As Mentiras no Futebol: Masal Bugduv, um caso “Tó Madeira” internacional

Francisco IsaacJulho 30, 20195min0

As Mentiras no Futebol: Masal Bugduv, um caso “Tó Madeira” internacional

Francisco IsaacJulho 30, 20195min0
Já ouviram falar de Masal Bugduv? Não? Então fica a conhecer a história de um jogador que não existiu mas que chegou ao top-50 dos melhores jogadores jovens no The Times!

Sabes de algumas maiores “tangas” perpetuadas no Desporto-Rei? Desde jogadores fictícios (Tó Madeira!), a selecções-fantasma a conversas paralelas enganadoras, fomos em busca de 5 das melhores mentiras do futebol! 

QUANDO A IMPRENSA CAI NO LOGRO DE ACREDITAR EM TUDO O QUE LÊEM NA INTERNET

Já ouviram falar do caso Tó Madeira, correcto? Do super futebolista que surgia no CM01 a jogar pelo Gouveia e que ao fim de uma época explodia ao ponto de marcar 50 golos por temporada, mas que afinal não passava de um jogador inventado pelo técnico de observação adjudicado pela EIDOS a Portugal? Pegando neste conceito do jogador “inventado”, vamos então falar de um outro que encheu as capas de jornais em Inglaterra, incluído do reputado The Times: Masal Bugduv.

Um nome “estranho” e desconhecido, mas que durante o ano de 2008 arrebatou alguns sites devido ao seu suposto valor, listado como um dos melhores 50 jogadores jovens do Mundo numa lista que tinha Mesut Ozil, Sergio Aguero, Ever Banega, Karim Benzema, Toni Kroos, Alexandre Pato ou Gerard Piqué. Mas quem é que era Masal Bugduv? De acordo com as informações dispostas na web, era um atleta moldavo que jogava no FC Olimpia Bălţi e já estava cogitado para ser chamado à selecção principal da Moldávia.

As reservas iniciais que surgiram por parte de alguns jornalistas foi rapidamente dissipada quando consultaram artigos da imprensa local moldava ou resumos de jogos, o que conferia uma certa realidade à história. Mais, num desses artigos continha a afirmação que o Arsenal estava já em cima do acontecimento e observava de perto a evolução do novo wonderkid, faltando só o chegar à acordo com a Federação da Moldávia (primeiro sinal estranho da história) para deixar o atleta partir para Inglaterra.

Contudo, nunca ninguém tinha visto o Bugduv a jogar, não havia registo vídeo do mesmo e os únicos dados existentes estavam inseridos no wikipedia, que apesar de ser hoje em dia um local fidedigno para obter informações não o era assim tanto entre 2003-2010. Com o surgimento do nome no The Times, começou um burburinho desenfreado com adeptos de vários emblemas europeus a pesquisar Masal Bugduv quer pela base de dados do FM (não surgia lá, até porque tinha só 16 anos) quer em sites como o Transfermarkt, não encontrando qualquer vestígio sobre o mesmo que não os tais artigos… artigos esses que viriam a ser confirmados como falsos pouco depois.

A imprensa moldava deu conta da invenção e rapidamente informou o The Times que não existia qualquer jogador com o nome de Masal Bugduv e que os artigos que mencionavam o nome eram simplesmente falsos. Mesmo assim, foi necessário o envolvimento de um blogger desportivo chamado de Neil McDonnell para tirar a limpo esta história, com o inglês a chegar rapidamente à conclusão que tudo não passava de uma farsa criada por outros bloggers, tendo alertado que o jornal generalista em que surgiam várias notícias em relação a Bugduv fora criado só para aquele propósito: o Diario Mo Thon traduzido para inglês significa Diary My Ass, o que significa em português de “Jornal Meu Rabo”. Inacreditável, correcto?

Quando os meios de comunicação sociais ingleses começaram a desenrolar o novelo, alguns adeptos irlandeses mais eruditos começaram a fazer a comparação entre o nome de Masal Bugduv com o nome de uma história de Pádraic Ó Conaire (autor irlandês do início do século XX), chamada de m’asal beag dubh, que traduzido significa: “O meu pequeno preguiçoso asno preto” (fazendo o jogo com a palavra inglesa “Ass” novamente). Esta história é sobre um vendedor que consegue enganar tudo e todos ao vender o seu asno de cor negra por um preço exorbitante, apesar deste ser preguiçoso e pouco fã de trabalhar… como é que ele o vendeu então? Ao trazer duas testemunhas, sem qualquer ligação ao vendedor, para afirmarem as excelentes qualidades do burro e que era um animal dotado de uma capacidade para carregar e andar fantástica.

Bomba no The Times, que rapidamente pediu desculpa e removeu o nome de Bugduv da lista, e vergonha partilhada por uma série de sites desportivos britânicos que caíram no erro de escrever vários artigos a falar das supostas grandes qualidades do jovem atleta moldavo sem o terem visto na realidade. Ao fim de vários anos , o autor da mentira admitiu o que fez e explicou o porquê: Declan Varley é o nome do inventor (jornalista irlandês de profissão) e a razão pelo qual criou Bugduv foi simples… estava farto de ver rumores de transferências de jogadores a passarem como notícias reais e que o Mercado estava demasiado louco e estúpido (silly season, correcto?).

Declan Varley recebeu a ajuda de alguns colegas na altura, montou todo um sítio web só sobre Bugduv e foi alimentando o “monstro” com a criação de vários perfis falsos, comentando em diferentes blogs e sites em relação à qualidade do jovem avançado moldavo. O site Slate foi dos primeiros a fazer uma linha cronológica da história e quando a história estava praticamente confirmada como falsa, acabaram por receber um e-mail do suposto agente de Bugduv a dizer que ele era real com mais uma notícia da imprensa oficial moldava em anexo em que surgia o jogador a afirmar que estava irritado por não acreditarem que ele é real.

O Mercado de Transferências pode ser um terreno bem pantanoso e um jornalista irlandês demonstrou como “enganar” até os meios de comunicação social mais reputados a caírem numa artimanha fantástica. Alguém já tentou contratar Bugduv no FM09? Há uma base de dados que traz o moldavo até ao portátil e vale a pena contratá-lo!

 

A tirada do The Times em relação a Bugduv (Foto: The Times)

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter