grande jogo e nem sempre destacada como merecia ao longo da temporada.

  • Raquel Laneiro e a incapacidade para nunca jogar menos que muito bem

Chegamos a um habitual destaque dos jogos do União Sportiva nos playoffs, Raquel Laneiro que tem sido a melhor jogadora desta fase final e voltou a mostrar isso mesmo neste duelo. No pior momento da equipa, foi a capitã das açorianas que pegou no jogo e fez a diferença, com os seus tiros, com os seus passes e além disso, na defesa, tendo voltado a ser a estrela e fundamental para a equipa nos dois lados do campo. Numa primeira-parte complicada, foi Raquel Laneiro a indicar o caminho e a guiar a equipa para o que viria a ser o início da resposta do conjunto de Ricardo Botelho. Um novo excelente jogo de uma das estrelas da nossa Liga Betclic Feminina. Olhando para os números de Raquel Laneiro, foram 11 pontos (conseguindo destaque no tiro exterior com 2 em 3) ainda brilhou com 7 ressaltos, 4 assistências e 3 roubos de bola. A excelência da base internacional portuguesa continua a ser um dos pontos altos desta fase.

  • Carolina Rodrigues e um final excelente de temporada

No lado do SL Benfica, a base volta a ser um dos nomes em maior evidência, voltou a ser com a entrada de Compal que o jogo do Benfica animou e ganhou outra dinâmica, tal como tem acontecido nestes playoffs em todos os jogos, é a aposta em Carolina Rodrigues que deixa o Benfica mais confortável nos encontros e neste não foi diferente. A sua capacidade de aceleração aliada à visão e qualidade de passe, torna-a a arma mais utilizada e mais mortífera do banco encarnado. Neste duelo conseguiu 12 pontos, 1 ressalto, 3 assistências e 4 roubos de bola, mas ainda mais que estes números está o que a base consegue alterar no jogo, ela que tem vindo a crescer de forma ao longo da temporada, sendo nesta altura uma das melhores da nossa Liga Betclic Feminina.

  • Mariana Silva a jogadora que não falha no Benfica

Por fim, mas não menos importante, o nosso último destaque vai para Mariana Silva que continua a ser mais um dos nomes que se destaca sempre em todos os jogos, mais uma destas atletas que rende sempre e que nunca tem baixado o seu rendimento. Mariana Silva tem sido uma das peças mais regulares deste Benfica, foi assim a temporada toda mesmo com menos tempo de jogo. Neste duelo a sua mobilidade foi mais uma vez uma das armas que catapultou este Benfica para a vantagem no encontro. Mariana Silva é também mais um nome que nem sempre tem o destaque merecido, mas que nunca tem falhado. Neste jogo, Mariana Silva conseguiu 12 pontos, 3 ressaltos e 1 roubo de bola.

Ficou aqui tudo sobre o primeiro jogo da final da Liga Betclic Feminina e ainda os maiores destaques individuais, o próximo jogo é dia 7, sábado, pelas 11h30 no Pavilhão Fidelidade e em direto na FPBTV e na Abola TV, por isso não percam porque vai ser um jogo imperdível e ainda mais espetacular.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter