Há um ano, Jorge Jesus iniciava o trabalho no Flamengo

Renato SalgadoJunho 10, 20208min0

Há um ano, Jorge Jesus iniciava o trabalho no Flamengo

Renato SalgadoJunho 10, 20208min0
Relembre o que o Mister prometeu e cumpriu. Treinador português desembarcou no Rio de Janeiro há um ano e fez trabalho excepcional no Flamengo. O Fair Play relembra as projeções feitas pelo Mister em sua apresentação.

No dia 09 de Junho de 2019, o técnico Jorge Jesus dava início ao trabalho à frente do Flamengo. Seu primeiro desafio na América do Sul era enorme, e sua chegada gerou grande expectativa para o segundo semestre da temporada. O próprio Mister, em sua primeira entrevista no Ninho do Urubu, em 10 de junho de 2019, falou com todas as letras: “Ganhar somente não é o bastante”. Passado um ano, o português tem correspondido com um time que levanta troféus e joga bem.

Nesta entrevista, o Mister fez uma série de projeções sobre o seu trabalho. O Fair Play relembra essas declarações e mostra que o técnico cumpriu com a sua palavra. Ao chegar na Gávea, disse: “Quando você treina uma equipe como o Flamengo, uma das melhores equipes do país, a torcida quer, além das vitórias, qualidade de jogo. Ganhar somente não é o bastante. Quem está no Flamengo tem que perceber a exigência, que é preciso além.”

ALTA PERFORMANCE

“Temos 20 dias para apresentar o trabalho, mostrar aos jogadores nossas ideias, nossos conceitos. Não há novidade. Estou habituado a trabalhar com jogadores brasileiros, são ótimos profissionais. Quero crescer com eles e melhorar não só resultados, mas a qualidade do jogo do Flamengo.”

Em 2019, com Abel Braga na direção do time, o Flamengo atuava de maneira burocrática e, até pelo nível do seu elenco, superior aos rivais do Rio de Janeiro e na fase de grupos da Libertadores, a equipe conseguiu conquistar o título estadual e a classificação para as oitavas de final da Copa. A qualidade do futebol apresentado, porém, não agradava, tampouco inspirava confiança, em  parte da torcida e direção. O retrospecto de 38 vitórias, nove empates e quatro derrotas em 51 partidas evidenciam que a chegada do treinador melhorou os resultados.

TÍTULOS EM SEQUÊNCIA

Em campo, foram várias as demonstrações de qualidade do time comandado pelo Mister, o que também é comprovado pela empolgação da Nação a respeito deste time. Com as vitórias e atuações convincentes vieram os títulos. Brasileirão, Copa Libertadores, Supercopa do Brasil, Recopa-Sul-Americana, Taça Guanabara… São cinco os títulos de Jorge Jesus no Flamengo em um ano. Tais marcas já colocam o português entre os técnicos mais vitoriosos da história do Flamengo.

ESTILO DE JOGO

“Tenho um conceito, mas, antes de qualquer coisa, a evolução do futebol não é ter uma maneira de jogo, mas ter muitas ideias. Essa é a evolução do mundo do futebol. Me arrisco a dizer que não fugirei muito do que o Flamengo tem feito. Claro que com variantes, vou jogar com um primeiro e segundo atacante. Isso que apresentarei. Mas tem muitas variantes defensivas e ofensivas.”

Talvez com a exceção única de seu antecessor imediato, Jorge Jesus tem maior apreço pela posse de bola, assim como os técnicos que estiveram no comando do Fla antes de Abel Braga, como Zé Ricardo, Dorival Júnior e Maurício Barbieri. É claro que, diante das particularidades de cada treinador, o desejo pelo controle do jogo foi de maior ou menor intensidade nas respectivas passagens. As alternâncias no meio de campo e ataque, especialmente entre Arrascaeta, Everton Ribeiro, Bruno Henrique e Gabriel Barbosa, as mudanças na altura da linha de defesa e também na saída de bola – seja com os laterais, Willian Arão ou Diego -, e a utilização de um “9 móvel” foram algumas das variantes táticas prometidas e colocadas em prática (com sucesso) por Jorge Jesus neste ano.

TEMPO DE CONTRATO

“Normalmente faço isso. A partir do momento que saio do meu país, e é minha segunda experiência fora de Portugal. Na Arábia, foi a mesma coisa. A direção queria fazer quatro anos e eu disse que não. Depois, se eu me adaptar e estiverem satisfeitos renovamos. Ninguém fica dependente de ninguém.”

A resposta acima do Mister, dada em 10 de junho de 2019, era sobre o tempo de seu primeiro contrato com o Flamengo, o qual tinha a duração de um ano, se encerrando em meados de junhos de 2020, no meio da temporada do Brasil, caso não tivesse ocorrido a pausa  do futebol devido à pandemia do Covid-19. Contudo, ela serve também para a questão sobre o recém-assinado vínculo do Mister com o clube, estendendo sua passagem até junho de 2021. O desejo da diretoria era de mantê-lo até dezembro de 2021, quando se encerra o mandato do atual presidente Rodolfo Landim, que assumiu o clube em janeiro de 2019.

Após Gabigol e Jorge Jesus, mais renovações próximas

O Flamengo segue trabalhando intensamente com o seu projeto de renovação com o elenco campeão da temporada de 2019. Depois de acertar a renovação do técnico Jorge Jesus até o meio de 2021, que incluiu um aumento significativo em seus vencimentos, além de cláusula de liberação imediata para grandes europeus, o clube mira mais duas renovações com pilares do time, além de sobreviver as investidas do mercado europeu em seus principais destaques.

Diego Alves celebrando gol do Flamengo. Foto: Divulgação/Flamengo

As negociações pelas renovações de Gabriel Barbosa e Jorge Jesus tiveram os desfechos desejados pela Nação: dois dos principais responsáveis pelas conquistas de 2019 seguem no Flamengo. Aliado a isso, o clube contratou reforços, o que ocupou – e muito – Marcos Braz e Bruno Spindel no primeiro semestre deste ano. O trabalho da dupla segue e o foco, agora, passa a ser pelas renovações do goleiro Diego Alves, do lateral Rafinha e do meia Diego.

Em três semanas, Diego Alves e Diego – capitães na ausência de Everton Ribeiro do time – entrarão em seus últimos seis meses de contrato com o Flamengo – o que permite que os mesmos assinem pré-contratos com outros clubes. As suas situações, contudo, são acompanhadas de perto e agora estão entre as prioridades de Braz e Spindel, nomes responsáveis pelo futebol rubro-negro. Os vínculos dos dois se encerram em 31 de dezembro de 2020. No clube desde julho de 2016 e julho de 2017, Diego e Diego Alves são líderes em campo e no vestiário – apesar do camisa 10, sob o comando de Mister, ser reserva – , e viveram boa parte da transformação vivida pelo Flamengo nos últimos anos.

Rafinha completou um ano de clube nesta terça-feira. A adaptação foi a mais rápida possível, com o camisa 13 também tornando-se um dos porta-vozes do grupo de jogadores nas conversas com a diretoria e comissão técnica. As tratativas entre clube e representantes do lateral devem ser retomadas nas próximas semanas mirando a extensão do vínculo – válido até junho de 2021.

Diego comemora gol durante partida semifinal da Copa do Brasil 2017 no estádio do Maracanã, RJ (Photo by Buda Mendes/Getty Images)

Marcos Braz e Bruno Spindel têm boa relação com o empresário Lincoln, que já esteve no Ninho do Urubu em outras oportunidades durante esta temporada. Mais do que reconhecimento aos serviços prestados por Diego Alves, Rafinha – de 34 anos -, e Diego, de 35, o entendimento é de que o trio ainda oferecerá bom futebol ao Fla por mais tempo, além da experiência e espírito de liderança.

Com as finanças do clube sendo impactadas pela crise da Covid-19, o Flamengo também tende a minimizar as buscas por reforços no mercado, uma vez que as receitas com bilheteria e programa de sócio-torcedor, em especial, diminuíram significativamente nos últimos três meses com a paralisação das atividades. O Flamengo vem se “desfazendo” de alguns jogadores oriundos das categorias de base para aliviar sua folha salarial e ter a capacidade financeira de segurar seus principais jogadores. Recentemente, o Tottenham sinalizou com uma proposta de mais de 100 milhões de reais pelo meio-campista Gerson, mas nem o atleta e nem a diretoria do clube pretendem aceitá-la. Vale lembrar que além do Tottenham, Chelsea e Borussia Dortmund também tem interesse pelo atleta e devem fazer propostas na janela de verão europeia.

Marcos Braz durante coletiva de imprensa no Ninho do Urubu (Foto: Alexandre Vidal/Flamengo)

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter