Um fevereiro cheio de futebol na Liga NOS

Rui MesquitaMarço 1, 201812min0

Um fevereiro cheio de futebol na Liga NOS

Rui MesquitaMarço 1, 201812min0
O mês de fevereiro acabou ontem e o Fair Play analisa os melhores momentos da Liga NOS neste mês de inverno! Descobre-os abaixo!

Goleadas, reviravoltas, expulsões e resultados inesperados. O mês de fevereiro da Liga NOS contou com 4 jornadas e momentos inesquecíveis. Os melhores desses momentos estão abaixo destacados!

SL Benfica 5 – 1 Rio Ave FC

O jogo na Luz não começou bem para os encarnados. O Rio Ave entrou forte e acabou mesmo por marcar aos 8 minutos por Guedes. O avançado ganhou nas alturas a Rúben Dias ao corresponder a um cruzamento de Geraldes. Ainda na primeira parte o Rio Ave enviou uma bola ao poste e o Benfica não conseguiu impor o seu jogo.

A segunda parte foi o oposto da primeira. O Benfica entrou forte à procura do empate que surgiu de canto e pela cabeça de Jardel aos 48 minutos. Logo aos 63 Pizzi carimbou a reviravolta depois de uma boa jogada entre Grimaldo e Jonas. A partir daí o Rio Ave praticamente desligou do jogo.

Jonas, numa embrulhada com Cássio, fez o 3-1 e Rúben Dias cabeceou para o 4-1. Já depois das substituições o Benfica fez o quinto golo. Aos 86, Jimenez respondeu bem a um cruzamento de Rafa e fechou a contagem na Luz.

Uma primeira parte excelente do Rio Ave e uma segunda parte assombrosa do Benfica. Venceram os encarnados, com um susto no primeiro tempo.

(Foto: Diário de Notícias Madeira)

Estoril Praia 2 – 0 Sporting CP

O Estoril entrou atrevido na receção aos leões e foi dividindo oportunidades com o Sporting. Aos 27 minutos, e a partir de um canto, os homens da casa chegaram mesmo ao golo. Fábio Coentrão ainda evitou o golo em cima da linha, mas a bola sobrou para Kyriakou não dando hipótese ao lateral esquerdo do Sporting.

Aos 29 minutos o Estoril amplia a vantagem. Um passe a rasgar a defesa leonina deixa Ewandro sozinho na cara de Rui Patrício. O avançado brasileiro tentou o chapéu que Patrício desviou, mas o homem do Tondela completou a jogada, fazendo golo. A defesa do Sporting ficou estática a pedir fora de jogo que o auxiliar marcou. Depois, recorrendo ao VAR, o árbitro validou, e bem, o golo.

A Sporting acelerou o jogo correndo atrás do prejuízo mas nunca foi capaz de o alcançar. O Estoril ainda fez o 3-0 mas o golo foi bem anulado por fora de jogo. Também o Sporting marcou (aos 90+4) e viu o seu golo anulado pelo VAR.

O Sporting saiu do Estádio António Coimbra da Mota com uma derrota preocupante. Por seu turno o Estoril ganhou 3 pontos que podem fazer a diferença na luta pela manutenção.

(Foto: MaisFutebol)

Marítimo M. 0 – 3 Portimonense

Uma deslocação difícil para os algarvios para jogar em casa de um bom Marítimo. Mas os homens de Vítor Oliveira entraram fortes e a fazer uso das suas armas. Um bom exemplo disso foi uma bola nas costas dos insulares para a velocidade de Fabrício e o avançado quase sem ângulo finalizou para o 1-0.

Aos 18 minutos chegava o 2-0. Contra-ataque rápido do Portimonense com Fabrício e Nakajima em destaque e novamente o avançado brasileiro a finalizar, desta vez isolado na cara do guarda-redes. O 3-0 apareceu ainda na primeira parte, aos 29 minutos. Mais uma bola nas costas dos defensores do Marítimo, desta feita para a rapidez de Bruno Tabata. O extremo não facilitou no 1 para 1 com o guardião adversário.

A segunda parte trouxe um Marítimo a querer remediar os estragos mas sem muita lucidez. Falta de eficácia foi o grande problema num jogo que acabou mesmo no 0-3 para o Portimonense.

Os homens de Portimão confirmaram o bom momento e o Marítimo desiludiu em casa, onde costuma ser forte.

(Foto: MaisFutebol)

Os Belenenses 2 – 5 CD Aves

Festival de golos no Restelo. O primeiro surgiu logo aos 2 minutos com um desvio de Mama Baldé a um cruzamento rasteiro. Entravam na frente os visitantes. O segundo do Aves nasce de um atraso de Nuno Tomás que o guarda-redes André Moreira acaba por não segurar. Infelicidade para o guardião e auto-golo atribuído a Nuno Tomás.

Elhouni aos 28 e Machado aos 40 colocaram o placar em 0-4. O primeiro numa finalização na cara de André Moreira e o segundo de grande penalidade. O jogo não iria para intervalo sem antes o Belenenses reduzir. Bom cruzamento da esquerda e Bruno Tomás com um grande cabeceamento a fazer o primeiro dos de Belém.

A segunda parte foi mais parca em oportunidades e só aos 86 minutos voltou a haver golo. Grande penalidade para o Belenenses que Maurides converteu irrepreensivelmente. Corria o Belenenses atrás do resultado mas Fariña acabou com qualquer esperança no Restelo. Recuperação de bola a meio-campo e uma arrancada que só terminou com a bola no fundo das redes.

7 golos numa noite de espetáculo da Liga NOS, o jogo com mais golos de fevereiro. Venceu o Aves, num bom passo para fugir a lugares perigosos da tabela.

(Foto: ABOLA)

GD Chaves 0 – 4 FC Porto

O Porto deslocou-se a Trás-os-Montes com a pressão de uma vitória encarnada no dia anterior. Na luta pela liderança os dragões entraram fortes, com muitas e boas oportunidades de golo.  O desejado golo surgiu pelos pés de Soares ao minuto 15. Recuperação de Otávio e transição rápida de Sérgio Oliveira que assiste para o remate de Tiquinho.

O Chaves reagiu, mas José Sá mostrou-se à altura. Quem não marca sofre e isso aconteceu aos homens da casa. Cruzamento milimétrico de Maxi Pereira que Soares aproveitou para finalizar sem deixar cair. Um grande golo do brasileiro a fazer o 2-0 para o Porto.

Voltou a reagir o Chaves com uma grande jogada de Matheus Pereira que acabou por não dar golo. No início da segunda parte o Porto voltou aos golos. Um remate algo frouxo de Marega acabou por encontrar as redes num lance em que o guardião flaviense não vê a bola partir.

A goleada ficou selada com um grande golo de Sérgio Oliveira. Passe picado de Herrera e o médio português segura no peito e remata sem deixar a bola cair.

O Chaves mostrou-se incapaz de parar o caudal ofensivo do Porto e acabou goleado em casa em mais um passeio dos dragões.

(Foto: Record)

FC Porto 5 – 0 Rio Ave FC

Mais uma goleada do Porto, desta feita no Estádio do Dragão. Contra uma das melhores equipas da Liga NOS, a equipa de Sérgio Conceição não facilitou. Logo aos 2 minutos de jogo Sérgio Oliveira encheu o pé fora da área e fez o 1-0. Bola rente ao poste de Cássio a desbloquear um jogo que podia tornar-se perigoso para os dragões.

22 minutos de jogo, canto à esquerda para Alex Telles. Cruzamento para a cabeça de Soares que, com um grande cabeceamento, ampliou a vantagem. Ainda antes do intervalo, Marega procura o cruzamento e a bola desvia num defesa vila-condense e entra para o 3-0. O golo foi atribuído ao avançado portista, mas é mais infelicidade do Rio Ave do que mérito dos dragões.

Aos 72, “canto à maneira curta” para Telles que acaba na cabeça de Marega que, saltando sozinho, fez o quarto golo. Mesmo com goleada os dragões não tiraram o pé do acelerador. Jogada de envolvimento do ataque azul e branco que termina com Soares a encostar para o 5-0 final.

Um fevereiro de ouro para o Porto, com 4 vitórias, 17 golos marcados e apenas 2 sofridos.

(Foto: ABOLA)

Vitória SC 0 – 5 SC Braga

Derby minhoto em Guimarães numa luta sempre quente e emocionante. Logo aos 12 minutos Vukcevic recupera uma bola a meio campo e larga para Dyego Sousa que entra na área e fuzila o guarda-redes do Vitória para o 0-1. Depois surge o momento que decide o encontro. Minuto 32 e Wakaso faz falta sobre Wilson Eduardo. O juiz da partida marca penalty e expulsa o médio do Vitória. Veja aqui a análise do Fair Play ao lance. Na conversão, Hassan fez o 0-2.

Depois deste momento o jogo descambou para os homens da casa. Ainda antes do intervalo Vukcevic fez o terceiro com um remate de meia distância. De novo de meia distância, Wilson Eduardo fez o 0-4 com um grande golo. Aos 60 minutos, uma boa jogada de envolvimento do ataque do Braga resultou num golo fácil de Esgaio a impor o 0-5 final.

Uma goleada no Afonso Henriques que resultou na saída de Pedro Martins do banco vitoriano. José Peseiro assumiu já a liderança da equipa, noutro dos melhores momentos de fevereiro.

(Foto: Guimarães Digital)

CD Tondela 1 – 2 Sporting CP

Depois de goleadas dos rivais, o Sporting estava obrigado a vencer em Tondela mas o jogo não foi fácil para a equipa de Jorge Jesus. A equipa da casa entrou com vontade de tirar pontos a um grande e não andou longe. Passados 12 o Tondela chega mesmo ao golo. Boa jogada de envolvimento com Tomané a meter a bola nas costas da defesa leonina. Apareceu Miguel Cardoso na cara de Patrício e o avançado fez o 1-0.

Com o golo sofrido o Sporting cresceu no jogo e chegou mesmo ao empate ao minuto 26. Bom cruzamento de Acuña que acabou na cabeça do suspeito do costume: Bas Dost. O avançado holandês apontou o 20º golo no campeonato e levou o jogo empatado para o intervalo.

Na segunda parte o Tondela voltou a entrar atrevido e aos 59 minutos Mathieu viu o segundo cartão amarelo, deixando os leões reduzidos a 10. Ainda assim o Sporting não deixou de procurar o golo da vitória num jogo que se mostrava complicado.

O juiz da partida deu 4 minutos de compensação mas só aos 90+8 o Sporting chegou ao golo (nota para o tempo que o jogo esteve interrompido já na compensação). Bola bombeada para a área e o cabeceamento de Bas Dost embate no poste. Coates na recarga fuzila para o 1-2.

Nos festejos, o central uruguaio tirou a camisola mas não lhe foi mostrado o cartão amarelo que o deixaria de fora do jogo seguinte.

O Sporting conseguiu, assim, uma vitória “arrancada a ferros” num jogo que parecia empatado. Já o Tondela viu ser-lhe tirada das mãos a oportunidade de pontuar contra um adversário sempre complicado.

(Foto: Observador)

FC Paços de Ferreira 1 – 3 SL Benfica

O Benfica entrou em Paços de Ferreira apagado e quase pagou caro. Aos 9 minutos Grimaldo perde a bola em zona proibida e o Paços não facilita. Cruzamento atrasado para uma bomba de Luiz Phellype. 1-0 para os homens da casa e um balde de água fria para os encarnados.

O Benfica acordou aos poucos mas só na segunda parte começou o sufoco encarnado. A vantagem pacense durou até aos 72 minutos quando, numa confusão na área, Jonas empatou o encontro. Os encarnados mantiveram a pressão para garantir a reviravolta e conseguiram-no aos 88 minutos. Cruzamento perfeito de Seferovic para Jonas finalizar no coração da área. O avançado brasileiro bisou no jogo e virou-o a favor do Benfica.

Já na compensação e com o Paços com menos um elemento, Rafa fez o 1-3 final. Boa finalização do internacional português a coroar uma excelente exibição.

Com esta reviravolta o Benfica terminou o mês de fevereiro apenas com vitórias. O Paços de Ferreira perdeu, assim, a oportunidade de conquistar pontos importantes na sua fuga à linha de água.

(Foto: SIC Notícias)

Sporting CP 1 – 0 Moreirense FC

Pressionado pelas vitórias de Benfica e Porto, o Sporting entrou forte em Alvalade. A primeira parte foi de um só sentido mas os leões não conseguiram marcar. Inúmeras oportunidades desperdiçadas e um Moreirense a fazer os possíveis por manter o nulo levaram o 0-0 para o intervalo.

A segunda parte começou da mesma maneira mas a velha lei do futebol entrou em ação. O Sporting falhou muito e acabou por sofrer. Apesar disso o golo foi invalidado por mão na bola do jogador do Moreirense. O árbitro recorreu mesmo à visualização das imagens para tomar a decisão.

O Sporting pressionou até ao final do encontrou e aos 90+2 Gelson acabou por fazer o golo. Uma trivela do extremo leonino quando o Sporting jogava já com 10 jogadores por expulsão de Petrovic. O próprio Gelson acabou expulso ao ver o segundo amarelo por tirar a camisola nos festejos do golo para mostrar uma mensagem a Rúben Semedo, preso em Espanha.

A equipa de Jorge Jesus venceu mais um jogo no limite e mantém-se na luta pelo título. Os leões terminaram fevereiro com uma derrota e 4 vitórias, duas delas conseguidas já depois dos 90 minutos. Já o Moreirense afundou, com mais uma derrota, no último lugar da tabela.

(Foto: MaisFutebol)


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter