Pedro Afonso, Author at Fair Play - Página 3 de 6

DUfTKNOWkAAT6K0.jpg?fit=1200%2C800&ssl=1
Pedro AfonsoMarço 10, 20188min0

Numa altura onde a SAD encarnada parece estar a desinvestir na contratação de jogadores para o plantel sénior, urge encontrar soluções dentro dos quadros do clube que colmatem as lacunas que a equipa teimou em demonstrar ao longo desta temporada. O Fair Play traz 5 jogadores emprestados pertencentes aos quadros do SL Benfica que podem ter um papel ativo na próxima temporada dos encarnados.

andrealmeidamaisfutebol.jpg?fit=1024%2C768&ssl=1
Pedro AfonsoFevereiro 11, 20189min0

O Mundo do Futebol reza dos maiores goleadores, dos maiores dribladores, dos jogadores mais vistosos. Contudo, o que seria de Pirlo sem Gattuso, Messi sem Xavi, Ronaldo sem Benzema? Neste artigo, o Fair Play traz 10 jogadores que não recebem o mérito devido por parte de adeptos, comunicação social e, até, de treinadores.

JC_Noticiasaominuto.jpg?fit=1200%2C675&ssl=1
Pedro AfonsoFevereiro 3, 20187min0

Que o plantel encarnado era desequilibrado, já se sabia desde Agosto de 2017. Que Rui Vitória não é um treinador que prime pelo seu modelo de jogo afinado, já se sabe desde que assinou pelo Benfica no Verão de 2016. Que o Benfica nunca conquistou um Pentacampeão, sabe-se desde sempre. Que o Benfica é um clube vendedor, sabe-se desde que LFV assumiu a presidência. Então o que nos trouxe de novo este mercado? A clara ideia de que a estrutura encarnada não está preocupada com conquistar mais um campeonato ou, então, está completamente desligada da realidade futebolística.


Já foi amplamente discutido o papel de Rui Vitória como timoneiro dos encarnados ao longo destes últimos três anos, bem como a sua enorme capacidade de lançar jovens e potenciar jogadores que muitos outros simplesmente descurariam. Contudo, ao contrário daquilo que tinha vindo a acontecer desde há cerca de 10 anos para cá, a tão-aclamada “Estrutura” do SL Benfica não investiu de forma a fornecer as condições mínimas que Rui Vitória necessita para poder conquistar o campeonato. Não que Rui Vitória seja um treinador exigente, bem pelo contrário, a sua passividade é muitas vezes recompensada com uma mão cheia de “nada”.

Da equipa que conquistou o Tetracampeonato inédito, 4 jogadores absolutamente imprescindíveis foram vendidos, por preços, em alguns casos, mal negociados, face ao mercado atual:

  • Ederson
  • Nélson Semedo
  • Victor Lindelof
  • Mitroglou

Se no caso dos três primeiros, a venda poderá ser justificada com potenciais mais-valias económicas, que se veio a provar estarem muito longe do ideal ou do prometido pela Direção, como o caso dos 20M€ lucrados com a transferência de Ederson, a venda de Mitroglou apenas se poderá justificar com uma total inapetência de compreensão futebolística por parte da estrutura, que considerou que um jogador com mais de 50 golos em duas épocas pudesse ser substituído por Jiménez, um dos maiores flops da história do clube, ou Seferovic, que tem vindo a provar o seu estatuto de avançado sem golo ao longo desta época.

Um início auspicioso, mas um eclipse ainda mais célere (Fonte: A Bola)

Tudo isto seria aceitável, se a Estrutura tivesse presenteado Rui Vitória com jogadores de valia inequívoca. Mas a verdade é que os substitutos para os jogadores acima listados foram:

  • Bruno Varela/Svilar
  • Douglas
  • Ruben Dias
  • Seferovic

Esta transição de qualidade é digna de um livro de anedotas futebolísticas e poderia ser considerado, no mínimo, como um ato de má gestão desportiva. Os diversos tiros no pé foram complementados com contratações de jogadores para emprestar a clubes da Liga NOS, sem existir uma clara hipótese de alguma vez vestirem a camisola encarnada, e com a contratação mais cara do defeso ter sido Arango, emprestado ao Desportivo das Aves. Apenas uma das transferências foi acertada: Krovinovic.

O craque croata chegou e lesionou-se logo na pré-época, tendo atrasado a sua afirmação no 11 encarnado. Mas quando teve oportunidade, chegou, viu e venceu. Uma verdadeira formiga no meio-campo, dotado de uma visão de jogo e uma inteligência acima da média, Krovinovic foi o responsável pela mudança de estilo que remodelou o jogo encarnado: a mudança de 442 para 433.

A ascensão do croata obrigou o técnico Rui Vitória a retirar um dos elementos mais avançados que não estavam a ter o rendimento esperado e a complementar Pizzi, a fazer uma época absolutamente medíocre e digna de banco. E foi Krovinovic que “segurou as pontas” de um equipa sem ideias, sem rasgo, completamente amorfa.

Um craque e uma pechincha (Fonte: A Bola)

Chegado o mês de Janeiro, uma hecatombe: Krovinovic lesiona-se e falha o resto da temporada. Se parecia claro que o Benfica não iria atacar o mercado, um verdadeiro paradoxo já que se encontra arredado de 3 das 5 competições onde se encontrava inserido e apenas com possibilidade de conquistar um campeonato partido de trás, da 3ª posição. O Penta parecia não ser prioridade para a estrutura. Mas, nesta fase, um golpe tão profundo fez com que o adepto encarnado esperasse alguma movimentação no mercado. Agora, findado o mercado de Inverno, ficou claro que a lógica não é o motor que rege as decisões para a temporada encarnada.

No meio disto, o técnico ribatejano é obrigado a remendar com o que tem e como que não tem. Neste momento, existem 3 jogadores na calha para suceder a Krovinovic e nenhum parece demonstrar ser uma solução aceitável para o nível do Tetracampeão nacional:

  • João Carvalho -> Um poço de talento, mas muito “verde” e sem rotinas numa posição que pressupõe compensação defensiva e concentração em todas as fases do jogo, algo que o jovem parece ainda não ter. No entanto, de todas as opções disponíveis, assume-se como a hipótese mais forte e mais segura.
  • Zivkovic -> O croata é um extremo, ponto. A ideia de que poderá jogar em zonas mais centrais surge da sua enorme capacidade de ler o jogo e de passe. Mas adaptar um extremo para médio centro/médio ofensivo em pouco menos de um mês é uma ideia mirabolante.
  • Keaton Parks -> O médio norte-americano foi já opção por várias vezes de Rui Vitória em competições das taças. Demonstrou sempre capacidade de leitura de jogo e um bom passe. Mas, à semelhança de um jogador que já vestiu a camisola encarnada (André Gomes), é muito “mole” e não tem a intensidade necessária para assumir o meio-campo encarnado.

Paralelamente, poderemos questionar se André Almeida é suficiente para assumir a lateral direita encarnada de forma consistente (até ao momento, tem provado tudo e todos que estavam errados) e questionar se a saída de Lisandro López, ainda que tenha chegado com 2 ou 3 anos de atraso, se justificava numa altura em que Luisão caminha a passos largos para a reforma, Ruben Dias é uma aposta ainda em fase de afirmação e Jardel vem de uma época em que esteve parado.

O espelho da época encarnada [Fonte: Calcio Mercato]
O único ato de gestão que parece ter sido verdadeiramente inteligente foi o de terminar o empréstimo com Gabigol, um jogador que não trouxe nenhuma mais-valia ao clube encarnado e pareceu sempre mais um elemento desestabilizador do que um elemento útil do plantel.

Rui Vitória tem sido um verdadeiro mágico esta época a encontrar soluções, principalmente defensivas. É verdade que tem um plantel rico em opções, principalmente no ataque, e que a sua qualidade obriga a resultados melhores do que aqueles que tem tido. Mas quem o contratou sabia, ou deveria saber, que o técnico ribatejano é mais um “gestor” do que um “treinador” e que, por isso, necessita de uma grande quantidade de talento à sua disposição, em todas as secções, para singrar.

O Seixal não será sempre garantia de qualidade, as contratações não serão sempre certeiras e as vendas não serão sempre as ideias. Mas existe um mínimo exigível para garantir uma época o menos atribulada possível que não foi, certamente, atingido. Para repensar a abordagem à próxima época, já que esta parece ter o seu destino traçado.

91BU9q8JLNL._SL1500_.jpg?fit=1058%2C1500&ssl=1
Pedro AfonsoJaneiro 28, 20189min1

Mais uma incursão pelo Mundo Virtual do Futebol e mais uma viagem a tempos idos! Desta feita, o Fair Play relembra como era o futebol em 2014, com uma listagem das personagens que já abandonaram os relvados, as putativas estrelas do futuro e uma pequena revisão de alguns plantéis que sofreram as maiores alterações. Entrem na máquina do tempo!!


2014 foi apenas há quatro anos atrás, mas os acontecimentos de então já nos parecem de outra era. Abaixo, podem encontrar uma pequena lista de acontecimentos desse ano:

  • Eusébio morre a 5 de Janeiro
  • Cristiano Ronaldo ganhava a sua 3ª Bola de Ouro
  • O ISIS anuncia a criação de um Califado
  • A Alemanha sagra-se Campeã Mundial, demolindo o Brasil por 7-1 na sua caminhada até à Final
  • José Sócrates é preso preventivamente

Lendas que já deixaram os relvados

Carles Puyol (FC Barcelona | 35 anos)

A figura do defesa central culè com uma farta cabeleira causa ainda reminiscências nos amantes do futebol espanhol. Se as disputas entre Real Madrid e FC Barcelona carregavam em si toda a instabilidade do país irmão, era também Puyol que nos relembrava que o futebol é um desporto, que todos amamos.

Para cada Piqué e cada Sergio Ramos, havia um Puyol e um Xabi Alonso, com uma postura inabalável em campo. A força mental de Puyol é bem espelhada nos seus atributos, onde os vintes em “Liderança”, “Determinação”, “Bravura” e “Trabalho de Equipa” demonstram um jogador que nunca se rendia.

Steven Gerrard (Liverpool | 33 anos)

O histórico médio inglês é, para muitos dos românticos do futebol, um dos últimos bastiões da lealdade e sentimento de pertença a um clube no futebol moderno. Gerrard haveria de abandonar o Liverpool sem conquistar nenhuma Premier League, apesar da conquista da Liga dos Campeões em 2005.

O FM 2014 é um dos últimos jogos onde se pode aspirar a levar Gerrard a conquistar a Premier League que tanto merecia. Quem escolher começar com o Liverpool terá em Gerrard um verdadeiro líder e distribuidor de jogo.

Javier Zanetti (Inter | 39 anos)

Tal como Puyol, Zanetti assume-se como uma personalidade incontornável no futebol, pela sua postura irrepreensível e de uma responsabilidade imensa dentro do emblema italiano. Numa entrevista recente, Zanetti “culpa-se” pela incapacidade de ajudar Adriano “Imperador” aquando da morte de seu pai, demonstrando uma componente humana absolutamente ímpar.

Treinar Zanetti e o Inter de Milão no FM 2014 é treinar uma equipa com uma grave crise de identidade e em necessidade de remodelação. Zanetti será capaz de jogar 1 ou 2 épocas no máximo, mas apresenta aos 39 anos atributos absolutamente incríveis e uma polivalência fora do comum. Um jogador essencial para o balneário e para a defesa “interista”.

Os plantéis dos 3 “grandes”

Há quatro anos atrás, o paradigma do futebol português em nada fazia antever o desenrolar dos acontecimentos até à data de hoje. O FC Porto ganhara 8 dos 10 campeonatos anteriores, o SL Benfica assumia-se como 2º classificado crónico e o Sporting CP passava uma grave crise interna que arredara o clube do pódio nos 2 anos anteriores.

Mas a verdade é que, olhando para os plantéis dos 3 grandes, as mudanças podiam adivinhar-se, se bem que os “prognósticos no final do jogo” sejam mais fáceis. De mencionar que a versão da Base de Dados usada é a versão 14.3, pelo que as transferências de Inverno já haviam acontecido, levando à saída de Matic do SL Benfica, por exemplo.

O plantel encarnado demonstrava uma profundidade fora do comum, com inúmeros jogadores de enorme qualidade e que atualmente povoam outros voos.

Por sua vez, o plantel portista apresentava inúmeras deficiências que demonstravam uma certa inaptidão no ataque ao mercado, fazendo lembrar a abordagem da estrutura encarnada à época atual. Jogadores como Fabiano, Abdoulaye, Licá, Tozé, Josué e Kléber demonstraram não ter qualidade para fazer parte do plantel de um clube como o FC Porto.

Por sua vez, o plantel leonino é de “bradar aos céus”. Muito longe das individualidades que hoje possui, o clube de Alvalade contava com jogadores como Vítor, Shikabala, Maurício, Gérson Magrão, Heldon e Capel, completamente desfasados da realidade do clube e das suas necessidades. Leonardo Jardim fez “omeletes sem ovos”.

Como era o futebol lá fora?

A nível europeu, pouco mudou. Na Alemanha, Bayern era e continua a ser a grande potência, na altura com Guardiola ao comando; em França, o Paris Saint Germain começava a sua caminhada com os petrodólares; em Itália, a Juventus é senhora e rainha; em Espanha, Barcelona continuava a encantar, mas perdia terreno para o Real Madrid, com um Atlético a intrometer-se na luta; em Inglaterra, Sir Alex Ferguson acabara de se reformar e dera o título ao Manchester United, tendo Mourinho regressado a Londres para levar o Chelsea à conquista da Premier League.

A menção ao Dortmund prende-se com o enorme plantel que apresentavam à altura, liderados pelo germânico “louco”, Jurgen Klopp. Olhar para este plantel e compara-lo com o atual faz-nos questionar até que ponto é que a política dos bávaros de Munique não desvirtua toda a competição alemã.

As pérolas por descobrir

Cada FM é rico em jogadores desconhecidos, jovens promessas, prontos para fazer a nossa equipa dar o salto qualitativo e aumentar a conta bancária. Abaixo, uma pequena lista de jogadores a considerar nos vossos “saves”.

Carlos Fierro (Chivas | 18 anos)

O jovem mexicano, atualmente com 23 anos, nunca foi capaz de chegar aos níveis que o simulador mais amado pelos adeptos do “Desporto-Rei” lhe augurava. Contudo, os atributos físicos e técnicos permitem perceber que Fierro encaixava que nem uma luva no papel de avançado móvel.

Atualmente ao serviço do Cruz Azul, o jovem avançado mexicano conseguiu apenas marcar 13 golos em 175 partidas, divididas pelo Chivas e pelo Querétaro, muito longe do mínimo aceitável para um avançado.

Rodrigo Gómez (Argentinos | 20 anos)

Não se deixem enganar pelo nome desconhecido: este jovem extremo direito é um dos maiores talentos que o FM 2014 tem para oferecer. Com uma agilidade e 1×1 estonteantes, Gómez tem uma larga margem de evolução e provará ser uma aposta segura para qualquer “manager” que decida apostar em si.

A verdade é que apesar destes atributos invejáveis, o extremo nunca foi capaz de se assumir no Mundo do Futebol, estando agora ao serviço do Toluca desde 2016, onde apenas participou em 12 jogos.

Donis Avdijaj (Schalke | 16 anos)

O jovem avançado germânico começa a tornar-se um habitué nestas andanças. Contudo, a sua história de sucesso na saga Football Manager começa em 2014. Como se pode ver pelos atributos abaixo, o jovem alemão tem um perfil altamente técnico, perfeito para o papel de falso 9. Aos 16 anos, apresenta atributos verdadeiramente notáveis e é assustador pensar até onde poderá chegar, se bem acompanhado.

O avançado kosovar (abdicou da seleção alemã), joga atualmente no Roda JC da Holanda, por empréstimo do Schalke 04. A sua carreira não tem sido particularmente brilhante, mas a sua idade ainda lhe permite almejar maiores voos.

Andrija Zivkovic (Partizan | 16 anos)

Quem haveria de dizer que um dos maiores talentos do FM 2014 haveria de pisar os relvados portugueses, 3 épocas depois? A verdade é que Zivkovic, atualmente no SL Benfica, ainda não conseguiu confirmar todo o potencial que o simulador lhe augurava, mas para lá caminha, apesar da fraca aposta por Rui Vitória.

Ao contrário de versões anteriores do jogo, o simulador começa a ser cada vez mais realista e a observação de jogadores baseia-se numa extensa rede de colaboração, que contribui para um jogo cada vez mais completo. A complexidade aumenta a cada versão e longe vão os tempos do Tó Madeira e das táticas vencedoras em todas as situações. Um sinal de mudança também para o Futebol? No entanto, teremos sempre os antigos “saves” para nos relembrar de tempos mais fáceis ao leme dos nossos clubes!

Liga_SportZone_Futsal.jpg?fit=919%2C613&ssl=1
Pedro AfonsoDezembro 28, 20176min0

Mais do mesmo. A primeira volta da Liga SportZone trouxe os suspeitos do costume ao 1º lugar, o Sporting CP, seguidos por SL Benfica a 3 pontos, e com um Braga cada vez mais consolidado na 3ª posição, o Campeonato Nacional de Futsal parece cada vez mais destinado a repetir-se, ano após ano. O que poderemos então esperar e ansiar para a segunda metade da Liga SportZone?


As últimas temporadas no Futsal Português têm sido presenteadas com dois fatores comuns: qualidade e previsibilidade. Qualidade de todos os intervenientes, que tornam a Liga Portuguesa cada vez mais apelativa e mais desafiante, e previsibilidade, uma vez que o título com certeza rodará entre dois clubes, SL Benfica e Sporting CP, com este último a dominar largamente o panorama nacional futsalístico dos últimos anos.

Volvidas 15 jornadas, sensivelmente metade do número de jornadas da fase regular, a classificação é a seguinte:

Que ilações podemos retirar?

  1. Que Sporting CP e SL Benfica estão num patamar muito acima do panorama nacional. 15 vitórias em 15 jogos e 14 vitórias em 15 jogos, com apenas uma derrota frente ao Sporting CP, respetivamente, demonstram o fosso abismal entre estas duas equipas
  2. A disputa pelo 3º lugar, apesar de existir um claro domínio por parte do SC Braga/AAUM, começa a ser entre mais clubes, com a clara afirmação do Futsal Azeméis
  3. Apenas 7 pontos separam a linha de água do último lugar de acesso aos play-offs

 

A disputa entre Sporting CP e SL Benfica

O Sporting CP tem sido o carrasco dos últimos anos para o SL Benfica. O plantel absolutamente incrível dos leoninos tem garantido uma total hegemonia a nível interno, bem como a 2ª presença consecutiva na final four da UEFA Futsal Cup. Contudo, apesar da superioridade no confronto direto, o SL Benfica apresenta-se, à 15ª jornada, a apenas 3 pontos do Sporting CP, com apenas menos 1 golo que o adversário em diferença de golos, com mais 2 golos marcados mais 3 sofridos.

Será este o ano em que Joel Rocha conseguirá provar o valor da sua equipa e que o título de 2014/2015 não foi apenas um percalço para a equipa de Nuno Dias?

A equipa da Luz reforçou-se muito e bem, fazendo com que as palavras de Joel Rocha acerca do “plantel internacional” do Sporting CP pareçam apenas uma desculpa para o mau resultado. A perda de Elisandro e a consequente perda de qualidade no jogo de Pivôt foi compensada com a contratação de dois Pivôts de enorme qualidade: Deives Moraes (melhor marcador da Liga SportZone ao momento) e Raúl Campos. Para além disso, as contratações de Roncaglio, André Coelho e Tiago Brito permitem uma maior rotatividade dentro de campo e o uso de um sistema tático muito mais dinâmico e adequado às exigências atuais do futsal. Por outro lado, Robinho veio trazer aquele acrescento de qualidade individual que pareceu sempre faltar à equipa encarnada. A lesão de Chaguinha limitou as esperanças encarnadas, mas a contratação no mercado de Inverno de Fernandinho parece colmatar essa deficiência.

Um novo craque a caminho da Luz [Fonte: Bola na Rede]

Apesar disto, o Sporting CP parece, acima de tudo, mais equipa que o SL Benfica. Se é verdade que em termos de 5 inicial, a diferença entre ambos os plantéis se dissipa, o plantel sportinguista, no seu todo, é muito mais completo e carrega mais qualidade que o do rival. Para além disso, gostando-se ou não do estilo de Nuno Dias, a equipa leonina é a equipa que melhor futsal pratica em Portugal.

A disputa pelo 3º lugar

A enorme temporada de 2016/2017 do SC Braga/AAUM teve um preço: o desfalque do plantel. Os jogadores de maior qualidade foram praticamente todos “roubados” por SL Benfica e outros grandes clubes, sendo que a lesão de Vítor Hugo não veio ajudar as esperanças dos arsenalistas.

Nem todos “trabalham por turnos” [Fonte: Zerozero]

Quem soube aproveitar esta quebra inevitável foi o Futsal Azeméis, que se reforçou com qualidade e procura agora lutar pelo 3º lugar, ainda que esteja a 6 pontos dos minhotos. O mesmo se pode dizer do Modicus, que segue o seu percurso de ascensão na escadaria do Futsal português, com mais uma presença nos play-offs bem encaminhada.

Os últimos lugares para o play-off

Partindo do pressuposto que tanto Sporting CP, SL Benfica, SC Braga/AAUM e Futsal Azeméis e Modicus estarão no play-off (salvo uma segunda volta catastrófica), os últimos 3 lugares do play-off serão decididos, essencialmente, entre 5 equipas: Belenenses, AD Fundão, Rio Ave, Unidos Pinheirense e Burinhosa.

A maior surpresa pelo seu modesto 11º lugar, será o Burinhosa, uma equipa que tem vindo a instalar-se no panorama nacional de futsal e que este ano sofreu uma pequena quebra. Tanto o Belenenses como o AD Fundão serão, à partida, presenças consensuais no play-off, bem como o Rio Ave, que parece estar bem encaminhado para a participação na fase final da competição, fazendo justiça a uma participação que peca por 1 ano.

As presumíveis descidas

Olhando atualmente para a classificação, parece natural considerar o Desportivo das Aves como o maior candidato à descida. Por outro lado, espanta ver o Leões de Porto Salvo, com figuras como Bebé, Teka, Ré, João Marçal e João Silva nos seus quadros, tão mal classificado e apenas com 11 pontos.

O titular da Seleção Nacional [Fonte: Zerozero]

Olhando para a tabela classificativa, o maior candidato à descida, a par com o Desportivo das Aves, será o Fabril Barreiro. Isto devido à sua subida à Liga SportZone na época transacta e devido aos 80 golos já sofridos na atual época.

O mercado de Inverno irá, com certeza, trazer muitos outros desenvolvimentos quanto à composição dos plantéis para atacar a 2ª metade do Campeonato. Os dois primeiros lugares serão, com 99,9% de certeza, atribuídos aos dois rivais lisboetas. O interesse estará, certamente, em saber quais as 3 últimas posições de acesso ao play-off e quem irá descer. Mas não se enganem, a Liga SportZone continua com uma qualidade altíssima e a rivalizar com as maiores ligas europeias!

benfica_expresso-1.jpg?fit=1200%2C800&ssl=1
Pedro AfonsoDezembro 27, 20178min0

O velho ditado “Não se mexe em Equipa que ganha” será com certeza verdade a curto/médio-prazo. Contudo, poucos serão os casos de equipas que mantiveram a sua hegemonia durante anos a fio sem alterações mais ou menos constantes nos seus elementos. A manutenção de um núcleo duro de jogadores Encarnados (Luisão, Jonas, Paulo Lopes, Eliseu) serve o propósito de garantir estabilidade com a ascensão de jogadores jovens. Mas até que ponto é que estes jogadores poderão determinar o rendimento de uma equipa, mesmo que não joguem? E, acima de tudo, serão capazes de suplantar o treinador e impôr a sua vontade e ideais? Terão a atitude necessária para atingir o Penta?


Ancelotti, Mourinho e Ranieri. O que têm em comum estas duas figuras diametralmente opostas em termos de gestão de balneário? Apesar dos seus sucessos enquanto timoneiros de Bayern, Chelsea e Leicester, todos sofreram a “machadada” final após conquistarem o título de Campeões das respetivas ligas.

Um milagreiro caído em desgraça [Fonte: Metro]

Não só têm em comum a conquista de títulos, mas também a queda abrupta de rendimento de alguns dos seus jogadores nucleares: Muller, Boateng, Robben, Diego Costa, Hazard, Fabregas, Vardy, Mahrez, Morgan. Parece pouco provável que todos estes enormes jogadores tenham “desaprendido” o jogo e que o tenham “reaprendido” assim que os seus treinadores foram despedidos. Existiu, de forma mais ou menos concertada, de forma mais ou menos planeada, uma tentativa por parte dos jogadores de mudar o “homem do leme”.

Este introito permite-nos estabelecer, de forma mais ou menos evidente, uma clara relação entre estes casos e o atual SL Benfica de Rui Vitória. A questão tática de disposição de jogadores [ver aqui], seja num 4x4x2, num 4x3x3 ou num 4x2x3x1, assume um plano secundário desde que exista um modelo geral de jogo, noções básicas de como se deve comportar cada jogador em determinadas situações. Se nos parece mais ou menos óbvio que Rui Vitória não é um treinador primoroso na concepção de um modelo de jogo e no seu trabalho, parece evidente que a maior valência do timoneiro ribatejano será a gestão de balneário. Mas será que a gestão de Rui Vitória está a resultar esta época?

Lançamento aparentemente aleatório de jogadores

Se em épocas passadas os jogadores chamados à titularidade por Rui Vitória correspondiam com boas exibições, parece evidente que a maioria dos jogadores que constitui o banco de suplentes do SL Benfica não tem aproveitado as oportunidades que lhes são concedidas.

Rafa, Samaris, Seferovic e Douglas são exemplos de jogadores que simplesmente não têm estado, ou não têm essa capacidade, ao nível exigido para jogar no Tetracampeão nacional. Poderá ser argumentado que estes jogadores não tiveram um conjunto de jogos suficientemente grande e em sequência para poderem mostrar todo o seu valor. Por outro lado, poderá também ser argumentado que o seu nível de desempenho é, em muitas vezes, tão baixo que só poderá ser explicado por um total descomprometimento tático com as ideias da equipa, bem como níveis de concentração reduzidos.

No extremo oposto, encontraremos apostas sem nenhum tipo de justificação e, muitas vezes, continuadas em jogadores que mostraram muito pouco ou até nada ao serviço da equipa [ver aqui]. Diogo Gonçalves tem o condão de ter ultrapassado Cervi, Zivkovic, Rafa e Gabigol sem nunca ter feito exibições que o justificassem. Não impediu a sua titularidade contra o Manchester United e em vários outros jogos até o técnico encarnado ter percebido que o seu contributo para a equipa seria pouco mais que zero. Por outro lado, Felipe Augusto é uma velha “paixão” de Rui Vitória, que gozou de um estado de graça desde a sua chegada, tendo feito inúmeras partidas abaixo de um nível mínimo exigido e apenas sido relegado para a bancada após “desentendimentos” com o público encarnado.

A má forma não explica o descontrolo [Fonte: Record]

“Descontrolo emocional”

As palavras proferidas por Rui Vitória na Conferência de Imprensa demonstram bem uma tendência encarnada para claudicar nos momentos decisivos. Desde a horrorosa campanha europeia, passando pela eliminação da Taça de Portugal e da Taça da Liga, a equipa da Luz parece ser incapaz de segurar vantagens e de garantir níveis de controlo e concentração ao longo dos 90 minutos. Se por um lado poderá existir uma certa displicência na forma como se abordam os momentos de vantagem no marcador, existirá também um fator decisivo que provém de uma filosofia de jogo pouco definida e trabalhada: o cansaço.

À medida que o jogo avança, o cansaço físico e psicológico interferem com as capacidades de um jogador decidir bem em dado momento, toldam a sua inteligência e limitam o seu desempenho. Se, por detrás deste processo natural, existirem poucos mecanismos de compensação através de movimentos sistematizados, todos os erros serão amplificados e, até, coletivos. Assim se explicam as derrotas contra Basileia, CSKA de Moscovo, o empate com o Portimonense, entre muitos outros resultados negativos desta época.

A falta de comprometimento – o exemplo de Pizzi

Que o modelo de jogo do SL Benfica é parco, já o discutimos aqui anteriormente. Que o plantel do SL Benfica está recheado de qualidade, também parece inegável. Então, o que se passa no Reino da Luz?

Fazendo a ponte com o início deste texto, parece cada vez mais claro que o núcleo duro de jogadores encarnados está em fim de ciclo, não tendo sido o seu declínio devidamente acautelado, e que os jogadores simplesmente “desaprenderam” o jogo.

Pizzi não foi o melhor jogador da Liga NOS da época passada por engano: a sua criatividade, passe e poder de chegada à área fazem do médio transmontano um dos valores maiores do nosso pobre campeonato. Contudo, este ano temos visto um Pizzi pouco comprometido defensivamente, recuperando a passo após perder a posse de bola, sem capacidade de ocupação de espaços defensivos, sem critério na própria construção. Para adensar o mistério, as suas substituições e reações intempestivas (veja-se o caso no Dragão), demonstram um mau-estar evidente de Pizzi relativamente à equipa técnica.

Um jogador não pode nunca reagir desta forma contra o seu treinador [Fonte: Record]

Esta falta de comprometimento, principalmente no momento de transição defensiva, fazem com que o Benfica seja, muitas vezes, uma equipa partida, com 5 jogadores a atacar e 5 jogadores a defender, com os primeiros a recuperar a passo. Por muito em baixo de forma que certos jogadores possam estar, será mesmo necessário relembrar que Pizzi foi o melhor jogador da Liga NOS do ano passado, que Samaris foi o “6” titular com JJ à frente de Fejsa na sua última época, que Jardel fez com Luisão uma das melhores duplas de centrais dos últimos anos em Portugal e que Seferovic iniciou a época de forma fulminante?

Ao exemplo de Pizzi pode juntar-se a saída abrupta de Luisão aquando da sua lesão em Vila do Conde (um capitão não aguentaria até aos 90 minutos, pelo menos?), a postura da equipa contra o Basileia na Luz (onde deveriam pelo menos ter obtido 1 ponto para salvar a honra), entre outros episódios lamentáveis da já desastrosa época.

Terá Rui Vitória perdido completamente o balneário? Será que a vontade dos jogadores será de “chutar” o timoneiro para fora da equipa e dar assim um novo rumo, novas ideias e novas esperanças? Algo precisa de mudar no Reino da Luz e Janeiro é o mês ideal.


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS