22 Mai, 2018

O que esperar do Benfica depois do derby?

Rui MesquitaJaneiro 5, 20185min0

O que esperar do Benfica depois do derby?

Rui MesquitaJaneiro 5, 20185min0
Os encarnados empataram na Luz com o rival Sporting e complicaram a vida na Liga NOS. O que esperar do resto da época?

Honras repartidas no Estádio da Luz num derby lisboeta carregado de emoção. Os leões estiveram a vencer desde os 19 minutos mas Jonas empatou aos 90, fixando o 1-1 igual. Mas o que se pode esperar deste Benfica a 5 pontos do líder e fora de todas as restantes competições? Uma época para esquecer ou uma reviravolta para assegurar o pentacampeonato?

O derby foi a melhor exibição encarnada da época. Terminou empatado (Foto: Notícias ao Minuto)

O pré-derby

É sabido que a época tem sido desastrosa para os encarnados. 6 derrotas na Champions e eliminação prematura nas duas taças. Uma época a contrastar com o sucesso dos últimos 4 anos. No campeonato o Benfica levava já 3 empates e 1 derrota em 15 jogos. Este registo colocava as águias a 3 pontos da liderança partilhada por Sporting e Porto.

Apesar da crise de resultados iminente, isso não era o que mais preocupava os adeptos. O Benfica tinha perdido o seu futebol ligado e eficaz e estava sem soluções, defensiva e ofensivamente. O 4-4-2 que tantos sucessos trouxe parecia desgastado e frágil. Pizzi não mostrava a capacidade de construir sozinho como na época passada e Jonas não baixava o suficiente para tapar essa lacuna. Os extremos jogavam sempre por fora como de costume e o meio campo ficava despovoado.

Defensivamente, o Benfica pecava em tudo. Individualmente fragilizada (com as vendas do verão), a defesa metia água todos os jogos. Nenhum dos guarda-redes se assumia como titular e a lesão de Rúben Dias (o melhor dos centrais) só piorou a situação.

Pizzi foi (e é) o espelho de um Benfica incapaz e sem soluções (Foto: RTP)

Tudo isto forçou Rui Vitória a mudar de sistema. Aptou por um 4-3-3 com Krovinovic ao lado de Pizzi. Mais posse e qualidade de passe na zona crítica do terreno e melhor chegada à frente. Jonas tem aguentado bem a frente de ataque sozinho e o Benfica cresceu.

O derby e o que ele trouxe

Se é verdade que o Benfica estava em crescendo no seu novo modelo, não era expectável que dominasse um Sporting em boa forma e com um excelente plantel. As duas equipas entraram fortes, como seria de esperar. Na primeira oportunidade de golo, Gelson cabeceia para o fundo das redes de Varela. Cabia ao Benfica reagir.

Estar, aos 19 minutos, a perder um derby em casa é um cenário trágico, um ponto final na época. Mas os encarnados reagiram e a partir do golo só deu Benfica. Comandada por Krovinovic, a Luz pressionou os leões durante toda a partida. Grandes exibições de Grimaldo, Krovinovic e Jonas a criar oportunidades durante todo o jogo.

O golo apenas surgiu aos 90 minutos e de grande penalidade. O sufoco encarnado criou diversos lances duvidosos na área de Rui Patrício com um penalty a ser assinalado ao cair do pano. Jonas converteu de forma irrepreensível devolvendo alguma justiça ao resultado. Um empate no derby que deixa os encarnados mais longe da liderança.

Rui Vitória pôs o Benfica a jogar mais e melhor com a mudança para o 4-3-3 (Foto: MaisFutebol)

O pós-derby, o que esperar?

O Benfica sai da 16ª jornada a 5 pontos do líder Porto e a 3 do segundo Sporting. A situação não é ideal, mas os encarnados saem do derby melhores do que antes. O 4-3-3 com Krovinovic funciona e dá à equipa armas que esta não tinha. A defesa está mais organizada e Rúben Dias voltou “certinho” como antes. A confiança dos jogadores vai aumentando e, tirando Pizzi, o 11 encarnado foi exímio no derby.

Krovinovic dá qualidade de passe e progressão à equipa. O médio croata é o complemento perfeito a um Pizzi que não está no seu melhor. Defensivamente Krovinovic permite uma rápida variação para um 4-4-2 completando a pressão com Jonas à saída adversária. É, neste momento, a pedra basilar deste modelo e a esperança do Benfica.

A equipa de Rui Vitória não depende de si própria para chegar ao título, mas é de esperar deslizes dos rivais. O Benfica pratica o seu melhor futebol da época e encontrou soluções no seu novo modelo. Rui Vitória terá que aproveitar essas soluções para não perder pontos contra equipas “pequenas” e receber com uma vitória o Porto a 15 de abril. Até lá muito se jogará e cabe ao Benfica levar os apontamentos do derby para o resto da época. Esses argumentos fazem dos encarnados candidatos ao título final.

Até ao fim podemos esperar um Benfica agressivo e concentrado, assente na qualidade de Krovinovic. Podemos esperar uma luta intensa até ao fim e um futebol cada vez mais estável e enriquecido. Se Pizzi melhorar a sua forma e os restantes manterem a qualidade, o Benfica andará perto do título.

Krovinovic é a base deste “novo Benfica” e dele depende a construção encarnada (Foto: SL Benfica)


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter